Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

DER TERRORIST

"Podem ainda não estar a ver as coisas à superficie, mas por baixo já está tudo a arder" - Y. B. Mangunwijaya, escritor indonésio, 16 de Julho de 1998.

O dia em que o séc. XX foi a enterrar

por josé simões, em 03.09.22

 

Lenine-Estaline-Gorbachev.png

 

 

sem honras de funeral de Estado

 

 

 

 

"o que se impunha era o aperfeiçoamento do socialismo"

por josé simões, em 01.09.22

 

Post-Soviet visual. Magnetic Dress Up Lenin.jpg

 

 

"o que se impunha era o aperfeiçoamento do socialismo". Acabar com a polícia política, libertar os presos políticos e de delito de opinião; legalizar os sindicatos e instituir o direito à greve e à manifestação; autorizar o direito de associação; instituir o multipartidarismo e promover uma democracia parlamentar constitucional; autorizar a livre circulação de pessoas e bens entre repúblicas e para o estrangeiro. Não se sabe, nunca esclarecem, fazem lembrar a direita quando vem com a lengalenga das reformas necessárias. 

 

[Link na imagem "Magnetic Dress Up Lenin"]

 

 

 

 

31 anos depois continuam sem perceber o que aconteceu

por josé simões, em 31.08.22

 

20yearsaftercollapse001-24.webp

 

 

Proclamar o direitos dos povos à autodeterminação e independência, exigir liberdade, democracia e sindicalismo forte e participativo, mais "a paz, a paz, a paz", enquanto se chora o fim da União Soviética ignorando o que a História nos ensina acerca da sua construção. Trinta e um anos depois continuam sem perceber o que aconteceu.

 

[Link na imagem]

 

 

 

 

In Memoriam

por josé simões, em 30.08.22

 

Mikhail Gorbachev.jpg

 

 

Mikhail Gorbachev

 

1931 - 2022

 

[Link na imagem]

 

 

 

 

As paranoias de Estaline na cabeça do neto do cozinheiro de Estaline

por josé simões, em 27.05.22

 

estaline_jornal.jpg

 

 

Quando no seu discurso no Plenário do Comité Central de Fevereiro-Março de 1937, Estaline insistiu muito particularmente na ideia do cerco da URSS, único país «que tinha construído o socialismo», por potências inimigas. Estas potências limítrofes - a Finlândia, os países Bálticos, a Polónia, a Roménia, a Turquia, o Japão - ajudadas pela França e pela Grâ-Bretanha, enviariam para a URSS «exércitos de diversionistas e de espiões» encarregados de sabotar a construção do socialismo. Estado único, sacralizado, a URSS tinha fronteiras «sagradas», que eram outras tantas linhas da frente contra um inimigo exterior omnipresente. Neste contexto, não é surpreendente que a caça aos espiões, isto é, a todos os que tinham algum contacto, por muito ténue que fosse, com «o outro mundo», e a eliminação de uma potencial e mítica «5.ª coluna» tenham estado no cerne do Grande Terror. 

 

In "O Livro Negro do Comunismo", Stéphane Courtois, Nicolas Werth, Jean-Louis Panné, Andrzej Paczkowski, Karel Bartosek, Jean-Louis Margolin, "10 - O Grande Terror (1936 - 1938)", página 234, Quetzal Editores.

 

Oitenta e três anos depois, a Rússia cercada, vítima de todas as malfeitorias, ou  as paranoias de Estaline na cabeça de Putin, neto do cozinheiro de Estaline.

 

[Jornal soviético, na imagem de autor desconhecido]

 

 

 

 

Em cento e poucos anos nada mudou

por josé simões, em 28.04.22

 

lenine_trotski.JPG

 

 

Quando Lenine, a 26 de Outubro de 1917, se dirigiu ao Congresso dos Sovietes para ler o Decreto da Paz, a declaração unilateral de paz que na prática não punha fim à I Guerra Mundial mas antes era uma "incitação à revolta popular, chamando os povos das nações beligerantes para se voltarem contra a guerra, forçando os seus governantes a conversações que pusessem fim ao conflito" proclamou "esperamos que a revolução irrompa em todos os países envolvidos nos conflitos; eis por que nos dirigimos aos trabalhadores da França, da Inglaterra e da Alemanha", com isto inaugurou o que se "tornaria conhecido na política externa soviética como “diplomacia demonstrativa" – aquela cuja intenção não é promover acordos entre governos nacionais que se reconhecem mutuamente, segundo os cânones da lei internacional, mas sim "colocar obstáculos a outros governos e estimular a oposição no seio das nações" [entre aspas Orlando Figes, A Tragédia de Um Povo, editora D. Quixote, 2017], que nos 70s e 80s atingiria a sua expressão máxima com as manifs pacifistas por toda a Europa, no caso específico de Portugal com os concelhos "livres de armas nucleares", os "conselhos para a paz e cooperação", as "associações de amizade" Portugal – URSS e países do bloco soviético, tudo unido numa frente pela paz e para a desmilitarização e desarmamento do… Ocidente, e a reedição de 2022 com os abaixo-assinados, crónicas nos jornais, comentariado nas televisões, pela paz e deposição das armas... ucranianas, "contra a censura" e o "pensamento único dominante", por quem é principescamente pago para escrever e comentar, com uma quantidade de figurantes anónimos úteis a reboque. Em cento e poucos anos nada mudou.

 

 

 

 

Rewind/ Fast Forward

por josé simões, em 21.03.22

 

nuclear war.jpg

 

 

"Guerra Nuclear" lê-se no poster soviético dos anos 80. Putin, apostado em reconstruir o império até às fronteiras da antiga URSS, é suficiente estúpido ou suficientemente louco para não perceber isto?

 

[Link na imagem]

 

 

 

 

101 anos do PCP

por josé simões, em 06.03.22

 

PCP.jpg

 

 

A 18 de Setembro de 1939, um dia depois do início da invasão da Polónia pelo Exército Vermelho, e menos de um mês após o Pacto Molotov-Ribbentrop, o PCP explicou aos seus militantes os motivos da ocupação. Fê-lo através da distribuição clandestina de duas folhas volantes que encontrei em maços do Arquivo do Ministério do Interior, e que tinham sido apreendidas em rusgas e detenções da GNR na Grande Lisboa. Na foto podem ler uma das páginas. (Arq. MI, Torre do Tombo)

 

Incrível como 83 - oitenta e três - 83 anos depois o discurso se mantém o mesmo, inalterado ao longo dos tempos para justificar o injustificável: RDA em 1953, Hungria em 1956, Checoslováquia em 1968, Afeganistão em 1979, e o recente contorcionismo de declarações sobre a invasão russa da Ucrânia.

 

[Link na imagem]

 

 

 

Back in the USSR

por josé simões, em 12.02.20

 

Post-Soviet tattoo.jpg

 

 

[Soviet Visuals]

 

 

 

 

In Memoriam

por josé simões, em 11.10.19

 

Alexei Leonov.jpg

 

 

Alexei Leonov

 

1934 - 2019

 

 

 

 

30 anos

por josé simões, em 24.08.19

 

1 (26).jpg

 

 

2 (24).jpg

 

 

3 (25).jpg

 

 

4 (20).jpg

 

 

5 (18).jpg

 

 

6 (9).jpg

 

 

7 (10).jpg

 

 

8 (5).jpg

 

 

9 (4).jpg

 

 

               Baltic Way

 

 

 

 

How Soviet propaganda glorified British-American successes in WWII

por josé simões, em 06.06.19

 

1 (12).jpg

 

 

2 (13).jpg

 

 

3 (13).jpg

 

 

4 (11).jpg

 

 

5 (11).jpg

 

 

[Aqui]

 

 

 

 

The Manhoff Archives

por josé simões, em 16.11.18

 

Manhoff.jpg

 

 

"Major Martin Manhoff spent more than two years in the Soviet Union in the early 1950s, serving as assistant army attaché at the U.S. Embassy, which was located just off Red Square at the beginning of his time in Moscow.

 

He took full advantage of his post, using his gifted photographic eye to capture hundreds of images of everyday life in Moscow and across the U.S.S.R.

 

When he left the country in 1954 amid accusations of espionage, Major Manhoff took with him reels of 16 millimeter film and hundreds of color slides and negatives he shot during his travels – including of one of the Soviet Union's pivotal events, Josef Stalin's funeral.

 

But after his return to the United States, the trove of rare images lay forgotten, stored in cardboard boxes in a former auto body shop in the Pacific Northwest until its discovery by a Seattle-based historian."

 

The Manhoff Archive of color slides and negatives, 16mm footage, and personal notes and correspondence is divided into four parts.

 

 

 

 

Forty-Five Things I Learned in the Gulag

por josé simões, em 20.06.18

 

Varlam Shalamov.jpg

 

 

For fifteen years the writer Varlam Shalamov was imprisoned in the Gulag for participating in “counter-revolutionary Trotskyist activities.” He endured six of those years enslaved in the gold mines of Kolyma, one of the coldest and most hostile places on earth. While he was awaiting sentencing, one of his short stories was published in a journal called Literary Contemporary. He was released in 1951, and from 1954 to 1973 he worked on Kolyma Stories, a masterpiece of Soviet dissident writing that has been newly translated into English and published by New York Review Books Classics this week. Shalamov claimed not to have learned anything in Kolyma, except how to wheel a loaded barrow. But one of his fragmentary writings, dated 1961, tells us more.

 

 

 

 

*** Serviço Público ***

por josé simões, em 27.03.17

 

SovetskoePhoto 1.jpg

 

SovetskoePhoto 2.jpg

 

SovetskoePhoto 3.jpg

 

SovetskoePhoto 4.jpg

 

SovetskoePhoto 5.jpg

 

 

[Sovetskoe Foto]