Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

DER TERRORIST

"Podem ainda não estar a ver as coisas à superficie, mas por baixo já está tudo a arder" - Y. B. Mangunwijaya, escritor indonésio, 16 de Julho de 1998.

Malucos do riso

por josé simões, em 05.06.18

 

manif-nao-eutanasia.jpg

 

 

Apercebi-me da superficialidade e agressividade gratuita com que debatemos temas sociais nos órgãos de comunicação social e redes sociais [...]

 

 

 

 

Os cúmplices

por josé simões, em 05.07.17

 

Demonstrators gather in front of the police as the

 

 

A manifestação, na qual participaram dirigentes políticos e sindicais, entre os quais a presidente do CPPC e candidata comunista à Câmara Municipal do Porto, Ilda Figueiredo, e o líder parlamentar do Partido Comunista Português (PCP), João Oliveira

 

[Imagem]

 

 

 

 

||| 24 de Abril: Todos os rios vão dar ao Carmo

por josé simões, em 07.04.14

 

 

 

 

Podes ser a gota de água!

 

 

 

 

 

||| Um vómito

por josé simões, em 07.03.14

 

 

 

Não sei de quem foi a ideia, se da central de agit-prop do Governo, se da direcção da polícia, ou se nasceu de "geração espontânea", mas ouvir em todas as televisões, todas, todas sem excepção, repetir, ad nauseam, pelos papagaios de serviço na/ à comunicação social capturada pelo poder político, que houve a preocupação [Da parte de quem? Foi declarado estado de sítio?] de encerrar todos os bares e tascos nas redondezas do Parlamento, porque a subida da escadaria da Assembleia da República, na última manif das polícias, se deveu ao efeito do álcool sobre os paisanos, passar para a opinião pública a ideia de que os polícias em protesto são todos uma cambada de bêbados exaltados, tipo "gordo da GNR" na porta da taberna nos idos do velho de Santa Comba, desvalorizar a revolta e a indignação de profissionais competentes e dedicados, amorfos Lei e Ordem, respeitinho, autoridade e busca-busca Bobby, e que não fora o tintol, o cervejame e a bagaceira, estavam ali uns paz de alma capazes de aceitar cortes de cento e tal euros no ordenado, de trabalhar em condições deploráveis, com material a pedir reforma e em esquadras abaixo de casota de cão, sem perder a fleuma e a bater muitas palminhas no fim ao Governo da Nação, diz mais, muito mais, sobre quem pôs a "notícia" a circular, e dos acéfalos que a repetem, do que propriamente do alvo a que se destina. Um vómito.

 

 

 

 

 

 

||| A sério?!

por josé simões, em 22.11.13

 

 

 

«Quem tem por missão fazê-las respeitar não pode dar o exemplo de as violar»

 

«num Estado de Direito há regras que devem ser observadas e limites que não podem ser ultrapassados»

 

 

A sério?! Miguel Macedo é ministro da Administração Interna deste Governo, desta maioria que, desde o dia da tomada de posse mais não fez do que violar as regras e ultrapassar os limites, desde os sucessivos Orçamentos do Estado até ao contrato social, ignorando que tem por missão fazê-las respeitar e dar o exemplo, ou foi só ali comprar cigarros e chegou agora?

 

[Imagem de LambertoTeotino]

 

 

 

 

 

 

||| Porque…

por josé simões, em 22.11.13

 

 

 

Apesar de à civil não comeram da mesma comida, não levaram pela mesma medida que civis, autores das mesmas façanhas, comeram e levaram, anteriormente, em situações semelhantes, porque:

 

     - A ordem foi dada pelo comandante no terreno e ignorada pelas tropas?

    - A ordem foi dada pelo comandante no gabinete, o ministro, e ignorada pelo comandante no terreno?

     - O comandante no gabinete não deu a ordem?

 

Direita no poder e Estado policial é um clássico que vem nos livros, agora conjugado com a Direita que não se preocupa só com os números da Economia e também aprende com as lições da História. Não sabemos é se o filme, que passou em directo e em horário nobre, nas televisões, compensa o resto.

 

[Imagem Peter Liversidge]

 

 

 

 

 

 

||| É GOOOOOOOLO!

por josé simões, em 21.11.13

 

 

 

Alô Rodrigo, onde é que estás? Estou aqui na Tapadinha da Ajuda a fazer a reportagem sobre o treino do Atlético… Então vai já para a Assembleia da República, que é mesmo aí ao lado, cobrir a manif dos polícias.

 

"O que é facto é que acabou por acontecer esta invasão de campo, essa invasão do relvado".

 

 

 

 

 

||| Entretanto em Susa, Itália…

por josé simões, em 18.11.13

 

 

 

[Aqui]

 

 

 

 

 

 

|| A pergunta que nenhum deputado soube fazer

por josé simões, em 15.10.13

 

 

 

Miguel Macedo acabadinho de chegar de Marte que não sabe o que foi o 25 de Abril de 1974 nem o significado que a data matém 40 anos passados nem nunca ouviu falar em "margem sul" nem em "cintura industrial" nem em "De pé, ó vítimas da fome! De pé, famélicos da terra!" nem percebe nada de simbolismos e para quem "a ponte é uma passagem" e nunca uma ligação.

 

Miguel Macedo que nem sequer é ministro deste Governo, o tal, o que ressuscitou a luta de classes em Portugal:

 

"Será por acaso que em 39 anos de democracia nunca houve uma manifestação convocada para o tabuleiro da Ponte 25 de Abril?"

 

[Imagem]

 

 

 

 

 

 

|| "O Gigante Acordou"

por josé simões, em 18.06.13

 

Escrevia ontem a Thaís, desde S. Paulo – Brasil, para descrever

 

O espírito:

 

 

Da coisa:

 

 

 

 

 

 

 

 

|| Mais um dia

por josé simões, em 04.03.13

 

 

 

 

 

 

 

|| Ainda o #2M em #Lisboa

por josé simões, em 03.03.13

 

 

 

Apenas mais dois ou três apontamentos.

 

Estive lá, comecei no Marquês de Pombal e fiz depois o percurso da manif, várias vezes e a todo o seu comprimento, entre a Praça do Comércio e os Restauradores, a fotografar e a filmar. Algumas fotos ia imediatamente colocando online via Twitter, e só não publiquei mais porque estava dependente da disponibilidade e da qualidade do acesso à rede wifi, quer das redes abertas que ia apanhando [PT wifi, lojas e hotéis], quer das duas que assino [PT e Fon Zon] e, alturas houve, em que era de todo impossível aceder a qualquer rede que fosse, como nos minutos logo a seguir à meia-noite, na noite da passagem de ano, em que toda a gente saca do telemóvel para felicitar familiares e amigos, o que me leva a crer que, como eu, havia mais uns milhares na zona com o mesmo procedimento.

 

A partir das 18 horas desisti e quedei-me no estuário da Rua do Ouro porque era impossível fazê-la no sentido inverso à manif, tal era a massa humana, compacta, que desfilava em direcção ao Terreiro do Paço.

 

As pessoas, como não obedeciam a lideranças sindicais nem a credos políticos [e isso é que devia preocupar, muuuuuito mais o Governo que as oposições], chegavam ao Terreiro do Paço e desmobilizavam, iam às suas, passear com e em família [que eram aos milhares, avós, pais, filhos e netos], iam às compras, ver as montras or ever, não ficavam à espera para ouvir os discursos da praxe, não era isso que as tinha trazido até ali, ninguém precisava ser doutrinado.

 

Ainda a manif não tinha começado já a cabeça ia a chegar aos Restauradores. Já se desmontava o palco na Praça do Comércio ainda a cauda da manif vinha no Rossio.

 

Dizer que esta manif teve muito menos participação que a do dia 15 de Setembro, ou até compara-la com a missa campal de Joseph Ratzinger, paga com o dinheiro dos contribuinte, e com o palco a ocupar quase ¼ da praça mais 5 corredores de fuga desimpedidos e acessos bloqueados, ou é má fé ou é pânico do Governo Pedro Passos Coelho/ Paulo Portas e dos apoiantes que ainda lhe restam. Fico-me pela segunda.

 

[Imagem fanada aqui]

 

 

 

 

 

 

 

|| 2 de Março de 2013 – O espírito

por josé simões, em 02.03.13

 

 

 

 

 

 

 

 

|| 2 de Março de 2013 – A "coisa"

por josé simões, em 02.03.13

 

 

 

 

 

 

 

|| Março de 2012

por josé simões, em 01.03.13

 

 

 

Os maoístas de 68 são poder por essa Europa fora, desde as instituições europeias aos governos nacionais, e ganham muito bom dinheiro a vender pedra e a empregar calceteiros. Debaixo da calçada não há praia nenhuma.