Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

DER TERRORIST

"Podem ainda não estar a ver as coisas à superficie, mas por baixo já está tudo a arder" - Y. B. Mangunwijaya, escritor indonésio, 16 de Julho de 1998.

Ora vamos lá a saber

por josé simões, em 05.09.18

 

boris.jpg

 

 

Fernando Medina, presidente da Câmara de Lisboa, sempre com a boca cheia do peso do transporte pessoal privado na cidade e nas emissões de carbono e do incentivo ao transporte público e nos passes sociais subsidiados pelo contribuinte seja ou não morador e/ ou trabalhador na cidade e na defesa do planeta e da qualidade de vida das cidades, utiliza que meio de transporte para chegar diariamente ao trabalho?

 

Jorge Sampaio, por exemplo, ia de autocarro e ainda devem haver por aí reportagens nos arquivos das televisões onde é visto a ir  a pé da Rua Padre António Vieira para a Praça do Município, e Boris Johnson, também por exemplo, imagem de marca de bike para a Mansion House em Walbrook.

 

[Imagem]

 

 

 

 

O senhor contribuinte roubado

por josé simões, em 04.09.18

 

o senhor roubado (3).jpg

 

 

E depois, ao dia útil e à data em que escrevo, Sesimbra tem 27 ligações por autocarro a Lisboa [13 idas e 14 voltas] e Palmela tem 34 [17 idas e 17 voltas]. Fazendo as contas a uma média de 55 passageiros por bus e, partindo do princípio que vão todos cheios e atendendo a que Sesimbra não tem comboio [o resto do país também não mas isso é outro capítulo] e ao peso que esses passageiros têm no bolo global das dezenas de milhar de passageiros que se movimentam diariamente na Área Metropolitana de Lisboa, a gente percebe a "bondade" do valor a pagar pelos respectivos passes aparecer a abrir as notícias. Meter as pessoas de Sesimbra, Palmela e Pinhal Novo a subsidiar os transportes públicos de Lisboa em nome do valor do passe pago pelas pessoas de Sesimbra, Palmela e Pinhal Novo é uma ideia simplesmente genial.

 

Não lhes ocorreu avançar com o preço de um passe de autocarro entre Alcácer do Sal e Setúbal, ou entre Mértola e Beja, ou entre Montemor-o-Novo e Évora, que a "paisagem" não é para aqui chamada a estragar a imagem de Lisboa.

 

Mas se calhar há uma explicação lógica para tudo isto. Não passando pela cabeça de ninguém que a ideia não tenha sido previamente concertada entre António Costa e Fernando Medina, como a reacção foi adversa às reacções dos avençados de serviço às redes e que foram desde as auto-estradas, hospitais, escolas e universidades no resto do país pagas por Lisboa [juro, está no Twitter], até à solidariedade que é exigida aos países ricos do norte da Europa para com os pobres do sul e que não tem correspondência neste caso concreto que é o de meter os miseráveis do Alentejo a pagar o passe social aos ricos de Lisboa [juro, está no Twitter], até à Lisboa, criadora de 70% da riqueza produzida pelo país, mãos largas a distribuir por Setúbal, Aveiro, Braga, distritos onde as empresas desenvolvem a sua actividade económica e que, para o bem ou para o mal, arcam com as consequências ambientais e o desemprego provocado pelas sucessivas crises, económicas e sociais, o dinheiro que Lisboa arrecada por ser a cidade onde as empresas têm a sua sede fiscal [juro, está no Twitter], entrou em campo o ministro do Ambiente, magnânimo e abrangente.

 

E se fossem gozar com quem vos talhou as orelhas?

 

[Imagem]

 

 

 

 

Não ter a puta da vergonha na cara é isto

por josé simões, em 27.07.18

 

gripfac3.jpg

 

 

O PSD, de Cavaco Silva da escritura, nunca aparecida, da casa na Urbanização da Coelha, paredes meias com Oliveira Costa e Fernando Fantasia, das mais-valias em acções da SLN, pede a demissão do vereador do Bloco de Esquerda na Câmara de Lisboa, Ricardo Robles, "por manifesta falta de ética, de seriedade e de credibilidade política para permanecer no cargo de vereador na cidade de Lisboa" num affair onde não há mais nada do que uma contradição, se não mesmo hipocrisia, entre aquilo que se apregoa e aquilo que se pratica. Não ter a puta da vergonha na cara é isto.

 

[Imagem Grip Face no Instagram]

 

 

 

 

Ricardo Iglesias vs. Pablo Robles

por josé simões, em 27.07.18

 

pablo-iglesias.jpg

 

 

O vereador do Bloco, a votos contra o "carrossel da especulação imobiliária", vai ganhar milhões com prédio em Alfama.

 

O vereador vai ganhar milhões com a venda de um prédio, que em 2014 comprou por 347 mil euros. Hoje o edifício totalmente reabilitado vale 5,7 milhões de euros.

 

[Así es, por dentro y por fuera, la nueva casa]

 

 

 

 

Descubra as diferenças

por josé simões, em 03.07.18

 

Stefanie Moshammer.jpg

 

 

Câmara de Lisboa cede parque de estacionamento a Madonna


A Câmara Municipal de Lisboa cedeu um terreno que serve de parque de estacionamento à maior estrela da pop. Madonna, a morar na Rua das Janelas Verdes, precisava de se um lugar para guardar os 15 carros que ela e a equipa usam.

 

 

"Acabando a sede, não temos onde pôr os atletas"


"Clube de Carnide luta contra ação de despejo da sede onde está há 90 anos."


A direção do clube mobilizou-se para tentar evitar o despejo e levantou o problema junto da Presidência da República, Governo, partidos políticos e na comissão de Desporto, Comunicação e Cultura, da Assembleia da República. "O que nos disseram foi para tentarmos que a câmara faça a expropriação por interesse público do espaço".

 

[Imagem]

 

 

 

 

O sonso arrumador de carros

por josé simões, em 02.07.18

 

arrumador.jpg

 

 

O sonso, que se queixa do êxodo provocado pelo alojamento local que, a pouco e pouco, vai transformando Lisboa num parque temático, depois de muito esmifrado e apertado por toda a gente, deixa cair que é o arrumador de carros de Madonna, pelas moedas que recebe em troca do serviço prestado, privilégio que não concede aos indígenas que ainda resistem ao êxodo, porque a rainha da pop é bom cartaz, que atrai mais turistas a Lisboa, que fomentam o alojamento local, que pressiona o êxodo. O nacional-parolismo em todo o seu esplendor.

 

[Imagem]

 

 

 

 

Lisboa vista da paisagem

por josé simões, em 28.06.18

 

casa das manteigas setubal.jpg

 

 

Dois dias seguidos de telejornais e de primeiras páginas e de reportagens e de entrevistas de rua sobre uma pastelaria histórica de Lisboa que vai deixar de vender a bica a 1 €, em pé ao balcão, e imperial a 3 €, na esplanada. Coisas que passam ao lado de 10 milhões e meio de portugueses, quando não se estão mesmo a borrifar, a marimbar, a lixar, com éfe grande, lisboetas incluídos, para a dita Suíça, mesmo aqueles que alguma vez tinham ouvido falar dela. A seguir vão fazer reportagens e abrir telejornais e fazer primeiras páginas e entrevistas de rua sobre, por exemplo, as dezenas de lojas históricas que fecharam na baixa de Setúbal nas duas últimas décadas.

 

[Na imagem de Américo Ribeiro a "Casa das Manteigas" na Rua Doutor Paulla Borba, antiga Rua dos Ourives, em Setúbal]

 

 

 

 

A Roda da Sorte

por josé simões, em 19.04.18

 

roda da sorte.jpg

 

 

Depois da aula prática sobre a lei da oferta e da procura a Câmara de Lisboa devia agora adoptar o sistema de sorteio onde, por coincidência, ou por sorte, como quiserem, duas casas saem a dois membros da mesma família ou aqueles que toda a gente já está à espera que saia.

 

Câmara anula leilão de rendas em que um T1 chegou a 760 euros

 

[Imagem]

 

 

 

 

Afinal havia outra

por josé simões, em 15.04.18

 

 

 

[Via]

 

 

 

 

Noções elementares de ética republicana

por josé simões, em 31.03.18

 

das caldas.jpg

 

 

"Câmara de Lisboa simula consultas ao mercado para contratar histórico do PS"

 

Joaquim Morão, antigo autarca-modelo e membro da Comissão Política Nacional do PS, foi consultor da Câmara de Lisboa até Setembro. Para o contratar, o município simulou uma consulta ao mercado, recorrendo por duas vezes a duas empresas de um amigo de Morão

 

[Imagem]

 

 

 

 

Olé!

por josé simões, em 16.03.18

 

cortés.jpg

 

 

Esta é uma daquelas notícias que fazem a esquerda PS, e o PS de esquerda, gastar rios de tinta e quilómetros de português em indignações e clamores de revolta, quando o caso é à direita, mas que fazem haver sempre uma boa justificação moral, política, profissional, não necessariamente por esta ordem, quando lhe toca a eles.

 

EMEL contrata por ajuste directo antiga deputada do PS

 

Sofia Conde Cabral, que também já foi assessora de Fernando Medina, vai receber 20 mil euros para fazer a ligação entre a empresa municipal e a Câmara

 

"Faena" para rabo e duas orelhas. Olé!

 

[Imagem de autor desconhecido]

 

 

 

 

O Verdadeiro Artista

por josé simões, em 12.02.18

 

clown.jpg

 

 

O presidente da Câmara Municipal de Lisboa está a estudar a hipótese de processar o Estado por ter incentivado soluções como a taxa de protecção civil, entretanto declarada inconstitucional

 

[Imagem]

 

 

 

 

Tirar uma cartola do contribuinte

por josé simões, em 26.12.17

 

capa_jornal_i_26_12_2017.jpg

 

 

Não há "Taxa da Protecção Civil" mas há "Taxa Turística" e cartolas à fartazana tiradas do bolso do contribuinte num espectáculo abrilhantado por uma estrela [de]cadente pop depois de se vir queixar para o Facebook do dinheiro que não lhe chega para pagar a net que lhe permite passar os dias a queixar-se no Facebook e cujo último trabalho discográfico gravado foi uma remake em 2014 de temas dos anos 80. Diz que o Fernando Tordo foi para o Brasil mas que o contribuinte continua em Lisboa.

 

[Na imagem a primeira página do jornal i]

 

 

 

 

A propósito do jantar "web summita" no Panteão Nacional

por josé simões, em 12.11.17

 

_web summit.jpg

 

 

web summit.jpg

 

 

A propósito do jantar "web summita" no Panteão Nacional e, quando em tom de brincadeira, se diz que a direita neo-liberal, se puder e der dinheiro, até vende a própria mãe:

 

           A mim parece-me bem.

 

           Privatize-se Machu Picchu, privatize-se Chan Chan,
           privatize-se a Capela Sistina,
           privatize-se o Pártenon,
           privatize-se o Nuno Gonçalves,
           privatize-se a Catedral de Chartres,
           privatize-se o Descimento da Cruz,
           de Antonio da Crestalcore,
           privatize-se o Pórtico da Glória
           de Santiago de Compostela,
           privatize-se a Cordilheira dos Andes,
           privatize-se tudo, privatize-se o mar e o céu,
           privatize-se a água e o ar, privatize-se a justiça e a lei,
           privatize-se a nuvem que passa,
           privatize-se o sonho, sobretudo se for diurno
           e de olhos abertos.

 

          E, finalmente, para florão e remate de tanto privatizar,
          privatizem-se os Estados, entregue-se por uma vez
          a exploração deles a empresas privadas,
          mediante concurso internacional.
          Aí se encontra a salvação do mundo…

 

          E, já agora, privatize-se também
          a puta que os pariu a todos.

 

José Saramago in Cadernos de Lanzarote – Diário III. Lisboa: Editorial Caminho, 1996

 

 

 

 

As coisas que a gente aprende no Twitter da direita radical

por josé simões, em 07.11.17

 

homer.jpg

 

 

Que o Web Summit, de evento que ia colocar Portugal no "topo do mundo tecnológico", de "mudança estrutural fundamental", de grande vitória da "diplomacia económica" de Paulo Portas e de Leonardo Mathias, de Miguel Frasquilho à frente do AICEP, do grande empurrão à hotelaria e turismo, da projecção de Portugal e Lisboa na aldeia global, para histeria sem precedentes num pavilhão em Lisboa, o nacional-parolismo com os socialistas na primeira fila.

 

Que em 2014 o surto de legionella em Vila Franca de Xira não tinha nada a ver com a revogação pelo Governo PSD/ CDS no ano anterior da Lei  da verificação obrigatória da qualidade do ar em edifícios públicos, verdadeira "gordura do Estado", que bastava cumprir as normas, e daí o chumbar do projecto de resolução apresentado pelo Bloco de Esquerda para reintroduzir as normas revogadas, para em 2016  ser importante saber se as normas estão a ser cumpridas, que o ministro da Saúde deve uma palavra aos portugueses, que o Governo socialista ainda não repôs a norma revogada pelo Governo PSD/ CDS e cuja reintrodução proposta pelo Bloco de Esquerda foi chumbada no Parlamento pelas bancadas do PSD e CDS, reintroduzida em 2016 com os votos contra do PSD e do CDS.

 

As coisas que a gente aprende no Twitter da direita radical, a desonestidade, intelectual e política, ou como a direita radical quando não tem mais nada em que morder morde nos seus.

 

[Imagem]