Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

DER TERRORIST

"Podem ainda não estar a ver as coisas à superficie, mas por baixo já está tudo a arder" - Y. B. Mangunwijaya, escritor indonésio, 16 de Julho de 1998.

O Verdadeiro Artista

por josé simões, em 01.08.19

 

Judges by Jerrold Litwinenko (1).jpg

 

 

Depois de anos de fugas de informação em segredo de justiça para julgamento e condenação no tribunal da rua que é a primeira página do Correio da Manha em cima de todas as mesas de taberna e balcões de café de norte a sul do país, sem que aos implicados tenha sido "concedida previamente a faculdade de poder exercer devidamente o seu direito de defesa" e sem que da boca do Meritíssimo Juiz se tenha ouvido uma palavra, vem agora o Venerando e Digno Juiz Carlos Alexandre alegar "estar a ser julgado na praça pública sem direito a defesa" por causa de uma entrevista dada a propósito do sorteio do juiz para a instrução do processo Operação Marquês onde, sem a mínima intenção, presume-se, queimou o sistema e o colega de profissão sorteado.. Como se usa em terras de Vera Cruz, "pimenta no cu dos outros para mim é refresco".

 

[Imagem Judges by Jerrold Litwinenko]

 

 

 

 

No país dos bardamerdas

por josé simões, em 24.04.19

 

Gohar Dashti.jpg

 

 

O ministro da Justiça de Bolsonaro veio a Portugal perorar sobre a dita que tutela e sobre a "dificuldade institucional" de Portugal fazer avançar o processo contra José Sócrates. Portugal que ocupa a 30.ª posição entre 180 países no Índice de Percepção da Corrupção de 2019 e o Brasil que caiu 9 posições, para a 105.ª, abaixo dos 44 pontos de média do continente americano, ocupando a posição 20 entre os 32 países. José Sócrates chamou-lhe aquilo que ele é, um activista político disfarçado de juiz, Sérgio Moro retorquiu que não debatia com criminosos pela televisão. Que se saiba José Sócrates não foi condenado por nenhum tribunal, pela televisão e pelos jornais sim, por um tribunal não. E um ministro ex-juiz entrar em modo Correio da Manha [sem til] pervertendo o Estado de direito e a presunção da inocência que era suposto defender, para já não referir o meter o bedelho em sistema judicial de país soberano, que não devia meter, só vem dar razão a José Sócrates e confirmar as dúvidas sobre a qualidade e a independência da justiça brasileira. Mas como é sobre José Sócrates e envolve José Sócrates está tudo calado no país dos bardamerdas que é o nosso.

 

[Imagem]

 

 

 

 

Descubra as diferenças

por josé simões, em 12.03.19

 

 

 

Texas man faces execution after jurors consult Bible to decide fate.

 

The Telegraph, 15 Oct 2009

 

 

Os juízes [...] podem recorrer à Bíblia para fundamentarem uma sentença se assim o entenderem.

 

João Silva Miguel, director do Centro de Estudos Judiciários, 12 Mar 2019

 

[Imagem]

 

 

 

 

Não morreu ninguém

por josé simões, em 09.03.19

 

expresso.jpg

 

 

Não deixa de ser verdade. Até porque não morreu ninguém, ao contrário da sentença de morte por lapidação, subjacente no douto acórdão do Venerando Desembargador, Meritíssimo Juiz Neto Moura. Há uma diferença fundamental entre um correctivo aplicado por dois homens com uma moca de pregos e uma turba em fúria à pedrada a uma mulher enterrada até à cintura. Ou a pulseira electrónica retirada ao homem que rebentou um tímpano à mulher ao murro. Também não morreu. Se fosse para ir ao funeral da ex ainda se compreendia a anilha no tornozelo, não fosse a sua presença chocar os familiares da vítima, agora com a vadia viva qual o argumento para limitar a liberdade de circulação a um cidadão?

 

 

 

 

Um juiz contra um país

por josé simões, em 03.03.19

 

Carl Randall.jpg

 

 

Quando temos um juiz contra um país, na impossibilidade de se mudar o povo, interpõe o Meritíssimo uma acção judicial contra os cidadãos, a ser julgada pelos seus pares, logo à partida a tomar partido por um juiz que, no Olimpo onde se acham por direito, imunes à critica e ao reparo, "não é apenas um saco de pancada". Saco de pancada são as mulheres, vítimas que o Venerando Desembargador humilha e achincalha nos seus doutos acórdãos.

 

[Imagem de Carl Randall]

 

 

 

 

É uma questão de cultura instalada

por josé simões, em 06.02.19

 

Judges by Jerrold Litwinenko.jpg

 

 

Nos idos de Salazar e Caetano havia uma coisa chamada Tribunais Plenários onde os presos políticos, depois de dias, semanas, meses de tortura física e psicológica, eram apresentados aos meritíssimos juízes, às vezes com sinais evidentes da violência física sofrida que só um cego não via, onde eram condenados pela pena que os torturadores da polícia política pediam e não se falava mais nisso. Depois deu-se a revolução de 25 de Abril de 1974 e os mesmo juízes que condenavam a pedido, ignorando a vítima e os direitos humanos, fizeram a transição para a democracia, directamente e sem passar pela prisão como no jogo Monopólio, e ainda com o brinde Caixa da Comunidade, com o tempo a contar para efeitos de progressão na carreira e reforma, só não julgando os antigos torcionários torturadores porque em Portugal os pides tiveram como prémio da democracia uma pensão vitalícia. Quase 50 anos passados sobre o dia da liberdade é muito pouco provável encontrar juízes desse tempo na magistratura, nem sequer se podem comparar os de má-memória Tribunais Plenários com os tribunais da democracia no Estado de direito, mas a cultura instalada, o sentimento de impunidade, o Olimpo onde se colocam e se acham por direito, esse continua a ser o mesmo.

 

Sanção de advertência: Esta é a deliberação para juiz que invocou a Bíblia em caso de violência doméstica

 

[Imagem "Judges" by Jerrold Litwinenko]

 

 

 

 

Justiça amestrada

por josé simões, em 14.12.18

 

Romaric Tisserand.jpg

 

 

Podem agora escrever e dizer o que quiserem mas a verdade é que o deputado do PS, Jorge Lacão, defende[u] uma maioria de não magistrados no Conselho Superior do Ministério Público. E não defende[u] sozinho,  veio acompanhado de Carlos Peixoto, deputado do PSD, legitimado pelo líder Rui Rio. O que nos leva ao silêncio de António Costa sobre o assunto e se Jorge Lacão veio a terreiro por sua conta e risco, defender a meias com Carlos Peixoto, as nomeações a meias de quem o PS e o PSD muito bem entenderem para tomar conta da justiça, a mui famosa "sociedade". Não há fumo sem fogo e Venezuela, Hungria ou China é quando um homem quiser e em democracia não há nada adquirido ou consolidado.

 

[Imagem de Romaric Tisserand]

 

 

 

 

Uma chatice

por josé simões, em 28.09.18

 

serenela.jpeg

 

 

Ditou o sorteio que a instrução do processo caiba a um juiz que acredita que os arguidos têm direitos e que não vale tudo ao Departamento Central de Investigação e Acção Penal na investigação nem ao Ministério Público na organização dos processos. Se fosse na América era a democracia no Estado de direito dos checks and balances a funcionar, como é em Portugal é só mais uma chatice [do caralho], com os profissionais de serviço às "redes" no próprio minuto do sorteio a lançarem rajadas de suspeitas sobre a idoneidade do juiz. Depois de meses em campanha eleitoral pela reeleição de Joana Marques Vidal. Isto nunca pára. Habituem-se.

 

 

 

 

A tragicomédia da justiça portuguesa alicerçada na acefalia dos media

por josé simões, em 05.09.18

 

 

 

Perante mais uma anunciada barracada da Procuradoria-Geral da República, num caso grave, sem dúvida, mas sem a relação causa-efeito pretendida, a adulteração da verdade desportiva, jogos e campeonatos ganhos de forma ilícita e com recurso a esquemas fora-da-lei,  daqui para a frente, todos os dias, vai haver uma fuga de informação para a primeira página do Correio da Manha [sem til], nunca confirmada e nunca desmentida, até o Benfica ser condenado na praça pública.

 

[Manuel de Magalhães e Silva]

 

 

 

 

CSI Rosário Teixeira, Capítulo II

por josé simões, em 17.04.18

 

miss marple.jpg

 

 

Primeiros: levámos com a primeira parte. José Sócrates vítima às mãos de Rosário Teixeira, acossado, a defender-se com unhas e dentes frente ao totalitarismo do poder judicial não eleito. Segundos: levamos com a segunda parte, uma reviravolta ao melhor estilo de Hollywood, José Sócrates, o manhoso, corrupto, corrompido, que enriqueceu no exercício do cargo de primeiro-ministro à conta da cousa pública que jurou defender e desempenhar, "pela minha [dele] honra".  "A investigação deduz" e "O Ministério Público pensa". "O Ministério Público acredita" e "a investigação calcula". Ok, demos de barato que o Sócras foi corrompido, arrecadou milhões de euros, que é um gastador compulsivo [que é], "que quem cabras vende...", em quem os totós acreditam piamente na inocência. E votam no homem, de tal forma que até pode ser candidato à Presidência da República e ganhar. [A história das compras do livro não é para aqui tida nem achada porque se limitou a fazer o que as editoras de música faziam nos 80s, com compradores de singles e LP's cirurgicamente distribuídos pelas lojas que contavam para o Top + por forma a manter o artista nos primeiros três lugares fo top. I just called to say i love you, lembra-se?]. Adiante."A investigação deduz" e "O Ministério Público pensa". "O Ministério Público acredita" e "a investigação calcula". Ok, até aqui estamos no nível da dedução. do "pensismo" [de pensa], da apreciarão [estima], e do cálculo. Ok. Então e o Ministério Público tem provas? E a investigação tem provas irrefutáveis? A + B? 1 + 1 = 2?. Pois. Daí a novela interminável com as fugas ao segredo de justiça todos os dias nas primeiras páginas do Correio da Manha [sem til]. José Sócrates até já é culpado e condenado no affair Vale do Lobo apesar da acusação ter deixado cair a acusação. Daí as gravações vídeo dos interrogatórios com o título de "investigação jornalística" na SIC e da SIC Notícias. E agora já está julgado e condenado. E agora se um juiz se atrever a dizer que isto é tudo muito bonito mas são tudo suposições e conjecturas, provas não as há, relação causa-efeito tampouco.. E agora se um juiz resolver absolver o Sócras, como é que fica o desgraçado [com o devido respeito ao Meritíssimo]? E isto é com o Sócras, um ex-primeiro-ministro, uma figura pública. E se fosse consigo, e se fosse contigo?

 

Capítulo I

 

[Miss Marple na imagem]

 

 

 

 

CSI Rosário Teixeira

por josé simões, em 16.04.18

 

columbo.png

 

 

Não sei se foi por ter passado muito tempo a ver séries e filmes 'amaricano's sobre investigação criminal e julgamento em tribunal, que não nas páginas dos tablóides, pensava eu, na minha santa ignorância, que uma acusação em tribunal era baseada em provas irrefutáveis e não em especulações e suposições. E também, pelo muito tempo que passei a ver séries e filmes 'amaricanos', sou levado a concluir que, num tribunal 'amaricano', os senhores Rosário Teixeira e Calex era corridos para fora do tribunal pelo juiz sem sequer tocarem com os pés no chão. À parte uma coisa inexplicável que foi o favor que a televisão do militante n.º 1 fez a José Sócrates com o "trabalho jornalístico" assente única e exclusivamente em meter no horário nobre o ex-primeiro-ministro aos berros perante o procurador, ladeado pelos advogados que se limitavam a pedir calma, enquanto tentava desmontar uma acusação assente em nada, vamos acabar todos, contribuintes, a pagar uma indemnização choruda a José Sócrates por condenação do Estado português, em última instância, pelo Tribunal Europeu.

 

[Na imagem]

 

 

 

 

E o juiz não ter citado a Bíblia no acordão já é um avanço civilizacional

por josé simões, em 29.03.18

 

 

 

[...] a empresa de celulose situada em Vila Velha de Ródão (distrito de Castelo Branco) recorreu judicialmente dos dois processos já decididos administrativamente, sendo que num deles lhe foi aplicada uma coima de 12.500 euros e no outro, ainda a aguardar decisão do Tribunal, de 48.000 euros.

 

No caso da coima de 12.500 euros, o Tribunal reduziu esse valor para 6.000 euros "e decidiu substituir o pagamento da coima por uma admoestação, ou seja, por uma repreensão escrita.

 

[Imagem]

 

 

 

 

Patilhas e Ventoinha

por josé simões, em 08.03.18

 

patilhas e ventoinha.jpg

 

 

Como é que um tribunal do sec. XIX, com juízes que citam a Bíblia nos acórdãos, consegue no séc XXI, das contas de e-mail a granel, dos telemóveis descartáveis, dos perfis falsos no Twitter, no Facebook, no Snapchat, consegue saber se os arguidos contactam entre si?

 

[Patilhas e Ventoinha na imagem]

 

 

Capítulo I:Um dia histórico para a justiça

 

Capítulo II: A justiça do Inspector Gadget

 

 

 

 

Joaninha voa voa... Capítulo II

por josé simões, em 01.02.18

 

Bousquairol's Gallery.jpg

 

 

"Na sequência da publicação nos órgãos de comunicação social de notícias" o Departamento de Investigação e Ação Penal ordenou a instauração de processo-crime para depois os órgãos de comunicação social fazerem notícias sobre o processo-crime instaurado pelo Departamento de Investigação e Ação Penal. Entretanto os jornais venderam, os telejornais tiveram picos de audiência, os cafés venderam mais ao balcão das conversas, o nome do ministro andou pela lama, o nome de Portugal andou pela lama e amanhã os órgãos de comunicação social vão publicar mais notícias sobre quem lhes der na real gana, sobre aquele que achem mais feio, que vão ser a ignição para o DIAP instaurar um processo-crime que vai fazer grandes primeiras páginas e grandes directos e espaços de análise nas televisões. E dura, dura, dura. E ninguém é responsabilizado. E ninguém é punido.

 

Diz a direita radical que Joana Marques Vidal foi a melhor Procuradora-geral da República de todos os tempos. 

 

[Imagem]

 

 

Joaninha voa voa... [Capítulo I]

 

 

 

 

Joaninha voa voa...

por josé simões, em 31.01.18

 

Alper Yesiltas.jpg

 

 

Quando o Procurador Souto Moura chegou a casa do juiz Rui Rangel acompanhado pelos inspectores da Polícia Judiciária tinha à sua espera jornalistas e o directo, em primeiríssima mão numa televisão, para a transmitissão urbi et orbi da execução de um mandato judicial, emitido por uma justiça que não está preparada para lidar com a violência doméstica mas que tem competências, de sobra, para investigar bilhetes de futebol e para pingar, metódica e sistematicamente, para a primeira página do jornal e para a abertura do telejornal dos media dos directos exclusivos das execuções de mandatos,  notícias sobre o andamento dos processos até à data do julgamentos.

 

Diz a direita radical que Joana Marques Vidal foi a melhor Procuradora-geral da República de todos os tempos.

 

[Imagem]