Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

DER TERRORIST

"Podem ainda não estar a ver as coisas à superficie, mas por baixo já está tudo a arder" - Y. B. Mangunwijaya, escritor indonésio, 16 de Julho de 1998.

É amanhã

por josé simões, em 31.07.20

 

 

 

 

 

Sign O' The Times, XXIX

por josé simões, em 23.05.20

 

1 (58).jpg

 

 

2 (50).jpg

 

 

                Clément Mahoudeau, photojournalist stringer at AFP/ Photo

 

Sign O' The Times, Capítulo XXVIII

 

 

 

 

A privatização das praias

por josé simões, em 22.05.20

 

figueirinha.jpg

 

 

galapos.jpg

 

 

Ver o alegado ministro do Ambiente nas televisões a dizer que não senhor, que não vai haver uma privatização das praias coisíssima nenhuma, que sim senhor, que em Portugal as praias são públicas, como toda a gente sabe, sem explicar, para toda a gente que não sabe, nem se calhar o alegado ministro do ambiente e é por isso que não explica, na versão benigna, porque até pode saber e assobiar para o lado, como é que, por exemplo, nas praias da Figueirinha e Galapos em Setúbal/ Arrábida, na imagem retirada do Maps vazias, talvez início de Junho ou final de Setembro, onde são bem visíveis as concessões e o espaço deixado livre para o pagode que vai ensardinhado na 'camineta da carreira', vão ser cumpridas as regras do distanciamento social - metro e meio entre chapéus de sol e 3 metros entre toldos e colmos, sendo que os donos das praias, também conhecidos por concessionários, já andam também nas televisões a chorar que assim não vai ser rentável e que há que alargar as concessões, aquelas que ninguém sabe quem fiscaliza os metros quadrados de área ocupada, exageradamente ocupada, mesmo em tempo de normalidade, e com a absurda regra de não ser permitido abrir chapéu de sol à frente, coisa que em Espanha, por exemplo, não acontece.

 

Se a ideia é motins na praia em pelo verão, não está nada mal pensado, não senhor.

 

 

 

 

É amanhã

por josé simões, em 31.07.19

 

 

 

 

 

Vou ali e já venho

por josé simões, em 08.08.16

 

praia-vales-dos-homens.jpg

 

 

 

 

 

||| Sinais

por josé simões, em 24.08.14

 

 

 

Quando uma discoteca elitista, como o Seven em Vila Moura, aparece no pico do Verão com spots televisivos a angariar clientes mainstream numa televisão em canal aberto. Pires 'soldado disciplinado' de Lima explica o "viva a recuperação económica".

 

[Imagem]

 

 

 

 

 

 

|| Burn baby, burn

por josé simões, em 20.07.12

 

 

 

Urge reflexão: Estado contrata meios privados para combate a incêndios. Sem incêndios, não sobrevivem. [Fanado ao Tiago no Twitter]

 

[Imagem]

 

 

 

 

 

 

|| Relatório e Contas

por josé simões, em 28.08.11

 

 

Este verão foi assim.

 

[Imagem]

 

 

 

 

 

|| E o rabinho lavado com água das malvas, não?

por josé simões, em 03.05.10

 

 

 

 

Um fulano tem um estaminé mal amanhado numa praia, a maior parte das vezes saído da linha de montagem de algum IKEA para bairros da lata, e onde pratica preços muito acima do mercado (assim de repente cafés a €1 e gelados tabelados a €1. 20 por €2).

 

O estaminé mal amanhado está lá por “direitos adquiridos”, porque o fulano dono do estaminé também é esperto e há muitos anos atrás ocupou espaço público comum e montou negócio.

 

O fulano que tem o estaminé mal amanhado montado numa praia em terrenos de domínio público, chega o Verão e ocupa a praia de uma ponta à outra com barracas, toldos, sombrinhas e espreguiçadeiras, que aluga a preços que fazem o comum dos cidadãos optar por apanhar um cancro na pele e ficar ao Sol naquelas tirinhas que sobram nas extremidades das praias e onde o índice de ocupação é de 10 banhistas por m2, porque sombrinhas e outras coisas à frente da concessão vazia é proibido, enquanto o fulano dono do estaminé safa umas coroas nos intervalos com o aluguer de gaivotas e canoas forradas a autocolantes publicitários ao Ice Tea e Sumol de Laranja.

 

O fulano que é dono de um estamine mal amanhado numa praia em terrenos de domínio público por direitos adquiridos e que enche os bolsos à tripa forra em 3 meses de Verão acha que o contribuinte, perdão o Estado, deve continuar a pagar o seu ordenado e o da sua família a subsidiar o seu negócio.

 

(Em stereo)

 

(Imagem Bathing beach. Circa 1923, a Potomac bathing beaches of Washington, D.C National Photo Company)