Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

DER TERRORIST

"Podem ainda não estar a ver as coisas à superficie, mas por baixo já está tudo a arder" - Y. B. Mangunwijaya, escritor indonésio, 16 de Julho de 1998.

O Verdadeiro Artista

por josé simões, em 26.02.19

 

Breakfast Cereal Sugar Smacks.jpg

 

 

Os pobres fizeram-se para a gente os transformar em classe média

 

Alexandre Soares dos Santos, ex-administrador da Jerónimo Martins.

 

[Imagem]

 

 

 

 

CDS alerta que situação do pais "é pior que no tempo da troika"

por josé simões, em 30.11.18

 

 

 

O risco de pobreza reduziu-se para 17,3% - 2018

 

[Título do post]

 

 

 

 

"Baixar os custos do trabalho foi a reforma que ficou por fazer"

por josé simões, em 15.06.18

 

passos portas maria luis.jpeg

 

 

Pobreza em Portugal prolonga-se geração após geração

 

[Pedro Passos Coelho em 9 de Abril de 2015]

 

 

 

 

Homem rico, homem pobre

por josé simões, em 22.03.18

 

marcelo ricardo salgado.jpg

 

 

Diz que o Marcelo, Presidente, diz que tem vergonha das desigualdades socias e da pobreza em Portugal, em 2018, no século XXI.

 

[Imagem]

 

 

 

 

1%

por josé simões, em 14.12.17

 

Nilton Fukuda-Estadão.jpg

 

 

A imagem quase que dispensa ler a notícia.

 

 

 

 

O Verdadeiro Artista

por josé simões, em 02.10.16

 

clown.jpg

 

 

De Pedro Passos Coelho, primeiro-ministro, em 25 de Outubro de 2011: "Não vale a pena fazer demagogia sobre isto, nós sabemos que só vamos sair desta situação empobrecendo - em termos relativos, em termos absolutos [...]" ao que se seguiram 4 anos de Governo Pedro Passos Coelho/ Paulo Portas/ Cavaco Silva, que não tinha um "modelo de baixos salários para o país" e com os sacrifícios distribuídos "equitativamente" entre os mais pobres, que ficaram 25% ainda mais pobres, para Pedro Passos Coelho, primeiro-ministro no exílio, em 2 de Outubro de 2016 a acusar o Governo de construir uma "sociedade mais pobre e mais injusta". Qual Governo?


[Imagem]

 

 

 

 

Guardar

||| Estudos da treta, com conclusões da treta, para justificar conversas da treta

por josé simões, em 05.05.16

 

Derniere Danse.jpg

 

 

Porque a verdade é que o Euro é uma moeda cara e 1 kg de batatas que no dia 31 de Dezembro de 2001 custava 80/ 100 escudos passou a custar 1 euro no dia 1 de Janeiro de 2002 e um café que custava na mesma data 45/ 50 escudos passou a custar, também no dia seguinte, 50 cêntimos de euro, uma conversão directa em menos de 24 horas [do que é que o pequeno comércio a retalho e restauração se queixaram será sempre uma incógnita]. Dir-me-ão que as pessoas não se governam só a café e batatas, pois não, mas é muito por aqui que a coisa começou.


Outra coisa que o estudo nos diz é que vale a pena apostar e investir na educação porque com mais formação e mais habilitações literárias as probabilidades de encontrar um emprego mais remunerado são muito maiores.


O que o estudo não nos diz é a média salarial dos portugueses, nem a quantidade de portugueses que aufere o salário mínimo nacional, nem a constituição dos agregados familiares dos portugueses que vivem com a média e o mínimo salarial em Portugal. É que dá muito mais jeito à narrativa liberal instalada no Banco de Portugal dizer que os madraços dos tugas são uns gastadores que não acautelam o futuro e insistem em continuar a viver acima das suas possibilidades. É que alguém que ganhe o salário mínimo nacional, se não tiver filhos, nem pagar renda da casa, nem água, nem luz, e for trabalhar de Inverno com roupa de Verão, depois de um jantar de bolacha Maria na véspera, consegue aforrar a pensar nalgum contratempo da vida ou para acautelar a velhice.


Estudos da treta, com conclusões da treta, para justificar conversas da treta.


[Imagem]

 

 

 

 

||| "Social-democracia, sempre!"

por josé simões, em 17.03.16

 

Montenegro-Passos-Marco.jpg

 

 

"Uma em cada 14 famílias portuguesas salta refeições por não ter dinheiro. Sofre daquilo que se designa, na gíria, como "insegurança alimentar grave", ou seja, não come o suficiente por não ter meios para isso."


[Imagem]

 

 

 

 

||| Em quem vota Américo Amorim?

por josé simões, em 24.01.16

 

Cavaco Silva Guarda 10 de Junho.jpg

 

 

Em quem votou Américo Amorim nas Presidenciais de 2006 e de 2011? Em quem vai votar nas Presidenciais de 2016, o homem a quem 2 – dois – 2 milhões de pobres não superam a fortuna e que em 2009, quando já estava no Top of the Pops dos mais ricos, não teve pejo em despedir 195 a ganhar o salário mínimo nacional, por antecipação ao que a crise global iria «certamente evidenciar»? Em quem vota Américo Amorim?

 

 

 

 

||| Da série "Não Há Dinheiro Para Nada"

por josé simões, em 18.01.16

 

 

 

"Just 62 people now own the same wealth as half the world's population, research finds"


"An Economy for the 1%"


[Significado da imagem]

 

 

 

 

||| "Gralha", dizem eles

por josé simões, em 24.07.15

 

relatório governo.jpg

 

 

Descontando aquela parte do estudo do FMI abranger o período compreendido entre 2008 e 2012 e o acção de propaganda do Governo reportar a 2011/ 2015, a gente faz de conta que acredita, que é "gralha".


«O Governo redigiu um documento de quase 90 páginas em que faz o balanço dos quatro anos de legislatura com as medidas tomadas em várias áreas. Na área social, admite que os mais pobres foram mais afectados pela crise. É uma gralha, admite o Governo. E vai corrigir.»

 

 

 

 

||| Circo

por josé simões, em 15.06.15

 

circo.png

 

 

Ou como a incompetência do FMI está a matar o capitalismo:


«Não só se confirma que a desigualdade está ao "mais alto nível em décadas" e que uma maior desigualdade tem como consequência um abrandamento do crescimento da economia [...].


[...] mais desigualdade faz as economias crescer menos. "Se a parte do rendimento dos 20% mais ricos aumenta, então o crescimento do PIB diminui no médio prazo", [...] "um aumento da parte do rendimento detida pelos 20% mais pobres está a associado a um crescimento do PIB mais elevado".


Como a desigualdade faz mal ao crescimento, faz sentido perceber o que a está a provocar, para tentar inverter a tendência.


Um dos mais importantes é o aumento do prémio que é oferecido aos que têm mais qualificações. Com o desenvolvimento tecnológico, a parte da população que tem qualificações que lhes permitem tirar mais vantagens desse desenvolvimento viu os seus rendimentos subirem muito mais do que os que não têm essas qualificações.


[...] “a suavização da regulação nos mercados de trabalho está associada com uma desigualdade no mercado e um peso do rendimento dos 10% mais ricos mais elevada”, [...] “a flexibilidade do mercado de trabalho beneficia os ricos e reduz o preço de negociação dos trabalhadores de mais baixos rendimentos”.


A política fiscal já desempenha um papel significativo a enfrentar a desigualdade de rendimento em muitas economias avançadas, mas esse papel redistributivo da política fiscal pode ser reforçado através de uma maior importância para os impostos sobre a fortuna e a propriedade, de uma tributação mais progressiva dos rendimentos, da redução das oportunidades para a fuga aos impostos, de uma melhor escolha dos benefícios sociais, ao mesmo tempo que se minimizam os custos de eficiência”»


[Imagem de autor desconhecido]

 

 

 

 

||| "Nós somos considerados como países ricos no mundo" [*]

por josé simões, em 22.05.15

 

Sem título.jpg

 

 

«In it together? The 10 most unequal developed countries who are leaving their poor behind»


[*] Pedro Passos Coelho em 15 de Maio de 2015

 

 

 

 

||| "Só vamos sair da crise empobrecendo" [*]

por josé simões, em 21.05.15

 

 

 

"La OCDE advierte que la creciente desigualdad frena la economía"


[*] Pedro Passos Coelho em 25 de Outubro de 2011


[Imagem]

 

 

 

 

||| Exportações e internacionalização são o motor da recuperação económica

por josé simões, em 11.04.15

 

Gerald Bloncourt.jpg

 

 

Subsitituir "Luxemburgo" por "Portugal", "Bruxelas" por "Lisboa", "Porto", "Setúbal", "Braga" ou "Faro". "ZDF" não é substituível por "RTP", "SIC", "TVI", porque logo a seguir à reportagem entram os comentadores do pensamento único com lugar cativo e tudo volta à maior das normalidades e é só maravilhas, yellow brick road e amanhãs que cantam. Exportamos e internacionalizamos pobreza e miséria e não nos envergonhamos com isso. "A nossa imagem no estrangeiro" não é para aqui chamada.


«Família portuguesa retrata pobreza infantil no Luxemburgo


O caso de uma família portuguesa em dificuldades no Luxemburgo, denunciado numa reportagem da televisão alemã ZDF, levou dois deputados socialistas a questionar o Governo luxemburguês.»


[Imagem de Gerald Bloncourt. Emigrantes portugueses na bidonville, arredores de Paris, 1967]