Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

DER TERRORIST

"Podem ainda não estar a ver as coisas à superficie, mas por baixo já está tudo a arder" - Y. B. Mangunwijaya, escritor indonésio, 16 de Julho de 1998.

A “untouched Atlantic Coast”

por josé simões, em 29.01.08

 

 

 

O Telegraph on-line tem desde ontem na primeira página, na Picture Galleries, uma entrada intitulada “The best of Portugal” que por sua vez linka para um “Portugal 2008: holiday planning guide”.
 
À parte sermos mais competitivos que a Espanha no que realmente conta para qualquer bife que se preze, cervejeiramente falando (não sei se existe o termo): uma Heineken por uma libra contra uma e noventa dois pis aqui ao lado; e no regime de pensão completa: 23. 06 libras aqui, para 46. 13 libras em Espanha; o que salta à vista são as imagens seleccionadas para ilustrar a “brochura”.
 
Com excepção dum interior de hotel, e de um hotel artisticamente encarrapitado numa arriba, são imagens, não digo do tempo de Salazar, mas talvez do tempo de Marcello Caetano. Do tempo em que no Algarve pouco mais havia que algarvios; em que o vinho do Porto era transportado nos barcos Rabelos; um país de humildes casinhas de xisto com roupa a esvoaçar nos estendais e onde os velhos, à falta de melhor, passam os dias a jogar às cartas nas proas dos barcos.
 
Um país com uma “untouched Atlantic Coast”; esperem aí até levarem com os PIN’s
 
Um país onde “many resorts have on-site nannies and all-day activity clubs for children so parents can relax in the spa or play golf”; se os pais da Maddie não fossem burros…
 
Não sei porque é que insistimos em gastar milhões para promover campanhas West Coast; não sei porque é que avançamos alegremente para a destruição de tudo o que resta na “untouched Atlantic Coast” à sombra dos PIN’s; aliás até sei… estava a lembrar-me das declarações do bastonário da Ordem dos Advogados
 
O que “eles” querem não é isso. E para lhes darmos o que querem, damos-lhes fotos dum tempo “antes do tempo”. Andamos a enganar-nos a nós próprios; andamos a enganá-los a eles. Só que o nosso engano trás consequências. Irreversíveis.