Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

DER TERRORIST

"Podem ainda não estar a ver as coisas à superficie, mas por baixo já está tudo a arder" - Y. B. Mangunwijaya, escritor indonésio, 16 de Julho de 1998.

OMO lava mais branco

por josé simões, em 08.10.21

 

OMO.jpeg

 

 

Para limpar a imagem mandam a Judiciária ao aeroporto prender o Rendeiro suplente que há uma semana tinha avisado que ia regressar a Portugal para entregar o passaporte e se apresentar perante um juiz. Como diz o recorte do jornal "Viva o pó azul que produz montanhas de espuma".

 

 

 

 

E para trás?

por josé simões, em 08.10.21

 

juizes.jpg

 

 

Depois de todos termos tido o privilégio de assistir, ao vivo e a cores, às prestações do juiz dos chalupas que culminaram na sua expulsão do ofício pelo Conselho Superior de Magistratura, sem direito a pensão de reforma, a questão que se coloca é: e para trás, das decisões do meritíssimo, das suas sentenças, da justeza da sua justiça quando ainda era um anónimo juiz, das pessoas sem posses para se mexerem nos meandros processuais e com respeitinho ao juiz que mete as pessoas no seu lugar de baixo, há coisas para rever?

 

[Imagem de autor desconhecido]

 

 

 

 

OMO lava mais branco

por josé simões, em 06.10.21

 

omo.jpg

 

 

"Conselho Superior da Magistratura abre processo de averiguações nos casos relacionados com Rendeiro"

 

O Conselho Superior da Magistratura considera que “não tem competência para sindicar decisões judiciais”

 

[Link na imagem]

 

 

 

 

Justice Now

por josé simões, em 21.04.21

 

Chandan Khanna.jpg

 

 

[Link na imagem]

 

 

 

 

Ainda gozam com o pagode

por josé simões, em 14.04.21

 

wefindwildness.jpg

 

 

Primeiro foi o Chicão, alegado líder do partido de Jacinto Leite Capelo Rego, do caso Portucale arquivado, das escutas que davam um banqueiro a pagar o salário do líder, dos submarinos sem corrompidos em Portugal pelos corruptores julgados e condenados na Alemanha, vir a terreiro que "o sistema judicial está doente".

 

Dias depois aparece o doutor Rui 'banho de ética' Rio, eleito chefe de facção pelo sindicato dos votos dirigido por Salvador Malheiro, do PSD desde o PPD a acumular casos até ao apogeu no cavaquismo, tantos que para referir tudo era preciso um blogue só dedicado à causa, clamar que "o regime está muito doente".

 

A lata. Quarenta e tal anos de construção de um monstro emaranhado jurídico, a meias entre PS e PSD com a prestimosa colaboração do CDS, com mais buracos de fuga que um queijo suíço e escapatórias para pesados que uma auto-estrada, chegando ao ponto da contagem de uma data ser passível de duas interpretações. "o sistema judicial está doente". "o regime está muito doente". Adoeceu sozinho. Ou então é tudo culpa do 'gonçalvismo', há muito tempo que ninguém fala nisso.

 

[Link na imagem]

 

 

 

 

Um RIP para a "excelência" de Joana Marques Vidal

por josé simões, em 09.04.21

 

morto.jpg

 

 

Ivo Rosa, aquele juiz legalista dos filmes 'amaricanos', que quer tudo by the book, e que a direita do tugão gosta de invocar para mostrar a eficácia e a superioridade do sistema em relação ao nosso, desmonta toda uma acusão feita sem provas - anos e anos nos media "o Ministério Público acredita", "o Ministério Público suspeita", nunca "o Ministério Público tem provas irrefutáveis". E as provas que há foram obtidas de forma ilegal, as que não foram obtidas de forma ilegal são insuficientes, e nas que bastam o crime já prescreveu. É mau demais para ser verdade, mas é. E a verdade é que isto é todo um programa de incompetência, não começou com José Sócrates, é toda uma construção que vem de trás, o caso Portucale arquivado, o caso dos submarinos com condenados por corrupção na Alemanha sem corrompidos em Portugal, por exemplo. É mais fácil julgar e condenar na primeira página do Correio da Manha e é uma irresponsabilidade levar alguém à barra do tribunal na  base do "quem cabritos vende e cabras não tem, de algum lado lhe vêm", como ainda se fez público. Carlos Alexandre e Rosário Teixeira prestaram um grande serviço ao populismo e ao justicialismo. E a José Sócrates, que saiu lampeiro e sorridente do tribunal a falar em "compensação" e a dar lições de jornalismo aos jornalistas. Isto vai acabar tudo no Tribunal de Justiça da União Europeia com indemnização paga pelo Estado português, que é como quem diz nós, os contribuintes.

 

[Imagem de autor desconhecido]

 

 

 

 

"Advogados Pela Verdade"

por josé simões, em 11.02.21

 

Elizabeth Clapp (between January 1891 and January

 

 

Um tipo está caído no chão enquanto é agredido por uma meia dúzia de energúmenos. Socos, com soqueira, pontapés no corpo todo, cabeça incluída, vergastadas com fivela de cinto e pauladas. Depois de satisfeitos, e após uma eternidade, retiram-se. O tipo levanta-se, sabe Deus como, e, aturdido, cai por umas escadas vindo posteriormente a falecer. Conclusão dos advogados de defesa: morreu devido à queda e não às agressões de que foi vítima. Os advogados de defesa gozam com o pagode ou limitam-se a fazer jus ao epíteto "filhos da puta"?

 

[Imagem]

 

 

 

 

Errol Flynn contra os malfeitores

por josé simões, em 20.09.20

 

captain-blood-1935-001-errol-flynn.jpg

 

 

Diz Marcelo Rebelo de Sousa que que está «"feliz" por assistir, durante o seu mandato, "a passos da justiça portuguesa em inúmeros casos relevantes", nomeando a Operação Marquês, o Caso BES, Tancos e agora Operação Lex». "Durante o seu mandato". Como se tivesse alguma coisa a ver com isso, como se fosse a seu mando que a justiça passou a andar a toque de caixa, schnell! schnell! Como se o Presidente da República fosse tido e achado no desenrolar dos acontecimentos no Estado de direito democrático da separação de poderes.

 

Diz que fake news é com o Trump e que populismo é com o Ventas do Chaga.

 

[Imagem]

 

 

 

 

Um problema com a justiça

por josé simões, em 14.06.20

 

José Rodolfo Loaiza Ontiveros.jpg

 

 

O Ministério Público que 2020 interrogou o primeiro-ministro italiano, Giuseppe Conte, e os ministros da Saúde e do Interior, ao longo de mais de três horas sobre a gestão da crise da Covid-19, uma pandemia para a qual nenhum governo em nenhuma parte do mundo estava preparado, onde a verdade de hoje era a mentira de amanhã e onde à escala global íamos aprendendo todos com os erros uns dos outros, pertence ao mesmo sistema de justiça que em 2012 condenou sete cientistas a seis anos de prisão por não terem previsto o terremoto que em 2009 atingiu a cidade de L' Aquila, algo que a ciência não consegue prever nem adivinhar hora e local?

 

Os italianos têm um problema com a justiça.

 

[Imagem]

 

 

 

 

E dura, dura, dura...

por josé simões, em 14.02.20

 

duracell (1).jpg

 

 

"Carlos Alexandre quer Supremo a avaliar alegada violação do segredo de Justiça de António Costa"

 

O juiz decidiu remeter para o MP no Supremo uma certidão neste âmbito depois de a Procuradora de primeira instância lhe ter dito que não tinha competência nesta matéria [...]

 

Violação do segredo de justiça é quando o meritíssimo quiser. Ou era. Ou o excelentíssimo senhor juiz ainda não percebeu o que [lhe] aconteceu com este gesto simples de António Costa a estragar uma carrada de primeiras páginas ao Correio da Manha [sem til] e a pôr fim, ainda antes de começar, ao queimar em lume brando das insinuações e julgamentos na praça pública, ou percebeu e ensaia uma fuga para a frente. O que com toda a certeza não percebeu é que isto cansa, que as pessoas começam a ficar fartas.

 

 

 

 

Da credibilidade da justiça

por josé simões, em 28.01.20

 

 

 

Na impossibilidade de depoimento presencial, com suporte vídeo e audio para posteriormente fazer chegar aos media tablóide e passar em repeat na televisão do Correio da Manha [sem til] até ao julgamento e condenação na praça pública no grande circo da justiça,  apareceu a lista das perguntas "a que a RTP teve acesso" e "a que a SIC teve acesso". Segue-se o tradicional "o Ministério Pública suspeita".

 

[Imagem "Judges" by Jerrold Litvinenko]

 

 

 

 

A tabuada escolar Ratinho

por josé simões, em 07.01.20

 

tabuada escolar.jpg

 

 

"A confiança nas instituições da justiça tem aumentado, situa-se agora nos 41%. Este dado, sobre o reconhecimento público, legitima que pode pedir-se a políticos e comentadores que questionem a sua retórica quando falam em crise da justiça".

 

41 + 59 = 100. De outra maneira, 100 - 41 = 59. Portanto, 59% dos cidadãos não confia nas instituições de justiça e está tudo bem. Desde que deixámos o ensino da tabuada pelo método da cantilena e a aritmética do lápis atrás da orelha o "reconhecimento público" nunca mais foi a mesma coisa.

 

 

 

 

O Estado da daNação, Capítulo II

por josé simões, em 06.01.20

 

Raymond Hains.JPG

 

 

Um grupo de guineenses é suspeito de ter morto um português à facada em Lisboa e um grupo de portugueses é suspeito de ter morto um cabo-verdiano à paulada em Bragança. Um é objecto de comunicados de partidos políticos a preto-e-branco e de organizações de combate ao racismo e de manifs várias convocadas e várias cidades do país. O resto do pagode vai trabalhar de manhã para chegar à noite a casa e espera que a justiça seja feita, funcione, e que a ida e o regresso do trabalho continue a ser um trajecto seguro.

 

[Imagem de Raymond Hains]

 

O Estado da daNação, Capítulo I

 

 

 

 

O Correio da Manha ao poder! *

por josé simões, em 09.12.19

 

CM (2).jpg

 

 

Governo prepara delação premiada para combater corrupção

 

* Correio da Manha sem til

 

[Imagem de autort desconhecido]

 

 

 

 

O Verdadeiro Artista

por josé simões, em 01.08.19

 

Judges by Jerrold Litwinenko (1).jpg

 

 

Depois de anos de fugas de informação em segredo de justiça para julgamento e condenação no tribunal da rua que é a primeira página do Correio da Manha em cima de todas as mesas de taberna e balcões de café de norte a sul do país, sem que aos implicados tenha sido "concedida previamente a faculdade de poder exercer devidamente o seu direito de defesa" e sem que da boca do Meritíssimo Juiz se tenha ouvido uma palavra, vem agora o Venerando e Digno Juiz Carlos Alexandre alegar "estar a ser julgado na praça pública sem direito a defesa" por causa de uma entrevista dada a propósito do sorteio do juiz para a instrução do processo Operação Marquês onde, sem a mínima intenção, presume-se, queimou o sistema e o colega de profissão sorteado.. Como se usa em terras de Vera Cruz, "pimenta no cu dos outros para mim é refresco".

 

[Imagem Judges by Jerrold Litwinenko]