Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

DER TERRORIST

"Podem ainda não estar a ver as coisas à superficie, mas por baixo já está tudo a arder" - Y. B. Mangunwijaya, escritor indonésio, 16 de Julho de 1998.

O golpe

por josé simões, em 26.01.24

 

pistola.jpg

 

 

Um dia antes do Expresso avançar que "O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, poder aceitar um novo governo regional desde que seja liderado por uma pessoa do PSD que não tenha tido funções executivas nos últimos anos", o chefe do partido da taberna disse em entrevista à CNN Portugal que "Se houver maioria parlamentar de direita, tenho a garantia total - não posso revelar de quem - de que haverá governo de direita. Com ou sem Montenegro. E não tem de ser com Passos".

 

Recorrendo ao léxico marcelista, o Presidente aceita nas ilhas adjacentes da Madeira, com o seu partido, aquilo que não aceitou na metrópole com o PS, sendo que o camarada madeirense Albuquerque é arguido, e com um rol de suspeitas em cima, ao passo que Costa ainda não sabe sequer do que é investigado um ror de meses passados.

 

Alguma vez iremos saber o que aconteceu no palácio de Belém no dia 7 de Novembro de 2023 entre as dez e meia da manhã, hora da saída de António Costa, e o meio-dia e vinte, hora da saída de Lucília Gago, 50 minutos depois de ter entrado para falar com Marcelo antes do famoso parágrafo vir a público?

 

[Imagem de autor desconhecido]

 

 

 

 

"porque não precisamos"

por josé simões, em 26.09.23

 

vaca.jpg

 

 

"Não não vamos governar o país com o apoio do Chega porque não precisamos". E se, com mais ou menos suor a escorrer por todos os poros, precisarmos [precisarem]? Ninguém perguntou. Quase 50 anos passados sobre a revolução de Abril e continuamos a levar com os artistas da semântica. E são todos grandessíssimos democratas, que ninguém ouse questionar isso.

 

[Imagem de autor desconhecido]

 

 

 

 

A Linha Vermelha Traçada

por josé simões, em 25.09.23

 

Red_Line (1).png

 

 

Que pela primeira vez uma linha vermelha foi traçada pelo PSD, com o Chega não conta para soluções de governação, papagueiam até à exaustão os comentadeiros e analistas de serviço nas televisões a propósito da chico-espertice elaborada por Miguel Albuquerque para fugir à questão. Vamos todos fazer de conta que a seguir a "com o Chega não" não havia uma vírgula e continuava "porque é um partido centralista, contra a autonomia". A linha vermelha não foi traçada por o Chega ser albergue de fascistas e nazis, um partido genuinamente anti-democrático a coleccionar deliberações atrás de deliberações do Tribunal Constitucional a invalidarem tudo o que é decidido em congressos e assembleias. Uma linha vermelha foi traçada mas no sentido de estar comida pela traça.

 

 

 

 

A Liga dos Últimos

por josé simões, em 25.09.23

 

carro.jpg

 

 

sendo a força política mais votada de entre as que elegeram um único Deputado

 

Cada um tem o seu campeonato dentro do campeonato que é espremer resultados eleitorais para conseguir não perder umas eleições nem sequer levar uma abada. Mais a piada que se fez sozinha, o candidato vitalício do PCP na Madeira passar toda uma campanha eleitoral a dizer que tinha chegado a hora da mudança.

 

[Imagem de autor desconhecido]

 

 

 

 

Dizer coisas

por josé simões, em 20.09.23

 

MaximMazur.jpg

 

 

O "operário" Raimundo foi à Madeira dizer coisas. A Madeira que, assolada com o regresso de milhares de retornados e descendentes de emigrados a fugirem à fome e à miséria na Venezuela, insiste em não perceber a mensagem do "operário" Raimundo, que a alternativa à governação de 47 anos é a CDU, a CDU do PCP que apoia Maduro na Venezuela, de onde esta gente toda parece não parar de chegar.

 

[Link na imagem]

 

 

 

 

O verdadeiro artista

por josé simões, em 13.10.21

 

clown.jpg

 

 

É preciso alterar essa lei que é iníqua, é injusta e não cumpre os princípios fundamentais da coesão económica e social entre todas as regiões do país.

 

Miguel Albuquerque queixa-se de Passos Coelho, do tempo em que Miguel Albuquerque era escudeiro de Passos Coelho.

 

[Link na imagem]

 

 

 

 

Continuam a insultar a inteligência dos portugueses

por josé simões, em 23.09.19

 

Lips. From the series The Path of an Honest Man, 2017 Alexandra Lethbridge.jpg

 

 

O PSD, que perdeu votos, deputados e uma maioria absoluta de 43 anos, ganhou as eleições porque chegou ao fim em primeiro lugar e vai formar governo;

O PS, que já tinha chegado ao Governo da Região Autónoma ainda antes do dia das eleições que perdeu, ganhou as eleições porque triplicou os número de votos e de deputados;

O CDS, que passou de sete para três deputados e perdeu 8 000 votos, ganhou as eleições porque se alçou ao poder e com três deputados eleitos consegue encaixar 300 'John Antunes' na estrutura do Governo Regional, sem contar com o volume de negócios que virá por arrasto para as empresas amigas e dos amigos;

A CDU, que perdeu um dos dois deputados que tinha, ganhou as eleições porque não perdeu os dois e porque "pela primeira vez, depois de mais de quatro décadas, o poder absoluto caiu na Madeira";

O Bloco foi o único que não ganhou nada porque perdeu, votos e os dois lugares de deputado. Ponto. Pronto, não há volta a dar-lhe.

 

Quarenta e cinco anos de democracia e continuam a insultar a inteligência dos portugueses.

 

[Imagem]

 

 

 

 

||| Há coisas que da boca de determinadas pessoas têm outro peso

por josé simões, em 12.08.15

 

vidro.jpg

 

 

Se calhar é por ser Agosto e o povo estar todo a banhos mas passaram despercebidas, não nas televisões do pensamento único mas nas redes sociais [gloup], as declarações do delfim de Pedro Passos Coelho nas ilhas adjacentes sobre a "renegociação" das Parcerias Público-Privadas, papagueadas pelo ministro da Economia, António 'soldado disciplinado' Pires de Lima e repetidas ad nauseam pelo querido líder Paulo Portas, em tandem com aquele-que-nunca-fala-verdade, candidato à renovação do mandato de primeiro-ministro,


«na região as grandes reparações continuam a cargo das concessionárias, no continente passaram para a responsabilidade do Estado»


que nos confirmam que não houve renegociação das PPP's coisíssima nenhuma, simplesmente o Estado vai deixar de fazer o que até então era responsabilidade contratual do privado e que os pneus, suspensões, direcção e chaparia diversa, vítimas das crateras e do mau estado do alcatrão, ficam por conta do cidadão-condutor-contribuinte.


Numa busca rápida pelo Google encontramos éne provérbios com o termo 'mentira'.


[Imagem de autor desconhecido]

 

 

 

 

||| Agora Alberto João pode levantar-se de onde está e sentar-se ao lado de quem quiser nos congressos do PSD

por josé simões, em 01.06.15

 

 

 

«Nesta visita oficial à Região – quase inédita nesta legislatura -, os dois governantes anunciaram o desbloqueio ainda este ano de 43 milhões de euros do Fundo de Coesão e as tarifas aéreas mais baratas para os madeirenses. Passos Coelho não fechou a porta a rever as condições dos reembolsos dos empréstimos da Madeira no âmbito do programa de assistência financeira»

 

 

 

 

||| O dilema de Miguel Albuquerque

por josé simões, em 02.04.15

 

crock.jpg

 

 

Sendo o Governo Regional da Madeira o maior empregador das ilhas, directamente via serviços e administração pública, ou indirectamente por via de concessões várias e das obras públicas adjudicadas a empresas "do regime", e estando o PSD, e as vitórias eleitorais do PSD, dependentes da rede clientelar assente nesta relação promíscua, como é que Miguel Albuquerque vai implementar a sua reforma do Estado sem “exterminar” o partido que dirige?


«[...] o sucessor de Alberto João Jardim na liderança dos social-democratas diz que não deve haver "ilusões" sobre a reforma do Estado: "É despedir funcionários públicos, não vale a pena estar com ilusões, 78% da despesa do Estado é com pessoal".


Para Miguel Albuquerque, o Governo devia ter criado um fundo ou uma bolsa fora do quadro do Orçamento do Estado para pagar os despedimentos e nessa altura "tirava 10, 15, 20, 30, 40 mil pessoas" e fazia a reforma do Estado.»


[Imagem]

 

 

 

 

||| Chapelada

por josé simões, em 01.04.15

 

salazar.jpg

 

 

Da última vez que tinha ouvido falar em "chapelada" eleitoral tinha sido na casa do avô Zé, à roda da mesa de jantar, era eu um puto e o pai contava quando uns fulanos da Legião Portuguesa apareceram no quartel com uns boletins de voto que eles, depois de "aconselhados" pelo comandante da companhia, na parada em formatura, depositaram numa caixa. Não, o pai não esteve na tropa na ilhas adjacentes da Madeira e Porto Santo, esteve no Regimento de Infantaria de Évora.


«PCP exige a recontagem de todos os votos e vai recorrer ao Constitucional»

 

 

 

 

||| lol

por josé simões, em 09.10.14

 

 

 

epá, a gente falsificou mas não foi com intenção de prejudicar ninguém nem tampouco com a intenção de tirar benefícios ou sacar lucro, a gente falsificou porque sim, desculpem lá qualquer coisinha e a maçada, não se fala mais nisso. prontes. epá, e havia coisas que dantes eram crime mas que agora já não são, temos pena, o legislador também não teve a intenção de prejudicar ninguém nem tampouco de beneficiar, desculpem lá qualquer coisinha e a maçada, não se fala mais nisso. prontes.

 

 

 

 

||| Ainda que mal pergunte

por josé simões, em 02.07.14

 

 

 

O projecto de revisão constitucional apresentado pelos estarolas do PSD, que quando dá jeito é PSD Madeira, também prevê a extinção do Tribunal de Contas?

 

[Imagem de Sammy Slabbinck]

 

 

 

 

 

 

||| O Verdadeiro Artista

por josé simões, em 27.06.14

 

 

 

«O governo da Madeira vai gastar mais de 550 mil euros com um estudo, encomendado por Alberto João Jardim em 2002 e que é apresentado esta sexta-feira em Lisboa, com o objectivo de contrariar "a ideia de despesismo que se associa a esta Região Autónoma"».

 

O "Deve e Haver das Finanças da Madeira" começa no século XV, que foi quando os portugueses chegaram às ilhas e, de chicote na mão, começaram a escravizar os nativos nas plantações de bananas, a impor-lhes os costumes trazidos do continente e o português como língua oficial, proibindo o uso da língua materna, o madeirense, e vai até ao século XXI, já na última fase, a da queda, depois da ascensão e apogeu de Alberto Simão Bolívar Jardim, líder e herói da luta da libertação contra o colonialismo.

 

[Imagem]

 

 

 

 

 

||| República Popular da Madeira

por josé simões, em 22.03.14