Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

DER TERRORIST

"Podem ainda não estar a ver as coisas à superficie, mas por baixo já está tudo a arder" - Y. B. Mangunwijaya, escritor indonésio, 16 de Julho de 1998.

O Verdadeiro Artista

por josé simões, em 06.05.18

 

circus.jpg

 

 

Rui Rio ao pedir a presença de Manuel Pinho no Parlamento criou um problema ao Bloco de Esquerda [Porquê? Isso agora não interessa nada]. O Bloco de Esquerda que, acossado pelo problema criado por Rui Rio, ensaiou a fuga em frente ao pedir uma comissão parlamentar de inquérito às rendas da energia [as pessoas, burras, ignorantes, acéfalas, não percebem nada de rendas de energia mas ouvem falar e acham que está mal e por isso aplaudem a iniciativa do Bloco de Esquerda]. Rendas de energia que começaram com Durão Barroso e Santana Lopes e se prolongaram até hoje, daí a iniciativa do Bloco de Esquerda, de forma a envolver toda a gente e a entalar o PSD. Eu, ele, não acredito nas comissões parlamentares de inquérito mas se esta servir para esclarecer alguma coisa então está bem. Resumidamente Marques Mendes na avença semanal na televisão do militante n.º 1.

 

Perceberam como é que isto começou, o Bloco de Esquerda entalado por Rui Rio?

 

[Imagem]

 

 

 

 

O Nuno Luz da política

por josé simões, em 02.05.18

 

nunoluz.jpg

 

 

De Durão Barroso a António Costa passando por Santana Lopes, José Sócrates e Passos Coelho. Realmente é uma chatice não ser Manuel Pinho o mau da fita nem o PS o partido detentor da comenda dos corruptos e corrompidos do sistema. O Nuno Luz da política, um palerma arvorado em sub-director de político ou o coise.

 

 

 

 

||| Panamá tretas

por josé simões, em 11.04.16

 

Panama vintage postcard.jpg

 

 

No filtro jornalístico de "rigor e isenção" às "Panamá Tretas" [autor] o Expresso continua a bater no morto – Ricardo Salgado e o GES/ BES, continua a haver um "ex-presidente do Benfica", agora na companhia de um "ex-ministro" também "ex-BES" e do "empresário" que continua a ser ex-nada.


Se em Portugal houvesse consciência crítica e exigência no próximo sábado o jornal do militante n.º 1 tinha uma quebra nas vendas para metade.


[Imagem]

 

 

 

 

|| Roendo uma laranja na falésia (*)

por josé simões, em 21.08.09

 

 

 

Como neste país parece que quase ninguém aprende nada com os erros do passado, é boa hora para recordar os PIN's de Sócrates & Pinho (aprovados e por aprovar) em todo o litoral e falésia, desde Tróia até Sagres…

 

(*) Banda sonora do dia

 

(Imagem de Rafael Trobat)

 

 

|| Fim-de-semana

por josé simões, em 05.07.09

 

 

 

Este fim-de-semana foi assim.

 

FiestaThe Pogues

 

(7” vinyl)

 

Com o pensamento no ex-ministro Pinho.

 

 

 

|| O Exorcista

por josé simões, em 03.07.09

 

 

 

“A Assembleia da República é a casa da democracia, todos devemos um grande respeito em relação à Assembleia da República”

 

Já podemos falar de Alberto João Jardim?

 

 

 

|| Assim se vê a força do PC

por josé simões, em 03.07.09

 

 

 

Deixemo-nos de floreados e de análises político-filosóficas: quem demitiu o ministro Manuel Pinho foi o PCP. Coisa de que já não havia memória desde os idos de 1975.

 

Esta noite houve festa rija no Hotel Vitória, celebrou-se com champanhe vodka e Bernardino Soares recebeu uma Ordem Lenine.

 

 

 

 

|| Fiesta

por josé simões, em 02.07.09

 

 

 

Como diria José Sócrates: “Hoje foi um dia histórico!”

Vou poder contar aos meus netos que fiz parte do grupo de cidadãos que pela primeira vez na história da Assembleia da República, oficialmente e via Twitter, acompanhou e comentou um debate, e também vou contar que assisti em directo à demissão de um ministro pelo Partido Comunista e a um pedido de desculpas do primeiro. Olé!

 

Banda sonora do dia

 

(Imagem de Jon Nazca via Reuters)

 

 

 

|| Segredo de Estado

por josé simões, em 01.06.09

 

Recebemos como herança quase mil anos de história e um património arquitectónico riquíssimo. Por incúria nalguns casos, por falta de amor à Pátria – expressão maldita - noutros, e por falta de dinheiro – comum a todos – o património corria (corre) o risco de se perder. Mas um contrato que inteligentemente conciliou recuperação do património histórico com turismo e criação de riqueza, e que na grande maioria dos casos permitiu que a herança recebida não se perdesse irremediavelmente, é segredo de Estado.

 

E depois ficam todos muito incomodados quando em campanha eleitoral resolvem descer à terra e nos mercados e nas feiras levam na cara com comentários do cidadão anónimo que “vocês são todos iguais” e “querem é tacho” e “só vão para lá pra se encher”.

 

E é preciso lutar contra a abstenção; dizem. E alguns iluminados concluem que passa por tornar o voto obrigatório.

 

(Imagem de Maximiliano Blanco)

 

|| Sentido de oportunidade

por josé simões, em 07.05.09

 

Página 11 do Público

 

Cavalgar a onda. Killer instinct. Muito boa publicidade.

 

|| Come a papa Rangel, come a papa

por josé simões, em 05.05.09

 

O facto de Rangel ter ficado furioso com Basílio Horta, por este na boa-fé em querer prestar um esclarecimento, lhe ter dado cabo da demagogia campanha eleitoral, também não era caso para tanto:

 

"tem de comer muita papa Maizena para chegar aos calcanhares de Basílio Horta"

 

Banda sonora do dia.

 

‘Jaws’ on Film and Other Summer Thrillers

por josé simões, em 01.09.08

 

"O ministro Mário Lino fez tanto pelas piscinas do Algarve, como o filme de Spielberg, O Tubarão, pelas praias americanas."

 

Bruno Nogueira hoje ao final da tarde na TSF.

 

 

 

Carregar, perdão, calçar a cruz que é ter um ministro assim

por josé simões, em 02.03.08

 

Como o chefe calça Prada:
 
"Eu vinha cá comprar sapatos italianos, mas estou tão impressionado com a qualidade dos sapatos portugueses que vou levar sapatos portugueses. Vinha comprar sapatos italianos porque têm um óptimo nome em termos de design"
(Link)
 
Nunca tinha conseguido um post em que, o título, o corpo do texto e a imagem fossem tão unos. Obrigado Manuel Pinho!
 
(Foto de Caligaverot para o El Pais)
 
 

Falar verdade

por josé simões, em 01.02.07

 

Recentemente na Hungria, foram semanas a fio de manifestações e protestos nas ruas a exigir a demissão do primeiro-ministro, por ter admitido que mentira ao eleitorado.

 

Em Portugal exige-se a cabeça do ministro da Economia por ter falado verdade.

(Independentemente do anedótico que é,  ir à China argumentar com baixos salários).

 

À cabeça dos que, pedem a cabeça do ministro, surgem aqueles que protestaram e mais desconfianças levantaram, por o salário mínimo nacional ter sido actualizado; que as empresas não aguentavam, e que iriam perder competitividade e o diabo a sete.

 

É preciso ter lata!