Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

DER TERRORIST

"Podem ainda não estar a ver as coisas à superficie, mas por baixo já está tudo a arder" - Y. B. Mangunwijaya, escritor indonésio, 16 de Julho de 1998.

Rewind/ Fast Forward buttons

por josé simões, em 27.07.16

 

rocket.jpg

 

 

O líder do PSD [Pedro Passos Coelho] mostrou-se "genericamente" a favor da ideia defendida pelo Partido Popular Europeu sobre aplicação de sanções aos países que falhem os objectivos de estabilidade e crescimento.


[Imagem]

 

 

 

 

Guardar

Guardar

||| Rewind/ Fast Forward buttons

por josé simões, em 19.04.16

 

panama_canal_postcard.jpg

 

 

"O Presidente da República fez, esta tarde, rasgados elogios ao Panamá. Cavaco Silva recebeu o seu homólogo do Panamá, Ricardo Martinelli, no Palácio de Belém, e afirmou que o Panamá é bem visto aos olhos da Europa, Portugal incluído, por causa da estabilidade fiscal e jurídica."


[Imagem]

 

 

 

 

||| Rewind/ Fast Forward buttons

por josé simões, em 22.12.15

 

 

 

"a tentar encontrar desculpas mas não vai ter desculpas nenhumas porque neste momento as nossas contas são transparentes, claras, auditadas"

 

 

 

 

||| Rewind/ Fast Forward buttons

por josé simões, em 29.04.15

 

ko.jpg

 

 

Ou a morte política de Geórgios Papandréu e o eclipse do PASOK.


"It would cost money, it would create great political uncertainty, and I don’t think we have the time… And I don’t think the Greeks have the time for it."


[Imagem]

 

 

 

 

||| Rewind/ Fast Forward buttons

por josé simões, em 30.01.15

 

Can I Get A Witness 2014.png

 

 

«Cavaco Silva afirmou que o "Banco de Portugal tem sido peremptório, categórico, a afirmar que os portugueses podem confiar no Banco Espírito Santo (BES)".


O Presidente da República justificou que os portugueses podem confiar no BES "dado que as folgas de capital são mais do que suficientes para cobrir a exposição que o banco tem à parte não financeira, mesmo na situação mais adversa"»


[Imagem]

 

 

 

 

||| Rewind/ Fast Forward buttons

por josé simões, em 23.01.15

 

rato.jpg

 

 

"Na Europa isso já aconteceu há largas dezenas de anos e a Europa viveu uma guerra muito forte por causa disso"


[Imagem]

 

 

 

 

||| Rewind/ Fast Forward buttons

por josé simões, em 02.12.14

 

Great Leap Forward.jpg

 

 

Pior que ser burro é ser burro e não querer aprender.


«Governo chinês vai mandar artistas para o campo, para aprenderem o socialismo


Esta decisão "vai dar um grande impulso aos artistas, ajudá-los a ter uma visão correcta da arte e a criarem mais obras-primas"»


[Imagem]

 

 

 

 

||| Rewind/ Fast Forward buttons

por josé simões, em 09.10.14

 

bosco.jpg

 

 

«Chegam à demagogia de virem com a ladainha que estamos a ajudar os banqueiros, os poderosos, quando nós isentamos de responsabilidade os contribuintes, ao invés do que aconteceu de facto com o BPN»


[Imagem]

 

 

 

 

||| Rewind/ Fast Forward buttons

por josé simões, em 19.06.14

 

 

 

Como é que uma jornalista se sente depois de fazer figura de idiota útil? Ou foi paga para isso? Ou foi um investimento no futuro?

 

«Muitas pessoas não perceberam por que é que andava a entrevistar banqueiros todos os dias. A verdade é que as entrevistas foram feitas numa segunda, numa terça, numa quarta e numa quinta; 48 horas depois, o primeiro-ministro estava a pedir ajuda financeira.». Judite de Sousa, Público, 2012-12-04.

 

«Com o distanciamento que o tempo permite, é hoje evidente que a pressão dos banqueiros liderados por Ricardo Salgado, secundado, fundamentalmente, por todos os que entretanto vieram a receber fundos públicos, não era inocente. Preferiam, como é óbvio, um apoio global ao país de que poderiam beneficiar em parte para acudir às suas mazelas, a uma solução à espanhola dirigida ao sector bancário, onde efectivamente nasceu a crise do país vizinho e também a nossa, por causa do excesso de endividamento que permitiu. Uma intervenção directa nos bancos portugueses sempre anunciados internamente como sólidos e credíveis poderia, de facto, destruir reputações e accionistas de referência.

 

Se tivéssemos seguido a estratégia da Espanha em tempo útil e negociado uma austeridade reformista interna, agora poderíamos movimentar-nos menos condicionados por credores que ficarão por cá até saldarmos o último cêntimo do grande empréstimo, ou seja, qualquer coisa como 30 anos [

 

Tem algum peso na consciência, sente algum remorso pela quota-parte de responsabilidade no sofrimento e nas privações impostas aos portugueses?

 

[Imagem]

 

 

 

 

 

 

||| Rewind/ Fast Forward buttons

por josé simões, em 13.06.14

 

 

 

Em Março de 2008, estava o PSD entregue à bicharada nas mãos da dupla Luís Filipe Menezes/ Ribau Esteves, Pacheco Pereira escreve no Abrupto a famosa série de textos que haviam de ficar para a posterioridade como a saída da liderança "à bomba".

 

Em 2014 está o PS entregue à bicharada nas mãos de António José Seguro e António Galamba e nunca como agora estes posts de Pacheco Pereira fizeram tanto sentido. Bastou substituir, datas, siglas e personagens:

 

«Aqueles que contam com a derrota do PS em 2015, para afastar a actual direcção, – e não adianta estarmos a enganar-nos uns aos outros com palavrinhas de circunstância, é aquilo que todos esperam, – prestam um péssimo serviço a uma alternativa mais que necessária ao PSD. Podem acordar em 2015 com um PS que perdeu de vez a sua dimensão nacional, um partido que conta cada vez menos para a vida pública, acabrunhado por mais uma derrota que só pode gerar depressão ou escapismo entre os militantes (sim, porque deles será uma grande responsabilidade), cheio de "bodes expiatórios" e de "apontar de dedos" da culpa, e de "lutas finais" de todos contra todos, com imensa gente a defender-se à "bomba" dos restos do seu poder, e outra sossegada com os quatro anos que adquiriu no parlamento e depois daqui a quatro anos se verá, contente com a sua gestão por objectivos.» [Link]

 

«Quem pensar que o papel do PS é fundamental para a democracia portuguesa não pode ser indiferente ao que possa acontecer em 2015 ao partido, porque em 2014 já pode ser tarde demais e em 2015 já será certamente tarde demais. [... ]. E não vai ser fácil porque vai mesmo ter que ser "à bomba", dado que em 2015 há dezenas de lugares apetecidos para distribuir e para cada lugar há cinco pessoas da "situação" a quem este foi prometido e dez que acham que lá podem chegar no meio da guerra civil.» [Link]

 

«O futuro do PS não se joga em 2015 mas em 2014. Os patriotas "rosinhas" (e mesmo alguns "azulinhos"), os da "camisola", coloquem a mão na consciência e perguntem a si próprios se acreditam que o PS vai lá como está. Perguntem a si mesmos com verdade, sem ambiguidades, se o partido de que fazem parte está a cumprir o contrato cívico e político não escrito que tem com os portugueses, que tantas vezes lhes deram a sua confiança? Penso que todos sabem a resposta.

Há quem pense que "se deve dar uma oportunidade ao líder" de ir a eleições. Em condições normais, talvez sim, se não tivesse há muito deixado de haver condições normais.» [Link]

 

[Imagem de autor desconhecido]

 

 

 

 

 

 

||| Rewind/ Fast Forward buttons

por josé simões, em 09.05.14

 

 

 

«O sector privado em Portugal já fez ajustamento salarial. E se já fez o ajustamento, se está a começar a absorver o desemprego e está a manter a competitividade das exportações, é preciso sublinhar: nós não acreditamos num modelo de desenvolvimento baseado em salários baixos».

 

Paulo Portas, Fundação Cupertino Miranda, 22 de Fevereiro de 2014

 

 

«Todo o modelo de desenvolvimento assente em salários baixos não é um modelo de desenvolvimento que interesse a Portugal»

 

Pedro Passos Coelho, Ovibeja, 30 de Abril de 2014

 

 

«Parceiros sociais começam a discutir as novas propostas de alteração ao Código do Trabalho na próxima terça-feira. Em cima da mesa está a possibilidade de reduzir ou retirar benefícios aos trabalhadores, quando os contratos colectivos caducam.

 

Prémios de assiduidade, subsídios de turno, pagamento acrescido do trabalho nocturno ou de isenção de horário de trabalho. Estes são alguns dos benefícios que poderão desaparecer ou sofrer uma redução quando os contratos colectivos caducarem, o que implicará uma redução da retribuição dos trabalhadores. A medida está prevista numa proposta de alteração ao Código do Trabalho ontem enviada aos parceiros sociais e que começa a ser discutida na próxima terça-feira.

 

Na proposta que enviou aos patrões e sindicatos, o Governo altera um pormenor que faz toda a diferença. Em vez de retribuição, passa a referir "retribuição base", uma mudança que terá implicações directas no salário que o trabalhador leva para casa no final do mês.»

 

[Imagem de David Fularton]

 

 

 

 

 

 

||| Rewind/ Fast Forward buttons

por josé simões, em 06.05.14

 

 

 

«Se pensarmos em regular a imprensa, para desse modo corrigir as maneiras, temos de regular todas as recreações e passatempos, tudo o que é agradável ao homem. Não se deve ouvir música, não se devem compor nem cantar canções, mas só o que é sério e dórico. E quem silenciará todas as árias e madrigais que murmuram brandura nas câmaras? São precisas mais de vinte licenças para examinar todos os alaúdes, os violinos, as guitarras em todas as casas.»

 

John Milton, Areopagitica, 1644

 

 

«El presidente ruso, Vladímir Putin, promulgó hoy una ley que prohíbe el uso de palabras malsonantes en los medios de comunicación, piezas teatrales y películas, espectáculos y conciertos, y en los libros y las obras de arte.

 

[…]

.

Según la ley, expertos filólogos serán los encargados de determinar si las palabras o las expresiones empleadas en cada caso son motivo de sanción, según medios locales.»

 

[Imagem]

 

 

 

 

 

 

||| Rewind/ Fast Forward buttons

por josé simões, em 06.04.14

 

 

 

Dia 11 de Novembro continua a ser feriado em Paris. «Ministros das Finanças e da Economia franceses vão a Berlim explicar-se»

 

[Na imagem a assinatura do Armistício entre o marechal Keitel e o general Huntziger em Compiegne, França, 1940]

 

 

 

 

 

 

|| Rewind/ Fast Forward buttons [Senhor Primeiro Ministro: Ponha a mão na consciência; perceba o mal que está a fazer ao país e tenha um gesto de humildade: saia!]

por josé simões, em 15.03.13

 

 

 

«[…] restaurámos a credibilidade do Estado Português!

 

Um ano depois, Portugal tem o maior endividamento da Europa; a maior carga fiscal de sempre; a maior despesa pública de sempre; o maior desemprego de sempre.

 

Um ano depois, Portugal é uma Nação em que a esperança é cada vez mais rara; e em que os vexames internacionais são cada vez mais frequentes.

 

A forma como o Primeiro-Ministro conduziu o país, conduziu o País até aqui. […] é apenas um expressivo exemplo de como o sr. é um PM de quem hoje se pode dizer que tem contactos curtos e intermitentes com a realidade.

Senhor Primeiro-Ministro: alguém tem de lhe dizer que o senhor é o homem errado para esta hora difícil.

 

Os Portugueses sabem que qualquer semelhança entre o que o PM disse, antes das eleições, e o que o PM fez, depois das eleições, é uma mera coincidência.

 

Como sabe, há quem diga que é possível enganar muita gente, pouco tempo; ou pouca gente, muito tempo; o sr. foi mais longe e quis enganar toda a gente ao mesmo tempo. É por isso que hoje, em Portugal, os satisfeitos são poucos e os desiludidos são imensos.

 

São:

os jovens, cada vez mais desamparados para encontrar um emprego; os casais desempregados, a quem aceitou dar e logo retirou um apoio melhor; os idosos, a quem penalizou na pensão e vai penalizar nos remédios; as PME’S, sufocadas entre o crédito que já não há e os impostos e contribuições que vêm aí; os professores, a quem nenhum outro político destruiu tanto o brio e a motivação;

 

Blah, blah, blah, continua, continua, com ar sério, responsável e prenhe de "sentido de Estado", e acaba assim:

 

Perante o declínio económico de Portugal;

 

- Perante o impasse político que descrevi, é minha obrigação dizer aqui o que em consciência penso e também o que o meu patriotismo reclama:

 

- Senhor Primeiro Ministro: o Senhor é o passado e já não recupera; os Portugueses não o vêem como solução, vêem-no como problema; acham que quem nos trouxe a esta crise não é capaz de nos tirar desta crise.

 

Ponha a mão na consciência; perceba o mal que está a fazer ao país e tenha um gesto de humildade: saia!»

 

 

 

 

 

|| Rewind/ Fast Forward buttons

por josé simões, em 02.03.13

 

 

 

«God bless the civil service, The nations saving grace, While we expect democracy, They're laughing in our face, And although our cries get louder, The laughter gets louder still, Above the sound of ideologies, Above the sound of ideologies clashing»