Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

DER TERRORIST

"Podem ainda não estar a ver as coisas à superficie, mas por baixo já está tudo a arder" - Y. B. Mangunwijaya, escritor indonésio, 16 de Julho de 1998.

Descubra as diferenças

por josé simões, em 13.03.18

 

tio patinhas.jpg

 

 

Um dia depois da entrevista onde Pedro Soares dos Santos, líder do grupo Jerónimo Martins [Pingo Doce], pedia "flexibilidade dos horários de trabalho, fortalecer o banco de horas, flexibilidade nos postos de trabalho…" enquanto, candidamente, perguntava "porque é que uma pessoa não pode ser contratada em função do número de horas que quer trabalhar na semana? Por exemplo, você quer fazer um part time e diz que quer fazer 12 horas, mas quer fazer 12 horas num dia. Porque é que não pode ser feito?", que é como quem diz "porque é que hei-de contratar mais gente, criar mais postos de trabalho, pagar mais à Segurança Social, se posso manter, e até aumentar, os lucros com o mesmo número de empregados, perdão, de colaboradores, sem vida própria e sem família, "sim, patrão, sim patrão" sempre disponíveis na loja?", a cadeia de supermercados espanhola Mercadona, agora a expandir-se para Portugal, anuncia que "reduce un 50% el beneficio para invertir 1.000 millones y crear 5.000 nuevos empleos". Descubra as diferenças...

 

 

 

 

Recapitulando...

por josé simões, em 06.02.18

 

Intervención urbana “Sombra de reclamo”.jpg

 

 

A Comissão Europeia, que foi contra o aumento do Salário Mínimo Nacional, tem saudades do Governo da direita radical e da reforma que Passos Coelho lamentou ter deixado por fazer - baixar os custos do trabalho, e insinua que Portugal deve ir mais longe na facilitação dos despedimentos e na precariedade.

 

Há espaço para ir mais longe em reformas que reduzam a protecção laboral excessiva nos contratos permanentes em países como Portugal e Espanha

 

[Imagem]

 

 

 

 

É a sorte grande

por josé simões, em 21.11.16

 

extração lotaria.jpg

 

 

No tsunami que vai ser a integração de milhares de precários a recibo verde nos quadros do Estado, vão vir também, mesmo na crista da onda, os recibos verde-cunha do amiguismo e do cartão do partido que, de outra forma, nunca teriam entrada na administração pública. Vai ser um fartar vilanagem para a clientela político-partidária, de todos os partidos sem excepção, com o maior impacto a ser sentido e absorvido pelas Câmaras Municipais e a legião de assessores, técnicos e licenciados de todas as áreas. É a sorte grande, a lotaria do Natal, a taluda, o El Gordo, o Euromilhões em jackpot, com Joker e tudo.


[Imagem de autor desconhecido]

 

 

 

 

 

 

 

||| "Por que é que nascem tão poucas crianças? O que é preciso fazer para que nasçam mais crianças em Portugal?"

por josé simões, em 23.08.15

 

Stanley Kubrick’s Chicago, 1949-Bodybuilder-Gene

 

 

«Um quinto dos trabalhadores em Portugal é precário»


«Um em cada cinco trabalhadores recebe o salário mínimo»


«Famílias gastam em média 528 euros com arranque do ano lectivo»


[Imagem Stanley Kubrick’s Chicago, 1949, Bodybuilder Gene Jantzen with is wife Pat and eleven month old son Kent]


"Eu não acredito que tenha desaparecido nos portugueses o entusiasmo por trazer novas vidas ao Mundo"

 

 

 

 

||| "O Governo não tem um modelo de salários baixos e de desemprego para o país" [*]

por josé simões, em 03.12.14

 

poverty.jpg

 

 

«Mais trabalhadores vão poder acumular um salário com uma parte do subsídio de desemprego, desde que tenham um contrato ou inscrição no Centro de Emprego, há pelo menos três meses» ["Colaboradores" por "trabalhadores", registe-se].


Mas como é "preciso aliviar o peso do Estado na economia", dizia o senhor Coelho antes de se alçar ao poder, e porque "não é o Estado que cria emprego" mas porque "o emprego só virá da retoma económica", disse o senhor Coelho, já primeiro-ministro, numa comunicação de Natal ao pagode, há ainda que "limar algumas arestas", diz a dona Ana Vieira da Confederação do Comércio, neste acordo de concertação social, assinado pela UGT e onde, curiosamente, o secretário-geral Carlos Silva não aparece a dar o bigode ao manifesto e às câmaras, se calhar ainda a digerir o António Costa do passado fim-de-semana no congresso do PS, e as arestas todas limadinhas e com os rebordos boleados era os trabalhadores a trabalharem para as empresas os colaboradores a colaborarem com as empresas com a colaboração da Segurança Social com o salário pago na totalidade pela Segurança Social, que está descapitalizada e precisa de reforma e de consenso para a reforma, diz o Governo, todo, e o Presidente do Governo, no palácio que é da República.


E a prova provada de as empresas ultrapassaram as dificuldades, recuperaram e estão a responder aos desafios, de que a economia está aí, em modo milagre, e de que "chegou o momento do investimento" é que uma medida temporária, como era a suspensão dos feriados, pode até ser antecipada, diz agora o vice-pantomineiro, em modo barata tonta, à procura de uma nova vocação para o partido do contribuinte-pensionistas-ex-combatentes-lavoura-famílias-numerosas, a adivinhar o que lhe vai acontecer nas próximas legislativas. Viva!


[Imagem]


[*] Pedro Passos Coelho, 22 de Março de 2013