Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

DER TERRORIST

"Podem ainda não estar a ver as coisas à superficie, mas por baixo já está tudo a arder" - Y. B. Mangunwijaya, escritor indonésio, 16 de Julho de 1998.

I Want to Believe

por josé simões, em 23.06.22

 

U-F-O.png

 

 

Como correram bem para o Estado, e com grande proveito para o erário público, o bolso do contribuinte, a qualidade dos serviços prestados - não obrigatoriamente por esta ordem, as privatizações das telecomunicações, dos CTT, da GALP, das barragens, da rede eléctrica, da EDP, das celuloses e cimenteiras, começa agora uma "vaga de fundo" para a privatização da saúde, quer seja pela retirada de competências ao Serviço Nacional de Saúde, quer pela entrega de hospitais públicos a grupos privados de saúde. Até quando as pessoas vão engolir que o privado - particular, que é condicionado ou reservado, é melhor que o público - para o uso de todos, relativo ou pertencente ao povo, à população?

 

[Imagem de autor desconhecido]

 

 

 

 

"blah blah blah... aaa... blah blah blah... aaa... blah blah blah... aaa..."

por josé simões, em 15.06.22

 

David Pollot.jpg

 

 

"blah blah blah... aaa... blah blah blah... aaa... blah blah blah... aaa...", nunca tínhamos visto a dona Marta Temido tão temida e enrolada no próprio discurso. António Costa, chegado há bocado de Neptuno, e que não é primeiro-ministro há quase cinco anos nem pouco mais ao menos, reconheceu que "há um problema no Serviço Nacional de Saúde". É um bom começo de conserva, perdão, conversa, conserva, or ever, para a "comissão de acompanhamento" que o  Governo vai nomear, e que, na velhilíngua, significa que o Governo se está a borrifar para o assunto e vai deixar empastelar a coisa durante uns meses, até o pico das festas com feriados e as férias de verão passarem. Na melhor das hipóteses uns anos até se voltar a falar nisto outra vez. A dona Marta Temido diz que o Governo, que não abre a mão do dinheiro dos contribuintes para pagar decentemente aos profissionais de saúde, está disponível para estudar acordos com privados. Foi você que pediu uma maioria absoluta e um Orçamento de Estado mais à esquerda desde que existe Orçamento de Estado e esquerda?

 

[Link na imagem]

 

 

 

 

A direita a gostar dela própria

por josé simões, em 13.01.21

 

Jackson Hallberg.jpg

 

 

Requisição civil dos estivadores por uma greve, reivindicativa salarial e contra a precariedade, que bloqueia a economia? Pode.

 

Requisição civil dos hospitais privados por causa de uma pandemia que mata, entre outros, os estivadores necessários à economia paralisada pela Covid? Não pode.

 

[Imagem de Jackson Hallberg]

 

 

 

 

Agora com um desenho

por josé simões, em 03.12.20

 

Sem Título.jpg

 

 

Que é o que consta nos programas, que ninguém lê, do Chaga e do Iniciativa Liberal, privatizar a saúde e a educação, liberdade de escolha, bla bla bla, a excelência do privado, bla bla bla.

 

[Gravel Institute]

 

 

 

 

Não ter a puta da vergonha na cara é isto

por josé simões, em 07.11.20

 

gesto.jpg

 

 

Jorge Roque da Cunha, ex deputado do PSD, presidente no Sindicato dos Médicos, e Ana Rita Cavaco, ex-conselheira nacional de Pedro Passos Coelho, comissária política do PSD na Ordem dos Enfermeiros, nas televisões preocupados com a fuga de profissionais qualificados do Serviço Nacional de Saúde para o estrangeiro, saídos da "zona de conforto", atraídos pelos altos salários que não há no país onde "baixar os custos do trabalho foi a reforma que ficou por fazer". Não ter a puta da vergonha na cara é isto.

 

[Imagem de autor desconhecido]

 

 

 

 

Votar com a direita e governar à direita

por josé simões, em 04.11.20

 

Brian Rea.jpg

Dinheiro dos nossos impostos que em vez de ser aplicado no Serviço Nacional de Saúde é entregue a privados da saúde negócio: "CUF assina protocolo para auxiliar o SNS no norte do país: €1962 nos casos com menor gravidade e €12.861 nos graves".

 

melhor negócio do que a saúde só o das armas", Isabel Vaz, CEO da Espírito Santo Saúde. O Partido Socialista nunca desilude.

 

[Imagem]

 

 

 

 

Percebem?

por josé simões, em 03.11.20

 

Martin Parr.jpg

 

 

 

"CDS apoia requisição civil e volta a defender alteração à lei da greve"

 

O CDS-PP apoiou a decisão do Governo de decretar a requisição civil dos motoristas em greve e reiterou a sua disponibilidade para discutir uma alteração à lei da greve, que considera estar desadequada da realidade.

 

 

"Ontem foi dada a garantia ao CDS, por parte do senhor Presidente da República, de que no quadro do próximo estado de emergência não está equacionada uma requisição civil dos serviços de saúde" do setor privado e social"

 

uma requisição civil nos termos em que está a ser estudada pelo Bloco de Esquerda é manifestamente inaceitável no quadro do Estado de direito democrático e de uma relação saudável entre os vários sistemas que complementarmente podem ajudar os doentes covid e não covid nesta situação de emergência

 

[Imagem]

 

 

 

 

Que a saúde nunca vos falte

por josé simões, em 20.10.20

 

Elmo Tide.jpg

 

 

Liberais que não só acham um salário mínimo, que garanta um mínimo de dignidade a quem o aufere, impedimento para a criação de emprego e gerador de desemprego e miséria, como  defendem uma economia a competir pelos baixos salários, muitas horas por dia e poucos dias de descanso, incomodados com o "trabalho escravo" que é a hipótese defendida por Ana Gomes da requisição pelo Estado dos hospitais privados para fazer face à segunda vaga da Covid 19. Que a saúde nunca vos falte para aprenderem a diferença entre trabalho escravo, regulação do mercado do trabalho, requisição civil e parvoíce disfarçada de teoria económica.

 

[Imagem]

 

 

 

 

Sign O' The Times, XX

por josé simões, em 06.05.20

 

Banksy.jpg

 

 

               Banksy no Instagram

 

Sign O' The Times, Capítulo XIX

 

 

 

 

Informação de qualidade e isenção é o que se espera da televisão pública

por josé simões, em 30.01.20

 

Mary Delaney Cooke - Corbis - Getty Images.jpg

 

 

Uma pessoa desequilibrada agride uma médica numa urgência psiquiátrica e o evento é apresentado no telejornal da RTP 1 como exemplo de agressão a profissionais de saúde num trabalho sobre as agressões no Serviço Nacional de Saúde [nos idos de Correia de Campos todos os dias nascia uma criança numa ambulância].

 

O que se espera da televisão pública é informação de qualidade e isenção que as televisões privadas não têm, subjugadas que estão à agenda da saúde privada [principal beneficiária da campanha cerrada de desinformação e ataque, em curso contra o SNS], pela dependência das receitas publicitárias, provenientes dos grupos económicos proprietários de hospitais privados, seguros de saúde, e com participação accionista nos media, quer pela orientação política e ideológica da redacção, nomeada pelo accionista, perante o qual responde através de resultados e objectivos pré estabelecidos pelo grupo, numa lógica de funcionamento em circuito fechado.

 

[Imagem]

 

 

 

 

Não ter a puta da vergonha na cara é isto

por josé simões, em 12.01.20

 

Linder Sterling.jpg

 

 

"Existe um sentimento de impunidade porque estes julgamentos demoram demasiado tempo". Não, o bastonário da Ordem dos Médicos, no Opinião Pública/ SIC Notícias, não se estava a referir às participações na Ordem que "bastoneia" por má prática médica, era da recente vaga de agressões a médicos e profissionais de saúde agressões falava. Da justiça pública, não da justiça privada-corporativa da Ordem dos Médicos, das eternidades e dos arquivamentos.

 

[Imagem]

 

 

 

 

O síndrome do Chefe

por josé simões, em 18.12.19

 

simpsons.jpg

 

 

Os médicos são os mesmos, os enfermeiros são os mesmos, os técnicos de diagnóstico são os mesmos, os funcionários administrativos são os mesmos, os auxiliares são os mesmos. Agarramos e pregamos com eles no hospital de Setúbal, no hospital de Almada, ou até deixamo-los ficar onde estão e mudamos a administração do privado para o Estado, já em 2021 como programado pela 'geringonça' com grande alegria e satisfação, para os resultados serem diferentes e voltarmos ao tradicional descalabro dos custos a dispararem, rebaldarias de entradas e saídas, atrasos acumulados, desperdício de recursos, atendimento por obrigação como se todo o mundo lhes devesse. Tudo se resume a hierarquia, autoridade e disciplina. E vale para toda a administração pública por mais que custe à esquerda.

 

O Hospital de Vila Franca de Xira, gerido em regime de Parceria Público-Privada (PPP), permitiu ao Estado uma poupança estimada de 30 milhões de euros entre 2013 e 2017 face aos custos estimados na gestão pública.

 

 

 

 

Uma hipótese a considerar?

por josé simões, em 21.10.19

 

NOT WAVING BUT DROWNING Tim Fishlok.jpg

 

 

E se todas as mal-formações foram mesmo todas detectadas pelo obstetra mas não declaradas por o senhor ser contra o aborto, via interrupção médica da gravidez, contra os seus princípios religiosos, um fundamentalista católico?

 

[Imagem]

 

 

 

 

Ministério da Trafulhice

por josé simões, em 17.07.19

 

zelf verkort Arnout van Albada.jpg

 

 

Rui Rio "quer financiar hospitais públicos em função de resultados". Rui Rio quer aplicar ao Serviço Nacional de Saúde a mesma receita que os liberais do "menos Estado" e da "liberdade de escolha" aplicaram à educação, meter os hospitais a escolher os doentes que recebem, deixar de fora os mais problemáticos e aqueles onde a idade e a esperança de vida sejam um factor determinante nos resultados a apresentar, "martelanço" de resultados para atingir a ambicionada verba meta do financiamento público. Rui Rio quer hospitais de primeira e de segunda para portugueses de primeira e de segunda. Rui Rio desconhece a máxima "com a saúde não se brinca" e quer mudar o nome ao ministério, da Saúde para da Trafulhice.

 

[Imagem]

 

 

 

 

Não ter a puta da vergonha na cara é isto

por josé simões, em 26.04.19

 

fuck off 2.jpg

 

 

"A primeira e maior preocupação do @_CDSPP em relação à Lei de Bases da Saúde é que as populações sejam servidas com qualidade e com tempo. Queremos servir todos os portugueses e servi-los com qualidade e com o menor custo possível para o contribuinte, certamente.", Assunção Cristas no Twitter.

 

"Portugal cortou nas despesas de Saúde o dobro do que era exigido no memorando de entendimento com a ‘troika’.", o Governo onde Assunção Cristas era ministra e assinava resoluções bancárias de cruz e com os pés de molho numa piscina no Algarve.

 

[Imagem de autor desconhecido]