Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

DER TERRORIST

"Podem ainda não estar a ver as coisas à superficie, mas por baixo já está tudo a arder" - Y. B. Mangunwijaya, escritor indonésio, 16 de Julho de 1998.

Estas coisas não se inventam

por josé simões, em 23.04.21

 

Jacques Henri Lartigue.jpg

 

 

O PSD acusa o Governo de "gestão política caótica, uma galeria de horrores, que retrata o Estado como grosseiramente inepto para gerir" a TAP que é gerida por um militante, antigo deputado e ex-dirigente do PSD. Estas coisas não se inventam.

 

[Link na imagem]

 

 

 

 

A questão que se coloca

por josé simões, em 08.03.21

 

x.jpg

 

 

Dezoito anos passados o que é que o Portugal, o Estado, os portugueses ganharam com a privatização dos serviços de assistência em terra da TAP?

 

[Link na imagem]

 

 

 

 

Um exercício simples

por josé simões, em 31.12.20

 

 

 

Um exercício simples: Imaginar os comentadeiros do PS com lugar cativo nas televisões, replicados nas redes pela tropa fandanga de plantão, com o PSD no Governo e um pantomineiro à nora na Administração Interna, uma suspeita de trafulhice gravíssima com ingerência política na Justiça e o dinheiro do contribuinte a financiar despedimentos na TAP e aumentos pornográficos aos gestores.

 

 

 

 

Anda comigo ver os aviões

por josé simões, em 09.12.20

 

Germany, 1912-1915.jpg

 

 

Diz Catarina Martins que "O pior de tudo seria andarmos a pagar para termos a TAP e no fim ficarmos sem ela." e que "O que é preciso é ter uma estratégia para uma reestruturação da TAP que mantenha com capacidade, que mantenha uma companhia aérea de bandeira, exatamente para não ser um Novo Banco. Novo Banco é gastar muito dinheiro para depois entregar a alguém que o Estado português não controla", um dia depois de se saber que a "Empresa pode precisar de pelo menos mais 1,6 mil milhões até 2024", além dos 1.200 milhões de euros já previstos, um Novo Banco com asas de biplano, a dobrar, as que voam e o dinheiro que voa do bolso do contribuinte, para no fim, empresa limpa e enxuta, ser entregue aos privados pelo próximo governo de direita, algo que só não aconteceu desta última vez porque foi salva in extremis por uma cedência do PS à Geringonça de maneira a não chatear muito os privados, uma "faca de dois legumes", como diria o Jaime Pacheco, em que o Estado é dono de uma empresa que não controla, só entra, como o dinheiro que não há para o Serviço Nacional de Saúde nem para a educação.

 

[Imagem de autor desconhecido]

 

 

 

 

A alegria de ver o banco Totta nas mãos de um português

por josé simões, em 03.07.20

 

António Champalimaud – foto de Alfredo Cunha.jpg

 

Pessoas que vêm com alegria nacional  o que é ter um empresário português, Humberto Pedrosa, como accionista da TAP, estão a gozar com o pagode ou estão a ser gozados? Estamos todos lembrados da miríade de empresas em que foi desmontada a Rodoviária Nacional e das compradas Humberto Pedrosa no processo de privatização? Quantas detém hoje?

 

É legítimo Humberto Pedrosa, ou outro qualquer, comprar barato e vender pelo melhor preço, ou até bender porque lhe apetece ou porque sim, ninguém tem nada a ver com isso, é assim que as coisas funcionam num mercado livre, e nem é isso que está em causa ou passível de discussão sequer. Vivemos numa sociedade capitalista e o dinheiro não tem bandeira, temos pena por quem não percebe as regras. E também é legítimo haver totós, é assim que o mundo funciona.

 

Depois vão andar todos a amaldiçoar o malandro do Champalimaud por ter vendido o Totta aos espanhóis?

 

[Imagem de Alfredo Cunha]

 

 

 

 

Ministros com problemas

por josé simões, em 02.07.20

 

TAP (1).jpg

 

 

O problema dele, nosso, o problema com o ministro Pedro Nuno Santos é acreditar piamente no que diz, no que nos diz, sobre a TAP. Abre a boca e a gente vê que é mesmo aquilo, o homem é genuíno nas convicções, não há ali teatro nenhum. Ao contrário do "antecessor", secretário de Estado Sérgio Monteiro, que vendia banha da cobra em todos os mercados, a dizer-nos olhos nos olhos, sem pestanejar, que uma pedra era um pau, e a seguir vendia a mãe se disso tirasse proveito.

 

 

 

 

As coisas como elas são

por josé simões, em 01.07.20

 

dn (1).jpg

 

O dia em que o Diário de Notícias faz primeira página com o investimento público que não há no Serviço Nacional de Saúde, só palminhas à janela, e os mil e duzentos milhões de euros do dinheiro do contribuinte que o Estado vai enterrar numa empresa falida. Chapéu ao Diário de Notícias.

 

 

 

 

Como dizia o outro, "é fazer as contas"

por josé simões, em 24.06.20

 

guterres.jpg

 

 

Se a TAP deixar de existir nunca mais ninguém anda de avião para lado nenhum. É um bom argumento.

Se a TAP deixar de existir temos um problema com a diáspora, é um óptimo argumento, virgula, já que os portugueses vão deixar de voar em low cost para pouparem dinheiro e chegarem a tempo e horas a qualquer lado e começar a passar a fronteira a salto como no tempo do Salazar.

 

Um milhão e duzentos mil euros do dinheiro do contribuinte enterrados numa companhia falida ou um milhão e duzentos mil euros do dinheiro do contribuinte investidos no Serviço Nacional de Saúde, na educação e na escola pública, e nas polícias. Como dizia o outro, "é fazer as contas".

 

 

 

 

Convinha esclarecer uma quantidade de coisas antes de termos todos de gramar com mais populismo

por josé simões, em 27.05.20

 

tap.jpg

 

 

Gradualmente as empresas privadas de transportes - terrestres, marítimos e aéreos, estão a repor as operações. E fazem-no em função da procura/ volume de passageiros. A TAP, como empresa privada que é, "vai voltar aos céus com 73 rotas a partir de Lisboa e apenas três a partir do Porto".

A TAP, como empresa privada que é, não quer ganhar dinheiro e por isso só retoma três rotas a partir do Porto?

A TAP, como empresa privada que é, está apostada em perder dinheiro com as 73 rotas a partir de Lisboa, que não fazem falta ali mas noutro ponto cardeal?

A administração da empresa privada TAP optou por 73 rotas a partir de Lisboa e três a partir do Porto só para chatear Rui Moreira, o PS Porto, Rui Rio, Pinto da Costa e qualquer um que apareça a falar do centralismo de Lisboa?

A TAP, como empresa privada que é, devia começar já com 10 voos de manhã e mais 10 à tarde, do Porto para algum lado e para lado nenhum, só porque tem as cores da bandeira portuguesa?

A TAP, como empresa privada que é, devia ter gestão pública de atirar dinheiro para aviões vazios porque o Estado detém 50% do capital e é o último a falar e quando chega a sua vez fica calado porque não tem voto na matéria?

É que convinha esclarecer uma quantidade de coisas antes de termos todos de gramar com mais populismo, agora em modo regionalismo-futeboleiro.

 

[Imagem]

 

 

 

 

O regresso do velho PS

por josé simões, em 11.06.17

 

kyle-bean-artisan-brunch.jpg

 

 

José Júlio Pereira Gomes nomeado para chefe das secretas.

Diogo Lacerda Machado nomeado para a administração da TAP.

 

O regresso do velho PS, manhoso, amiguista e tachista.

 

[Imagem]

 

 

 

 

Já se decidiam

por josé simões, em 07.02.17

 

BA Museum.jpg

 

 

Que a TAP devia ser privatizada por todas as razões e também por Portugal ser o único país da Europa com uma companhia aérea de bandeira, porque a excelência da gestão privada, porque acabavam as greves, não em três mas em dois tempos, porque deixava de ser um sorvedouro de dinheiros públicos e por o Estado estar proibido por lei de Bruxelas de injectar dinheiros públicos na companhia [as duas em conjunto] e porque a excelência da gestão privada [outra vez, nunca é demais sublinhar] e blah-blah-blah e a TAP foi privatizada, viva!

 

E a TAP não devia ser desprivatizada pelos geringonços socialistas-comunistas-bloquistas-radicais antes mesmo de ser privatizada, mas já que foi desprivatizada só em 50%, o Estado devia abster-se de fazer ondas e abdicar de interferir na excelência da gestão privada da companhia, excepto se for para meter o bedelho na estratégia comercial da empresa, porque isto aqui [ali] é o Porto, muito liberal, "liberal à moda do Porto" e o coise, o Porto que não tolera insultos nem o centralismo de Lisboa, que isto é tudo concertado e conspirado com a ANA para justificar a construção de um novo aeroporto, onde é que havia ele de ser, em Lisboa, pois claro, e já que o Estado detêm 50% da TAP privada devia fazer valer o peso dos 50% e chamar a excelência da gestão privada da TAP à razão.

 

E conseguem dizer isto tudo de rajada sem se rirem.

 

[Imagem]

 

 

 

 

 

 

||| Nacional-piadismo

por josé simões, em 13.02.16

 

 

 

Pedro Passos Coelho acusa o Governo de falta de transparência no processo de privatização da TAP e espera obter esclarecimentos "o mais rapidamente possível", defendendo, ainda, que o Governo não deve ficar à espera que sejam os partidos a chamar o executivo ao parlamento.


"Esta não é uma maneira correta, adulta, não é uma forma madura de tratar os portugueses e a política portuguesa", disse.

 

 

 

 

||| Agit-prop

por josé simões, em 06.02.16

 

TAP.jpg

 

 

A TAP na teoria é nossa e na prática é deles. Siga.


[Imagem]

 

 

 

 

||| Da execelência da gestão privada

por josé simões, em 03.02.16

 

TAP ticket.jpg

 

 

A TAP anuncia uma ponte aérea entre o Porto e Lisboa para que os passageiros coleccionem pontos em cartão, gastem dinheiro em bilhetes de avião, visitem a capital, ocupem o tempo livre já que não têm mais nada para fazer, apanhem em Lisboa o avião, cheio, que partia, cheio, do Porto com destino a Roma, Milão (Itália), Bruxelas (Bélgica) e Barcelona (Espanha)?


[Imagem]


Adenda: O jornal do militante n.º 1 escreve Milão (Itália), Bruxelas (Bélgica) e Barcelona (Espanha) porque os leitores são ignorantes e não percebem a ponta de um corno de geografia ou é tipo Paris (Texas), Washington (UK) e Setúbal (Brasil)?

 

 

 

 

||| O Verdadeiro Artista

por josé simões, em 02.12.15

 

clown.jpg

 

 

«PSD/Porto quer esclarecimento da tutela sobre fim do longo curso da TAP»


[Imagem]