Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

DER TERRORIST

"Podem ainda não estar a ver as coisas à superficie, mas por baixo já está tudo a arder" - Y. B. Mangunwijaya, escritor indonésio, 16 de Julho de 1998.

In Memoriam

por josé simões, em 11.10.19

 

Alexei Leonov.jpg

 

 

Alexei Leonov

 

1934 - 2019

 

 

 

 

30 anos

por josé simões, em 24.08.19

 

1 (26).jpg

 

 

2 (24).jpg

 

 

3 (25).jpg

 

 

4 (20).jpg

 

 

5 (18).jpg

 

 

6 (9).jpg

 

 

7 (10).jpg

 

 

8 (5).jpg

 

 

9 (4).jpg

 

 

               Baltic Way

 

 

 

 

How Soviet propaganda glorified British-American successes in WWII

por josé simões, em 06.06.19

 

1 (12).jpg

 

 

2 (13).jpg

 

 

3 (13).jpg

 

 

4 (11).jpg

 

 

5 (11).jpg

 

 

[Aqui]

 

 

 

 

The Manhoff Archives

por josé simões, em 16.11.18

 

Manhoff.jpg

 

 

"Major Martin Manhoff spent more than two years in the Soviet Union in the early 1950s, serving as assistant army attaché at the U.S. Embassy, which was located just off Red Square at the beginning of his time in Moscow.

 

He took full advantage of his post, using his gifted photographic eye to capture hundreds of images of everyday life in Moscow and across the U.S.S.R.

 

When he left the country in 1954 amid accusations of espionage, Major Manhoff took with him reels of 16 millimeter film and hundreds of color slides and negatives he shot during his travels – including of one of the Soviet Union's pivotal events, Josef Stalin's funeral.

 

But after his return to the United States, the trove of rare images lay forgotten, stored in cardboard boxes in a former auto body shop in the Pacific Northwest until its discovery by a Seattle-based historian."

 

The Manhoff Archive of color slides and negatives, 16mm footage, and personal notes and correspondence is divided into four parts.

 

 

 

 

Forty-Five Things I Learned in the Gulag

por josé simões, em 20.06.18

 

Varlam Shalamov.jpg

 

 

For fifteen years the writer Varlam Shalamov was imprisoned in the Gulag for participating in “counter-revolutionary Trotskyist activities.” He endured six of those years enslaved in the gold mines of Kolyma, one of the coldest and most hostile places on earth. While he was awaiting sentencing, one of his short stories was published in a journal called Literary Contemporary. He was released in 1951, and from 1954 to 1973 he worked on Kolyma Stories, a masterpiece of Soviet dissident writing that has been newly translated into English and published by New York Review Books Classics this week. Shalamov claimed not to have learned anything in Kolyma, except how to wheel a loaded barrow. But one of his fragmentary writings, dated 1961, tells us more.

 

 

 

 

*** Serviço Público ***

por josé simões, em 27.03.17

 

SovetskoePhoto 1.jpg

 

SovetskoePhoto 2.jpg

 

SovetskoePhoto 3.jpg

 

SovetskoePhoto 4.jpg

 

SovetskoePhoto 5.jpg

 

 

[Sovetskoe Foto]

 

 

 

 

||| 13 de agosto de 1961

por josé simões, em 13.08.15

 

Berlin-construction-final-land.jpg

 

 

[Imagem]

 

 

 

 

||| Revisionismo é isto

por josé simões, em 29.08.14

 

 

 

A divisão da Polónia entre Estaline e Hitler só foi assinada «depois de os soviéticos terem perdido todas as esperanças numa aliança com ingleses e franceses para travar o nazismo», a ocupação das repúblicas bálticas [Estónia, Letónia, Lituânia] só aconteceu «depois de os soviéticos terem perdido todas as esperanças numa aliança com ingleses e franceses para travar o nazismo», o massacre de Katyn na Polónia só aconteceu «depois de os soviéticos terem perdido todas as esperanças numa aliança com ingleses e franceses para travar o nazismo», o compasso de espera ordenado por Estaline ao Exército Vermelho nas margens do rio Vístula para dar tempo enquanto os nazis na outra margem acabam a operação de limpeza só aconteceu «depois de os soviéticos terem perdido todas as esperanças numa aliança com ingleses e franceses para travar o nazismo», que quase metade dos 23 milhões de soviéticos mortos durante a II Guerra Mundial tenham sido vítimas de um Estaline paranóico e com a mania da perseguição, dedicado a purgar as cúpulas das forças armadas substituídas por fiéis e acéfalos comissários políticos que de guerra não sabiam nada, também foi só «depois de os soviéticos terem perdido todas as esperanças numa aliança com ingleses e franceses para travar o nazismo». A Pátria do PCP parece ser a URSS. É o que temos.

 

[Na imagem poster soviético de propaganda]

 

 

 

 

 

 

||| Entretanto em Budapeste…

por josé simões, em 20.03.14

 

 

 

 

 

 

 

 [Aqui]

 

 

 

 

||| Foi no dia de hoje

por josé simões, em 09.11.13

 

 

 

E deu em directo na MTV.

 

 

 

 

 

 

|| Pelo menos Salazar, que não investia na educação, não podia reclamar lealdade de volta e bico calado

por josé simões, em 06.09.13

 

 

 

É isto, não é?

 

«do jornalista e  «historiador» José Milhazes ( um filho de pescadores graças à ajuda do PCP e da URSS  tirou naquele país um curso superior que cá não poderia tirar)»

 

«Lá vamos, cantando e rindo, Levados, levados, sim, Pela voz de som tremendo, Das tubas, clamor sem fim, Lá vamos, que o sonho é lindo!»

 

[Imagem de autor desconhecido]

 

 

 

 

 

 

|| 20 de Agosto de 1968 – 20 de Agosto de 2013

por josé simões, em 20.08.13

 

 

 

[Imagem de Josef Koudelka]

 

 

 

 

 

 

|| Eu hoje acordei assim

por josé simões, em 05.03.13

 

 

 

 

 

 

 

|| Eu hoje acordei assim

por josé simões, em 03.12.12

 

 

 

 

 

 

 

|| Praga, 21 de Agosto de 1968

por josé simões, em 21.08.12

 

 

 

[Imagem Ladislav Bielik, The End of the Prague Spring]