Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

DER TERRORIST

"Podem ainda não estar a ver as coisas à superficie, mas por baixo já está tudo a arder" - Y. B. Mangunwijaya, escritor indonésio, 16 de Julho de 1998.

||| “Não estraguem, por favor, não estraguem”

por josé simões, em 04.03.16

 

Ben Frost.png

 

 

"O ministro das Finanças, Mário Centeno, afirmou esta sexta-feira que não está em condições de adiantar se as empresas públicas de transportes conseguirão pagar ao Santander Totta, depois de o Estado português ter sido condenado pelo Commercial Court de Londres a pagar 1,8 mil milhões de euros ao banco espanhol no âmbito do processo por quebra unilateral dos nove contratos swap celebrados entre 2005 e 2007."


[Imagem]


"Só peço uma coisa ao PS: Não estraguem, por favor, não estraguem"

 

 

 

 

||| Da próxima vez que virem um Alfa Romeo estacionado em cima do passeio

por josé simões, em 19.09.15

 

Alfa Romeo José Pedo Aguiar-Branco ministro da De

 

 

Está aqui metade da história [*] sobre o tiro de partida para a "ida ao pote" dado por Marco António Costa com o célebre "ou há eleições no país, ou há eleições no PSD" num não menos célebre Conselho Nacional do partido: José Pedro Aguiar-Branco, ministro da defesa do Governo PSD/ CDS ganhou um milhão com a concessão por ajuste directo dos transportes públicos do Porto, cidade por onde é cabeça de lista às legislativas de 2015 pelo PSD/ CDS.


Da próxima vez que virem um carro estacionado em cima do passeio nas horas de expediente já sabem que é porque o "interesse público" está a ser defendido pelo ministro da Defesa.


[*] A outra metade da história saberemos mais tarde quando a História nos fizer o relato da 'abditae causae' por detrás do frenesim privatizador de Sérgio Monteiro num Governo em final de mandato

 

 

 

 

||| Como diria o outro, "isto para nós são piners"

por josé simões, em 08.09.14

 

 

 

O respeito com que o Governo do inculcar a culpa e do moralismo do "viver acima das nossas possibilidades" trata o dinheiro do contribuinte e a inteligência dos cidadãos.

 

O Governo ainda não decidiu se vai corrigir um erro no caderno de encargos [que origina duas mil e duzentas – 2 200 – duas mil e duzentas perguntas] para a concessão da STCP, que poderá custar quase três milhões – 3 000 000 – três milhões de euros por ano.

 

 

 

 

 

 

||| Diz o povo que "os cães têm medo mas não têm vergonha"

por josé simões, em 30.08.14

 

 

 

Estes têm vergonha mas não têm medo.

 

[Imagem]

 

 

 

 

 

 

|| A única fraude aqui é o próprio Governo

por josé simões, em 30.08.13

 

 

 

A introdução e adopção da nova bilhética nos transportes públicos, ao contrário do que o Governo parece acreditar e nos quer fazer crer, não se deveu ao desejo de sermos muuuuuito modernos e avançados como o resto da Europa. Não.

 

Os novos títulos de transporte, e recorrendo só ao exemplo da Área Metropolitana de Lisboa, com o Lisboa Viva em substituição do passe com vinheta autocolante e o Viva Viagens em substituição do bilhete pré-comprado, vendido individualmente ou em carteiras com x unidades e validado a bordo no obliterador, permitem precisamente combater… a fraude, por serem carregados electronicamente e por serem descarregados também por essa via. No caso do passe tradicional, o problema da vinheta fotocopiada e colada no cartão com foto e plastificado deixou de existir, no caso do pré-comprado, o problema do bilhete "picado" ad eternum desapareceu, assim como a fotocópia caseira em cartolina.

 

Além disso o novo sistema de títulos de transporte, e isto é, a meu ver, o mais interessante, é uma excelente ferreamenta de gestão já que possibilita seguir em tempo quase real o fluxo de passageiros por linha, por carreira, por paragens e por hora, reflectindo-se este acompanhamento em ganhos de produtividade para as empresas e melhor serviço para o utente, e permitir saber, por exemplo, que a carreira x a tais horas sistematicamente vai sobrelotada e é necessário um desdobramento [reforçar com outro autocarro ou um de lotação superior], ou que a carreira y a horas tantas vai sistematicamente vazia, ou quase, e há que proceder a uma alteração da sua frequência [por exemplo, de 15 em 15 minutos para meia em meia hora], ou substituir a viatura por outra de lotação inferior [mini bus], com ganhos ao nível do consumo por km, de conforto para o passageiro, de mobilidade, de facilidade de condução, e mais amiga do ambiente, só a título de exemplo.

 

E a isto chama-se ajustamento, a empresa a prestar o serviço em função da procura e não, como diz o Governo [?], ou a jornalista [?] a reproduzir textualmente, e sem raciocinar nem fazer o trabalho de casa, a nota de imprensa distribuída pelo Governo, a procura a ser penalizada por via do ajustamento na oferta.

 

As pessoas vêem-se no desemprego e não têm necessidade de usar o transporte público porque o dinheiro não estica e não precisam de ir a lado nenhum procurar emprego que não existe. As pessoas continuam empregadas ou a viver duma pensão de reforma e vêem o rendimento disponível substancialmente reduzido pela carga fiscal e pelos aumentos dos bens de primeira necessidade, renda da casa, água e luz, e tudo o mais. As pessoas continuam empregadas ou a viver duma pensão de reforma e vêem o preço dos transportes públicos sofrer um aumento brutal na exacta proporção à redução das comparticipações. As pessoas deixam de usar o transporte público para deslocações curtas ou arranjam alternativas mais económicas porque o dinheiro continua a não esticar.

 

Não há volta a dar-lhe nem maquilhagem governativa que embeleze o quadro negro e a única fraude aqui é o próprio Governo.

 

[Imagem "New York Subway, 1970" by Jay King]

 

 

 

 

 

 

|| Crime e castigo

por josé simões, em 24.06.13

 

 

 

Como na obra-prima de Fyodor Dostoyevsky, aqui o personagem também atinge a salvação pelo sofrimento. O sofrimento dos outros, do contribuinte.

 

Ainda em "modo" Fyodor Dostoyevsky, como diria Ivan Karamazov, "Se Deus está morto, então tudo é permitido". Ao critério de cada um, substituir "Deus" por: ________________________________________________.

 

«Secretário de Estado afastado pelos swaps readmitido na Metro do Porto»

 

[Imagem]

 

 

 

 

 

 

|| Os swap na óptica do contribuinte

por josé simões, em 23.04.13

 

 

 

 

 

 

 

|| A questão podia ser outra mas não é

por josé simões, em 23.04.13

 

A questão que importa é, neste caso concreto, como é que um Governo que acredita piamente na bondade do mercado auto-regulado [ler mercado desregulado] e no capitalismo financeiro, na exacta proporção em que abomina o "despesismo do Estado", via empresas públicas e sector empresarial do Estado [ler o Estado na economia], e que transformou a divida financeira em dívida pública, vai proceder quando os maus da fita, da sua confiança política porque partilham dos mesmos princípios ideológicos, mais não fizeram do que seguir o instinto que o seu fanatismo e fundamentalismo lhes mandou seguir.

 

[Imagem]

 

 

 

 

 

 

|| Portugal porno

por josé simões, em 22.04.13

 

 

 

Há uma sub-categoria no cinema porno, dentro de outra subcategoria – o porno amador, denominada "wife-swapping" – maridos possessivos e com problemas de erecção, "tratados" por interposta pessoa, a mulher submissa e obediente, objecto sexual às mãos de terceiros [no plural], para prazer voyeurista do marido [não confundir com swing onde a mulher tem papel activo e vontade própria].

 

É a isto que se referem quando referem contratos swap, não é? Gestores amadores de nomeação política, com o fetiche "administrador de uma grande empresa", ávidos em apresentar resultados que lhe permitam saltar para o privado, e que tratam as empresas públicas como objectos de recreação, com o final em modo bukkake para a cara o bolso do contribuinte.

 

[Imagem]

 

 

 

 

 

 

|| O Governo com paredes de vidro translúcido

por josé simões, em 07.10.11

 

 

 

Vem um militante de base do partido do Governo anunciar, em primeiríssima mão na televisão, que o Governo do seu partido se prepara «para efectuar fusões entre as empresas de transportes», e toda a gente acha isto normal e encara isto com naturalidade. Diria mesmo com “naturalidade democrática”.

 

É este acesso a “informação privilegiada” que é possível encontrar em todas as áreas e sectores da sociedade, consoante as filiações e os amiguismos de cada um, que vai contribuindo para minar a centenária República.

 

 

 

 

 

Importa-se de repetir?!

por josé simões, em 04.12.06
“Ninguém pense que ando aqui atrás de tachos para ganhar muito dinheiro”
 
Valentim Loureiro, comentando o parecer do Tribunal de Contas sobre o Metro do Porto