Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

DER TERRORIST

"Podem ainda não estar a ver as coisas à superficie, mas por baixo já está tudo a arder" - Y. B. Mangunwijaya, escritor indonésio, 16 de Julho de 1998.

Qual a razão ou razões para o PSD não governar os Açores em coligação com o Chaga?

por josé simões, em 29.10.20

 

Carlos-Augusto-Furtado-PSD.jpg

 

 

Carlos-Augusto-Furtado-Chega.jpg

 

 

Qual a razão ou razões para o PSD não governar os Açores em coligação com o Chaga?

Carlos Furtado deixou de ser "social-democrata" do dia para a noite, Carlos Furtado passou a ser fascista da noite para o dia, Carlos Furtado passou todos estes anos disfarçado e nunca ninguém deu por nada, ou as coisas são o que são e nunca ninguém quer saber a ponta de um chavelho para depois aparecerem boquiabertos de admiração por algo que era do conhecimento geral mas desde que não fosse falado, não fizesse muitas ondas, faz de conta que não existia?

 

 

 

 

||| O Presidente de uns quantos portugueses

por josé simões, em 20.01.14

 

 

 

Não passa pela cabeça de ninguém no seu perfeito juízo que, sendo o Representante da República para as regiões autónomas um cargo de nomeação presidencial, o envio para o Tribunal Constitucional do Orçamento dos Açores para 2014, a pedido de Pedro Catarino, o representante, não tenha sido sob prévia consulta e que não tenha tido a anuência do Presidente da República Cavaco Silva, o nomeador do representante.

 

Assunto despachado pelo Tribunal Constitucional "em menos de um fósforo", "enquanto o Diabo esfrega um olho", no que diz respeito às normas que suscitaram dúvidas ao representante, normas aprovadas por unanimidade pelo parlamento regional, e cujos partidos da oposição, depois de conhecida a decisão do Tribunal Constitucional, foram os primeiros a assestar baterias contra o representante de Cavaco Silva do Presidente da República na Região Autónoma.

 

O mesmo Cavaco Silva Presidente da República que, escudado em carradas de pareceres fornecidos por rebanhos de assessores e consultores, se recusou enviar o Orçamento do Estado para 2014 para o Tribunal Constitucional, aprovado na Assembleia da República com os votos favoráveis da maioria e com os votos contra de toda a oposição.

 

Cavaco Silva, o avisador avisado, em todo o seu esplendor, Presidente de uns quantos portugueses, na defesa do Governo do seu partido e de sua iniciativa presidencial, e apostado numa guerra de guerrilha a um governo legítimo de uma região autónoma, parte integrante do território nacional, só porque não lhe agrada a cor.

 

[Imagem]

 

 

 

 

 

 

|| Descubra as diferenças

por josé simões, em 08.10.11

 

 

 

No último dia da campanha eleitoral para o Governo Regional da Madeira:

 

«Em nome da ética dos cargos públicos e da ética republicana […]»

 

E que seja um «compromisso de honra [e não] como das outras vezes em que havia sempre um drama, ah mas não se encontrou solução». Vamos guardar no arquivo.

 

 

 

 

 

 

 

|| O atum que ri

por josé simões, em 22.09.11

 

 

 

Ou outras variações possíveis a partir de presidenciais divagações:

 

«Ontem eu reparava no sorriso dos atuns, estavam satisfeitíssimos aconchegados nas latas dentro do óleo vegetal»

 

 

 

 

 

 

|| I want to believe

por josé simões, em 20.09.11

 

 

 

Por “tempos de divisão ou de querelas estéreis” entende-se crime e ocultação de cadáver na Região Autónoma da Madeira, ou comunicações ao país a propósito do Estatuto dos Açores e e guiões mal-amanhados sobre escutas telefónicas ao Palácio Presidencial?

 

[Imagem Betty & Barney Hill UFO abduction inNew Hampshire,September 19-20th 1961]

 

 

 

 

 

 

|| O Alberto João (bom) do PS

por josé simões, em 04.12.10

 

 

 

 

 

Desde mini férias no Canadá a expensas do contribuinte, passando por sites da “mina de ouro”, até bolsas de estudo por encomenda, nada disto é  surpreendente ou sequer extraordinário. A notícia é a excepção, nunca a regra.

Agora, 7 mil funcionários públicos para 244 mil habitantes?!

 

(Na imagem Jean-Bédel Bokassa e esposa)

 

 

 

 

 

|| Coisas que o contribuinte, cumpridor dos seus deveres, faz com prazer

por josé simões, em 18.09.10

 

 

 

Entre outras, paga do seu bolso as propinas (fora “o resto”) dos seus filhos no ensino público gratuito, e paga, por via dos impostos, a bolsa de estudo (por encomenda) do filho do “carenciado” e ultra-periférico Malaquias.

 

E se fosse na ilha dos maus da Madeira?

 

(Imagem de autor desconhecido)