Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

DER TERRORIST

"Podem ainda não estar a ver as coisas à superficie, mas por baixo já está tudo a arder" - Y. B. Mangunwijaya, escritor indonésio, 16 de Julho de 1998.

Descubra as diferenças

por josé simões, em 13.03.18

 

tio patinhas.jpg

 

 

Um dia depois da entrevista onde Pedro Soares dos Santos, líder do grupo Jerónimo Martins [Pingo Doce], pedia "flexibilidade dos horários de trabalho, fortalecer o banco de horas, flexibilidade nos postos de trabalho…" enquanto, candidamente, perguntava "porque é que uma pessoa não pode ser contratada em função do número de horas que quer trabalhar na semana? Por exemplo, você quer fazer um part time e diz que quer fazer 12 horas, mas quer fazer 12 horas num dia. Porque é que não pode ser feito?", que é como quem diz "porque é que hei-de contratar mais gente, criar mais postos de trabalho, pagar mais à Segurança Social, se posso manter, e até aumentar, os lucros com o mesmo número de empregados, perdão, de colaboradores, sem vida própria e sem família, "sim, patrão, sim patrão" sempre disponíveis na loja?", a cadeia de supermercados espanhola Mercadona, agora a expandir-se para Portugal, anuncia que "reduce un 50% el beneficio para invertir 1.000 millones y crear 5.000 nuevos empleos". Descubra as diferenças...

 

 

 

 

||| Do Estado chinês e do Estado angolano?

por josé simões, em 16.03.16

 

money.jpg

 

 

Estamos a falar da Saúde, da Educação, da Justiça, os únicos sectores que vão resistindo à voragem, "libertadora", da "excelência" do sector privado, ou do Estado chinês e do estado angolano detentores de sectores estratégicos da economia? Do que é que se fala quando se diz da boca para fora, e sem quantificar, que o “peso do sector público em Portugal está a matar o privado”, num país chamado a salvar com o dinheiro dos seus impostos e a com as tripas e o coração a "excelência" do sector bancário privado?


[Imagem]