Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

DER TERRORIST

"Podem ainda não estar a ver as coisas à superficie, mas por baixo já está tudo a arder" - Y. B. Mangunwijaya, escritor indonésio, 16 de Julho de 1998.

O Verdadeiro Artista

por josé simões, em 13.09.18

 

Hungria 1956.jpg

 

 

"O PCP denuncia e condena firmemente os ataques à democracia, aos direitos sociais, às liberdades e garantias fundamentais dos cidadãos na Hungria". Mas, como "o PCP rejeita também que, a pretexto desta situação – que espelha, aliás, as políticas da própria UE –, a União Europeia tente abrir caminho ao incremento das suas ameaças, chantagens, imposições e sanções contra os Estados e os seus povos", o PCP vota ao lado dos fascistas e proto-fascistas europeus de forma a que os ataques à democracia, aos direitos sociais, às liberdades e garantias fundamentais dos cidadãos na Hungria continuem de vento em popa.

 

Na imagem "o aprofundamento do carácter supranacional da UE e das suas políticas – determinadas pelas suas grandes potências e grandes interesses económicos –, o seu crescente desrespeito da soberania nacional e dos direitos sociais" que o PCP condena e abomina.

 

 

 

 

Fascismo nunca mais!

por josé simões, em 12.09.18

 

fascismo_nunca_mais.jpg

 

 

Quando a notícia do dia deveria ser que mais de 5 - cinco - 5 anos passados sobre o relatório de Rui Tavares, então eurodeputado pelo Bloco de Esquerda, que apontava ao Governo de Viktor Orban violações graves e sistemáticas dos valores consagrados no artigo 2 do Tratado da União Europeia: democracia, Estado de direito, liberdade, igualdade e respeito pelos direitos humanos, incluindo pessoas oriundas de minorias, que finalmente o Parlamento Europeu aprovou, com  448 votos favoráveis, 197 contra e 48 abstenções, que seja accionado o artigo 7.º do Tratado da União Europeia, um procedimento que, no limite, pode levar à suspensão dos direitos de voto da Hungria, governada pelo protofascista Fidesz, com assento na bancada parlamentar do Partido Popular Europeu [PPE] ao lado do PSD e do CDS, eis que a notícia é que o PCP, os campeões e donos da exclusividade da luta contra o fascismo, votou a favor do fascista Orban votou contra o relatório da eurodeputada "verde" holandesa Judith Sargentini, desviando as atenções de onde elas deviam estar, no PPE, no PSD de Paulo Rangel e no CDS do 'cónego' Nuno Melo. O PCP sempre do lado certo da história.

 

[Imagem de autor desconhecido]

 

 

 

 

O Bruno de Carvalho da política

por josé simões, em 09.09.18

 

 

 

À imagem do ex- presidente do Sporting que nunca tinha um discurso pela positiva, nunca conseguia afirmar o Sporting pela força do clube e ideias próprias, era sempre "porque o Benfica isto", "mas o Benfica", "e o Benfica aquilo", "no Benfica acontece", "no Benfica deixa de acontecer", Jerónimo de Sousa não consegue alinhavar uma frase completa com uma ideia alternativa para o país que não passe "porque o PS aquilo", "mas o PS aquele outro", "e o PS assim", "e o PS assado", mesmo até quando o PS está arredado do poder, entregue ao PSD e ao CDS. E subir o de nível?

 

 

 

 

Da série "Coisas Verdadeiramente Surpreendentes"

por josé simões, em 05.09.18

 

lenine.jpg

 

 

Um dia depois de Catarina Martins, o "Partido Proletário de Novo Tipo" a reboque do "Radicalismo de Esquerda, a Doença Infantil do Comunismo".

 

Jerónimo admite PCP no Governo

 

Quinta-feira o Avante! explica

 

[A imagem é minha]

 

 

 

 

 

Jerónimo no seu labirinto

por josé simões, em 28.08.18

 

Paco Pomet (1).jpg

 

 

O secretário-geral do PCP apontou hoje a falta de emprego e de “salários justos” como as causas da emigração, rejeitando que tenha sido o nível do IRS a forçar os portugueses a sair do país.

 

E agora como é que vamos lutar contra o capitalismo em França, Alemanha, UK, Luxemburgo, Suíça, etc. , que dá emprego e paga salários justos aos injustiçados do capitalismo em Portugal, sem desestabilizar o sistema económico e social em cada país, já que o argumento terá obrigatoriamente de passar por mais emprego e salários mais justos para os nativos, pressionados pela emigração portuguesa, e com isso criar uma onda xenófoba e racista como reacção?

 

"E o Sol brilhará para todos nós"? [E a Venezuela aqui tão perto].

 

[Imagem]

 

 

 

 

Recuperando a dupla Estaline/ Beria

por josé simões, em 27.08.18

 

simon sebag montefiore.jpg

 

 

Recuperando a dupla Estaline/ Beria que, quais romanos, não pagava a "traidores", de classe, principalmente da burguesia capitalista, "espiões" e "sabotadores":

 

Miguel Tiago: "Sou um traidor da minha classe"

 

[A imagem é minha]

 

 

 

 

Uma injecção atrás da orelha

por josé simões, em 28.05.18

 

pcp.jpg

 

 

O PCP que, no pós 25 de Abril, se queixava da "direita reaccionária" a norte do do Mondego a manipular a ignorância das populações no obscurantismo de quase 50 anos de ditadura fascista, com a "injecção atrás da orelha" dada pelos comunistas aos velhos, para incutir o medo nas pessoas e travar os ventos de mudança e a abertura proporcionados pela novel democracia, cujos reflexos primeiros e imediatos eram as campanhas de alfabetização, as comissões do poder popular e os sindicatos libertos do corporativismo fascista, é o PCP que, em 2018, de má-fé, recorre à mesma filha da putice da mentira e manipulação para segurar o eleitorado envelhecido nos meios rurais onde ainda tem forte implantação e nos meios urbanos da iliteracia e crendice que quase 50 anos de democracia não conseguiram erradicar, com os "relatos vindos da Holanda, onde a morte antecipada está instituída na lei, dão conta de idosos com maiores rendimentos que emigram para as zonas de fronteira com a Alemanha para evitarem a possibilidade de serem eutanasiados". Tudo farinha do mesmo saco.

 

[Imagem de autor desconhecido]

 

 

 

 

As saudações do PCP

por josé simões, em 24.05.18

 

scott scheidly.png

 

 

O PCP saudou na passada 2.ª feira a expressiva vitória bolivariana nas eleições presidenciais venezuelanas exigindo, em simultâneo, respeito pela vontade do povo da Venezuela.

 

No intervalo entre saudações o PCP podia dedicar algum tempo num quadradinho de página no Avante! para nos explicar a diferença entre as chapeladas eleitorais de Nicolas Maduro do "socialismo bolivariano para o século XXI" e as de Salazar e Caetano no fascismo do Estado Novo, por exemplo. E também por exemplo a diferença entre a supressão de direitos, liberdades e garantias, a censura da imprensa, e encerramento de jornais, televisões e rádios, as "conversas em família" do líder revolucionário Maduro uma noite por semana na televisão, a perseguição à oposição e os presos políticos do "socialismo bolivariano para o século XXI", a tortura praticada pelas milícias, polícias e forças militares em total impunidade, o poder judicial submetido ao poder político, e a ditadura fascista do Estado Novo de Salazar e Caetano de que os comunistas e o PCP foram as principais vítimas.

 

[Imagem]

 

 

 

 

Dão-se explicações

por josé simões, em 12.04.18

 

sammy slabbinck.jpg

 

 

Depois, se houver uma crise como a do subprime, ou outra, uma guerra, com o imbecil que está instalado na Casa Branca nunca se sabe, se o preço do petróleo vier por aí acima, se o próximo ocupante do Banco Central Europeu for um alemão fundamentalista, e isto der para o torto, dá de certeza, e apanharmos com o terceiro resgate numa década, o ministro das Finanças vai explicar aos portugueses, aqueles que não trabalhadores da Administração Pública, do sector privado, que não são aumentados há quase uma década, nalguns casos até há mais tempo, porque é que não havendo dinheiro para nada, nem para a saúde, nem para a educação, nem para as polícias e os militares, nem para a justiça, andou a distribuir dinheiro a rodos ao invés de manter o défice perto do zero por forma a reduzir os juros da dívida e permitir o investimento público.

 

Sucesso, diz o Ministro das Finanças [Mário Centeno], mas vai ter de explicar aos trabalhadores da administração pública por que afirma que não há dinheiro para aumentos salariais para trabalhadoras que estão há oito/nove anos sem qualquer aumento, afirmou o líder do PCP.

 

[Imagem]

 

 

 

 

Mete mais tabaco

por josé simões, em 11.01.18

 

 

 

Incluíam os projectos do BE e do PAN, que permitiriam o uso da cannabis para fins medicinais, na Lei do Financiamento dos Partidos Políticos e das Campanhas, com as perspectivas futuras do encaixe financeiro a efectuar pelo PCP, via "Festa do Avante!", e já não tinham a hipocrisia dos comunistas no Parlamento a votar ao lado da direita radical retrógrada, com recurso a uma argumentação simplesmente estúpida, num tempo em que a planta está a ser legalizada por todo o mundo.

 

 

 

 

"Acabou-se o argumento", dizem eles

por josé simões, em 05.12.17

 

now what.jpg

 

 

É por estes dias o argumento puxado para os fóruns e para os espaços de comentário nas rádios, jornais e televisões pela "direita unitária", que é aquela direita que oficialmente não é de direita mas do centro, que tanto pode ser do PS como do PSD ou até do CDS, cheia de boas maneiras e de responsabilidade e com luvas brancas e falinhas mansas, que tem boa timeline de esquerda no Twitter e no Facebook, encartada na direcção de televisões ou com avença e lugar cativo no comentário pago, que com a eleição de Mário Centeno para a presidência do Eurogrupo acaba de vez o argumento da direita, que não eles, do TINA por oposição à irresponsabilidade e ao despesismo esquerdista, inimigo das boas contas, da consolidação orçamental, da diminuição do défice e do Estado cumpridor, pagador a tempo e horas, eficaz e longe da economia o mais possível, como se fosse isso que alguma vez tivesse estado em cima da mesa e não a transferência de rendimentos do trabalho para o capital, só, e a coberto da mentira da "gordura" e do "viver acima das possibilidades", do sofrimento terreno para alcançar a glória dos mercados, nestes últimos dois com uma reversão, mínima, só possível por uma conjugação de factores, irrepetíveis: a ambição de António Costa em ser primeiro-ministro e o pavor do PCP e BE por mais 4 anos de Governo da direita radical. O resto é história e Mário Centeno faz parte dela.

 

[Imagem]       

 

 

 

 

Parabéns ao PCP

por josé simões, em 23.11.17

 

 

 

Parabéns ao PCP, o da boca cheia de "piquenas" [não é gralha] e "micro" empresas. Com a pressão que a medida coloca na tesouraria das empresas, em meses fixos do ano, o que vai acontecer é um a dois meses de salários em atraso, na maioria das vezes nunca recuperáveis. Então no pequeno comércio, cada vez mais pressionado por hipers, promoções, shoppings e black fridays, e dependente das vendas do dia-a-dia para cumprir obrigações salariais, obrigações com a Segurança Social e obrigações com a Autoridade Tributária, vulgo fisco, vai ser o descalabro total.

 

O pagamento dos subsídios de Natal e de férias no sector privado vai deixar de ser feito parcialmente em duodécimos e voltará a ser feito de uma só vez, em 2018, depois da aprovação de uma proposta do PCP.

 

 

 

 

O insulto à inteligência

por josé simões, em 05.10.17

 

manif anos 70.jpg

 

 

Que agora os comunistas, acossados pelo PS e ressabiados pelas câmaras municipais perdidas para os socialistas nas autárquicas de 1 de Outubro de 2017, vão encher as ruas todos os dias com manifs e bloqueios de protesto vários, por tudo e por mais alguma coisa; que agora os sindicatos afectos ao PCP vão criar uma onda de greves na administração pública e nas empresas públicas; que vão paralisar o país e todas as repartições do Estado, com contratempos incalculáveis e prejuízos incomensuráveis para os serviços públicos e para a vida das pessoas. Como se as pessoas saíssem para a rua a mando dos comunistas, como se as pessoas desatassem a fazer greves e a perder um dia de salário e de subsídios diversos agregados só porque alguém lhes diz para fazerem greve, só porque o PCP lhes manda fazer. As pessoas não saem para a rua porque se sentem injustiçadas, as pessoas não fazem greve porque se sentem exploradas e espoliadas, fazem-no porque são acéfalas às ordens da Brigada Brejnev que domina os sindicatos, por ordem do partido que lhes pede o voto nas urnas, no segredo da cabina de voto, e que elas recusam dar, para virem depois para as ruas dar a cara, com palavras de ordem e bandeiras não mãos.

 

[Imagem]

 

 

 

 

Os cúmplices

por josé simões, em 02.08.17

 

stalin_clown.jpg

 

 

Nicolas Maduro, com o apoio do PCP, faz na Venezuela à oposição o que a PIDE fazia em Portugal ao PCP: prender pela calada da noite.

 

 

 

 

O mundo ao contrário

por josé simões, em 19.07.17

 

reforma agrária.png

 

 

Para o deputado comunista João Ramos, a proposta preconizada pelo governo pode por em causa o direito de propriedade dos pequenos proprietários florestais.

 

[Imagem]