Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

DER TERRORIST

"Podem ainda não estar a ver as coisas à superficie, mas por baixo já está tudo a arder" - Y. B. Mangunwijaya, escritor indonésio, 16 de Julho de 1998.

Ele há coisas do caralho

por josé simões, em 28.02.24

 

marcelo.jpg

 

 

Corria a campanha eleitoral para as Autárquicas de 2017 e Marcelo Rebelo de Sousa, o Presidente de todos os portugueses, num semáforo encontrou-se por acaso com Teresa Leal Coelho, candidata do seu partido, o PSD, à Câmara Municipal de Lisboa.

 

Estávamos para saber das prometidas antecipadas legislativas por Marcelo, caso o Orçamento do Estado viesse a ser chumbado, e Marcelo, o Presidente de todos os portugueses, recebia na residência oficial o líder da oposição interna ao líder do seu partido, o PSD, para tratar da data das eleições antecipadas, condicionada pela data das eleições para a liderança do PSD.

 

Corria a campanha eleitoral para as Autárquicas de 2023 e Marcelo Rebelo de Sousa, o Presidente de todos os portugueses, encontrou-se por acaso na Feira do Livro com Carlos Moedas, candidato do seu partido, o PSD, à Câmara Municipal de Lisboa.

 

Corre a campanha para as Legislativas de 2024 e Marcelo Rebelo de Sousa só não se encontrou por acaso com Luís Montenegro, líder do seu partido, o PSD, na Bolsa de Turismo de Lisboa, porque um imbecil climático se meteu pelo meio.

 

Como se diz em português corrente, ele há coisas do caralho.

 

[Link na imagem]

 

 

 

 

Todo o Poder aos Imbecis!

por josé simões, em 28.02.24

 

coyote.jpg

 

 

Estado securitário? Xenofobia? Estigmatização do outro? Insegurança induzida? Referendo ao aborto? Direitos das mulheres? Saúde Pública? Mentira atrás de mentira na campanha eleitoral? O dia em que os imbecis climáticos vieram em socorro dos trogloditas da AD:

 

O líder da Aliança Democrática (AD) e presidente do PSD, Luís Montenegro, foi atingido esta quarta-feira por tinta verde numa ação de protesto organizada por ativistas pelo clima na Bolsa de Turismo de Lisboa.

 

 

 

 

Coisas que fazem sentido

por josé simões, em 28.02.24

 

peixe.jpg

 

 

Se eu algum dia tiver de cortar um cêntimo numa reforma, demito-me

E porque é que se candidata se desconhece os dossiers ou desconhecendo os dossiers se demite ao invés de encontrar alternativas para não quebrar a palavra dada?

 

E quem duvidar da minha palavra é porque não tem palavra

E o que os cépticos, ou os escaldados de promessas anteriores, têm a ver com promessas de terceiros que empenharam a própria palavra dando como garantia a palavra dos outros?

 

Há não tanto tempo quanto isso o nome que se dava a isto era "conversa de maluco, dá-lhe o desconto", desde o advento das redes, em que um gajo qualquer com o título de doutor sai do balcão da taberna, vai para o Facebook, inventa um partido, elege deputados e, em vez de ser prontamente metido na ordem, arrasta os outros para a sua ordem ao ponto de entrar numa equação para solução governativa, tudo já é normal e aceitável.

 

[Imagem de autor desconhecido]

 

 

 

 

A Criatura e o Criador

por josé simões, em 26.02.24

 

passos.jpg

 

 

"Ideologia de género" nas escolas, imigração descontrolada, responsável por um saldo positivo de 1.604,2 milhões de euros na Segurança Social, que leva à insegurança, no sétimo país mais seguro da Europa. A "subsidio dependência" e as "gorduras do Estado" estão lá atrás, no governo da Troika.

 

"Faz-me impressão ser seguido imitado por gente banal. Sinto-te uma fotocópia prefiro o original, Edição revista e aumentada cordão umbilical"

 

 

 

 

Os bois têm nome

por josé simões, em 23.02.24

 

debate.jpg

 

 

Todos os telejornais na televisão do militante n.º 1 - SIC Notícias, a todas as horas certas, abrem com Luís Montenegro.

Todas as emissões na televisão do militante n.º 1 - SIC Notícias, são interrompidas, sejam elas quais forem, para uma directo com uma arruada ou uma papagaiada do taberneiro.

Quando a extrema-direita se alçar ao poder e começar o retrocesso democrático os bois têm nome.

 

[Na imagem o acolhimento no Capitólio antes do início do debate Pedro Nuno Santos vs. Luís Montenegro]

 

 

 

 

Noção é coisa que a mim não me assiste

por josé simões, em 21.02.24

 

poster.jpg

 

 

Cavaco Silva, 1 ano ministro das Finanças [2 de Janeiro de 1980 - 10 de Janeiro de 1981], 10 anos primeiro-ministro [5 de Novembro de 1985 - 27 de Outubro de 1995], 10 anos Presidente da República [9 de Março de 2006 - 9 de Março de 2016] de onde saiu com o mais baixo índice de aprovação da democracia, pelo meio presidente do PSD, 36 anos no activo, contas redondas, apareceu, vindo sabe-se lá de onde, para dizer que "o país precisa de uma mudança política que traga uma nova esperança". Noção é coisa que a mim [a ele] não me assiste.

 

 

 

 

O cerco ao Capitólio

por josé simões, em 19.02.24

 

capitol.png

 

 

Na impossibilidade de estar no Capitólio, Lisboa, a gritar e a insultar, o taberneiro mandou os escudeiros fazerem barulho por ele. Nascido, criado e engordado pela mesma mãe - o PSD, Montenegro foi incapaz de dizer o óbvio, que as polícias são o garante da legalidade democrática e nunca um factor de insegurança e instabilidade. O resto do debate, e foi mais de uma hora, foi um monte negro político à nora que acabou a comparar o seu passado, "o meu passado chama-se Passos", a José Sócrates.

 

 

 

 

Levados ao colo

por josé simões, em 12.02.24

 

LM vs AV.jpg

 

 

O tempo roubado a Mariana Mortágua e Paulo Raimundo foi compensado aqui, na televisão pública. No futebol isto tem um nome, "levados ao colo".

 

 

 

 

O Silêncio dos Indecentes

por josé simões, em 11.02.24

 

 

 

O Silêncio dos Indecentes.

 

 

 

 

 

A grande substituição

por josé simões, em 08.02.24

 

Zhiyong Jing.jpg

 

 

Um líder cobarde e pobre em argumentação, que encurralado nos debates o melhor que tem para contrapor é "a Venezuela", "Cuba", "socialismo", "trotskismo", que quer alterar as regras a meio do jogo e se propõe ser substituído por outrem, não menos pobre em argumentação, que encurralado nos debates o melhor que lhe vai sair é "a Venezuela", "Cuba", "socialismo", "trotskismo", arrisca acordar substituído, passados os debates, no day after às eleições.

 

[Link na imagem]

 

 

 

 

A chegaização do PSD

por josé simões, em 31.01.24

 

ratos.jpg

 

 

O subsídio de desemprego é um direito decorrente da carreira contributiva, para quem se encontra temporariamente desempregado, como o próprio nome indica. Trabalhou, descontou para isso, recebe por isso, limitado no tempo.  O Rendimento Social de Inserção é um mecanismo de combate à pobreza que, alegadamente, permite aos beneficiários a satisfação das suas necessidades básicas. Não embarcando na conversa do taberneiro que chefia o partido da taberna no Parlamento, uma busca rápida na internet permite perceber que ninguém consegue ter uma vida decente com o Subsídio de Desemprego e muito menos com o RSI. E depois há o Complemento Solidário para Idosos, um apoio pago aos pensionistas e reformados com baixos recursos, aqueles que Luís Montenegro promete elevar ao valor do Salário Mínimo Nacional, tenham ou não trabalhado toda a vida, tenham ou não descontado para a Segurança Social, em linguagem futeboleira "beneficiar o infractor". O mesmo Luís Montenegro que numa palestra na Confederação do Comércio e Turismo aproveita para gozar com quem trabalha, com quem está desempregado e com quem recebe o RSI ao largar que "Não pode ser mais lucrativo estar em casa a receber subsídios do que trabalhar".

 

[Imagem de autor desconhecido]

 

 

 

 

O Verdadeiro Artista

por josé simões, em 28.01.24

 

clown.jpg

 

 

Montenegro pede credibilidade e recusa prometer tudo a todos

 

[Imagem de autor desconhecido]

 

 

 

 

As bruxas

por josé simões, em 26.01.24

 

bruxas.jpg

 

 

Maló de Abreu foi pedir asilo político ao partido da taberna e no dia a seguir veio a saber-se que andou ano e meio a cantar a canção do Quim Barreiros, que é como quem diz a "mamar nos peitos da cabritinha", que é como quem diz a alambazar-se com 75 mil euros do dinheiro do contribuinte e a enganar o cidadão eleitor e a dar mau nome à democracia e à política. Mas foi preciso mudar de sítio porque até aí ninguém no seu partido sabia de nada ou sequer desconfiava.

 

Liliana Reis, a doutora independente, tão independente tão independente tão independente que desde sempre alinha com o PSD em tudo e mais um par de botas, é designada cabeça de lista da AD por Castelo Branco, o tal partido aberto à "sociedade civil" e coise, e no dia a seguir à nomeação é alvo de uma denúncia por plágio na tese de doutoramento. O aparelho partidário tem destas coisas, não gosta de ser ultrapassado pela tal da "sociedade civil" a que tem de se abrir, nem as estruturas gostam de ser subalternizadas pelo centralismo da capital, mesmo quando o centralismo da capital é constituído por quem veio da província.

 

Miguel Albuquerque, o do "Não vale a pena ter ilusões. Reformar o Estado é despedir", foi apanhado numa teia de negócios com suspeitas  de atentado contra o Estado de direito, prevaricação, recebimento indevido de vantagem, corrupção, participação económica em negócio, abuso de poder e de tráfico de influências, uma bela lista de mercearia. Depois de ter exigido a demissão de António Costa, que não era acusado nem arguido em coisa nenhuma na Operação Influencer, diz agora que não sai porque é inocente e nunca roubou nem pediu nada a ninguém.

 

Os timings da justiça a criarem um problema ao chefe no cont'nente a um mês das eleições, o chefe do "Luís Montenegro: 1 - António Costa: 0" no rescaldo eleitoral, e o chefe a criar um problema a si próprio ao não tirar a confiança política ao camarada ilhéu já que, segundo ele, “as diferenças são mais do que muitas” entre o Costa, que não tinha nada a ver com nada, e o Albuquerque que até ver tem tudo a ver com tudo.

 

O mesmo timing que caiu na comunicação social em cima de António Costa no dia da abertura do congresso do PS a dar conta de que era alvo de investigação por prevaricação, dois meses depois da Operação Influencer, dois meses sem ser ouvido pela justiça.

 

As bruxas, umas mais manhosas, outras mais astutas, e ainda outras com mais estudos, gostam do balcão da taberna, como pode ser comprovado semana após semana nas sondagens e estudos de opinião.

 

[Imagem de autor desconhecido]

 

 

 

 

Bela Lugosi's Dead

por josé simões, em 23.01.24

 

Bela-Lugosi-the-ultimate-dracula (1).jpg

 

 

Pedro Nuno Santos concorre por Aveiro, por ser o seu círculo eleitoral e por ser o círculo por onde sempre concorreu, segundo o próprio. Luís Montenegro concorre por Lisboa, depois de sempre ter concorrido por Aveiro, o seu círculo eleitoral. Imaginem a cara do corajoso caso ficasse atrás de Pedro Nuno Santos, nem que por um voto fosse. Imaginem a ginástica dos minions de plantão às redes para explicar isto à turba. Os minions que andaram oito anos a apontar o dedo a um PS fechado sobre si mesmo, a ir buscar "tralha" ao baú para se apresentar a votos e preencher os lugares de ministros e secretários de Estado, e agora a renovação que vai no PSD - José Cesário, Aguiar-Branco, Hugo Soares, Leitão Amaro, Teresa Morais, Pinto Luz, e mais uns laranjas de gema mascarados de independentes e papagueados independentes para enganar os mais incautos. A renovação e a qualidade. E ainda só vamos nos cabeças de lista, caso se alcem ao poder vai ser o bom e o bonito.

 
     Back on the rack
     Bela Lugosi's dead
     The bats have left the bell tower
     The victims have been bled         Red velvet lines the black box
     Bela Lugosi's dead
     Bela Lugosi's dead
 
 
 
 

A arte do pantomineiro

por josé simões, em 22.01.24

 

New York City circa 1908. Sam Kramer The bodybuilder and wrestler George Grantham Bain Collection.jpg

 

 

A arte do pantomineiro consiste em prometer tudo aquilo a que sempre se opôs e que nunca defendeu no passado, e que não tem a mínima intenção de cumprir no futuro, enquanto acusa o adversário dos males de que ele próprio padece, e ainda assim ter uma miríade de comentadores e analistas nas televisões a sublinharem a sua a boa prestação discursiva e a avaliarem a exequibilidade das suas propostas. E andamos nisto 50 anos depois do 25 de Abril.

 

[Link na imagem]