Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

DER TERRORIST

"Podem ainda não estar a ver as coisas à superficie, mas por baixo já está tudo a arder" - Y. B. Mangunwijaya, escritor indonésio, 16 de Julho de 1998.

||| Ainda que mal pergunte

por josé simões, em 12.03.15

 

Jake Bilardi.jpg

 

 

Um jornal online de direita/ um jornal da direita online, ter publicado o manifesto do terrorista suicida australiano do ISIS pode, por "apologia do jihadismo", ser enquadrado na neofascista, espécie de 'patriot ac', lei de combate ao terrorismo de Paula Teixeira da Cruz?


Dito de outra maneira, um blog anónimo como o meu, anónimo no sentido de não ser escrito por um político conhecido, nem por um próximo do circulo do amiguismo lisboeta com acento [não é gralha] nas televisões do comentário político, nem pelos lugares cativos [Pedro Rolo Duarte, Domingos Amaral, Margarida Rebelo Pinto, por exemplo] nos destaques na página do Sapo dia sim dia sim, ainda por cima com o medonho nome Der Terrorist, caso publicasse o dito cujo manifesto teria o mesmo tratamento/ enquadramento do jornal online da direita com swag?

 

 

 

 

||| "Rage, rage against the dying of the light", Dylan Thomas

por josé simões, em 29.03.14

 

 

 

 

Petição "Preparar a reestruturação da dívida para crescer sustentadamente".

Assinar aqui.

[Imagem]

 

 

 

 

 

||| O Avisador avisou mas não explicou

por josé simões, em 21.03.14

 

 

 

O Avisador avisou que os investidores estrangeiros reagem de "forma muito negativa" quando ouvem falar em reestruturação da dívida, porque a ligam a "perdão" e "assustam-se" em relação a possíveis investimentos no país".

 

O Avisador avisou mas não explicou porque é que os investidores estrangeiros não reagem de "forma muito negativa", nem pouco negativa, nem tampouco reagem, perante um Governo de incompetentes, patrocinado por um escritor de prefácios e que, a propósito de uma alegada reforma do Estado e de uma não menos alegada reforma estrutural da economia, destrói a economia, aumenta a dívida pública, empobrece o país e os cidadãos, e inviabiliza o pagamento da dívida.

 

Diz a sabedoria popular que "a falar é que a gente se entende" e, o tempo que gasta em avisos que são do senso comum e prefácios para pitonisas se o investisse a falar e a explicar aos investidores, com que se tem "encontrado ao longo dos tempos", que "reestruturação" não é "não pagamos", antes pelo contrário, era muito mais útil ao país e muito mais prestigiante para a cadeira que ocupa.

 

Isso sim são "checks and balances" [no original porque O Avisador teve "dificuldade em encontrar a palavra"] e não tretas de faltas de respeito institucional da parte dos afilhados e protegidos.

 

[Imagem]

 

 

 

 

 

 

||| O Verdadeiro Artista

por josé simões, em 21.03.14

 

 

||| Primavera, dia 20 de Março de 2014 às 16h57

por josé simões, em 20.03.14

 

 

 

Brigada do reumático, jarretas, xexés, irresponsáveis, instalados do sistema, chupistas do erário público, caloteiros, anti-patriotas, analfabetos políticos, ileteratos do economês, ai os mercados e as taxas de juro e o futuro do euro e o futuro da Europa e o futuro da Nação e os avisos de Cavaco Silva, "o economista fantástico que o senhor é". E agora?

 

«São 74 economistas estrangeiros que agora se vêm juntar às 74 personalidades portuguesas que, na semana passada, publicaram um manifesto a defender a reestruturação da dívida pública nacional. São economistas, muitos com cargos de relevo em instituições internacionais como o FMI, editores de revistas científicas de economia e autores de livros e ensaios de referência na área.»

 

[Imagem]

 

 

 

 

 

 

||| Numa imagem

por josé simões, em 14.03.14

 

 

 

Numa imagem de John Carpenter o consenso que nos querem impor.

 

 

 

 

 

 

||| O Verdadeiro Artista

por josé simões, em 13.03.14

 

 

 

||| "Viver Sempre Também Cansa!"

por josé simões, em 13.03.14

 

 

||| Os cães de porcelana na corte do ressabiado

por josé simões, em 12.03.14

 

 

 

Porque Cavaco Silva nunca se engana e raramente tem dúvidas, Cavaco Silva não quer ouvir conselhos nem quer saber de opiniões diferentes da sua. Cavaco Silva não quer conselheiros, quer funcionários encarregados de o entreter, a si e ao seu Governo de iniciativa presidencial, que lhe digam o que quer ouvir, tipo os cães de porcelana que se encontram nas feiras e mercados e que ficam um ror de tempo a abanar a cabeça, "que sim que sim", depois de lhes pregarmos um piparote.

 

Cavaco Silva, o da fama de nunca deixa cair os amigos e os mais chegados, Cavaco Silva a quem Dias Loureiro, Conselheiro de Estado, garantiu "solenemente que não cometeu qualquer irregularidade nas funções que desempenhou" e que por isso não tinha "qualquer razão para duvidar da sua palavra", Cavaco Silva que após a encomenda das escutas a Belém afastou o "homem forte" Fernando Lima sem afastar Fernando Lima o "homem forte", daqui para ali.

 

Cavaco Silva, o ressabiado do discurso da vitória, no Centro Cultural de Belém, na noite da reeleição, exonerou os dois consultores que assinaram o manifesto pela reestruturação da dívida, Sevinate Pinto e Vítor Martins, a pedido dos próprios, quiçá depois de Cavaco Silva ter chamado a atenção dos próprios para a necessidade de apresentarem o pedido de exoneração.

 

Cavaco Silva, o ressabiado, pode retirar a Grã-Cruz da Ordem de Cristo com que agraciou a fiel discípula, dona Manuela, no Dia da Raça.

 

 

 

 

 

 

||| O "sentido de Estado" do senhor

por josé simões, em 11.03.14

 

 

 

Descontando o habitual, e o habitual é a arte que Pedro Passos Coelho domina com mestria e que consiste em aplicar aos outros tudo o que lhe encaixa que nem uma luva – "Aqueles que querem realizar o irrealizável acabam por não ser justos nem oferecer segurança aos cidadãos, acabando por pôr em causa o Estado Social", é, no mínimo, de uma enorme falta de sentido de Estado e de uma não menos enorme falta de respeito por uma instituição que se quer blindada a debates político-partidários e a opções de governação, que o primeiro-ministro se aproveite das câmaras e dos microfones, numa cerimónia oficial dentro das instalações da Polícia Judiciária, para passar recados à oposição e ao consenso, finalmente encontrado entre todos os quadrantes políticos, a pedido do Presidente da República.

 

[Imagem]

 

 

 

 

 

 

||| Diálogo e consenso

por josé simões, em 11.03.14

 

 

 

Cavaco Silva, O Avisador, pediu diálogo e consenso, ei-lo:

 

«Notáveis da esquerda e da direita apelam à reestruturação da dívida portuguesa

 

Manifesto subscrito por 70 personalidades, de diferentes quadrantes políticos, inclui Ferreira Leite e Louçã e apela à reestruturação da dívida, mesmo a “contragosto da Alemanha”.»        

 

[Imagem]

 

 

 

 

 

 

|| Podia chamar-se "taquetinho ou lebas nu fucinho"

por josé simões, em 17.07.13

 

 

 

O "arco da governação" tem o apoio e o "sentido de Estado" e o "supremo interesse nacional" do arco dos interesses instalados. A cada minuto que passa o PS de António José Seguro atasca-se mais e cada vez mais no esquema urdido por Cavaco Silva.

 

[Imagem]

 

 

 

 

 

 

|| I want to believe

por josé simões, em 17.05.12

 

 

 

"Queremos provocar os partidos à esquerda, interpelá-los, obrigá-los a tomar posição"

 

[Imagem de Philipp Igumnov aka Woodcum]

 

 

 

 

 

 

|| Since 1917

por josé simões, em 17.05.12

 

 

 

E já dura, pelo menos, desde 1917. Here we go again…

 

[Imagem]

 

 

 

 

 

 

|| Já cá faltava

por josé simões, em 01.02.12

 

 

 

O ponto em comum aos que defendem que "Portugal precisa de uma Monarquia" e aos que pululam pelas caixas de comentários dos jornais on-line e nos fóruns das rádios a gritar que Portugal precisa de outro Salazar é o serem cidadãos portugueses empenhados em dispensar o povo de ter voz activa na escolha dos seus representantes.

 

[Imagem Yann Serandour, ‘I Will Not Make Any More Boring Art’, 2005]