Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

DER TERRORIST

"Podem ainda não estar a ver as coisas à superficie, mas por baixo já está tudo a arder" - Y. B. Mangunwijaya, escritor indonésio, 16 de Julho de 1998.

Os malucos do riso

por josé simões, em 13.03.17

 

coum kate.jpg

 

 

Não há responsabilidade política do "doutor Paulo Núncio" [deve, rapidamente, schnell, schnell, reassumir os cargos, importantíssimos, a que renunciou no CDS?] mas a haver responsabilidade política essa é de Pedro Passos Coelho e numa matéria muito mais grave e importante e que só vagamente foi abordada em Conselho de Ministros, "fazia parte da visão do primeiro-ministro", e ainda por cima foi enganada por Maria Luís Albuquerque, já que estava de férias e assinou de cruz por confiar na palavra.

 

É neste espécime que o PSD pondera votar para a Câmara de Lisboa nas eleições autárquicas que se avizinham.

 

[Imagem de autor desconhecido]

 

 

 

 

 

||| #PorAcasoFoiIdeiaMinha

por josé simões, em 23.07.15

 

Creative_Wallpaper_The_tentacles_of_the_octopus.jp

 

 

«Toda a documentação relativa ao pedido de pagamento de saldo deste projecto dos aeródromos, que decorreu entre 2004 e 2006, foi entregue pela Teconoforma à CCDRC em Março de 2007 com as assinaturas de Pedro Passos Coelho e Francisco Nogueira Leite (actual presidente da Parvalorem), então administradores da empresa.»


«Serviço europeu antifraude participou ao MP ilegalidades no caso Tecnoforma»


[Imagem]

 

 

 

||| O princípio é exactamente o mesmo

por josé simões, em 31.01.15

 

fucked.jpg

 

 

Do Governo que decide antecipar os lucros aos bancos e tem o topete de vir proclamar aos quatro ventos que resolveu o problema dos contratos swap, para depois ver o Supremo Tribunal de Justiça, pela segunda vez, dar razão a quem defendia a sua denúncia e a via judicial, ao Governo que fecha a porta a uma cimeira europeia para a renegociação da dívida que permita a recuperação económica, o crescimento e emprego, o princípio é exactamente o mesmo: garantir lucros e mais-valias aos bancos, alimentar a especulação financeira, esbulhar o bolso do contribuinte, continuar o saque fiscal e desmantelar o Estado em favor de interesses privados, enquanto argumenta o contrário, que é a da salvação do Estado que se trata, da credibilidade restaurada, da recuperação económica que aí vem, da sustentabilidade garantida.


[Imagem]

 

 

 

 

||| Um país de faz de conta

por josé simões, em 04.10.14

 

 

 

A coligação não está em perigo por causa de negociatas mal-amanhadas e mal explicadas à roda de submarinos, carros de combate e espingardas metralhadoras; a coligação não está em risco por causa da credibilidade do primeiro-ministro valer menos que uma ponta de cigarro encharcada na borda do passeio por causa de negociatas mal-amanhadas e mal explicadas à roda de uma Tecnoforma e duma 'ongue' inventada para sacar fundos comunitários para o bolso de meia dúzia de espertalhões; a coligação não está em perigo por o Ministério da Educação estar ao Deus-dará e por a vida de milhares de professores e de alunos e de famílias continuar em suspenso ou em marcha à ré; a coligação não está em perigo por a Justiça ter sido suspensa e sofrido o maior retrocesso desde os tempos de D. Maria; não. A coligação está em perigo por causa da ginástica acrobática do vice-pantomineiro a correr atrás do partido perdido dos contribuintes que as eleições são já em 2015 e 2015 e já para o ano e para 'já para o ano' faltam já menos de seis meses.