Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

DER TERRORIST

"Podem ainda não estar a ver as coisas à superficie, mas por baixo já está tudo a arder" - Y. B. Mangunwijaya, escritor indonésio, 16 de Julho de 1998.

Trabalhar para aquecer

por josé simões, em 05.05.21

 

David Lyle.jpg

 

 

Quando José Sócrates aparecia nas aberturas dos telejornais, depois de mais um PIN atentatório do património ecológico e ambiental comum, em tendas montadas no "local do crime" por empresas organizadoras de eventos a anunciar "um dia histórico" para o país e para a região, com um investimento de não sei quantos milhões de euros, gerador de mais não sei quantos milhares de empregos, directos e indirectos, nunca posteriormente confirmados pela comunicação social pé de microfone, e Manuela Ferreira Leite ousou argumentar que tal criação de emprego era na Moldávia, no Brasil ou em Cabo Verde, levou com a esquerda [quase] toda em cima, sem ver o que estava à frente de todos no dia-a-dia e sem raciocinar e perceber que esta reacção emotiva às palavras da então líder do PSD mais não era que assinar por baixo um dos princípios base do capitalismo neo-liberal: a desregulação total e a total ausência de direitos e garantias em nome do objectivo lucro máximo-despesa mínima e bem-estar de uma minoria.

Agora que temos em Odemira, Almograve, no Perímetro de Rega do Mira, e um pouco por todo o país, do Alqueva ao nordeste transmontano, a criação de emprego no Nepal, Paquistão e Sri Lanka, se calhar a esquerda "cão de Pavolov" já fazia um acto de contrição.

 

[Link na imagem]

 

 

 

 

Jacinto Leite Capelo Rego *

por josé simões, em 15.04.21

 

jp ericeira.jpg

 

 

Juventude Popular [JP] – Protesto contra José Sócrates [Ericeira, 14 de Abril de 2021]

 

[Link na imagem]

 

* Título do post

 

 

 

 

"Dantes é que era"

por josé simões, em 12.04.21

 

salazar.jpg

 

 

Quando um dos principais beneficiados com a instrução do "Processo Marquês" foi o intitulado "Dono Disto Tudo" - Ricardo Salgado, que viu todas as acusações contra si caírem, por incompetência do Ministério Público e dos juiz encarregado da investigação, é convocado por WharsApp um panelaço sul-americano para a hora em que José Sócrates é entrevistado na televisão, invocado os "donos disto tudo que governam o país há quase 50 anos", que são precisamente os 47 anos que o 25 de Abril faz este mês. E só este "peru menor" dos "quase 50 anos" devia meter a pensar o "povo honesto que é obrigado a trabalhar [sic] sem a devida compensação", os "portugueses que pagam impostos",  como é moda agora dizer, para não acabarem portugueses que votam no André Ventura, que ajudava portugueses a fugir aos impostos e a branquear capitais quando trabalhava para Tiago Caiado Guerreiro enquanto era funcionário da Autoridade Tributária com acesso a informação privilegiada. Os "portugueses de bem" que agora retribuem com o financiamento do Chega e de André Ventura, o André Ventura investigado no "Processo Monte Branco" por fraude fiscal e branqueamento de capitais enquanto deputado e empregado da Finpartner, o André Ventura que foi chamado a depor na investigação "Vistos Gold" por ter colaborado num parecer, enquanto inspector tributário, que isentou em 1.8 milhões de euros a empresa Intelligent Life Solutions, de Paulo Lalanda de Castro, ex-patrão de Sócrates.

 

"Há quase 50 anos", porque antes dos "quase 50 anos" houve outros quase 50 anos, mais precisamente 48 de fascismo, em que Portugal era um paraíso de ética, honestidade e integridade para os actuais, e antigos, "Cheganos", e onde o "povo honesto" não era obrigado a trabalhar para pagar nada a ninguém e recebia por isso a "devida compensação": fome, pé descalço na rua, instrução só para "portugueses de bem", falta de saneamento básico, água e luz, saúde para quem a pagasse, analfabetismo e mortalidade infantil, pensões e reformas do que conseguisse amealhar entre o nascer e morrer a trabalhar sem horário, folgas e férias, filhos para a guerra colonial e respeitinho é muito bonito porque manda quem pode e obedece quem deve.

 

Como diz o "povo honesto", Deus quando deu a cabeça não foi só para pôr o chapéu.

 

[Link na imagem]

 

 

 

 

Socorro, vem aí o Ventas!

por josé simões, em 10.04.21

 

Here’s Johnny! The Shining Cuckoo Clock.jpg

 

 

Que o Estado de direito democrático deve abdicar de sê-lo e condenar a pedido da turba só porque se não o fizer vai favorecer a ascensão do Chaga, é o argumento mais espantoso que se tem ouvido nestes dias, desde anónimos a políticos super star com assento e acento no prime time, passando por jornalistas. O medo do populismo de extrema-direita para se passar a actuar como se vivêssemos num Estado governado por um partido populista de extrema-direita é um jogo perigoso de se jogar e o Ventas, percebendo isso melhor que os anónimos, os políticos super star e os jornalistas, chapéu, começa a capitalizar por antecipação e força ainda mais com pressões inaceitáveis sobre o tribunal guardião da Constituição da República sob a forma de manifestações.

 

[Link na imagem]

 

 

 

 

Um RIP para a "excelência" de Joana Marques Vidal

por josé simões, em 09.04.21

 

morto.jpg

 

 

Ivo Rosa, aquele juiz legalista dos filmes 'amaricanos', que quer tudo by the book, e que a direita do tugão gosta de invocar para mostrar a eficácia e a superioridade do sistema em relação ao nosso, desmonta toda uma acusão feita sem provas - anos e anos nos media "o Ministério Público acredita", "o Ministério Público suspeita", nunca "o Ministério Público tem provas irrefutáveis". E as provas que há foram obtidas de forma ilegal, as que não foram obtidas de forma ilegal são insuficientes, e nas que bastam o crime já prescreveu. É mau demais para ser verdade, mas é. E a verdade é que isto é todo um programa de incompetência, não começou com José Sócrates, é toda uma construção que vem de trás, o caso Portucale arquivado, o caso dos submarinos com condenados por corrupção na Alemanha sem corrompidos em Portugal, por exemplo. É mais fácil julgar e condenar na primeira página do Correio da Manha e é uma irresponsabilidade levar alguém à barra do tribunal na  base do "quem cabritos vende e cabras não tem, de algum lado lhe vêm", como ainda se fez público. Carlos Alexandre e Rosário Teixeira prestaram um grande serviço ao populismo e ao justicialismo. E a José Sócrates, que saiu lampeiro e sorridente do tribunal a falar em "compensação" e a dar lições de jornalismo aos jornalistas. Isto vai acabar tudo no Tribunal de Justiça da União Europeia com indemnização paga pelo Estado português, que é como quem diz nós, os contribuintes.

 

[Imagem de autor desconhecido]

 

 

 

 

Corrupção e poças de água

por josé simões, em 08.04.21

 

pocas-de-agua.jpg

 

 

Diz o Zé Gomes 'programa de governo' Ferreira na televisão do militante n.º 1 que não precisamos ver a chuva a cair para saber que choveu durante a noite, basta sair à rua de manhã e ver as poças de água, logo, se o Sócras metia torneiras de luxo no apartamento de Paris e ia às compras ao Sunset Boulevard de Los Angeles é mais do que provado que é corrupto.

Daí até ao Zé Gomes 'programa de governo' Ferreira aparecer na televisão do militante n.º 1 a dizer que estava a almoçar num restaurante e que ouviu um casal na mesa ao lado, que iam tirar todo o dinheiro do BES, que o banco estava em risco de falir, e que interrompeu o repasto para se dirigir à mesa e dizer que não senhor, que isso era tudo uma treta e que ele próprio, se tivesse poupanças assinaláveis, ia já amanhã comprar acções do GES, para no dia a seguir o GES ter dado o peido mestre, com todo o rol de desgraças e misérias que sobrou até ao dia de hoje para o contribuinte, e sem perspectivavas de tão cedo vir a acabar, para uns tempos depois o jornal do militante n.º 1 avançar que tinha uma lista de jornalistas avençados do BES, que eram pagos pelo Ricardo Salgado para só dizer bem do banco e constuir narrativas de modo a enrolar investidores e pequenos aforradores, em linguagem comum conhecidos por totós, e depois essa lista nunca mais ter aparecido até aos dias que correm, os dias em que a gente sai à rua e vê as poças de água e sabe que choveu durante a noite. É isto, não é?

 

[Imagem de autor desconhecido]

 

 

 

 

Socorro que vem aí o diabo!

por josé simões, em 23.10.20

 

new-york-sunshine-repent-or-perish-film.jpg

 

 

Argumentar que um eventual chumbo do Orçamento do Estado pelo Bloco de Esquerda é chamar Passos Coelho - o agregador da direita, para lhe entregar o poder de volta, tal e qual o chumbo do PEC IV de Sócrates, é só má-fé argumentativa e deliberadamente ignorar que Passos Coelho foi a votos, que ganhou em eleições livres e democráticas, que nem o PCP nem o Bloco metem quem quer que seja a governar, e fazer de conta que António Costa não se meteu no buraco onde se encontra quando disse "No dia em que a sua subsistência depender do PSD, este Governo acabou" e que agora, com a cumplicidade dos media e dos paineleiros-comentadeiros com lugar cativo, atira o ónus da culpa para os ex-parceiros da 'Geringonça' e espera que se anulem e abdiquem dos seus princípios em função do Governo minoritário PS, numa espécie de TINA 2.0?

 

[Imagem]

 

 

 

 

O Verdadeiro Artista

por josé simões, em 22.11.19

 

Tom_Dougherty.jpg

 

 

"As minhas despesas são igualzinhas a um pai que decide mandar estudar um filho para uma universidade inglesa. Fizemos uma vida normal em Paris. E financiei isto com os 450 mil euros que a minha mãe me deu e com os rendimentos da Octapharma… Somente nas mentes maldosas se chama vida de luxo. Nunca tive vida de luxo!". José Sócrates ouvido pelo juiz Ivo Rosa.

 

[Imagem]

 

 

 

 

As palavrinhas mágicas

por josé simões, em 08.07.19

 

shinning.jpg

 

 

Quando toda a gente já percebeu que invocar o nome de "José Sócrates" é garantia de parangona e abertura de telejornal, de que tudo o resto passa a acessório, assim uma espécie de salvo-conduto para a credibilidade perdida.

 

[Na imagem Stanley Kubrick's Shining Overlook Hotel 1921 Art Print]

 

 

 

 

Parabéns ao CDS

por josé simões, em 02.05.19

 

nunomelo.jpg

 

 

Parabéns ao CDS, não é fácil enfiar o programa todo num outdoor

 

 

 

 

No país dos bardamerdas

por josé simões, em 24.04.19

 

Gohar Dashti.jpg

 

 

O ministro da Justiça de Bolsonaro veio a Portugal perorar sobre a dita que tutela e sobre a "dificuldade institucional" de Portugal fazer avançar o processo contra José Sócrates. Portugal que ocupa a 30.ª posição entre 180 países no Índice de Percepção da Corrupção de 2019 e o Brasil que caiu 9 posições, para a 105.ª, abaixo dos 44 pontos de média do continente americano, ocupando a posição 20 entre os 32 países. José Sócrates chamou-lhe aquilo que ele é, um activista político disfarçado de juiz, Sérgio Moro retorquiu que não debatia com criminosos pela televisão. Que se saiba José Sócrates não foi condenado por nenhum tribunal, pela televisão e pelos jornais sim, por um tribunal não. E um ministro ex-juiz entrar em modo Correio da Manha [sem til] pervertendo o Estado de direito e a presunção da inocência que era suposto defender, para já não referir o meter o bedelho em sistema judicial de país soberano, que não devia meter, só vem dar razão a José Sócrates e confirmar as dúvidas sobre a qualidade e a independência da justiça brasileira. Mas como é sobre José Sócrates e envolve José Sócrates está tudo calado no país dos bardamerdas que é o nosso.

 

[Imagem]

 

 

 

 

OMO lava mais branco

por josé simões, em 11.05.18

 

OMO.jpeg

 

 

Agora que o malandro está no chão vale tudo, até vale branquear que Luciano Alvarez, jornalista do Público, deu conhecimento a Tolentino Nobrega, correspondente do jornal na Madeira, de que se tinha reunido com Fernando Lima, a pedido deste, e que a conversa começou com o assessor de Cavaco Silva a dizer que estava ali a pedido do chefe de Estado para falar de um assunto grave, que o Presidente da Republica achava que o gabinete do primeiro-ministro o andava a espiar e que, a pedido de Cavaco Silva, a história deve começar no arquipélago, para não levantar suspeitas e para parecer que o furo teve origem em alguém ligado a Alberto João Jardim, naquilo que ficou conhecido como a "inventona das escutas a Belém", a conspiração de um Presidente contra um Governo legítimo e democraticamente eleito, enquanto mantinha assessores seus, pagos com o dinheiro dos contribuintes, a trabalhar na elaboração do programa político do seu partido - o PSD, e de Pedro Passos Coelho.

 

Nada disto aconteceu, não disto interessa, nada disto importa, o que importa é que Henrique Monteiro, antigo director do jornal do militante n.º 1, passados nove - 9 - nove anos sobre o acontecimento, lembrou-se de vir dizer que o gabinete do malandro entregou cópias de correspondência interna do Público a uma jornalista daquele semanário, com o intuito de "se vingar" do diário por este ter investigado a sua licenciatura.

 

Nesta lavagem da história vale tudo, só já falta Cavaco Silva, himself, interromper a reforma e aparecer por aí numa televisão qualquer com o tradicional "eu avisei" enquanto mastiga cuspo.

 

 

 

 

O manhoso do Sócras controlava a comunicação social

por josé simões, em 10.05.18

 

balsemao-marques-mendes-pires-de-lima.jpg

 

 

O controlo dos media segundo o sempre adiado Pulitzer Prize Manuela Moura Guedes.

 

[Imagem]

 

 

 

 

Queres que cuspa ou que engula?

por josé simões, em 09.05.18

 

Saul Leiter, Soames, c. 1960.jpeg

 

 

A impoluta, ícone do jornalismo de investigação, bandeira da liberdade de imprensa contra o totalitarismo socialista-socratista, e sempre adiado Pulitzer Prize, na televisão do militante n.º 1, por ter sido despedida pelo Sócras, precisamente quando andava a investigar Paulo Portas e os submarinos, Luís Nobre Guedes e o caso Portucale, Telmo Correia e o Casino Lisboa e a Estoril-Sol, tudo doutores do partido pelo qual foi deputada à Assembleia da República, tudo casos de governação anterior aos governos de José Sócrates ao qual dedicou especial afinco. Ele há coincidências e ao mesmo tempo azares do caralho!

 

[Imagem]

 

Adenda: Marinho Pinto versus Manuela Moura Guedes

 

 

 

 

O mal está feito

por josé simões, em 04.05.18

 

picture-of-pen-eraser.jpg

 

 

O problema, para o Partido Socialista e para José Sócrates, é que o passado não se apaga. Para o bem e para o mal, na presunção da inocência ou numa condenação, na governação enquanto ministro e primeiro-ministro, na vida privada e na pessoa pública, enquanto secretário-geral do partido. José Sócrates não entrega o cartão e "não se fala mais nisso". Cada um vai às suas e agora já ninguém tem nada a ver com nada e com ninguém. Não. Isto é uma cruz que vão ter ambos de carregar, mesmo que a morte os separe.