Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

DER TERRORIST

"Podem ainda não estar a ver as coisas à superficie, mas por baixo já está tudo a arder" - Y. B. Mangunwijaya, escritor indonésio, 16 de Julho de 1998.

Apesar de tudo um democrata

por josé simões, em 09.10.19

 

danny kaye.jpg

 

 

Apesar do "nós somos um partido que fez muito trabalho social quando foi Governo. Com Cavaco Silva, Durão Barroso e Passos Coelho";

apesar do "quem está aqui hoje não é Pedro Passos Coelho, nem Cavaco Silva, nem Durão Barroso, nem Santana Lopes, é Luís Filipe Montenegro";

apesar do "a estratégia de Rui Rio produziu maus resultados mas eu não estou aqui por causa disso, estou aqui porque quero inverter isso";

apesar de tudo isto, o piadista candidato a líder do PSD, quando inquirido por Clara de Sousa sobre o fascista André Ventura e o partido Chega demarcou-se liminarmente e sem os subterfúgios e os jogos de palavras usados para pelo ideólogo de Passos Coelho dois dias antes, no mesmo canal, para fugir à pergunta. Apesar de tudo um democrata.

 

[Na imagem, e até prova em contrário, Luís Montenegro com menos piada que o original]

 

 

 

 

Silly season é quando Rui Rio quiser

por josé simões, em 24.09.19

 

Marcus Chin.jpg

 

 

No país onde não há candidato a primeiro-ministro o líder do maior partido da oposição quer um debate entre anunciados candidatos a ministro das Finanças. Depois fazem figura de tolinhos quando lhes explicam o funcionamento da democracia parlamentar representativa, como os muchachos de Passos Coelho quando lhes explicaram por a + b que tinham ganho as eleições mas que não iam governar.

 

[Imagem]

 

 

 

 

Rui Rio até concorda com o Bloco de Esquerda, "Não há Planeta B"

por josé simões, em 18.09.19

 

psd legislativas 2019.jpg

 

[Imagem]

 

 

 

 

Do desespero

por josé simões, em 16.09.19

 

Sem Título (10).jpg

 

 

Assombrada em todas as previsões e sondagens por uma derrota que se adivinha épica nas eleições de 6 de Outubro começa o vale tudo de uma fuga para a frente da direita trauliteira e sem ideias.

 

David Justino, vice-presidente da Comissão Política Nacional de Rui Rio, no Twitter.

 

 

 

 

O que tem o cu a ver com as calças?

por josé simões, em 29.08.19

 

Sem Título (9).jpg

 

 

               Rui Rio, líder do PSD e candidato a primeiro-ministro, na conta paródia que alimenta no Twitter.

 

 

 

 

A bolsonorização do PSD

por josé simões, em 22.08.19

 

markmcevoy (1).jpg

 

 

Rui Rio, o dos timings que ele próprio marca, aquele que só reage quando acha que deve reagir, que não fala quando as televisões acham que deve falar e que que quando as televisões acham que deve falar fala em alemão, o que fica no Porto para responder dias depois a Lisboa; Rui Rio aparece na hora, qual Procissão Cristas de antes das eleições europeias, a surfar a onda histérica do trogloditismo cavernoso da direita radical que lhe tomou o partido por dentro nos idos de Passos Coelho e Miguel Relvas, agora chefiada por Miguel Morgado no "cinco para as sete"; Rui Rio a fingir que não leu o excelente trabalho de João Francisco Gomes no órgão oficial da direita radical, "Polémica sobre a identidade de género nas escolas. Afinal, o que diz a lei e o que pensam pais e directores?", subitamente remetido para os cus de Judas no online; o estranho caso de Rui Rio, o das posições "progressistas" no caso da interrupção voluntária da gravidez e do casamento entre pessoas do mesmo sexo; Rui Rio o desamarrado do poder e que não responde perante clientela nenhuma...

 

Em Agosto, a um mês do começo das aulas, o Governo faz um despacho de perfil bloquista, semeando a confusão nas escolas e nos pais. Um coisa feita da forma mais insensata que se pode imaginar. Tratam com a maior leviandade um assunto sério e revelam pouco respeito pelas crianças.

 

[Imagem]

 

 

 

 

Uma conta paródia no Twitter

por josé simões, em 13.08.19

 

ruiriotwitter.jpg

 

 

Uma conta paródia no Twitter, com aquele "picolete" de conta certificada e tudo, a decretar que quem decreta o fim das greves são os governos e não os sindicatos que as convocam.

 

Rui Rio, o líder paródia do PSD, no Twitter.

 

 

 

 

Um sonso chico-esperto

por josé simões, em 26.07.19

 

x (5).jpg

 

 

Um sonso chico-esperto que passou os últimos dois anos a arengar o Governo e a 'Geringonça' e o Governo da 'Geringonça' e a 'Geringonça' cúmplice que apoia o Governo, pela falência dos serviços públicos, porque faltam médicos, porque faltam enfermeiros, porque faltam tarefeiros, e porque faltam administrativos que até para tirar o cartão de cidadão é uma tourada à antiga portuguesa nunca antes vista, propõe-se, caso ganhe as eleições, lagarto lagarto lagarto, truz truz truz, "impor medidas de gestão, eliminar desperdícios, emagrecer a administração pública", o célebre "fazer mais com menos" de Passos Coelho com os resultados conhecidos, e para captar simpatias da opinião pública, farta até à raiz dos cabelos do Comissário Mário Nogueira, lança a bisca, que mais não é que uma casca de banana, "por exemplo, há professores a mais, infelizmente". Engana-se a ele e a quem quiser ser enganado por ele.

 

[Imagem «Victor Cobo, “I Can Talk to Squirrels” Fort Bragg, CA, 2018, Archival Piezography pigment print; Courtesy of ClampArt, New York City»]

 

 

 

 

Ministério da Trafulhice

por josé simões, em 17.07.19

 

zelf verkort Arnout van Albada.jpg

 

 

Rui Rio "quer financiar hospitais públicos em função de resultados". Rui Rio quer aplicar ao Serviço Nacional de Saúde a mesma receita que os liberais do "menos Estado" e da "liberdade de escolha" aplicaram à educação, meter os hospitais a escolher os doentes que recebem, deixar de fora os mais problemáticos e aqueles onde a idade e a esperança de vida sejam um factor determinante nos resultados a apresentar, "martelanço" de resultados para atingir a ambicionada verba meta do financiamento público. Rui Rio quer hospitais de primeira e de segunda para portugueses de primeira e de segunda. Rui Rio desconhece a máxima "com a saúde não se brinca" e quer mudar o nome ao ministério, da Saúde para da Trafulhice.

 

[Imagem]

 

 

 

 

Os portugueses gostam de ser gozados?

por josé simões, em 07.07.19

 

fuckyeahdementia.jpg

 

 

Rui Rio promete reduzir a taxa de IRC, passando dos actuais 21% para os 19% em 2020, até chegar a 17% em 2023: menos 1.600 milhões de euros, medida majorada no interior, o que quer que isso signifique, qualquer que seja o maluco que vá investir onde não há tribunal, finanças, estação dos correios, bancos, para já não falar em escolas e postos de saúde;

Rui Rio promete uma descida do IRS para a "classe média", sem avançar valores;

Rui Rio promete uma descida do IRS para quem tem rendimentos mensais entre os mil e os dois mil euros, menos 3,7 mil milhões de euros;

Rui Rio promete medidas sortido rico para as empresas que investem e exportam: alargamento do prazo de reporte de prejuízos para dez anos, o reforço do regime fiscal de patentes e inovações, menos 300 milhões de euros;

Rui Rio promete redução do IVA na electricidade e no gás, de 23% para 6%, menos 500 milhões de euros;

Rui promete redução do IMI, do IVA na electricidade e no gás: 1,5% do PIB, menos 3,7 mil milhões de euros;

Rui Rio Rui Rio promete dar 1,9 mil milhões às empresas e 1,8 mil milhões às famílias.

 

Partindo da premissa simples que o dinheiro não estica nem nasce do chão,  que toda a gente aprende em casa desde pequenino, com tanta conta de subtrair ao Orçamento do Estado onde é que Rui Rio vai buscar o dinheiro para cumprir as obrigações do Estado e ainda assegurar, e até melhorar, como não se cansa de repetir, o regular funcionamento do Estado social tal e qual o temos e conhecemos?

 

Os portugueses gostam de ser gozados?

 

[Imagem de autor desconhecido]

 

 

 

 

E continuam a tratar os portugueses como palermas

por josé simões, em 31.05.19

 

rui rio twitter.jpg

 

 

No Twitter o líder do partido que não viu/ vê nenhuma incompatibilidade em que deputados que exercem advocacia possam pertencer - nomeadamente como sócios - a sociedades de advogados que prestem serviços ao Estado.

 

 

 

 

Sair melhor que a encomenda

por josé simões, em 28.05.19

 

santana lopes twitter.jpg

 

 

Depois de ter batido com a porta movido pelo fracasso que foi o ter sido barriga de aluguer ao projecto de tomada do PSD por dentro pela direita radical agora órfã de Pedro Passos Coelho, depois do banho de realidade que foi o perceber que a "marca" Pedro Santana Lopes não existe fora do PPD mal grado o colo de todas as televisões, mal-educado vem largar bitaites sobre a vida interna de um partido que já não é o seu. Ressabiado ou, mais uma vez, por encomenda da direita radical a quem serviu de hospedeiro e que tinha jurado remeter-se ao silêncio até às legislativas de Outubro, havemos de saber mais à frente.

 

[Pedro Santana Lopes no Twitter]

 

 

 

 

Continuem assim que vão na direcção certa

por josé simões, em 27.05.19

 

 

 

Paulo Baldaia, um dos comentadeiros do regime nos intervalos de ser um hooligan trauliteiro no Twitter a dar o corpo às balas por Pinto da Costa, contra o Benfica e o centralismo sulista, marchar, marchar, na televisão do militante n.º 1 a explicar, urbi et orbi, que há "um critério editorial que se baseia, logo de início, nos [partidos] que já têm representação parlamentar" no que toca ao destaque dado pelo media às diversas representações políticas, depois dos 10 - dez - 10 minutos dados pela SIC Notícias, no rescaldo das eleições, ao Aliança e a Santana Lopes, que não se submeteu a votos nem sequer o partido que lidera elegeu algum deputado, a seguir a terem cortado a palavra a João Ferreira da CDU ao minuto e meio para mostrarem um gráfico de barras com uma qualquer percentagem e a terem repetido a façanha com Paulo Rangel do PSD, para não falar dos zero minutos dados a Rui Tavares do Livre.

 

Rui Rio, no rescaldo das eleições, a dizer que há que repensar a forma como as campanhas eleitorais são feitas, por forma a cativar os cidadãos no dia de fazer a cruzinha no boletim de voto e inverter a abstenção, como se as pessoas formassem opinião e fossem votar pelo que é dito no circo das arruadas, das canetas, dos sacos, dos porta-chaves e das palhaçadas rua abaixo e feiras e mercados adentro.

 

Continuem assim que vão na direcção certa.

 

 

 

 

Têm dois defeitos

por josé simões, em 06.05.19

 

otto.jpg

 

 

Quando todos pensávamos que tinham aprendido alguma coisa com o banho de realidade que levaram, que os portugueses, quarenta e cinco anos passados sobre o 25 de Abril, não só já não são anjinhos ignorantes como não gostam de ser tratados como tal, logo nos minutos seguintes às declarações de anúncio de marcha-atrás assistimos ao frenesim de centenas de contas no Facebook e no Twitter, algumas até daquelas que só são activadas em situações de crise ou um mês antes das eleições, em operação concertada para  minimizar danos no eleitor com o "eleitoralismo de António Costa" mais "as mentiras de António Costa" e a "campanha eleitoral do PS" e "o que o PS aprovou e desaprovou" e "a nossa posição sempre foi esta", "nós não dissemos o que vocês nos ouviram dizer" e outros chavões em formato telegráfico, decalcados dos discursos do líder, Rui Rio e Assunção Cristas consiante a afiliação, a tratarem outra vez os portugueses como crianças, sem perceberem que não perceberam nada do que lhes aconteceu. Têm dois defeitos: são burros e não querem aprender. Nunca acabem.

 

[Imagem de Otto Stupakof]

 

 

 

 

Resumo da jornada

por josé simões, em 05.05.19

 

McCormick code.jpg

 

 

Nesta questão do contorcionismo de Rui Rio e Assunção Cristas com a contagem do tempo de serviço dos professores, uma medida que não ia custar um cêntimo de euro ao contribuinte, ou que até podia custar mas não tinha implicações orçamentais já este ano, era só para o ano, ou lá mais para a frente e o Governo que viesse que se desenmerdasse, como sói dizer-se, é o líder do PSD e a líder do CDS só tarde e más horas terem percebido que dez anos de crise e quatro de troika e resgate financeiro e de sacrifícios, sofrimento e vidas desfeitas, ensinaram à grande maioria dos portugueses o valor do dinheiro, a importância de contas certas, e que o tempo não anda para trás.

 

[McCormick code na imagem]