Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

DER TERRORIST

"Podem ainda não estar a ver as coisas à superficie, mas por baixo já está tudo a arder" - Y. B. Mangunwijaya, escritor indonésio, 16 de Julho de 1998.

Coitadinho do Ribeiro Telles

por josé simões, em 29.05.20

 

i (1).jpg

 

 

O Iraque de Saddam tinha armas de destruição maciça e era merecedor de invasão pelos Estados Unidos, unilateralmente e sem dar cavaco à ONU;

inventou, a meias com Fernando Lima, assessor de Cavaco Silva, que alguém, não se sabe quem, tinha plantado escutas no gabinete do Presidente da República, se calhar o "manhoso" do Sócras;

o pior momento profissional foi ter dado a morte de Ribeiro Telles no dia de aniversário de Ribeiro Telles.

Coitadinho do Ribeiro Telles...

 

José Manuel Fernandes, publisher do jornal da direita racial - Observador, em entrevista ao jornal i.

 

 

 

 

Para memória futura

por josé simões, em 28.10.19

 

1 (34).jpg

 

 

2 (34).jpg

 

 

3 (33).jpg

 

 

4 (26).jpg

 

 

Álvaro Amaro - PSD, José Manuel Fernandes - PSD, Maria da Graça Carvalho - PSD, Nuno Melo - CDS, os euro deputados portugueses que votaram contra a Moção para a Busca e Salvamento de Vidas Humanas no Mediterrâneo, chumbada por 2 - dois - 2 votos.

 

[Via]

 

 

 

 

Não ter a puta da vergonha na cara é isto

por josé simões, em 08.08.19

 

a voz do povo.jpg

 

 

José Manuel Fernandes, nascido e criado na esquerda mais à esquerda que a esquerda que deu origem ao Bloco de Esquerda e que se radicalizou para a direita mais à direita da direita, fazendo o espectro político em 180 graus sem pestanejar, escreve sobre o radicalismo do Bloco, os perigos associados e "sonambulismo político". Podia ser da silly season mas é só não ter a puta da vergonha na cara.

 

[Imagem]

 

 

 

 

O respeitinho é muito bonito

por josé simões, em 18.01.17

 

25 abril.jpg

 

 

Tribunal Europeu dos Direitos do Homem condena Portugal por violação da liberdade de expressão. Outra vez

 

 

 

 

Querem fazer de nós parvos?

por josé simões, em 23.11.16

 

gesto.jpg

 

 

Quando nos governos de direita é o saltitar entre empresas privadas e cargos de administração pública, ou até para tutelar ministérios e secretarias de Estado com a tutela das áreas de onde se veio, como no caso de Maria Luís Albuquerque e Sérgio Monteiro, por exemplo, no privado a negociar com o Estado e, depois no Governo, a supostamente renegociar com o privado o que antes haviam negociado, é o Estado a necessitar dos melhores que, vá-se lá saber porquê, estão sempre no privado, bancos incluídos, e posteriormente os melhores a não poderem ficar castrados da sua carreira profissional, e do seu futuro no sector privado, só por terem feito uma comissão de serviço, também supostamente para defenderem os interesses do Estado, que é como quem diz, os interesses de todos os cidadãos, em economês, o dinheiro do contribuinte, se bem que os resultados finais desse amor pátrio e da defesa do interesse comum seja sempre a delapidação do património do Estado mais o onerar da carga fiscal e dos sacrifícios exigidos a cada um.


Quando sob a égide de um Governo do Partido Socialista, suportado pela esquerda parlamentar, um administrador contratado, e ainda com vínculo ao sector privado, participa, como observador, em actos públicos relacionados com o banco que vai tutelar, é a falta de transparência, é a promiscuidade, é o acesso a informação confidencial e privilegiada, é a falta de ética, é um fato talhado por medida, é o diabo a sete.


Querem fazer de nós parvos?


[Imagem de autor desconhecido]

 

 

 

 

|| Million dollar question

por josé simões, em 23.12.12

 

 

 

O que eu gostava de perceber é como, ou porque é que filhos de famílias ditas disfuncionais conseguem ser mais equilibrados e infinitamente mais inteligentes…

 

Vou esperar que o João César das Neves ou o Gonçalo Portocarrero de Almada escrevam sobre isso.

 

[Foto tirada algures numa rua de Londres]

 

 

 

 

 

 

|| Não ter a noção do ridículo

por josé simões, em 09.11.11

 

 

 

É ainda haver quem ache útil a sua presença num grupo que se propõe trabalhar sobre uma coisa para a qual o Governo já tem há muito os objectivos e as metas definidas.

 

 

 

 

 

 

|| O maoísmo tinha, ainda tem, mel

por josé simões, em 02.07.11

 

 

 

Publicar páginas e páginas de escritos sobre o maoísmo e entrevistas a (ex)maoístas sem nunca abordar, sequer ao de leve, o maior genocída da história da humanidade, Mao Zedong himself, é obra.

 

E o que é que, ou porque é que, um (ex)maoísta, no ponto mais ocidental da Europa, tem a ver, ou tem de carregar, com os milhões de perseguidos e outros tantos milhões de mortos às mãos de Mao e do Partido Comunista Chinês? O mesmo que um (ex)comunista, no mesmo ponto mais ocidental da Europa, tem a ver com os crimes de Estaline, o que não é impeditivo para que o tema esteja sempre em cima da mesa de trabalho, não é?

 

Revisionistas eram, são, os outros.

 

 

 

 

 

 

|| Jornalismo isento e responsável, dizem eles

por josé simões, em 14.11.09

 

 

 

«Face Oculta: Santos Silva fala em 52 cassetes de quatro meses de escutas»

 

Meanwhile no Twitter…

 

Confirma-se: Santos Silva disse mesmo coisas sobre o processo "Face Oculta" que até agora ninguém sabia. Violação do segredo de justiça?

 

RT @HenriquMonteiro: Santos Silva disse mesmo coisas sobre o "Face Oculta" que até agora ninguém sabia. Violação do segredo de justiça?

 

@HenriquMonteiro foi a sic que falou nas 50 cassestes no dia 11 http://is.gd/4ULXa

 

Espero ter contribuido com a minha pesquisa no google para a serenidade neste caso tão interessante. O misterio das escutas!

 

Só é pena João Carlos Espada não estar também no Twitter para ficarmos com a Redacção completa…

 

 

 

|| Enough is enough

por josé simões, em 30.09.09

 

 

 

Se faz favor, querem parar de insultar a inteligência dos portugueses?

 

(Imagem de autor desconhecido)

 

 

 

|| Da Campanha

por josé simões, em 24.09.09

 

 

 

Agora, e uma vez que António Vilarigues também é «colunista do jornal», ficamos todos à espera da presença do senhor director marque presença numa acção de campanha da CDU. Mas tem de ser rápido que a campanha acaba já amanhã à meia-noite.

 

(Imagem Hulton Deutsch via Collection Corbis)

 

 

 

 

|| Tudo acaba em bem, Quartel-General em Belém

por josé simões, em 22.09.09

 

 

 

Começa a meio: «há 17 meses um editor do PÚBLICO enviou uma mensagem a um jornalista pedindo-lhe para apurar um conjunto de factos», e acaba antes do fim: «Já o Diário de Notícias optou por revelar correspondência privada com o objectivo de expor a fonte da notícia de 18 de Agosto».

 

Omite porque é que o editor enviou a mensagem ao jornalista e esquece que foi por causa do DN que se deslindou a trapalhada. Pelo meio ficamos todos a saber que a profunda investigação jornalística feita pelo Público se resumiu a receber o e-mail, guardá-lo na gaveta para, 17 meses depois e alertado pela “fonte”, o ressuscitar e publicar, às portas de umas eleições e fazendo o jeitinho ao Presidente – quiçá com um olho no partido do Presidente –, que nunca se demarcou nem matou “a investigação jornalística” à nascença.

 

José Manuel Fernandes é livre de fazer as suas escolhas e as suas opções políticas, mas que o faça de forma legal e com transparência e que não nos coma a todos por parvos.

 

Entretanto talvez não seja de todo descabido perguntar se o Presidente, que por lá continua impávido e sereno, tem condições para o continuar a ser.

 

 

 

Reformulando a questão

por josé simões, em 27.02.09

 

 

A propósito da notícia que a «Televisão analógica será “apagada” em Abril de 2012 para dar lugar à digital», escreveu José Manuel Fernandes (director do Público) ontem no Twitter: «Quem vai pagar aos reformados quando a televisão analógica for “apagada” em Abril de 2012?»

 

Vejamos a coisa por um prisma ligeiramente diferente.

Aumento da idade da reforma indexado ao aumento da esperança de vida, retrocedendo em marcha-atrás forçada ao mui medieval principio de trabalhar até morrer e de preferência de sol-a-sol. Crise, estagnação, deflação e empresas a fechar portas. Umas porque sim, outras nem por isso, antes aproveitando o guarda-chuva da crise para contornar a legislação e renovar “a frota”. Exército de desempregados acima dos 50 anos. Um homem é novo demais para a reforma, é velho demais para o patrão lhe dar trabalho.

 

Reformulando a questão, não perdendo de vista a ridicularia que é o Subsídio de Desemprego: Quem vai pagar aos desempregados quando a televisão analógica for “apagada” em Abril de 2012?

 

(Foto de Robert Haines roubada no Guardian)

 

 

 

A Traição

por josé simões, em 01.02.09

 

Anda Pacheco Pereira há mês e meio - pelo menos - a malhar no Diário de Notícias por causa da alegada promoção que o jornal sistemática e programadamente tem vindo a fazer a Pedro Passos Coelho (PPC), e não é que o Público resolve oferecer com a edição de hoje uma revista com o PPC na capa?!

Plenitude, de nome; bem estampado ao nível da cabeça de PPC. Plenitude! Isto não se faz. Pacheco Pereira não merecia esta traição da parte de José Manuel Fernandes.

 

Pânico

por josé simões, em 06.01.09

 

 

José Manuel Fernandes que não se cansa de acusar José Sócrates de não falar verdade aos portugueses e de esconder a real situação económica do país e que a crise está aí e pior que isso: e estagnação e a deflação, escreve hoje, em editorial no sítio do costume, que «A semana passada, o procurador-geral da República fez uma intervenção, algo infeliz, prevendo que em 2009 a criminalidade podia aumentar devido à crise económica (…). A falta de concretização dos perigos a que se referia só pode causar alarmismo (…)».

 

Pois. Ele há alarmismos e alarmismos e pânicos e pânicos. E aqueles que convêm mais ao senhor director.

 

Hoje a banda sonora é David Bowie com Panic In Detroit.

 

(Foto fanada no La Repubblica)