Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

DER TERRORIST

"Podem ainda não estar a ver as coisas à superficie, mas por baixo já está tudo a arder" - Y. B. Mangunwijaya, escritor indonésio, 16 de Julho de 1998.

Erro é escrever fato sem c

por josé simões, em 14.05.21

 

observador.jpg

 

 

A agência Lusa lamentou hoje profundamente, numa nota aos clientes, o erro” de uma notícia em que uma deputada do Partido Socialista foi identificada “de modo inaceitável, contra todas as regras éticas e profissionais”.

 

Erro é escrever fato sem c. Falta de profissionalismo é ter alguém na redacção a fazer copy/ paste sem rever os textos.

 

[Link na imagem para a notícia posteriormente corrigida]

 

 

 

 

Há sempre um sabujo que se presta a ser porta-voz do opressor

por josé simões, em 04.05.21

 

Gérald Bloncourt.jpg

 

 

"Em Aubervilliers, os empresários agrícolas queixam-se que os franceses fazem demasiadas exigências e não querem trabalhar. A opção foi empregar portugueses, que não se importam de viver em bairros de lata", os famosos bidonvilles, imortalizados para a eternidade pela lente de Gérald Bloncourt quando, nos anos 50 e 60 do século XX, iam a salto para França para fugir à miséria do fascismo e à guerra colonial.

 

"Em Odemira, os empresários agrícolas queixam-se que os portugueses fazem demasiadas exigências e não querem trabalhar. A opção foi empregar tailandeses, que não se importam de viver em contentores."

 

Há sempre um sabujo que se presta a ser porta-voz do opressor.

 

 

 

 

Defina terrorismo

por josé simões, em 25.02.21

 

x.png

 

 

Carlos Macedo e Cunha, colunista no jornal da direita radical Observador e militante do PSD, em tempos de fake news, teorias da conspiração, agitação e sobressalto social, forjou um plano de desconfinamento com o logótipo do Governo. Defina terrorismo, sff.

 

[Link na imagem]

 

 

 

 

O Verdadeiro Artista

por josé simões, em 08.01.21

 

clown.jpg

 

 

Estão chocados com a recusa de Trump em sair graciosamente da Casa Branca? Pois nada se comparará à saída dos socialistas de São Bento, se isso lhes parecer o princípio do fim do seu senhorio em Portugal.

 

O revisor de História Rui Ramos no online da direita radical.

 

[Imagem de autor desconhecido]

 

 

 

 

Não explicando ajuda a perceber

por josé simões, em 17.12.20

 

cavaco.jpg

 

 

A metade esquerda do móvel é ocupada por fotos com pessoas várias ao lado do vulto Cavaco Silva, Aníbal. Desde Gungunhana ao Padre Américo, passando pelo Juan Manuel Fangio ou Nuno Álvares Pereira. A metade direita são as quintas-feiras e outros dias, e as facturas da água, da luz, mais os recibos da reforma da mulher. Na secretária uma placa antecedida pelo grau académico ainda assim não vá alguém enganar-se no trato.

 

Esta nulidade, Cavácuo, foi dez anos primeiro-ministro e mais dez Presidente da República e, não explicando tudo, ajuda a perceber.

 

[Imagem da entrevista ao Observador]

 

 

 

 

O terceiro Segredo de Fátima

por josé simões, em 17.12.20

 

 

 

André Ventura, há dias escreveu esta frase nas redes sociais: "Deus confiou-me a difícil mas honrosa missão de transformar Portugal". Quando é que isso aconteceu?

 

Miguel Pinheiro entrevista André Ventura para a Rádio Observador.

 

 

 

 

"OMO lava mais branco"

por josé simões, em 09.08.20

 

observador_.jpg

 

observador.jpg

 

 

No Observador, o online da direita radical.

 

 

 

 

Coitadinho do Ribeiro Telles

por josé simões, em 29.05.20

 

i (1).jpg

 

 

O Iraque de Saddam tinha armas de destruição maciça e era merecedor de invasão pelos Estados Unidos, unilateralmente e sem dar cavaco à ONU;

inventou, a meias com Fernando Lima, assessor de Cavaco Silva, que alguém, não se sabe quem, tinha plantado escutas no gabinete do Presidente da República, se calhar o "manhoso" do Sócras;

o pior momento profissional foi ter dado a morte de Ribeiro Telles no dia de aniversário de Ribeiro Telles.

Coitadinho do Ribeiro Telles...

 

José Manuel Fernandes, publisher do jornal da direita racial - Observador, em entrevista ao jornal i.

 

 

 

 

O Verdadeiro Artista

por josé simões, em 24.03.20

 

clown.jpg

 

 

O liberal Observador, e porta-voz da alt-right no "tugão", entre outros detido e financiado pelos liberais Luís Amaral, António Carrapatoso, António Alvim Champalimaud, Alexandre Relvas, Filipe de Botton, António Viana Baptista e João Talone, empenhados no desmantelamento do Estado social em favor de interesses privados até a meta Estado mínimo ser atingida, propõe, face à queda das receitas com a publicidade motivada pela pandemia global Covid-19, "um programa específico para o sector, para além das medidas transversais de que já beneficia estabelecidas para a economia e empresas em geral".

 

[O Observador] não é favorável, como princípio, a quaisquer apoios do Estado específicos para as empresas em geral e em particular para as da Comunicação Social” –, mas que decorre de uma emergência criada pelo quase desaparecimento do mercado de publicidade

 

[Imagem de autor desconhecido]

 

 

 

 

Que filho da puta, benza-o Deus

por josé simões, em 31.08.19

 

Malleus_Maleficarum_edição_1576_Veneza.jpg

 

 

"Por regra, havia humanidade no modo como as penas eram impostas pela Inquisição. Assim, por exemplo, houve cristãos detidos – só os fiéis podiam ser julgados por este tribunal da Igreja! – a quem se permitiu que fizessem férias, ausentando-se da prisão por um período de tempo determinado, com a obrigação de, expirada a licença, regressarem ao presídio, para completarem a pena.

 

[...]

 

Permitiu-se igualmente que os condenados pelo tribunal da Igreja fossem dispensados, por razão de doença, do internamento penitenciário.

 

[...]

 

Também se conhecem histórias de condenados que foram dispensados do cárcere por razões familiares.

 

[...]

 

Quer isto dizer que a Inquisição era um exemplo de humanidade e não houve excessos na aplicação da justiça eclesiástica? Claro que não: certamente que houve abusos e a própria prática da tortura, como meio processual para a confissão do arguido, que tem a sua origem no direito romano, é abominável. Os inquisidores eram, como todos os homens, pessoas capazes do bem e do mal. Houve, com certeza, juízes do tribunal do Santo Ofício que foram rectos e justos na aplicação da lei eclesiástica então vigente, como também os houve que se excederam, sendo responsáveis por abusos deploráveis, que não podem ser justificados, nem esquecidos. Mas a Inquisição não só foi melhor do que os estabelecimentos prisionais do seu tempo e posteriores – piores foram, decerto, os tormentos infligidos aos Távoras – como também era mais humana do que muitas prisões contemporâneas como, por exemplo, a de Guantánamo."

 

O padreco que confessa e dá a hóstia à direita radical a reescrever a História e a lavar a Inquisição com OMO no Observador.

 

[Na imagem o "verdadeiro manual de ódio, de tortura e morte"]

 

 

 

 

Ainda a honestidade intelectual da santinha que governa o CDS na entrevista à rádio do Observador

por josé simões, em 30.08.19

 

1 (29).jpg

 

 

As crianças, que viram o seu direito à tranquilidade trucidado com ruído feito pelo inner circle de Assunção Cristas, com Francisco Rodrigues dos Santos, João Almeida e João Gonçalves Pereira à cabeça, a manipularem e truncarem o que no despacho consta.

 

 

2 (27).jpg

 

 

Se "vem aí uma crise", que toda a gente diz fruto da guerra comercial Trump - China, da desaceleração da economia chinesa e alemã, dos erros das políticas austeritárias seguidas pela União Europeia, "é melhor despachar já o Governo do PS" porque o que eles sabem é pôr o país numa crise com origem no estrangeiro.

 

 

3 (28).jpg

 

 

Os eleitores, que não são estúpidos, "não perceberam as prioridades do "CDS" e resolveram castigar o partido nas urnas, logo há que arranjar outro léxico, que coloque os eleitores no papel de estúpidos que lhes compete, para que o CDS deixe de ter um problema de comunicação.

 

Muito bem.

 

[As imagens são print screens da conta do jornal Observador no Twitter]

 

 

 

 

Não ter a puta da vergonha na cara é isto

por josé simões, em 08.08.19

 

a voz do povo.jpg

 

 

José Manuel Fernandes, nascido e criado na esquerda mais à esquerda que a esquerda que deu origem ao Bloco de Esquerda e que se radicalizou para a direita mais à direita da direita, fazendo o espectro político em 180 graus sem pestanejar, escreve sobre o radicalismo do Bloco, os perigos associados e "sonambulismo político". Podia ser da silly season mas é só não ter a puta da vergonha na cara.

 

[Imagem]

 

 

 

 

O maior revisionista e limpador de imagens do rectângulo

por josé simões, em 19.03.19

 

anders breivik (1).jpg

 

 

Nem terrorismo de extrema-direita nem terrorismo fundamentalista cristão. Nem terrorismo de Estado, amigo do liberalismo e do investimento, que o obrigava a ter de ir até à América Latina nos 70s do século XX, uma chatice. Apenas "terrorismo racista", "terrorismo islamista", "terrorismo da extrema-esquerda". Senhoras e senhores, o maior revisionista e limpador de imagens do rectângulo: Rui 'revisionista' Ramos.

 

[Anders Breivik na imagem]

 

 

 

 

O Verdadeiro Artista

por josé simões, em 13.01.19

 

clowns-vintage-vintage-circus.jpg

 

 

Foram as esquerdas, depois do 25 de Abril, que construíram o mito de que o Estado Novo era de direita para legitimarem o seu poder e sobretudo limitarem a legitimidade das direitas

 

[Imagem]

 

 

 

 

O jornal da direita radical

por josé simões, em 19.07.18

 

observador.jpg

 

 

1.º - Inventar notícia.

2.º - Assistir ao debate gerado pela notícia inventada. 

3.º - Redes sociais desmontam notícia falsa, citando documentos em vigor e o que está a ser estudado.

4.º - Noticiar a "polémica" criada e atribuí-la às "redes sociais" [ou seja, a todos nós], descartando a responsabilidade de terem sido os próprios jornais a gerar polémica com uma notícia falsa.

 

[Via com correcção do Pedro]