Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

DER TERRORIST

"Podem ainda não estar a ver as coisas à superficie, mas por baixo já está tudo a arder" - Y. B. Mangunwijaya, escritor indonésio, 16 de Julho de 1998.

Isto contado ninguém acreditava ou, como dizem os 'amaricanos', what a time to be alive

por josé simões, em 13.04.20

 

CHARLES HARBUTT.jpg

 

 

Em Brasília, Brasil, Jair Bolsonaro assoa-se nas costas da mão com que logo de seguida cumprimenta uma idosa. Em Barcelos a crendice medieval meteu uma localidade em fila indiana a beijar um crucifixo, e no Porto um charlatão vestido de branco e dourado subiu a uma ponte para abençoar duas cidades separadas por um rio. Ainda no Porto o regionalismo-futeboleiro meteu o Gabinete de Comunicação e Promoção da Câmara Municipal do Porto a meter o "Luís de Aveiro" em "Luís do Porto" no online da autarquia. Nas férias de verão sobe à varanda nos Aliados para mostrar a chave da cidade e com um bocado de boa-vontade um dragão de ouro também. Do outro lado do Atlântico o presidente mais estúpido da história da humanidade, depois de tratar o COVID19 como um inimigo muito brilhante, um génio invisível que resiste aos antibióticos, vai para o Twitter regojizar-se por, pela primeira vez na história do país, um presidente ter em estado de emergência os 50 estados da união em simultâneo e com a sua assinatura. Isto contado ninguém acreditava ou, como dizem os 'amaricanos', what a time to be alive.

 

[Imagem]

 

 

 

 

O Estado laico de volta à Idade Média

por josé simões, em 09.04.20

 

Paweł-Jaszczuk-¥€$U$.png

 

 

Dois Papas em Roma, as pessoas a caírem que nem tordos por uma pandemia, o Bispo do Porto autorizado a entrar em Ovar para abençoar hospital de campanha. A espada de D. Afonso Henriques está desaparecida vai para um mês.

 

[Imagem de Paweł Jaszczuk]

 

 

 

 

E quem não percebe isto não percebe nada

por josé simões, em 12.02.20

 

PuppetJesus-NancyFouts.jpg

 

 

"Não podemos permitir que alguns deputados [homens e mulheres] queiram decidir por nós" mas podemos, e devemos, permitir que alguns homens, iluminados e com acesso em exclusivo à palavra de Deus e à sua interpretação, nos digam o que é certo ou errado, que aceitemos a sua ideia da ideia que Deus tem para connosco e, melhor ainda, aquilo que decidam o que podemos ou não podemos permitir. É a diferença entre democracia representativa e ditadura de inspiração divina. E quem não percebe isto não percebe nada.

 

[Imagem]

 

 

 

 

O que é que pesa mais?

por josé simões, em 10.02.20

 

St-Martin-in-the-Fields-Brian-Willey.jpg

 

 

Já que o critério parece ser a "imposição de critérios", o que é que pesa mais: 150 bispos eleitos pelo método do centralismo democrático - o Papa nomeia os bispos que elegem o Papa, ou 150 deputados eleitos pelos cidadãos em eleições livres e democráticas? 

 

Mas mais deplorável seria se 150 ou 200 pessoas impusessem os seus critérios a largos milhões de cidadãos

 

Por muito que gostassem isto não é a rábula do "o que é que pesa mais: um quilo de chumbo ou um quilo de algodão?" sendo que, contra todas as leis da física, um dos quilos já pesou mais.

 

[Imagem]

 

 

 

 

E quando pensavas que já tinhas visto de tudo...

por josé simões, em 07.02.20

 

bispo porto twitter.jpg

 

 

               A conta Twitter de Manuel Linda, bispo do Porto.

 

 

 

 

O Verdadeiro Artista

por josé simões, em 25.12.19

 

René_Andreu-Rivel.jpg

 

 

D. Manuel Linda [...] qualifica o fim dos contratos de associação com os colégios da Igreja como "das coisas mais dramáticas que aconteceram desde 1834"

 

[Imagem]

 

 

 

 

O Verdadeiro Artista

por josé simões, em 19.09.19

 

clown (6).jpg

 

 

D. Manuel Linda, bispo do Porto, que classificou como "asneiras" os casos de pedofilia no seio da igreja e que sobre a criação de uma comissão para lidar com eventuais casos de abuso sexual de menores o melhor que lhe ocorreu foi dizer que "ninguém cria uma comissão para estudar os efeitos de um meteorito", critica "o sistema de justiça português, políticos, organizações de defensa de direitos humanos, ou feministas por não terem condenado publicamente o crime de violação e assassinato de uma freira", não esclarecendo, no caso dos políticos, se de cada vez que uma mulher é assassinada deviam vir a público em acto de condenação ou se só neste caso específico de uma "serva de Deus".

 

[Imagem]