Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

DER TERRORIST

"Podem ainda não estar a ver as coisas à superficie, mas por baixo já está tudo a arder" - Y. B. Mangunwijaya, escritor indonésio, 16 de Julho de 1998.

||| A seguir

por josé simões, em 05.10.15

 

chema madoz.jpg

 

 

"O Presidente da Assembleia da República é eleito por maioria absoluta dos Deputados em efectividade de funções na primeira reunião plenária da legislatura [...]"


[Imagem]

 

 

 

 

|| O que a gente vê, daqui, do lado de fora

por josé simões, em 02.05.12

 

 

 

E o que mais impressiona no affair Conde Rodrigues é… Conde Rodrigues himself. Acossado por todos os lados e de todos os quadrantes, continua impávido e sereno, como se não fosse nada com ele, sem sequer lhe passar pela cabeça manifestar publicamente a sua indisponibilidade para ocupar o cargo e, consequentemente, retirar a candidatura. Ah, valente! [ironia].

 

[Imagem]

 

 

 

 

 

 

|| O Donaltim

por josé simões, em 09.02.12

 

 

 

O Donaltim era aquele boneco que aparecia na televisão a preto-e-branco sentado ao colo de um senhor a dizer coisas que na realidade não dizia e que eram ditas pelo senhor ao colo do qual se sentava, e que tinha o braço enfiado por dentro do pobre boneco, à laia de coluna vertebral, ao mesmo tempo que com a mão lhe dava movimentos à boca enquanto desenvolvia ele próprio um discurso, com a boca fechada e sem mexer os lábios.

 

O Donaltim não podia ser imputado porque não tinha culpa de nada, não tinha culpa de ser boneco.

 

«a "praxe parlamentar que ao longo do tempo poupa o primeiro-ministro de ir às comissões", a "fixação [no regimento] do debate quinzenal", e a "racionalidade no modo como se exerce o controlo político do Governo pelo Parlamento"»

 

CAPÍTULO III

FUNCIONAMENTO DA COMISSÃO

 

Artigo 15.º

(Audições)

 

4. Cada grupo parlamentar pode utilizar uma vez, por sessão legislativa o direito potestativo de requerer  a audição de membros do governo ou de qualquer entidade.

 

 

 

 

 

 

|| O Verdadeiro Artista

por josé simões, em 22.06.11

 

 

|| As lições do menino Tonecas

por josé simões, em 21.06.11

 

 

 

Primeira lição aprendida: quem manda na coligação não é o mais votado, é o mais inteligente e o mais astuto.

 

Segunda lição aprendida: apesar dos partidos e das negociatas pré-eleitorais, quem manda no Parlamento são os parlamentares

 

Para começo não está mal.

 

 

 

 

 

|| Pim-Pam-Pum, cada bala mata um, Em cima do piano, Está um copo com veneno, Quem bebeu morreu

por josé simões, em 20.06.11

 

 

 

«Na segunda volta recebeu 105 votos, menos um que na primeira.»

 

(Imagem fotograma de The Good, the Bad and the Ugly)

 

 

 

 

 

|| Coluna vertebral

por josé simões, em 15.06.11

 

 

 

A questão já não é ser ou não ser presidente da Assembleia da República, qualquer cidadão pode alimentar o sonho desde que eleito deputado. A questão é quando o cidadão, eleito deputado, não gera consenso dentro do partido pelo qual foi eleito, não gera consenso entre os seus pares, antes pelo contrário, para ocupar um cargo e desempenhar uma função para a qual é preciso consenso. E senso. E, depois das evidências, o cidadão não toma ele próprio a iniciativa de retirar a candidatura e se mantêm quedo e mudo à espera que saia.

 

(Imagem)

 

 

 

 

 

 

|| WTF?!

por josé simões, em 11.04.11

 

 

 

E depois a gente olha para todos os presidentes que a Assembleia da República teve em 36 anos de Democracia e depois olha para a eventualidade Fernando Nobre e pensa: WHAT THE FUCK?! Andam a gozar com o pagode, ou o quê? Se calhar é “ou o quê”…

 

(Buster Keaton na imagem)