Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

DER TERRORIST

"Podem ainda não estar a ver as coisas à superficie, mas por baixo já está tudo a arder" - Y. B. Mangunwijaya, escritor indonésio, 16 de Julho de 1998.

||| "O Partido Socialista tem actuado como se fosse uma espécie de dono disto tudo"

por josé simões, em 03.03.16

 

 

 

"A anterior administração da Fundação Inatel, nomeada pelo governo PSD-CDS, promoveu - através de reclassificações e entradas nos quadros - mais de 450 trabalhadores entre setembro de 2015 e janeiro deste ano. Um número que equivale a perto de metade de todos os quadros ou contratados a termo que esta entidade, [...], tinha ao seu serviço."


"O grupo parlamentar do PSD está verdadeiramente surpreendido e até, diria, um pouco estupefacto com estas alterações que têm vindo a ser feitas, nomeadamente a forma como têm vindo a ser efectuadas."


"Reiteradamente o Partido Socialista sempre que olha para a administração pública se comporta um pouco como um espaço seu e uma coutada do Partido Socialista."

 

 

 

 

||| "Não quero ser eleito para dar emprego aos amigos. Quero libertar o Estado e a sociedade civil dos poderes partidários"

por josé simões, em 09.02.15

 

passos coelho twitter.jpg

 

 

Os Brâmane/ Os amigos, do Estado e da sociedade civil libertada:


«O Governo já fez 14 das 18 nomeações definitivas para as direcções dos Centros Distritais da Segurança Social. Em todos os casos são do PSD ou do CDS e quase sempre mantêm-se os rostos escolhidos politicamente, antes do concurso. Mandatos são de cinco anos.»

 

Os Shudra/ Os outros/ Os intocáveis, aqueles até cuja sombra é impura:


«480 funcionários da Segurança Social dispensados a partir de amanhã.


Em causa estão, de acordo com as contas do Negócios, 460 assistentes operacionais e vinte professores e educadores. Estas 480 pessoas somam-se às 150 que já tinham sido colocadas em requalificação.


Os funcionários colocados em requalificação passam a receber 60% do salário, com o limite máximo de 1.258 euros e o limite mínimo correspondente ao salário mínimo (505 euros brutos).»


[Conta Twitter de Pedro Passos Coelho]