Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

DER TERRORIST

"Podem ainda não estar a ver as coisas à superficie, mas por baixo já está tudo a arder" - Y. B. Mangunwijaya, escritor indonésio, 16 de Julho de 1998.

(You Gotta) Fight for Your Right (To Party!)

por josé simões, em 24.06.19

 

1 (15).jpg

 

 

2 (16).jpg

 

 

3 (17).jpg

 

 

4 (14).jpg

 

 

5 (14).jpg

 

 

6 (8).jpg

 

 

7 (9).jpg

 

 

               Buzinão na Ponte 25 de Abril foi há 25 anos

 

 

 

 

Margem sul, a pagar desde 1966

por josé simões, em 06.08.16

 

diário popular.jpeg

 

 

 

 

 

||| Neoliberalismo

por josé simões, em 24.11.14

 

Season’s Greetings From Big Brother.jpeg

 

 

 

Do Estado mau e totalitário, pago com o dinheiro dos cidadãos e a "pesar na economia", para o Estado bom e liberal, ao serviço do privado pago com o dinheiro do contribuinte, opressor do cidadão para benefício de meia dúzia de famílias.

 

“Mais de 2000 funcionários do fisco na cobrança das portagens”

 

“[...] do universo de funcionários afectos à justiça tributária [onde caem as cobranças coercivas], 90% está a tratar dos processos relativos às dívidas e contra-ordenações relacionadas com taxas de portagem

 

[Imagem]

 

 

 

 

 

 

 

|| Sempre a Europa, sempre a Comissão Europeia, sempre do estrangeiro

por josé simões, em 01.10.12

 

 

 

Onde é que fica o princípio do utilizador-pagador se aqueles que moram lá, e que são quem mais utiliza, estão isentos de pagar? Interessante é ver neste caso, o Governo, sem coragem, escudar-se na lei comunitária e não recorrer à cantilena da "imagem que lá fora têm de nós", sem a vergonha nem os pruridos que mostra noutras intervenções sobra a intervenção estrangeira e a perda da soberania, por ser alguém vindo do exterior a chamar à atenção para o óbvio e a pôr ordem na casa.

 

[Imagem de autor desconhecido]

 

 

 

 

 

 

|| Para acabar de vez com o país

por josé simões, em 09.04.12

 

 

 

E não lhes ocorreu colocar cabines de portagem, com pagamento automático, Via Verde, e portageiros, escudados na desculpa de mau-pagador, para o efeito renomeada de "problemas técnicos", porque há muitos nós e muitas entradas e muitas saídas e muita falta de vontade.

E cabines de portagem implica investimento que é coisa que está fora do horizonte visual deste Governo que só vê lucro no imediato, portageiros implica criação de emprego e direitos e encargos com a Segurança Social e, por enquanto, o pessoal do RSI só vai trabalhar de graça para as autarquias e IPSS.

Quando o trabalho escravo for extensível a toda a economia talvez, mas se calhar já é tarde. Para o turismo, para a economia, para o país.

 

 

 

 

 

 

 

|| "O sol bate no goraz , nas sardinhas, nos legumes…"

por josé simões, em 08.03.12

 

 

 

Ninguém é demitido, ninguém se demite, não há vergonha nenhuma, e há 4, 4 milhões de euros do contribuinte português, vezes xis meses, na conta bancária da Lusoponte.

 

"logo p’la manhã vem, o aconchego terno, do velho xaile de lã…"

 

[Na imagem "Tacoma Narrows Bridge Collapse", 7 Novembro de 1940, autor desconhecido]

 

 

 

 

 

 

|| O Testamento do Dr. Mabuse

por josé simões, em 27.12.11

 

 

|| O Verdadeiro Artista

por josé simões, em 19.07.11

 

 

 

E quando a situação financeira deixar de saltar à vista, retriram-se as portagens e guardasse o princípio do utilizador-pagador no bolso das calças:

 

«há uma situação financeira que salta à vista e que justifica esta sua opinião»

 

 

 

 

 

 

 

|| Uma fórmula simples

por josé simões, em 07.10.10

 

 

 

 

 

Meia dúzia de maduros (não é preciso mais) sai nas respectivas viaturas para a auto-estrada, em marcha lenta - de preferência nas entradas/ saídas dos grandes centros urbanos - e com a mão em cima do cláxon. Os outros, os milhares que anseiam por chegar a casa, ao trabalho, buscar os filhos à escola, or ever, desesperados com a lentidão do trânsito e a ver a vidinha a andar para trás, começam a stressar e desatam a buzinar como forma de escape. Está feito o maior buzinão da história, em protesto contra a introdução de portagens nas SCUT. Mais fácil que limpar o rabo a meninos.

 

Adenda: os jornais, isentos e descomprometidos destas coisas do regionalismo-futeboleiro, informam as horas e os locais das concentrações. È aproveitar a info e não passar por lá.

 

(Imagem de Virxilio Viéitez fanada no El Mundo)

 

 

 

 

 

 

 

|| O(s) Verdadeiro(s) Artista(s)

por josé simões, em 28.09.10

 

 

 

Em parceria com os idiotas úteis do lado de cá da fronteira, empresários da região com as portagens mais caras de toda a Espanha protestam contra a introdução de portagens nas Scut.

 

 

 

 

 

|| Há coisas fantásticas; não há?!

por josé simões, em 16.07.10

 

 

 

 

 

A região com as portagens mais caras de toda a Espanha e onde nalguns casos, como entre Tuy e Santiago de Compostela, se chega a pagar 3 – três – 3 vezes portagem sem sair da mesma auto-estrada, é contra a introdução de portagens nas SCUT.

 

Abel Caballero, presidente do Eixo Atlântico, em declarações à Antena 1 (a partir do minuto 01:01)

 

«É um factor limitativo, vai ser negativo para a mobilidade e não contribui para a proximidade»

 

(Imagem fanada no Chicago Tribune)

 

 

 

|| Mangar com o pagode

por josé simões, em 01.07.10

 

Além de pagar as minhas portagens em cash e as dos outros, as SCUT por onde nunca passo, via impostos, descubro agora que também pago a programação cultural da cidade do Porto. O Porto é um Estado à parte dentro do país?

 

«(…) no momento em que os portugueses são obrigados a cair na real, Portugal descobre estupefacto que a Casa da Música vai buscar 9,5 milhões de euros aos nossos impostos. Estão a mangar com o pagode?»

 

 

 

 

|| Expliquem-me como se eu fosse muito burro

por josé simões, em 01.07.10

 

 

 

 

Se os residentes e os utilizadores habituais ficarem isentos de pagamento onde é que está o princípio do utilizador-pagador?

 

 

 

 

|| (Viva) O Poder Popular!

por josé simões, em 29.06.10

 

 

 

Durante anos e anos e anos e anos, a incompetência aliada à ganância e falta de visão de futuro dos autarcas (eleitos com o voto popular em eleições livres e democráticas), permitiu que se construíssem autênticas áreas metropolitanas à beira das Estradas Nacionais. Agora não há alternativa. Ele é bandas sonoras, semáforos, cruzamentos, passadeiras, e percurso que antes demorava meia hora a fazer leva agora hora e meia. Culpa nossa, por não os termos punido na devida hora com o voto, que a Nacional 125 seja uma rua, como diz o autarca profissional Macário Correia?

 

Quem se abotoou com a Sisa e demais impostos, provenientes das autorizações de construção, devia agora pagar a construção das estradas alternativas às SCUT.

 

 

 

 

|| Progressão na carreira

por josé simões, em 27.06.10

 

 

 

«(…) passou do gabinete do secretário de Estado (…) para a empresa pública que gere o sistema de portagens nas autoestradas. E já este ano transitou para a empresa fornecedora dos mecanismos de pagamento nas SCUT.»

 

Parece que a República faz este ano 100 anos...

 

(Imagem via Getty Images)