Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

DER TERRORIST

"Podem ainda não estar a ver as coisas à superficie, mas por baixo já está tudo a arder" - Y. B. Mangunwijaya, escritor indonésio, 16 de Julho de 1998.

Da série "Coisas Verdadeiramente Surpreendentes"

por josé simões, em 05.09.19

 

 

 

               "Deregulating Financial Markets Was 'Stupidity,' Says Schaeuble."

 

 

 

 

O Verdadeiro Artista

por josé simões, em 24.03.19

 

wolfgang-schauble-e-maria-luis-albuquerque.jpg

 

 

"Bem… sinto-me triste, porque tive um papel em tudo isso. E penso como podíamos ter feito as coisas de forma diferente"

Schäuble e a austeridade. “Hoje, penso como podíamos ter feito as coisas de forma diferente

 

[Imagem]

 

 

 

 

Conta-me como foi

por josé simões, em 25.05.17

 

veloso passos montenegro.jpg

 

 

Passos chora a rir na estreia de Centeno.

Era a primeira intervenção do ministro das Finanças no Parlamento. Passos, na primeira fila, não perdeu uma palavra. E riu. Riu muito.

 

E ainda no próprio dia, ideólogos, apóstolos e escudeiros do personagem que é o que escolheu ser, inundaram a rede, e no Twitter e no Facebook o ministro Centeno levou com o trocadilho e passou a ser o "ministro Semtino". E riram. Riram muito.

 

O ministro alemão das Finanças, Wolfgang Schäuble, disse esta terça-feira que Mário Centeno é "o Ronaldo do Ecofin", grupo de ministros das Finanças da União Europeia.

 

 

 

 

A direita filha da puta

por josé simões, em 12.04.17

 

Schauble_Gaspar.jpeg

 

 

A direita filha da puta, habituada a fazer os outros à sua imagem, que no Twitter e no Facebook tratava, e trata, António Costa por "o monhé", "qué flô? qué flô?", sem argumentos arma um escarcéu onde não há nada, absolutamente nada mais do que mesmo que se herr Schäuble fosse de skate, de andas, de sandálias Birkenstock ou em tacões glam New York Dolls, o Governo da direita radical ajoelhoava-se sempre e, não só se ajoelhava, como também rezava.

 

 

 

 

 

Os malucos do riso

por josé simões, em 03.11.16

 

PSD Voto de Condenação n.º 151.jpg

 

 

CDS Voto de Condenação n.º 153.jpg

 

 

[Via]

 

 

 

 

 

Enquanto se fala de Portugal não se fala do Deutsche Bank

por josé simões, em 26.10.16

 

busto.jpg

 

 

E o mínimo que o Governo português podia fazer era chamar o embaixador alemão ao Palácio das Necessidades, para dar um sinal de que estamos vivos, de que temos dignidade, quase mil anos de história, e de que consideramos inaceitável que um qualquer badameco, ainda que investido nas funções de ministro das Finanças de um país da União Europeia, tome a liberdade de se pronunciar sobre a orientação política e económica de um Estado soberano, por um Governo legítimo, eleito em eleições livres e democráticas.


Schäuble: Portugal estava a ser "muito bem sucedido até ao novo Governo"


[Imagem]

 

 

 

 

O Verdadeiro Artista

por josé simões, em 09.10.16

 

Schaeuble.jpg

 

 

Já continuarmos todos a falar todos os dias dos países do sul da Europa, com Portugal e Grécia à cabeça, da dívida soberana e do cumprimento das metas do défice, puxados para qualquer conversa por dá cá aquela palha, nunca é demais.


Germany's Schaeuble says too much talk on Deutsche Bank


[Imagem]

 

 

 

 

Bombardeamento preventivo

por josé simões, em 13.07.16

 

PS_A_Europa_Connosco.jpg

 

 

Ambos (Portugal e a Irlanda) puseram em prática grandes esforços, estão a cumprir o que é pedido pelos programas de ajuda e estão no bom caminho.


Wolfgang Schauble, 18 de Abril de 2013


Quando na Alemanha abordamos as políticas de combate à chamada crise europeia falamos sempre da história de sucesso de Portugal. Estamos muito confiantes e não há nenhum problema.


Wolfgang Schauble, 22 de Maio de 2013


Portugal está no bom caminho.


Wolfgang Schauble, 22 de novembro de 2013


Os países-membros que têm mais sucesso são os que enfrentaram programas de assistência, porque cumpriram a sua missão.


Wolfgang Schauble, 25 de Janeiro de 2014


Portanto tem razão Maria Luís Albuquerque quando, sentada ao lado de Wolfgang Schauble para grego ver, diz que fosse ela ministra das Finanças e nada disto acontecia, com as metas sempre ajustadas de modo a que a realidade encaixasse na teoria. Na realidade são bombardeamentos preventivos, com o alvo aferido para não sair do caminho definido pelos representantes das Goldman Sachs na União Europeia, não com tanta intensidade como na Grécia porque, afinal de contas, o Partido Socialista é o campeão da Europa e da integração europeia e não uns syrizos-trotskistas quaisquer, ainda que os trotskistas estejam hoje exactamente no mesmo sítio onde estavam os partidos ditos do socialismo democrático na Europa dos anos 50/ 60 do século XX, tal foi a viragem à direita e a perda de identidade.

 

 

 

 

Wolfgang Carvalho vs. Bruno Schäuble

por josé simões, em 01.07.16

 

brino carvalho.jpg

 

 

Também Bruno de Carvalho, presidente do Sporting, em vésperas de se saber mais uma penhora às contas do clube ou mais um processo perdido para os credores, aparece nos media a falar do Benfica coisas que só ele sabe, que só ele é que ouviu, a que só ele teve acesso.


Deutsche Bank é o banco com maior risco sistémico do mundo, segundo o FMI

 

 

 

Guardar

Guardar

Um terrorista investido nas funções de ministro

por josé simões, em 29.06.16

 

Andreas-Baader.jpg

 

 

A agência Bloomberg citou esta quarta-feira declarações de Wolfgang Schäuble que diziam que Portugal iria "pedir novo programa" e que iria tê-lo.


Um digno sucessor de Andreas Baader.

 

 

 

 

||| Independência à vontade do freguês

por josé simões, em 22.04.16

 

 

 

A independência do banco central, e do respectivo Governador, inimputável e isento de críticas – pressões inaceitáveis e inqualificáveis da 'esquerda totalitária', só se aplica a Carlos Costa, biombo da direita no Banco de Portugal, apesar das conclusões da Comissão Parlamentar de Inquérito ao BES, renomeado pela direita para o Banco de Portugal, renomeação a pagar, com juros, pelos portugueses, durante os próximos muitos e bons anos. E a independência do Banco Central Europeu, e do seu Governador, também. Até ao dia em que o master fala e as voices escutam atentamente e dizem que sim e argumentam com o inevitável e insuspeito princípio do totalitarismo "manda quem pode" ler "manda quem paga" e a Alemanha é que paga pode.


No BCE a direita da 'escola alemã' não precisa de um biombo, precisa de um sniper.


"Temos um mandato para proporcionar a estabilidade de preços em toda a zona euro e não apenas na Alemanha. Este mandato foi determinado por lei. E nós obedecemos à lei, não aos políticos"

 

 

 

 

||| Da filha da putice

por josé simões, em 11.02.16

 

pizza slut.jpg

 

 

«Schäuble avisa os mercados que os "mercados já estão nervosos


[Imagem]

 

 

 

 

||| E depois?

por josé simões, em 17.01.16

 

familia.jpg

 

 

E o day after ao se "atirar dinheiro para cima", para atender a um problema que inevitavelmente vai ser cultural e civilizacional? [E até porque já passámos da fase dos bairros periféricos de Paris a arder. Next level.]


"Schäuble sugere imposto europeu para ajudar na crise de refugiados"


[Imagem de autor desconhecido]

 

 

 

 

||| Estamos a ouvir, estamos a ouvir...

por josé simões, em 09.11.15

 

Martine Franck. Bibliothèque pour enfants, Clamar

 

 

"Portugal não é diferente de outras democracias na União Europeia. Há eleições e depois os governos são formados. Portugal foi tão bem sucedido, ao longo dos últimos anos, que estou completamente convencido de que prosseguirá este caminho de sucesso"


"Não há muito que eu possa dizer. Trata-se de política nacional em Portugal. [...]. Como sempre, há um governo legítimo em cada país, e é com esse governo que trabalhamos. Resta-nos aguardar"


[Imagem]

 

 

 

 

||| Putedo

por josé simões, em 20.10.15

 

cicciolina.jpg

 

 

A direita que fez pandã com herr Schäuble no sentido de uma saída da Grécia do Euro e que, com muito 'sentido de Estado', mentiu aos portugueses dizendo que tal nunca tinha acontecido, é a mesma direita que anda com os cabelos em pé por causa da recolha de assinaturas do PCP em Bruxelas no sentido do Orçamento comunitário contemplar uma rubrica para financiar saída de Estados da zona Euro.