Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

DER TERRORIST

"Podem ainda não estar a ver as coisas à superficie, mas por baixo já está tudo a arder" - Y. B. Mangunwijaya, escritor indonésio, 16 de Julho de 1998.

Jornaleiros e jornalismo engagée

por josé simões, em 20.08.18

 

TSF.jpg

 

 

Não sei o que é mais surpreendente, se o argumentum ad hominem do PSD no Twitter à jornalista Sofia Rodrigues do Público, se a "curtição" da TSF ao ataque do PSD.

 

 

 

 

||| 70's em 2015

por josé simões, em 17.09.15

 

simplesmente maria.jpg

 

 

Debates radiofónicos matutinos. Para velhos. E desempregados. Não abrangidos por estágios e acções de formação avulso. Faz sentido no pós troika. É que mesmo nos 70's os folhetins passavam na hora do almoço. Portugal, século XXI, internet, online, redes sociais, interactivo, stream, iPhones e androides e tablets e isso e recibos e facturas electrónicas.


[Imagem]

 

 

 

 

||| Pobres e mal agradecidos, é o que é

por josé simões, em 09.07.15

 

Zuerichs Strassen.jpg

 

 

Se, e segundo a agit-prop do Governo, Portugal é o país da União Europeia que mais cresce, se há mais empresas a abrir do que a fechar, o que não quer necessariamente dizer, e recorrendo a uma expressão cara a este Governo, empresas "a bombar", já que não nos é dito por quanto tempo é que as empresas abrem antes de tornarem a fechar e, como as empresas não podem falir ad eternum, tem de haver um ponto em que as empresas deixam de falir por já não haver mais "em stock" e portanto, a partir daqui, o saldo entre o deve e o haver só pode ser positivo, como e porque é que nos anseios do pagode para a nova legislatura surge, à cabeça, a criação de emprego pelo próximo executivo? Ou são pobres e mal agradecidos ou querem todos ter dois empregos para se empanturrarem em dinheiro, é o que é e só por si choca com a teoria vigente dos malandros do sul que não querem trabalhar.


[Imagem de Zuerichs Strassen]

 

 

 

 

||| Mitos urbanos

por josé simões, em 08.07.15

 

resposta.jpg

 

país.jpg

 

país_.jpg

 

prioridades.jpg

 

 

[Aqui]

 

 

 

||| Physalia physalis [*]

por josé simões, em 11.11.14

 

 

 

A seguir a Cavaco Silva é o político há mais tempo no activo em Portugal, mesmo sem contar com os anos em que, disfarçado de jornalista, fazia política todas as semanas na primeira página de um semanário contra... Cavaco Silva. De cada vez que foi para o Governo foi sempre para fazer exactamente o oposto daquilo que havia prometido em campanha eleitoral. De todas as vezes que saiu do Governo deixou sempre o país sempre pior do que no dia em que entrou. E nunca se cala e nunca se cala e nunca se cala. Não ter cara para não ter a puta da vergonha na cara é isto.


[Imagem]


[*] Physalia physalis

 

 

 

 

|| O Verdadeiro Artista

por josé simões, em 07.09.13

 

 

 

Dois anos, 900 mil desempregados e 50 mil [oficialmente] novos emigrantes depois, descobre aquilo que toda a gente mais avisada já vinha a avisar antes de acontecer, que "o PSD não se preparou para ser Governo".

 

Só que o criador, que já não se baba ao contemplar a criação, nunca irá descobrir que a falta de consistência do discurso não é só em relação à Constituição, vista de uma cervejaria em Munique, mas que a falta de consistência do discurso é a falta de consistência do discurso ponto final, cheio de duplicidade de critérios, igual ao discurso do "pai".

 

[Imagem]

 

 

 

 

 

 

|| Numa coisa estamos de acordo

por josé simões, em 29.02.12

 

 

 

"é preciso olhar às pessoas". E, antes de ler ou ouvir a entrevista, a gente vai olhar para a pessoa que a concede. Para ver se é coisa para se levar a sério ou se é coisa para se dar o desconto.

 

[Imagem]

 

 

 

 

 

 

|| O "17.º mês" de Ângelo Correia

por josé simões, em 29.10.11

 

 

 

"O Verdadeiro Artista" também no Governo Sombra [a partir do minuto 17:40]

 

[Obrigado e obrigado]

 

 

 

 

 

 

|| O mundo "deles"

por josé simões, em 21.04.11

 

 

 

 

 

"socialistas à frente", "recuperação significativa", "empate técnico", "preferência dos inquiridos", "nem o PS nem o PSD conseguiriam uma maioria absoluta". O que a sondagem não projecta é qual o número de cidadãos eleitores que não se vão dar ao trabalho de se deslocar às assembleias de voto no próximo dia 5 de Junho. Por desinteresse, porque estão no seu direito em não o fazer, por descontentamento para com os partidos, para com o sistema politico-partidário, para com os resultados da governação, ou simplesmente porque sim. E devidamente estratificados por motivações. Não projecta mas devia. Assim resta-nos olhar para trás, para as goleadas cada vez maiores com que a abstenção tem vindo a brindar as formações em jogo nestes 30 e muitos anos de Democracia, somar a isto a crise económica e social e arriscar antever um "saldo negativo", um "intervalo [cada vez maior] de (des)confiança", e uma "taxa de resposta" a apontar para a vergonha de todos os intervenientes.

 

 

 

 

 

 

 

 

|| Da série “Grandes Títulos”

por josé simões, em 21.09.10

 

 

 

«Polícia finlandesa procura vigarista muito parecido com Durão Barroso»

 

 

 

 

|| O Verdadeiro Artista

por josé simões, em 16.04.09

 

«O doutor Oliveira e Costa dizia-nos que o problema era o BI e… efectivamente nós como não sabíamos o que era o BI e portanto julgávamos que seria o Bilhete de Identidade portanto… isto que estou a dizer é verdade, pensávamos… pensávamos que era o Bilhete de Identidade… faltar-lhe-á o Bilhete de Identidade mas não, efectivamente infelizmente era o dito buraco de que se falava (…)»

 

Joaquim Coimbra, accionista de referência da SLN, detentora do BPN

 

Vale a pena ouvir de viva voz, e pelo próprio, aqui.

 

(Na imagem Mr.Woo por Mark Johnson)

 

Está tudo maluco? (ou o quê?!)

por josé simões, em 09.01.09

 

«Se Portugal e a Espanha organizassem a fase final do Campeonato do Mundo de Futebol, em 2018, seria positivo para o turismo português em geral e para o algarvio em particular.

 

Estas conclusões resultaram de um inquérito feito pela Entidade Regional de Turismo do Algarve a um painel constituído por agentes do sector, autarcas e organismos oficiais

 

Se o painel tivesse sido alargado às empresas de construção civil, chegar-se-ia à conclusão que era necessário construir pelo menos mais 10 novos estádios de futebol, porque seria positivo para a criação de emprego e para a economia em geral, e para a empresa do Jorge Coelho em particular.


(Foto de Daniel Dal Zennaro via The Independent)

 

 

 

Uma questão de coerência

por josé simões, em 23.10.08

 

Vinha no carro a ouvir a TSF e sai-me uma reportagem da jornalista Maria Augusta Casaca, que foi desencantar em terras do Tio Sam um português com dupla nacionalidade, que deu o salto para os States há já 50 anos para fugir à Guerra Colonial.

 

Diz o Jorge Aleixo, que agora é John Alexander, que vota sempre Republicano, mas que desta vez vai votar contrariado porque o John McCain é demasiado à esquerda.

Uma coisa é um gajo fugir à guerra, a mesma coisa outra coisa é votar no partido que manda/ ou os filhos dos amaricanos para a guerra; digo eu. Coerências.

 

(Foto via British Medical Journal)

 

 

 

Como não acredito nessa coisa da “transmissão de pensamentos”,

por josé simões, em 20.04.08
limito-me - e por ser verdade -, a assinar por baixo. Os dois últimos parágrafos.
 
«O senhor não precisa de elogios, a obra que realizou ao longo destes 30 anos fala por si».
Palavra do Senhor; Silva.
 
“O que eu gostava que um Presidente da República do meu país fosse fazer à Madeira era que, em lugar de se juntar ao coro dos elogios à ‘obra’ do dr. Jardim, tivesse um elogio para os portugueses que, trabalhando e pagando impostos ao longo de trinta anos, contribuíram para que a ‘obra’ se fizesse e para que o dr. Jardim fosse sucessivamente reeleito à conta disso. Que tivesse a coragem de resgatar a divida de gratidão que a Madeira tem para com Portugal e que tem sido paga pelo dr. Jardim com intermináveis insultos e provocações, como se fosse nosso dever pagar e calar em troca do privilégio de a Madeira continuar portuguesa.”
(…)
“Esta viagem de Cavaco à Madeira serviu para me explicar, se eu não soubesse já, qual a razão pela qual jamais votei ou votarei neste homem.”
 
Cavaco No Estrangeiro” por Miguel Sousa Tavares no Expresso.
 
 

Qual foi a parte que eu não percebi?!

por josé simões, em 05.02.08

 

Vinha a conduzir e sai-me Francisco van Zeller no noticiário da TSF. Dizia o presidente da CIP – e cito de cor –, que houve uma cedência aos sindicatos da parte da Comissão do Livro Banco das Relações Laborais. Segundo van Zeller, é necessária mais flexibilização no que concerne aos despedimentos. Por exemplo, uma empresa envelhecida ao nível dos quadros e com dificuldades de adaptação as mercados, deveria poder despedir os “velhos e inadaptados” para renovação da “frota”. Não foram estes os termos usados, mas a ideia base era esta: “despedir por necessidades do mercado”. É deste modo que personalidades da estirpe de van Zeller olham e pensam os trabalhadores – e que até já nem são trabalhadores, mas colaboradores. Consumíveis e descartáveis.
 
Chego a casa e vou direitinho ao sítio da TSF e leio que, “«Tudo o que podemos fazer para facilitar o emprego das pessoas mais velhas é benvindo, porque estas infelizmente na sua juventude tiveram menos oportunidades do que as actuais, havia menos escolarização, menos facilidades e normalmente estão menos bem preparadas em termos de instrução, o que dificulta muito a contratação», defendeu o presidente da CIP”.
 
“Por estes motivos, Francisco van Zeller afirma que faz todo o sentido «prolongar a vida activa», mas é importante que o Governo promova «isenções ou redução dos custos da contratação e da segurança social»”. (Na integra aqui)
 
Uma pergunta inocente: Qual foi a parte que eu não percebi?!
 
(Imagem via Time Magazine)