Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

DER TERRORIST

"Podem ainda não estar a ver as coisas à superficie, mas por baixo já está tudo a arder" - Y. B. Mangunwijaya, escritor indonésio, 16 de Julho de 1998.

"Estado mínimo" no cu dos outros para mim é refresco

por josé simões, em 14.02.19

 

ZEPPELIN (1).jpeg

 

 

A casa da livre iniciativa privada e do empreendedorismo, com um corpo docente onde pontificam, entre outros, João César das Neves, João Carlos Espada, Vítor Gaspar, a ensinarem o Estado mínimo e que os subsídios, subvenções e rendas só minam a economia e só incentivam o cidadão a anichar-se nas zonas de conforto.

 

A Universidade Católica factura mais de 65 milhões de euros por ano e não paga impostos.

 

A universidade cobra propinas à semelhança das outras universidades particulares, mas é a única que tem uma isenção fiscal atribuída por decreto-lei.

 

Esta instituição da Igreja Católica já nasceu abençoada pelo Estado português porque ao contrário de todas as outras universidades particulares nunca pagou nem impostos, nem contribuições, nem taxas camarárias, nem sequer taxas de Justiça.

 

Em 1990, o governo de Cavaco Silva revogou o decreto-lei sobre o enquadramento da universidade, mas manteve apenas um pequeno artigo: exactamente o artigo que lhe dá uma isenção fiscal total e que se mantém até hoje.

 

Este decreto-lei foi assinado por três pessoas com ligações à universidade: Cavaco Silva, Roberto Carneiro e Miguel Beleza, entretanto falecido.

 

[Imagem de autor desconhecido]

 

 

 

 

Os Donos Disto Tudo

por josé simões, em 11.12.17

 

marchas populares.jpg

 

 

Leonor Beleza, António Cunha Vaz, Fernando Ulrich, Isabel Mota, Graça Carvalho, Maria de Belém, Roberto Carneiro, Rui Santos Ivo, Vieira da Silva, Teresa Caeiro, Maria Cavaco Silva. Os Donos Disto Tudo aka a marcha do balão e do "arco da governação" em todo o seu esplendor.

 

Agora a seguir vem o argumento de que não é tudo farinha do mesmo saco, o populismo, que nem todas as IPSS são todas as IPSS, o populismo, que assim qualquer dia não há ninguém válido para ocupar qualquer lugar que seja, o populismo, que estamos a afugentar os melhores, o populismo. Descontando o facto de "os melhores" e "os mais válidos" serem sempre os mesmos, num círculo amiguista que tem o condão de afastar e interditar a participação dos melhores e dos mais válidos,  o populismo é o argumento recorrente para quando as coisas não correm de feição e são ditas na cara, sem floreados nem rococós, de modo a que toda a gente perceba. O que é certo é que na Raríssimas estava o regime todo, as aves raríssimas do famoso "arco da governação", algumas repetentes em tudo o que é organização ou associação, e não é por acaso que as coisas depois acontecem por acaso.

 

[Imagem]

 

 

 

 

"Reforma estrutural"

por josé simões, em 10.12.17

 

mendigo.jpg

 

 

A grande "reforma estrutural" que a 'Geringonça' deixa por fazer é a de moralizar e disciplinar o Estado paralelo ao Estado e subsidiado pelo Estado, a indústria da engorda à custa da desgraça alheia sob a capa do mui nobre argumento de que o Estado não chega melhor ao terreno do que quem já lá está,  e que dá pelo nome de IPSS.

 

[Imagem de autor desconhecido]

 

 

 

 

|| Perdidos

por josé simões, em 29.12.11

 

 

 Ao ver o 30 Minutos da Rita Marrafa de Carvalho e toda a histeria e irracionalidade à roda de um cantor [?] de 2ª categoria da 3ª divisão europeia, ocorreu-me que as pessoas apesar de continuarem a frequentar festas e romarias, de mais ou menos cariz religioso, deixaram de frequentar a igreja e de praticar a confissão e, ou por motivos culturais ou por motivos económicos, também não recorrem à ajuda de um psicólogo e ficaram assim numa espécie de limbo.

 

[Imagem de Alice Hawkins fanada no Independent]

 

 

 

 

 

 

Imagens de Arquivo

por josé simões, em 03.12.08

 

Será mesmo necessário, assim que cai o primeiro nevão do ano na Serra de Estrela, que as televisões se mudem para lá de armas e bagagens, e é entrevistar as famílias-turistas, as famílias-autóctones, os comerciantes, os donos dos hotéis e restaurantes, os GNR’s de serviço, o empregado do limpa neves, o presidente da Região de Turismo, o pastor, o presidente da Câmara da Covilhã, o criador de cães e o mais que venha pelo caminho. Com abordagens da treta a receberem de volta respostas da treta, cheias de lugares-comuns, iguaizinhas às dos anos anteriores?

 

Todos os anos, desde que me lembro. Só que agora é vezes 6 – quatro canais generalistas, mais a SIC N e a RTP N.

 

Já que pelos vistos tem de ser, e como diz o povo “o que tem de ser tem muita força”, não era mais fácil – e mais barato – ir buscar umas imagens ao arquivo?

 

(Imagem roubada ao Scott Polar Research Institute)