Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

DER TERRORIST

"Podem ainda não estar a ver as coisas à superficie, mas por baixo já está tudo a arder" - Y. B. Mangunwijaya, escritor indonésio, 16 de Julho de 1998.

"Se fossemos racistas de verdade"

por josé simões, em 03.08.20

 

 

 

De quem é que nós "fomos atrás" para a Alemanha, França, Inglaterra, Luxemburgo, África do Sul, Venezuela, Brasil, etc, etc, para não ficarmos cá "a morrer à fome"? é a pergunta a que a senhora devia responder.

 

Hoje, um grupo de pessoas dedicou-se a tentar provar que não há racismo em Portugal. O resultado é este.

 

 

 

 

"Não foi um crime de ódio racista"

por josé simões, em 01.08.20

 

MASSACRE DE WIRIYAMU.jpg

 

 

Em Angola, matei vários como este

 

[Imagem]

 

 

 

 

"Preto do caralho"

por josé simões, em 29.07.20

 

kkk.jpg

 

 

"Preto do caralho". "Vai para a tua terra". "Volta para a senzala". "Vou violar a tua mãe". "Fui à tua mãe e àquelas pretas todas de merda". "Tenho armas do Ultramar em casa e vou-te matar"

 

Esta vai ser uma manifestação para cumprir o que prometemos: sempre que a esquerda sair à rua para dizer que Portugal é um país racista, nós sairemos à rua com o dobro da força para mostrar que Portugal não é racista. As ruas são da direita desde o aparecimento do Chega

André Ventura anuncia uma contramanifestação de direita contra uma manifestação contra o racismo.

 

[Imagem]

 

 

 

 

"Vai para a tua terra!"

por josé simões, em 28.07.20

 

lisboa (1).jpg

 

 

O "vai para a tua terra!" que terá sido proferido pelo assassino de Bruno Candé antes de ter disparado os tiros, do mesmo programa "ciganos em acampamentos de luxo e os portugueses a passarem mal" ou de um alentejano que manda um setubalense para a terra dele, eu não sou racista mas na minha cabecinha, mais inteligente que a dos pretos, não entra que um preto possa ter nascido à beira Sado ou em Moscavide, ou até ter andado a passear pelo Terreiro do Paço no primeiro quartel do séc. XVII, de espada a cintura em amena intimidade com um branco, ou querem ver que o que está de espada é um mânfio xunga de Chelas que vai assaltar alguém com o chino da época, à espadeirada?... Ou outro lá mais atrás, de chapéu emplumado e capa vermelha, que parece estar a mercar qualquer coisa enquanto dá indicações a um pajem branco, ou querem também ver que é um dealer da Quinta do Mocho a dar ordens a um pequeno traficante de rua? [assinalados por mim na imagem que ilustra o post], são deduções perfeitamente banais e passíveis de traduzidas em posts no albergue de alucinados racistas e xenófobos que dá pelo nome de Parler, ou em qualquer conversa de café que invariavelmente começa e acaba com "não querem fazer nenhum". Agora a sério, há quanto tempo andamos a fazer os pretos malandros e manhosos e a mandá-los para a terra deles?

 

 

 

 

Assim se constrói o discurso do ódio

por josé simões, em 27.07.20

 

1 (84).jpg

 

 

No Parler, "Free Speach Social Network", também conhecido por Fachobook, a rede para onde a direita radical está a migrar por causa da "Censura imposta pelo FoiceBurqa" [sic] agora que o Facebook, timidamente, começa a impor restrições ao discurso do ódio e às contas falsas criadas pelos minions de Trump, Bolsonaro e pelo Ventas do Chaga, ainda que para isso tenha sido obrigado por via da quebra de receitas publicitárias imposta pela grandes marcas pressionadas pelos consumidores. Um albergue de alucinados só comparável ao hospício de Twelve Monkeys.

 

 

 

 

Sign O' The Times, LIII

por josé simões, em 22.07.20

 

1 (81).jpg

 

 

2 (71).jpg

 

 

3 (64).jpg

 

 

4 (54).jpg

 

 

Greg Bunbury's empowering street art campaign to amplify black creative voices

 

Sign O' The Times, Capítulo LII

 

 

 

 

In Memoriam

por josé simões, em 22.07.20

 

Andrew Mlangeni.jpg

 

 

Andrew Mlangeni

 

1925 - 2020

 

 

 

 

"Portugal não é racista"

por josé simões, em 14.07.20

 

1 (77).jpg

 

 

2 (67).jpg

 

 

3 (61).jpg

 

 

4 (51).jpg

 

 

No Facebook Joacine Katar-Moreira é vitíma de ataques racistas, às claras, durante uma sessão de videoconferência.

 

[Via]

 

 

 

 

Sign O' The Times, XLIV

por josé simões, em 02.07.20

 

1 Occupy-City-Hall.jpg

 

 

2 Occupy-City-Hall.jpg

 

 

3 Occupy-City-Hall.jpg

 

 

4 Occupy-City-Hall.jpg

 

 

5 Occupy-City-Hall.jpg

 

 

6 Occupy-City-Hall.jpg

 

 

Occupy City Hall

 

Sign O' The Times, Capítulo XLIII

 

 

 

 

O mentiroso profissional

por josé simões, em 22.06.20

 

Dana Wyse.jpg

 

 

"André Ventura, que defendia a exclusividade da função parlamentar, trabalha para a influente consultora fiscal Finpartner. Ao mesmo tempo é deputado e integra a Comissão de Orçamento e Finanças. Assim, recolhe no Parlamento informação privilegiada sobre questões fiscais, de máximo interesse para os clientes da Finpartner, que presta assessoria em questões… fiscais".

 

André Ventura, que defendia a redução do número de deputados porque os que lá estão são demais e além disso, segundo ele, faltam e não fazem nada, integra a  Comissão de Orçamento e Finanças que reuniu 39 vezes a que André Ventura faltou 25, integra a Comissão de Saúde que teve 21 reuniões com André Ventura a faltar a 17, e integra a Comissão de Assuntos Constitucionais que reuniu 30 vezes com 12 faltas de André Ventura. No total são 90 reuniões e 54 faltas, 60%. No tempo da Lei e Ordem do 24 de Abril, que tantas saudades inspira, André Ventura tinha chumbado o ano por faltas.

 

André Ventura, que sabe perfeitamente que 50% + 1 inviabilizam uma segunda volta nas presidenciais, para mobilizar o fraco eleitorado faz-se de burro com uma sondagem que lhe dá 7,2%, atrás dos 69,6% de Marcelo de Sousa, não percebendo o ridículo que é ser o único candidato publica e assumidamente declarado e estar nas intenções de voto umas décimas à frente de candidatos que oficialmente não existem.

 

André Ventura, depois de considerar uma "vergonha nacional" as manifestações da esquerda em tempos de Covid19, lança um apelo às hordas para não o deixarem caminhar sozinho na alegada manif anti-racista que convocou para 27 de Junho e recebe o apoio de cadastrado racista e neo-nazi Mário Machado, "Finalmente!".

 

André Ventura é um mentiroso profissional e um perigo para a democracia.

 

[Imagem]

 

 

 

 

O espertalhão

por josé simões, em 18.06.20

 

hitler mickey (1).jpg

 

 

André Ventura não quer descer a Avenida da Liberdade com uma faixa onde se poderá ler "Portugal Não é Racista" coisíssima nenhuma.  André Ventura quer aproveitar o actual clima de revolta e indignação global, à boleia do "Black Lives Matter" e do assassinato de George Floyd, para gerar uma contra-manifestação, criar um caso que lhe dê uma oportunidade de ouro para se vitimar e vomitar as habituais enxurradas de ódio de que se alimenta, com as televisões todas em directo em cima do acontecimento. É tão simples quanto isto. Resta saber quem é que está disposto a fazer-lhe a vontade.

 

 

 

 

Com um desenho

por josé simões, em 17.06.20

 

 

 

Esta imagem animada de Pawel Kuczynski para o desmoronar da União Soviética e do comunismo resume na perfeição os tempos que correm desde que os tempos correm: pessoas que derrubam estátuas e erguem estátuas e derrubam estátuas e erguem estátuas e... são, somos sempre os mesmos nos mesmos tempos em tempos diferentes nos tempos que correm.

 

 

 

 

I CAN' T BREATH. THEY GON' KILL ME. PLEASE SIR

por josé simões, em 17.06.20

 

 

 

 

 

In memoriam of George Floyd and too many others. Jenny Holzer, corner of Washington Ave and Park in Brooklyn.

 

 

 

 

Sign O' The Times, XXXIX

por josé simões, em 16.06.20

 

1 (64).jpg

 

 

2 (56).jpg

 

 

3 (50).jpg

 

 

4 (41).jpg

 

 

5.1.bmp

 

 

6.1.bmp

 

 

7 (33).jpg

 

 

8 (33).jpg

 

 

9 (27).jpg

 

 

10.1.bmp

 

 

11 (17).jpg

 

 

12 (15).jpg

 

 

13 (13).jpg

 

 

14 (13).jpg

 

 

15.1.bmp

 

16 (11).jpg

 

 

17.1 (1).bmp

 

 

18.1 (2).bmp

 

 

19.1 (1).bmp

 

 

20 (8).jpg

 

 

21 (5).jpg

 

 

22.1 (1).bmp

 

 

23 (4).jpg

 

 

Sign O' The Times, Capítulo XXXVIII

 

 

 

 

E ainda há palermas que juram que a Terra não é redonda

por josé simões, em 15.06.20

 

churchill-mosley (1).bmp

 

 

Um tem estátua na Parliament Square, o outro não. Um foi derrotado e escorraçado pelo povo e pela democracia, o outro ganhou uma guerra mundial e a eternidade. A estátua de um é defendida pelos discípulos do outro.

Setenta e cinco anos depois da vitória aliada sobre a Alemanha nazi na II Guerra Mundial ver a extrema-direita e os nazis a marchar nas ruas de Londres em defesa da estátua Churchill. Com as voltas que o mundo dá ainda há palermas que juram que a Terra não é redonda.