Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

DER TERRORIST

"Podem ainda não estar a ver as coisas à superficie, mas por baixo já está tudo a arder" - Y. B. Mangunwijaya, escritor indonésio, 16 de Julho de 1998.

As propostas da direita para a saúde desmontadas por quem menos se esperava

por josé simões, em 14.12.23

 

doctor.jpg

 

 

O Serviço Nacional de Saúde, que "é de má qualidade", que "presta um mau serviço às populações", que "é um sorvedouro de dinheiros públicos", para já não falar nas constantes greves e paralisações, e que por isso é para privatizar ou para transformar numa imeeeeensa ADSE, afinal é o preferido pelos portugueses que vivem e trabalham em países alegadamente muito mais desenvolvidos, onde a saúde é um negócio a cargo dos seguros ou do cheque-saúde, as propostas apresentadas pela direita, os exemplos que vai buscar como solução para os males do SNS.

As propostas da direita para a saúde e para o SNS desmontadas por quem menos se esperava e que fez oportunisticamente saltar dos buracos "em sua defesa" aqueles que querem acabar com ele tal e qual o conhecemos, dos sem problemas em assumirem ao que vêm aos que camuflaram o programa depois de publicamente desmontado.

 

[Imagem de autor desconhecido]

 

 

 

 

A arte de apontar aos outros todos os males de que padecemos

por josé simões, em 04.07.23

 

1 (16).jpg

 

 

"Uma visão descomplexada onde a ideologia não tenha preponderância" dizem eles com a maior cara de pau e o maior complexo contra o serviço público e a maior carga ideológica que lhes mostra só virtudes no sector privado. A arte de apontar aos outros todos os males de que padecemos.

 

 

 

 

A infantilização do eleitorado

por josé simões, em 03.07.23

 

1 (15).jpg

 

 

Luís Montenegro, para não lhe estarem sempre a apontar que o seu PSD não tem nada para apresentar sobre coisa alguma, mandou Miguel Pinto Luz à televisão do militante n.º 1 para uma entrevista onde conseguiu dizer tudo e o seu contrário, dizer tudo a que o PSD se propõe para a saúde, mesmo que vá contra a tudo a que o PSD sempre defendeu para a saúde, e não dizer nada a entrevista toda, além de invocar uma proposta que o PSD tinha em 1979 para o SNS que, tirando o ter votado contra, ninguém sabe qual foi. 50 anos depois do 25 de Abril os pantomineiros continuam o seu caminho.

 

[Link na imagem]

 

 

 

 

O país dos inteligentes

por josé simões, em 14.10.22

 

shatart88.png

 

 

Propõem fechar urgências obstétricas na Beira Interior, depois o Governo, este ou outro qualquer, cria incentivos para fixar população na Beira Interior. O país dos inteligentes.

 

[Link na imagem]

 

 

 

 

O Verdadeiro Artista

por josé simões, em 31.08.22

 

clown.jpg

 

 

o programa do governo para a Saúde não foi aprovado por uma maioria dos portugueses, mas apenas pela maioria dos que votaram

 

 

O chamado "argumento do caralho", em português corrente, na base do qual nenhum governo governava em lado nenhum do planeta, à excepção das democracias chinesa, norte-coreana, ou bielorussa, claro.

O programa do presidente da câmara para o ambiente [por exemplo] não foi aprovado pela maioria dos municipes, mas apenas pela maioria dos que votaram. O programa do Presidente da República não foi aprovado pela maioria dos portugueses, mas apenas pelos que votaram. O programa do bastonário da Ordem dos Médicos não foi aprovado pela maioria dos médicos, mas apenas pelos que votaram. O comissário político do PSD na Ordem dos Médicos tirou o mandato para gozar com os portugueses.

 

[Link na imagem]

 

 

 

 

I Want to Believe

por josé simões, em 23.06.22

 

U-F-O.png

 

 

Como correram bem para o Estado, e com grande proveito para o erário público, o bolso do contribuinte, a qualidade dos serviços prestados - não obrigatoriamente por esta ordem, as privatizações das telecomunicações, dos CTT, da GALP, das barragens, da rede eléctrica, da EDP, das celuloses e cimenteiras, começa agora uma "vaga de fundo" para a privatização da saúde, quer seja pela retirada de competências ao Serviço Nacional de Saúde, quer pela entrega de hospitais públicos a grupos privados de saúde. Até quando as pessoas vão engolir que o privado - particular, que é condicionado ou reservado, é melhor que o público - para o uso de todos, relativo ou pertencente ao povo, à população?

 

[Imagem de autor desconhecido]

 

 

 

 

"blah blah blah... aaa... blah blah blah... aaa... blah blah blah... aaa..."

por josé simões, em 15.06.22

 

David Pollot.jpg

 

 

"blah blah blah... aaa... blah blah blah... aaa... blah blah blah... aaa...", nunca tínhamos visto a dona Marta Temido tão temida e enrolada no próprio discurso. António Costa, chegado há bocado de Neptuno, e que não é primeiro-ministro há quase cinco anos nem pouco mais ao menos, reconheceu que "há um problema no Serviço Nacional de Saúde". É um bom começo de conserva, perdão, conversa, conserva, or ever, para a "comissão de acompanhamento" que o  Governo vai nomear, e que, na velhilíngua, significa que o Governo se está a borrifar para o assunto e vai deixar empastelar a coisa durante uns meses, até o pico das festas com feriados e as férias de verão passarem. Na melhor das hipóteses uns anos até se voltar a falar nisto outra vez. A dona Marta Temido diz que o Governo, que não abre a mão do dinheiro dos contribuintes para pagar decentemente aos profissionais de saúde, está disponível para estudar acordos com privados. Foi você que pediu uma maioria absoluta e um Orçamento de Estado mais à esquerda desde que existe Orçamento de Estado e esquerda?

 

[Link na imagem]

 

 

 

 

A direita a gostar dela própria

por josé simões, em 13.01.21

 

Jackson Hallberg.jpg

 

 

Requisição civil dos estivadores por uma greve, reivindicativa salarial e contra a precariedade, que bloqueia a economia? Pode.

 

Requisição civil dos hospitais privados por causa de uma pandemia que mata, entre outros, os estivadores necessários à economia paralisada pela Covid? Não pode.

 

[Imagem de Jackson Hallberg]

 

 

 

 

Agora com um desenho

por josé simões, em 03.12.20

 

Sem Título.jpg

 

 

Que é o que consta nos programas, que ninguém lê, do Chaga e do Iniciativa Liberal, privatizar a saúde e a educação, liberdade de escolha, bla bla bla, a excelência do privado, bla bla bla.

 

[Gravel Institute]

 

 

 

 

Não ter a puta da vergonha na cara é isto

por josé simões, em 07.11.20

 

gesto.jpg

 

 

Jorge Roque da Cunha, ex deputado do PSD, presidente no Sindicato dos Médicos, e Ana Rita Cavaco, ex-conselheira nacional de Pedro Passos Coelho, comissária política do PSD na Ordem dos Enfermeiros, nas televisões preocupados com a fuga de profissionais qualificados do Serviço Nacional de Saúde para o estrangeiro, saídos da "zona de conforto", atraídos pelos altos salários que não há no país onde "baixar os custos do trabalho foi a reforma que ficou por fazer". Não ter a puta da vergonha na cara é isto.

 

[Imagem de autor desconhecido]

 

 

 

 

Votar com a direita e governar à direita

por josé simões, em 04.11.20

 

Brian Rea.jpg

Dinheiro dos nossos impostos que em vez de ser aplicado no Serviço Nacional de Saúde é entregue a privados da saúde negócio: "CUF assina protocolo para auxiliar o SNS no norte do país: €1962 nos casos com menor gravidade e €12.861 nos graves".

 

melhor negócio do que a saúde só o das armas", Isabel Vaz, CEO da Espírito Santo Saúde. O Partido Socialista nunca desilude.

 

[Imagem]

 

 

 

 

Percebem?

por josé simões, em 03.11.20

 

Martin Parr.jpg

 

 

 

"CDS apoia requisição civil e volta a defender alteração à lei da greve"

 

O CDS-PP apoiou a decisão do Governo de decretar a requisição civil dos motoristas em greve e reiterou a sua disponibilidade para discutir uma alteração à lei da greve, que considera estar desadequada da realidade.

 

 

"Ontem foi dada a garantia ao CDS, por parte do senhor Presidente da República, de que no quadro do próximo estado de emergência não está equacionada uma requisição civil dos serviços de saúde" do setor privado e social"

 

uma requisição civil nos termos em que está a ser estudada pelo Bloco de Esquerda é manifestamente inaceitável no quadro do Estado de direito democrático e de uma relação saudável entre os vários sistemas que complementarmente podem ajudar os doentes covid e não covid nesta situação de emergência

 

[Imagem]

 

 

 

 

Que a saúde nunca vos falte

por josé simões, em 20.10.20

 

Elmo Tide.jpg

 

 

Liberais que não só acham um salário mínimo, que garanta um mínimo de dignidade a quem o aufere, impedimento para a criação de emprego e gerador de desemprego e miséria, como  defendem uma economia a competir pelos baixos salários, muitas horas por dia e poucos dias de descanso, incomodados com o "trabalho escravo" que é a hipótese defendida por Ana Gomes da requisição pelo Estado dos hospitais privados para fazer face à segunda vaga da Covid 19. Que a saúde nunca vos falte para aprenderem a diferença entre trabalho escravo, regulação do mercado do trabalho, requisição civil e parvoíce disfarçada de teoria económica.

 

[Imagem]

 

 

 

 

Sign O' The Times, XX

por josé simões, em 06.05.20

 

Banksy.jpg

 

 

               Banksy no Instagram

 

Sign O' The Times, Capítulo XIX

 

 

 

 

Informação de qualidade e isenção é o que se espera da televisão pública

por josé simões, em 30.01.20

 

Mary Delaney Cooke - Corbis - Getty Images.jpg

 

 

Uma pessoa desequilibrada agride uma médica numa urgência psiquiátrica e o evento é apresentado no telejornal da RTP 1 como exemplo de agressão a profissionais de saúde num trabalho sobre as agressões no Serviço Nacional de Saúde [nos idos de Correia de Campos todos os dias nascia uma criança numa ambulância].

 

O que se espera da televisão pública é informação de qualidade e isenção que as televisões privadas não têm, subjugadas que estão à agenda da saúde privada [principal beneficiária da campanha cerrada de desinformação e ataque, em curso contra o SNS], pela dependência das receitas publicitárias, provenientes dos grupos económicos proprietários de hospitais privados, seguros de saúde, e com participação accionista nos media, quer pela orientação política e ideológica da redacção, nomeada pelo accionista, perante o qual responde através de resultados e objectivos pré estabelecidos pelo grupo, numa lógica de funcionamento em circuito fechado.

 

[Imagem]