Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

DER TERRORIST

"Podem ainda não estar a ver as coisas à superficie, mas por baixo já está tudo a arder" - Y. B. Mangunwijaya, escritor indonésio, 16 de Julho de 1998.

O desonesto e o patinho

por josé simões, em 12.04.24

 

Sailor Duck.jpg

 

 

Chegado de Marte há bocado, e logo nomeado ministro dos Negócios Estrangeiros, descobre que há guerra na Ucrânia - vai para dois anos, que faz 6 meses uma guerra Israel - Hamas, e que há terrorismo no SAEL - há décadas. O mundo não está um lugar seguro, a instabilidade está aqui, em cima deste Governo, desiludam-se que não podemos dar tudo a todos como prometido em campanha eleitoral. O desonesto, Paulo Rangel.

 

Fim das portagens nas ex-SCUT, redução do IVA da electricidade, exclusão dos rendimentos dos filhos como condição para o acesso ao Complemento Solidário para Idosos, aumentar a despesa dedutível com arrendamento até atingir os 800 euros e alargar o apoio ao alojamento estudantil. "Ficamos à espera para ver como vão votar estas iniciativas". Assim o PCP e o Bloco ficaram à espera, depois dos infantários gratuitos, do passe social a 40 paus, das propinas, tudo medidas capitalizadas pelo PS nas eleições seguintes. O patinho, Pedro Nuno Santos.

 

[Imagem]

 

 

 

 

Negócios Estrangeiros e diplomacia

por josé simões, em 31.03.24

 

PR.png

 

 

               2:15 PM · 16 de nov de 2023

 

 

 

 

Protagonismo acima das suas possibilidades

por josé simões, em 28.10.22

 

Colin Chillag.jpg

 

 

Paulo Rangel tem um problema grave, e aparentemente sem solução: a ideia de democracia e de debate político,  desde os idos da "claustrofobia democrática" até ao actual "bullying democrático", com o intermezzo Órban como companheiro de secretária no Parlamento Europeu.

Paulo Rangel tem demasiada exposição mediática para aquilo que vale. Paulo Rangel tem protagonismo acima das suas possibilidades.

 

[Link na imagem]

 

 

 

 

Regresso ao passado

por josé simões, em 22.11.21

 

nosferatu-murnau.jpg

 

 

Pessoa que passa a vida a apontar o dedo ao fraco investimento público e, por consequência, "a degradação dos serviços públicos" em geral e face a situações como "o colapso das urgências hospitalares" e "a falta de professores" em particular, aparece com cara de pau a prometer prémios para os funcionários públicos em função das poupanças que o Estado consiga obter. Quando o expectável seria o Estado não entrar em poupanças - mais investimento nos serviços públicos, saúde, educação, regressam as famosas "gorduras do Estado" dos idos do governo da troika Passos Coelho/ Paulo Portas - desmantelar o Estado social, retirar competências ao Estado em favor de interesses privados, agora enfeitado com o embrulho das "poupanças", que a memória das pessoas é curta mas não é tão curta quanto isso,

 

[Link na imagem]

 

 

 

 

E o Natal a 25 de Dezembro?

por josé simões, em 06.11.21

 

Disgruntled Angel.jpg

 

 

A esperança, a next big thing da direita radical para se alambazar ao que resta do pote é afinal um oportunista e um incompetente impreparado. Eleições a 16 de Janeiro? É muito cedo. Directas a 20 de Novembro? É muito cedo. Nem lhe perguntem pelo Natal a 25 de Dezembro.

 

[Link na imagem]

 

 

 

 

A espinha dorsal do espécime

por josé simões, em 03.11.21

 

 

 

Paulo Rangel em Janeiro de 2019.

 

 

 

 

Missa cantada

por josé simões, em 29.10.21

 

Sem Título.jpg

 

 

Corte do 14.º mês para as reformas acima dos 1500 euros mensais devia ser definitivo

 

Fernando Alexandre, coordenador do estudo A poupança em Portugal

 

[Link na imagem]

 

 

 

 

Paris em Lisboa

por josé simões, em 29.10.21

 

loja-paris-lisboa-chiado.jpg

 

 

O Professor Miguel Poiares Maduro será o coordenador das Bases do Programa Eleitoral desta candidatura. Um dos académicos e políticos portugueses com maior reputação internacional, tanto na Europa como nos Estados Unidos.

 

"Tanto na Europa como nos Estados Unidos". "Vinhos e Licores, Nacionais e Estrangeiros" usava-se nos letreiros das lojas no Portugal macambúzio dos 40s e 50s do século passado. O nacional-parolismo continua em alta.

 

[Link na imagem]

 

 

 

 

O velhaco

por josé simões, em 27.10.21

 

the-hobbit-gollum.jpg

 

 

Marcelo, que se encontrou por acaso com Teresa Leal Coelho num semáforo durante as autárquicas, ia a passar a caminho de Cascais e "olha a Teté, pára aí o carro, ó Ambrósio; Marcelo que se encontrou por acaso com Carlos Moedas na Feira do Livro durante a campanha eleitoral, andava a  espreitar as bancas e "olha o Cacá, chega aqui, dá-me a tua opinião sobre este livro"; Marcelo que recebeu Paulo Rangel, que se propõe ocupar o lugar do líder, estava Rui Rio no debate do Orçamento do Estado na Assembleia da República, "Paulinho, vamos trocar aqui umas ideias sobre prazos de eleições".

 

 

 

 

O porco na chafurda

por josé simões, em 17.10.21

 

ventas-twitter.jpg

 

 

[Link na imagem]

 

 

 

 

O estado da Nação

por josé simões, em 16.10.21

 

Benny_Hill.JPG

 

 

O homem que apoiou para presidente da Comissão Europeia o homem que defendeu sanções para Portugal é o homem que agora é candidato à liderança do partido que lhe permite ser primeiro-ministro de Portugal.

 

[Link na imagem]

 

 

 

 

A boca cheia de democracia

por josé simões, em 02.04.20

 

PPE.jpg

 

 

Partidos que integram a bancada do PPE no Parlamento Europeu pedem a expulsão do Fidesz, o partido de Viktor Orbán. Paulo Rangel e Nuno Melo, sempre com a boca cheia de democracia, não constam na papeleta. Não sabem assinar metiam o dedo na almofada dos carimbos ou faziam uma cruz se não o quisessem sujar.

 

[Via]

 

 

 

 

Não ter a puta da vergonha na cara é isto

por josé simões, em 22.05.19

 

Yashoda Rogers.jpg

 

 

Luís Filipe Menezes, que deixou Vila Nova de Gaia no Top 3 do descalabro financeiro autárquico, na campanha eleitoral a acusar Vítor Constâncio, via BPN, o banco do PSD, de ser o responsável pelo descalabro financeiro do país.

 

[Imagem]

 

 

 

 

Cada cavadela cada minhoca

por josé simões, em 21.05.19

 

geração rasca.png

 

 

O dia em que Manuela Ferreira Leite entrou na campanha do ex-secretário de Estado de Santana Lopes, Paulo Rangel, para dizer que o Governo "está a levar país à desagregação" enquanto fazia figas para ninguém se lembrar da "geração rasca", nem da versão portuguesa do 'amaricano' morrer na porta do hospital se não tiver seguro de saúde que é o "tem direito à hemodiálise se pagar", da suspensão da democracia para meter o país na ordem, foi o dia a seguir à entrada em cena do "cimento da geringonça" - Pedro Passos Coelho, ilusionista-mor da República, do ir a votos escondido numa mentira, das trafulhices com fundos comunitários a meias com o Relvas, das metas do défice sistematicamente ajustadas em função da realidade económica, de não se lembrar do salário que recebia na Tecnoforma, dos bancos varridos para debaixo do tapete para não lixar a saída limpa, do não saber ser obrigatório descontar para a Segurança Social, do baixar os custos do trabalho, a reforma que ficou por fazer em cima das taxas, das taxinhas, das sobretaxas e das retenções. Fica a faltar a entrada em cena de Maria Luís Albuquerque mais os 600 milhões de euros a cortar nas pensões a pagamento, ou do mordomo das Lajes, Durão Barroso, dilecto de Cavaco Silva, em quarentena forçada para não causar os habituais danos de cada vez que abre a boca que não seja para comer bolo-rei.

 

["Geração Rasca" na imagem]

 

 

 

 

As coisas como elas são

por josé simões, em 17.05.19

 

wasted rita.jpg

 

 

Paulo Rangel e Nuno Melo apoiam para presidente da Comissão Europeia, Manfred Weber, o homem que pediu sanções para Portugal quando timidamente começávamos a sair da crise.

 

Paulo Rangel diz que os amigos socialistas europeus de Pedro Marques são os que "querem cortar nos fundos" porque acham que os portugueses "gastam tudo" em "copos e mulheres". e é a isso que a comunicação social dá destaque.

 

[Imagem]