Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

DER TERRORIST

"Podem ainda não estar a ver as coisas à superficie, mas por baixo já está tudo a arder" - Y. B. Mangunwijaya, escritor indonésio, 16 de Julho de 1998.

Ministro porque sim

por josé simões, em 29.06.17

 

mickey.jpg

 

 

Nas democracias os cidadãos deviam ter o direito de saber qual/ quais os critérios subjacentes à a atribuição do cargo de ministro, e respectivo ministério, a determinada pessoa.

 

 

 

 

Andam a gozar com o pagode?

por josé simões, em 28.06.17

 

in flames.png

 

 

Gastamos 500 milhões de euros, do dinheiro que não há para nada, numa rede de emergência e segurança em parceria público-privada com um bando de gangsters - SLN/ BPN, PT, BES, e que mesmo antes de falhar já não merecia a confiança da Polícia Judiciária, e que depois de falhar em toda a linha, na maior tragédia de que há memória na história recente do país, se audita a si própria com nota máxima e resultados de "Excelente", recebe duas antenas novas, como consignado nos contratos de todas as PPP onde o Estado arca com o prejuízo e o privado com o lucro, aponta o dedo ao marido da culpa nesta história - a Protecção Civil, que desconfia, como todos os portugueses sem ligação ao bando de gangsters que ficou com o dinheiro dos nossos impostos que não há para nada, de que em situações mais complexas o sistema torne a falhar com resultados ainda mais catastróficos  Andam a gozar com o pagode?

 

[Imagem de autor desconhecido]

 

 

 

 

||| Ainda gozam com os cidadãos [II]

por josé simões, em 27.10.15

 

ricardo-salgado.jpg

 

 

Ministério da Administração Interna


João Calvão da Silva, "jurista de Coimbra" [meu Deus!] do "bom princípio geral de uma sociedade que quer ser uma comunidade – comum unidade –, com espírito de entreajuda e solidariedade".

 

 

 

 

||| By Air Mail

por josé simões, em 22.09.15

 

 

air mail.jpg

 

Centenas e centenas de técnicos e de especialistas da era do email colocados a eito em tudo o que é ministério e secretaria de Estado e direcção-geral para falharem na coisa mais básica, a necessidade de colocar, logo a seguir à morada e à cidade, o país de destino num envelope de correio. Além do currículo que ganharam em quatro anos de maioria de direita [no cadastro vai sempre constar a "experiência adquirida", na prática são outros 500, que a incompetência é mais que muita], ganharam outra coisa: cultura geral. O contribuinte é generoso.


[Imagem]

 

 

 

 

 

 

||| Os Malucos do Riso vs. Os Amigos do Pote

por josé simões, em 11.07.15

 

passos coelho.jpg

 

 

«MAI contrata seguranças privados para guardarem polícias», podia ser um sketch de mais um episódio de humor básico-manhoso dos Malucos do Riso mas não, é só mais uma etapa do percurso, iniciado em 2011 pelos Amigos do Pote, no assalto ao Estado e no saque ao dinheiro dos contribuintes.


«Ministério das Finanças autorizou despesa superior a 3,3 milhões de euros». Cortar nas gorduras do Estado e fazer mais com menos foram, em 2011, recuperadas outra vez para 2105, as bandeiras do PSD e do CDS, traduzidas em cortes no subsídio de desemprego – no valor e na duração temporal, cortes no Rendimento Social de Inserção, cortes no Complemento Solidário Para Idosos, cortes na saúde e na educação, aumento de taxas e de impostos. Não há dinheiro para nada, a menos que seja para negociatas com clientela político-partidária vária, sempre à sombra do guarda-sol do Estado. “Há que aliviar o peso do Estado da economia”, eis outro mito urbano jamais saído da boca de Pedro Passos Coelho.


Esta direita que nos governa, despreza – por maltratar e malbaratar, o dinheiro do contribuinte em seu proveito, não zela pelo interesse do Estado. E merece ser punida por isso.

 

 

 

 

||| O Verdadeiro Artista

por josé simões, em 17.11.14

 

clown.jpeg

 

 

 

"[...] tendo em conta a especial responsabilidade que recai sobre um ministro como o da Administração Interna, e a necessidade de manter uma inquestionável autoridade política no exercício dessas funções [...]" que não é a mesma especial responsabilidade que recai sobre um ministro como o da Justiça, por exemplo, ministério onde não há a necessidade de manter uma inquestionável autoridade política no exercício de funções, para já não falar do ministério dos Negócios Estrangeiros, o tal, o da "nossa imagem no estrangeiro". Vai acabar, mais cedo ou mais tarde, ministro. À frente de um ministério com "especial responsabilidade" a necessitar de "inquestionável autoridade política".

 

[Imagem]

 

 

 

 

 

 

||| Da série "Coisas Verdadeiramente Importantes"

por josé simões, em 21.05.14

 

 

 

Há esquadras de polícia a meter água pelo telhado e pelas paredes; há esquadras de polícia forradas a amianto; há esquadras de polícia sem camaratas, onde os polícias de turno dormem no chão em cima de papelões e dentro de sacos cama trazidos de casa; há esquadras de polícia onde o papel higiénico é trazido de casa pelos polícias; há esquadras de polícia onde as patrulhas automóvel não se efectuam por falta de verba para pagar o arranjo e manutenção das viaturas na oficina; há esquadras de polícia onde as patrulhas automóvel não se efectuam por falta de verba para o gasóleo e gasolina; há esquadras de polícia onde só uma das várias viaturas ao dispor é usada, por falta da verba para a oficina e gasóleo; há esquadras de polícia onde por falta de verba para gasolina os polícias se deslocam a pé para entregar contra-ordenações e restante expediente. Tudo disponível online para consulta, até o ministro pedir ao Tribunal Europeu que ordene a retirada dos links.

 

E ainda há os salários miseráveis dos polícias, o fardamento pago do seu bolso, a carga horária, as progressões na carreira, o armamento obsoleto e a falta de treino e preparação, também online para consulta via Google.

 

E depois temos uma "consultora de programas televisivos de entretenimento contratada pela PSP [que] estudou teoria da cor" e que convenceu o ministro Miguel Macedo a gastar 18 milhões de euros do dinheiro dos contribuintes para aclarar o azul escuro das fardas de serviço.

 

Como diria o vice-trampolineiro Paulo Portas, "o socialista é muito bom a gastar o dinheiro dos outros mas quando acaba o dinheiro chamam-nos a nosotros y a vosotros para compor as coisas"

 

[Keystone Cops na imagem]

 

 

 

 

 

 

||| Somos bons, somos muito bons

por josé simões, em 16.01.14

 

 

 

E não só somos bons, muito bons, como também somos a verdadeira terra das oportunidades, a terra do leite e do mel, como dizem os amaricanos nos filmes. Um país para novos [de acabadinhos de chegar ao mercado, subentenda-se], criar empresas de véspera para no dia seguinte começar a facturar, contra os interesses dos instalados na praça. Venha de lá o investimento estrangeiro. Somos bons, muito, bons, somos fantabulásticos, e até damos dó-tôres à Goldman coise:

 

Chefe de gabinete do MAI demite-se após ajuste directo a empresa sua

 

«Além de Rita Abreu Lima, a POP Saúde tem como sócio Miguel Soares Oliveira, ex-presidente do conselho directivo do Instituto Nacional de Emergência Médica (INEM), e foi criada poucos dias antes do ajuste directo da ARS LVT. Soares de Oliveira é marido de Rita Abreu Lima e gerente da sociedade.»

 

[Imagem]

 

 

 

 

 

 

|| Paulo Portas já não quer que Portugal seja a Roménia de Ceausescu

por josé simões, em 10.09.13

 

 

 

E vai deixar de andar de Correio da Manha [sem til] debaixo do braço e de fazer visitas à baixa de Setúbal a propósito de problemas no Bairro da Bela Vista na alta. Um valentão.

E, entre políticas de incentivo à natalidade ["a redução da população e o seu envelhecimento"] e poupar nos gastos com a segurança ["restrições orçamentais e o peso das despesas com pessoal"], o ex partido da família opta por passar a ex partido da segurança, que do contribuinte já era. E do idoso também.

 

Assim como a seguir à revolução de Abril de 74 proliferavam os partidos com "m-l" e "r" [de Reconstruído] em letras miudinhas a seguir à sigla, temos agora o CDS-PP [ex]. De "já foi", não de abreviatura de exemplo.

 

[Imagem]

 

 

 

 

 

 

 

|| Tonton Macoute - Lei e Ordem

por josé simões, em 23.07.13

 

 

 

Reza a história que nos idos de François 'Papa Doc' Duvalier no Haiti a Milice de Volontaires de la Sécurité Nationale só recebia uma farda e uma arma, mais nada, nem salário, o resto era por conta deles.

 

Não serve de termo de comparação mas é só para se perceber o princípio, com as coisas funcionam.

 

 

 

 

 

|| Populismo manhoso vs. "sentido de Estado", manhoso também [Capítulo II]

por josé simões, em 18.03.12

 

 

  

E era nestas alturas que Paulo Portas ia buscar mais um adereço, da sua infindável colecção de chapéus, e aparecia pela manhã, na baixa não nos bairros "problemáticos", com o Correio da Manha [sem til] debaixo do braço a clamar contra o encerramento das esquadras de polícia e a desafiar o Governo a mostrar os dados sobre a criminalidade, e à tarde a reunir com os sindicatos de polícia, preocupado com as condições de trabalho e com a dignidade das forças de segurança.

 

[Capítulo I]

 

[Imagem via]

 

 

 

 

|| Keep Calm and Carry On

por josé simões, em 09.12.11

 

 

 

E circular circular que mais que três pessoas juntas na via pública é considerado comício [*] e o ministro da Administração Interna continua tranquilo no seu posto de arquitecto do Big Brother e os agentes provocadores infiltrados na manif que despoletaram a situação possivelmente serão condecorados com a Ordem do Mérito. A Direita no Governo.

 

[*] Via

 

 

 

 

 

 

|| É de uma guerra que se trata, caso não tenham ainda percebido

por josé simões, em 29.11.11

 

 

 

Uma acção de guerrilha da sociedade civil como resposta a uma acção de terrorismo de Estado. Uma ilegalidade como resposta a outra ilegalidade. É de uma guerra que se trata, caso não tenham ainda percebido.

 

E ainda a procissão vai no adro, agora que a Stasi laranja está na forja.

 

[Imagem]

 

 

 

 

 

 

|| Dietilamida do ácido lisérgico

por josé simões, em 03.10.11

 

 

 

Esqueceram-se” que nos idos do PREC havia uma míriade de grupelhos marxistas-leninistas-maoistas, com as efígies individualmente ou conjugadas na bandeira [por acaso de onde saíram a grande maioria dos paineleiros do comentário telivisivo, deputados, ministros dos Governos da “normalização”, e até um Presidente da República], com expressão residual nas urnas e impotentes na rua, muito, mas mesmo muito, pelo travão imposto pelo PCP e pela CGTP.

 

Aconselha-se que comecem a acompanhar os bifes com cogumelos de lata. É mais seguro.

 

[Imagem]

 

 

 

 

 

 

|| Pior que a Direita securitária é a Direita securitária e paranóica

por josé simões, em 18.09.11

 

 

 

Quando falam em situação «social explosiva e reivindicações salariais» quer dizer o quê nas entrelinhas? Quer dizer PCP, quer dizer CGTP, as únicas organizações com capacidade para mobilizar milhões nas ruas e paralisar as empresas e a economia, tudo o resto é folclore e espalhafato.

 

Triste [muito triste] é que, 37 anos passados sobre a revolução de Abril, a Direita ainda não ter percebido que os comunistas portugueses e a respectiva central sindical são os maiores respeitadores da ordem pública e do normal funcionamento das instituições. Se assim não fosse, no dia 25 de Novembro de 1975 tinha sido o caos total e, possivelmente, alguns dos que agora estão no Governo não estavam cá para contar como foi [se bem que ainda hoje não tenham percebido nada do que se passou], nem para tomar as medidas que agora tomam.

 

«Receio de uma situação social explosiva e reivindicações salariais levam Governo a isentar o MAI dos cortes previstos para todos os ministérios» [pdf]

 

[Na imagem o bronco que Ramalho Eanes chutou com o pé que tinha mais à mão para levar a cabo os sues intentos no dia 25 de Novembro de 1975]