Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

DER TERRORIST

"Podem ainda não estar a ver as coisas à superficie, mas por baixo já está tudo a arder" - Y. B. Mangunwijaya, escritor indonésio, 16 de Julho de 1998.

Joana Marques Vidal na capa da revista Sábado

por josé simões, em 14.01.21

 

revista_sabado.jpg

 

 

Joana Marques Vidal na capa da revista Sábado ou quando as coisas mesmo sendo direitas trazem sempre truque.

 

 

 

 

A lógica da batata

por josé simões, em 13.01.21

 

The other side of the red carpet.jpg

 

 

O bufo, o chibo, o garganta funda, o informador, pago ou por desporto, que viola o segredo de justiça e dá as primeiras páginas ao Correio da Manha [sem til] e aberturas de telejornais à televisão do dito, está dentro do Ministério Público. Não há notícias de jornalistas homem-aranha a escalar paredes e a arrombar secretárias, como nos filmes 'amaricanos', para obtenção de provas. E o que faz o Ministério Público? Persegue e fotografa jornalistas à socapa, vasculha o correio electrónico e as contas bancárias, também como nos filmes 'amaricanos', sem o crivo de um juiz. No Estado de direito democrático isto tem um nome: ataque à liberdade de imprensa.

 

[Imagem de autor desconhecido]

 

 

 

 

In Memoriam

por josé simões, em 10.01.21

 

Katharine Whitehorn.jpg

 

 

Katharine Whitehorn

 

1928 - 2021

 

 

 

 

O estado do jornalismo no tugão

por josé simões, em 18.11.20

 

naperon.jpg

 

No "É ou Não É", o programa semanal de debate que sucedeu ao "Prós e Contras" na televisão pública, e que há-de anteceder o "Tás Aqui Tás Ali", esta semana sobre a aliança entre o PSD e os ex-camaradas de partido do Chega para o governo dos Açores, Manuel Carvalho, director do Público, dois anos depois do relatório da Oxfam que dá conta que 1% da população ficou com 80% da riqueza mundial, diz que vê toda a gente preocupada com a distribuição da riqueza e ninguém preocupado com a sua criação. É o estado do jornalismo no tugão.

 

[Imagem de autor desconhecido]

 

 

 

 

In Memoriam

por josé simões, em 02.11.20

 

robert fisk.jpg

 

 

Robert Fisk

 

1946 - 2020

 

 

 

 

Sign O' The Times, LXXVII

por josé simões, em 26.09.20

 

1.jpg

 

 

2.jpg

 

 

3.jpg

 

 

4.jpg

 

 

5.jpg

 

 

The Rising Seas - Bargny, Senegal - 2020

 

Sign O' The Times, Capítulo LXXVI

 

 

 

 

In Memoriam

por josé simões, em 08.09.20

 

vicente-jorge-silva-lisboa-1998.jpg

 

 

Vicente Jorge Silva

 

1945 - 2020

 

[Imagem]

 

 

 

 

"The Land of the Free and the Home of the Brave"

por josé simões, em 10.07.20

 

the_independent.jpg

 

 

 

 

Sign O' The Times, Capítulo VI

por josé simões, em 03.04.20

 

1 (36).jpg

 

 

2 (32).jpg

 

 

3 (26).jpg

 

 

4 (19).jpg

 

 

5 (17).jpg

 

 

6 (13).jpg

 

 

7 (12).jpg

 

 

8 (12).jpg

 

 

9 (9).jpg

 

 

"This combination of pictures taken and created on April 2, 2020, shows items left on circles marked on the ground, to maintain social distancing, by people reserving their turn at a free food distribution for those in need organised by the Disciples of Ramakrishna, a Hindu religious group, during a government-imposed nationwide lockdown as a preventive measure against the spread of the COVID-19 coronavirus in New Delhi". Photo by Sajjad Hussain/ AFP/ Getty Images.

 

[Sign O' The Times, Capítulo V]

 

 

 

 

(You Gotta) Fight For Your Right (To Party)

por josé simões, em 16.11.19

 

Pablo Sanhueza-Reuters.jpg

 

 

"A demonstrator uses a sink as a shield during a protest against Chile's government in Santiago on November 8, 2019", Pablo Sanhueza / Reuters.

 

[Título]

 

 

 

 

A chico-espertice dos escudeiros da direita radical

por josé simões, em 16.08.19

 

pauloferreira1 twitter.jpg

 

 

Paulo Ferreira, Prémio Pinóquio do Ano de 2018, lídimo escudeiro da direita radical e competentíssimo no cumprimento da agenda política e ideológica nos media, aparece no Twitter a desculpar o hotel SANA por ter dado asilo à reunião de saudosos do nazi-fascismo, e contra o "pelourinho" onde foi colocado pelas "redes sociais" [sempre boas para os escudeiros da direita radical passarem o spin, depois repetido e amplificado ad nauseam pelos aios de plantão] sem explicar como é que, ou porque é que, a Sábado destacou jornalistas para fazer a cobertura de evento organizado por cidadã anónima, já que só a posteriori se soube ser o nome da mãe de Mário Machado.

 

Há no entanto um upgrade nesta aparição do Prémio Pinóquio do Ano de 2018 no Twitter: não enveredou pelo whataboutism do "também já lá ouve uma conferência de uma organização de esquerda e a esquerda e o comunismo e o Estaline e o Pol Pot [Mao fica sempre fora da equação, se calhar porque os ex maoistas são os actuais... vocês sabem], e que é o caminho invariavelmente trilhado pela direita radical para desculpar e absolver a extrema-direita que se atreve a dizer em público e em voz alta o que eles só se atrevem a pensar em privado.

 

 

 

 

*** Serviço Público ***

por josé simões, em 06.05.19

 

1 (7).jpg

 

 

2 (8).jpg

 

 

3 (8).jpg

 

 

4 (7).jpg

 

 

5 (7).jpg

 

 

 

Times Machine: Over 150 years of New York Times journalism, as it originally appeared

 

 

 

 

Rewind/ Fast Forward

por josé simões, em 01.02.19

 

 

 

Publicidade do Folha de S. Paulo em 1987.

 

[Via]

 

 

 

 

Real journalism takes more time.

por josé simões, em 31.01.19

 

1 (1).jpg

 

 

2 (1).jpg

 

 

3 (1).jpg

 

 

Sept.info Campaign by cavalcade

 

 

 

 

O branqueamento e a promoção do fascismo

por josé simões, em 03.01.19

 

mário machado.jpg

 

 

Dois dias depois de Ricardo Costa, "Jornalista @sic.sapo.pt e @Expresso.sapo.pt Retweets are not endorsements; views are my own" e blah-blah-blah [bio na conta Twitter], ter chamado a atenção para um texto de Mônica Bergamo da Folha de S. Paulo sobre o tratamento abaixo de cão dos jornalistas na tomada de posse de Jair Boldonaro e, tão importante como o texto, "é lerem os comentários que se seguem", [as caixas  de comentários e as redes sociais e o anonimato e a cloaca e o coise, estão a ver?], a TVI convida para o programa da manhã de Luís Goucha o neo-nazi Mário Machado, um criminoso condenado por roubo, coacção agravada, detenção de arma ilegal, danos e ofensa à integridade física qualificada, difamação, ameaça e coacção a uma procuradora da República, homicídio de Alcino Monteiro, o preso em Portugal que mais tempo passou numa prisão de alta segurança, apresentado como o "Nacionalista desde da adolescência, esteve preso por dois anos e meio por escrever um texto na internet a apelar à mobilização dos nacionalistas".

 

Voltando ao início do post, as caixas  de comentários e as redes sociais e o anonimato e a cloaca e o coise e blah-blah-blah, estão a ver [o papel do jornalismo]?