Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

DER TERRORIST

"Podem ainda não estar a ver as coisas à superficie, mas por baixo já está tudo a arder" - Y. B. Mangunwijaya, escritor indonésio, 16 de Julho de 1998.

Ainda o imbecil português mais vendido em Portugal

por josé simões, em 07.12.20

 

x.jpg

 

 

Partindo da premissa, aventada pelo imbecil mais vendido em Portugal, de que a solução final afinal não foi mais que um acto humanitário, e que os milhões gaseados nos campos de extermínio nazis foram a modos que objecto de uma espécie de caridade cristã para com quem estava em sofrimento provocado por uma fome extrema, ainda assim havia que ter em conta toda construção jurídica que levou a que os judeus fossem proibidos de exercer as suas profissões, manter os seus negócios e fábricas, frequentar as escolas, que não foram proibidos de leccionar, trabalhar, exercer, só porque sim, foi tudo legal, escrito em papel de Lei, como demonstra Richard Lawrence Miller em Justiça Nazi - A Lei do Holocausto, e com isso empurrados para a fome e a miséria. Ainda assim nunca miséria intelectual como a de que padece José Rodrigues dos Santos.

 

[Imagem]

 

 

 

 

A morrer à fome num sótão em Amesterdão

por josé simões, em 07.12.20

 

AnneFrankSchoolPhoto.jpg

 

 

A morrer à fome num sótão em Amesterdão, morta em Bergen-Belsen por razões humanitárias.

 

 

 

 

O holocausto por motivos humanitários

por josé simões, em 06.12.20

 

 

 

Afinal quando o Reinhard Heydrich propôs a "Endlösung der Judenfrage" na conferência de Wannsee foi tipo a Madre Teresa a discursar na ONU pelos famélicos da terra. Este senhor apresenta todos os dias o telejornal na televisão pública.

 

 

 

 

|| La Memoria del Diablo

por josé simões, em 10.10.09

 

 

 

Quando no verão de 1941 recebeu de Himmler a missão de  preparar Auschwitz para o extermínio em massa, escreve Höss que sentiu que naquela ordem “havia algo monstruoso”, mas os argumentos fizeram-no pensar que as instruções eram perfeitamente justificadas. (Tradução minha)

 

«Hablar con Eichmann o tomar copas con Mengele ayudaba al comandante de Auschwitz a vencer los escrúpulos»