Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

DER TERRORIST

"Podem ainda não estar a ver as coisas à superficie, mas por baixo já está tudo a arder" - Y. B. Mangunwijaya, escritor indonésio, 16 de Julho de 1998.

Sign O' The Times, XI

por josé simões, em 19.04.20

 

1 (46).jpg

 

 

2 (40).jpg

 

 

3 (35).jpg

 

 

4 (26).jpg

 

 

5 (25).jpg

 

 

6 (18).jpg

 

 

7 (18).jpg

 

 

8 (19).jpg

 

 

9 (13).jpg

 

 

10 (6).jpg

 

 

11 (6).jpg

 

 

12 (4).jpg

 

 

14 (2).jpg

 

 

16 (1).jpg

 

 

17 (2).jpg

 

 

18 (3).jpg

 

 

19 (2).jpg

 

 

20 (1).jpg

 

 

21.jpeg

 

 

Photos Of Coronavirus-Themed Street Art From Around The World That Show We Are All In This Together

 

Sign O' The Times, Capítulo X

 

 

 

 

||| Relatório e Contas. Resumo da Semana

por josé simões, em 01.08.15

 

DFace in Richmond, Virginia.jpg

 

 

[Daqui]

 

 

 

 

||| Money Kills

por josé simões, em 21.03.15

 

WD Money Kills.jpg

 

 

[Aqui]

 

 

 

 

||| Relatório e Contas. Resumo da Semana

por josé simões, em 21.02.15

 

people.jpg

 

 

[Daqui]

 

 

 

 

|| Entretanto no Instituto Superior Técnico, Lisboa…

por josé simões, em 30.05.13

 

 

 

 

 

 

 

|| Minimal [God Save The Queen]

por josé simões, em 15.05.12

 

 

 

Como nos blogues, ou nos artigos de opinião nos jornais, não é porque se encheu uma página inteira de palavras, e de palavras todas rebuscadas e cheias de retorcidos e reviravoltas a lembrar a fachada do Mosteiro dos Jerónimos, que a mensagem chega com mais força ao destinatário.

 

Na maior parte das vezes funciona exactamente ao contrário, é maçudo, o leitor desmobiliza logo ao segundo ou ao terceiro parágrafo, não há margem para respirar, não há espaço para raciocinar. O leitor está ali só porque tem de haver alguém a clicar no rato para activar o contador de visitas do top of the pops ou o número de page views que vão gerar receitas de publicidade.

 

Às vezes basta uma imagem numa parede branca. Como esta de Banksy na Whymark Avenue de Londres, a recordar o trabalho infantil – e miseravelmente pago, num qualquer país emergente com índices de crescimento de dois dígitos, daqueles que os "mercados" costumam atirar como exemplo à cara da Europa rica, e que está por detrás de toda a parafernália de souvenirs que vão gerar milhões de pounds de lucro no jubileu da rainha. [Clicar na imagem para mais detalhes]

 

[Via]

 

 

 

 

 

 

|| Entretanto em Marrocos

por josé simões, em 24.04.12

 

 

 

A "terra do leite e do mel", fortaleza, vista da parte de trás do  Monte Hacho pelos olhos dos artistas de rua. Clicar na imagem para detalhes.

 

[Via]