Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

DER TERRORIST

"Podem ainda não estar a ver as coisas à superficie, mas por baixo já está tudo a arder" - Y. B. Mangunwijaya, escritor indonésio, 16 de Julho de 1998.

O regresso dos meninos roubados pelo franquismo

por josé simões, em 14.03.19

 

Spanish_War_Children.jpg

 

 

"Durante décadas, milhares de crianças foram afastadas das mães, logo após o parto, e entregues como filhos biológicos a outras famílias. O que começou como uma repressão política, logo após a Guerra Civil espanhola, converteu-se num negócio organizado por médicos, padres e freiras [...]".

 

Mais de 40 anos passados sobre a restauração da democracia o Partido Popular espanhol, descendente directo da Aliança Popular fundada por ex dirigentes franquistas, o partido onde Paulo Portas foi a estrela circense na animação das massas com o mui aplaudido número de stand up "o socialista é muito bom a gastar o dinheiro dos outros", o Partido Popular espanhol sentado na bancada do Partido Popular Europeu ladeado por Paulo Rangel e por Nuno Melo enquanto gritam e esbracejam "E a Venezuela?! E a Venezuela?! Na Venezuela ninguém fala!", o Partido Popular espanhol para fazer face ao "inverno demográfico que Espanha enfrenta, um problema para o Estado de bem-estar e para o futuro das pensões", propõe que "uma mulher que estiver em Espanha sem documentação [se] decidir entregar o seu filho para a adopção, passa a ficar protegida da deportação, ainda que por tempo limitado (podendo ainda, no futuro, vir a ser mandada para o seu país de origem, apesar de já ter abdicado do filho".

 

É no século XXI e aqui mesmo ao lado. E contra isto a polémica da volta ao mundo dada por aquele boneco em bronze que está mesmo no meio da Praça do Chile em Lisboa é limpar o rabo a meninos, indocumentados ou dados para adopção.

 

["Niños robados por el franquismo" na imagem]

 

 

 

 

Ao menino e ao borracho

por josé simões, em 28.05.18

 

 

 

Do Mali para o Burquina Faso, do Burquina Faso para o Níger, do Níger para a Líbia, da Líbia para Itália, de Itália para um 4.º andar em Paris, França.

 

Ao menino e ao borracho mete Deus a mão de um sem-papéis por baixo.