Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

DER TERRORIST

"Podem ainda não estar a ver as coisas à superficie, mas por baixo já está tudo a arder" - Y. B. Mangunwijaya, escritor indonésio, 16 de Julho de 1998.

E ainda há quem inveje a vida dos ricos

por josé simões, em 21.10.22

 

mw-860.webp

 

 

Escreve o jornal do militante n.º 1 na secção "Sociedade" que os "supermercados estão a colocar alarmes em produtos alimentares básicos, como latas de atum ou garrafas de azeite", "as pessoas estão desesperadas, escondem latas de atum e leite para comer ou dar aos filhos". Vira-se a página para o caderno "Economia" e ficamos a saber que a "inflação castiga todo o tipo de famílias: nas mais pobres pesam alimentos e habitação, nas mais ricas os restaurantes e hotéis". Os que vêem o atum e o azeite ao preço do whisky na prateleira do supermercado e os que por estarem quase pobres vão ter de abdicar de brincar aos pobrezinhos na Comporta. Isto podia ter outro título, sei lá, jornalismo de merda.

 

 

 

 

Life During Wartime

por josé simões, em 18.08.22

 

Reuters.jpg

 

 

Children play with sand near a Taiwan Navy supply ship at a beach on Nangan island of Matsu archipelago in Taiwan, August 16, 2022

 

[Link na imagem]

 

 

 

 

Do fundo do baú

por josé simões, em 28.06.22

 

i.jpg

 

 

A direita chora a morte de um "grande" jornalista, daqueles de fazer inveja ao The New York Times ou ao The Guardian, pelo que se lê nas redes. O jornalista que no dia a seguir a Anders Breivik, cristão de extrema-direita, ter assassinado 77 pessoas num ataque terrorista em OIslo e na ilha de Utoia, faz uma primeira página a chutar para o terrorismo islâmico da Al-Qaeda. A direita nunca desilude, nas celebrações, evocações, e na selectividade dos temas. Valha-nos isso. 

 

 

 

 

Jornalismo e propaganda, propaganda e jornalismo

por josé simões, em 22.06.22

 

MT (1).png

 

 

O fotojornalista ucraniano Maks Levin, cujo corpo sem vida foi encontrado em abril, a 20 quilómetros a norte de Kiev, foi "executado a sangue-frio" por tropas russas, avançou a organização não-governamental (ONG) Repórteres Sem Fronteiras (RSF).

 

 

Em cima o print screen da conta da superstar trauliteira do PCP no Twitter no elogio ao propagandista luso às ordens de Putin com a capa de "jornalista", aquele que acha, diz e escreve, que o 25 de Abril tem dono e que o PS é inimigo da revolução, seguido da notícia da execução a sangue-frio pelas tropas russas do fotojornalista Marks Levin. "a cobrir uma zona de guerra. Mas mesmo na zona de guerra". O PCP que diz não apoiar e invasão russa da Ucrânia, até porque não há invasão coisíssima nenhuma, é uma "operação", magister dixit pela boca de Jerónimo de Sousa, o PCP indignado com o ataque à liberdade de expressão e de imprensa que foi a proibição em espaço da União Europeia das agências de propaganda russas Sputnik e Russia Today, o PCP de onde não sai um pio sobre a proibição da Novaya Gazeta pelo regime de Putin nem sobre os jornalistas que caem como pardais a mando do Kremlin. É a diferença entre jornalismo e propaganda e propaganda e jornalismo numa zona de guerra. Mas mesmo na zona de guerra,

 

[Link na imagem]

 

 

 

 

When Doves Cry

por josé simões, em 20.03.22

 

Clodagh Kilcoyne - Reuters.jpg

 

 

A tear drop rolls down a young woman's cheek aboard a bus after fleeing from Ukraine to Romania, at the border crossing in Siret, Romania, March 16. Reuters/ Clodagh Kilcoyne

 

[Link na imagem]

 

 

 

 

A chocar o ovo da serpente

por josé simões, em 20.01.22

 

1.png

 

 

2.png

 

 

3.png

 

 

O jornalismo a chocar o ovo da serpente que irá depois morder o jornalismo [via].

 

[Link na imagem]

 

 

 

 

The Nativity as reported by the Daily Mail

por josé simões, em 26.12.21

 

1.jpg

 

 

2.jpg

 

 

3.jpg

 

 

[Link nas imagens]

 

 

 

 

O choradinho do jornalista desempregado

por josé simões, em 21.12.21

 

mistermagoo.jpg

 

 

"Todos os dias jornais e revistas são lidos por mais de 500 mil pessoas aos balcões de cafés, pastelarias, restaurantes, colectividades. Não leia o jornal que encontra em cima de um balcão ou de uma mesa. Um jornal lido num estabelecimento de restauração ou numa colectividade é um jornalista desempregado". Isto dava um bom anúncio de televisão, mas a cabecinha não lhes permite mais.

 

 

 

 

Observatório do fascismo

por josé simões, em 31.10.21

 

Primo_de_Rivera.jpg

 

 

"O novo agente parasitário, o jornalista, qual tumor maligno aniquilou a ideia fundadora do contrato social ao ter corrompido gravemente as relações entre o poder e o povo. Não restam dúvidas sobre quem anda a matar os fundamentos da moral social, democracia, funcionalidade das instituições, justiça social, vitalidade das economias, salvaguarda da multiplicidade de identidades sociais e nacionais do mundo ocidental."

 

O tumor maligno da democracia por Gabriel Mithá Ribeiro, vice-presidente do Chega

 

[Link na imagem]

 

 

 

 

Qualquer coisa de maravilhoso

por josé simões, em 05.10.21

 

Naama Tsabar.jpeg

 

 

O Facebook, o Instagram e o WhatsApp estiveram em baixo e, descontando os agarrados que migraram para o Twitter à procura de "metadona social", o apagão obrigou os jornalistas a fazerem trabalho de jornalistas e a sabermos todos pela comunicação social o que acontecia no Facebook, Instagram e WhatsApp, ao invés de sabermos pelas três redes o que acontecia na sociedade e no mundo, dito por quem trabalha nos jornais, rádios e televisões. Por cinco horas voltámos a ser uma sociedade funcional, com a vantagem de não termos o discurso do ódio amplificado e difundido urbi et orbi.

 

[Link na imagem]

 

 

 

 

Os prejuízos são uma festa

por josé simões, em 03.09.21

 

Sputnik, Freepik.jpg

 

 

A direita, que acusa o PCP de usar a Festa do Avante como forma de financiar o partido e fugir aos impostos, é a mesma direita a dizer depois que a Festa do Avante! dá prejuízo. Prejuízo na festa de um partido político, cujo objectivo final não é o lucro, e prejuízo em jornais que apesar disso continuam online e a sair para as bancas, todos os dias sem falhar, todos os dias a martelar a agenda política. Isto é que devia dar que pensar e ser motivo de "fact check".

 

[Link na imagem]

 

 

 

 

In Memoriam

por josé simões, em 16.07.21

 

danish-siddiqui.png

 

 

Danish Siddiqui

 

1980 - 2021

 

 

 

 

Mais do mesmo

por josé simões, em 16.04.21

 

novo semanario logo.jpg

 

 

Saiu hoje o primeiro número, em papel e online, de um novo semanário, de seu nome Novo, que mais não é que o velho Sol recauchutado. Podíamos ir pela lista de colunistas, a diversidade e a pluralidade em todo o seu esplendor: Francisco Rodrigues dos Santos [líder do CDS], Telmo Correia [líder parlamentar do CDS/PP], Aline Beuvink [PPM], Carlos Reis [PSD], Maria Castelo Branco [Iniciativa Liberal], Pedro Rodrigues [PSD], e o ex-presidente da FLAD, Vasco Rato [PSD]. Para ser mais plural só falta um ou outro opinadeiro do Chega mas também não é preciso, está lá tudo no lema: um polvo [socialista? maçonaria?] a enfeitar "o jornal que vive de investigar quem vive à sua conta". Mais do mesmo.

 

 

 

 

Joana Marques Vidal na capa da revista Sábado

por josé simões, em 14.01.21

 

revista_sabado.jpg

 

 

Joana Marques Vidal na capa da revista Sábado ou quando as coisas mesmo sendo direitas trazem sempre truque.

 

 

 

 

A lógica da batata

por josé simões, em 13.01.21

 

The other side of the red carpet.jpg

 

 

O bufo, o chibo, o garganta funda, o informador, pago ou por desporto, que viola o segredo de justiça e dá as primeiras páginas ao Correio da Manha [sem til] e aberturas de telejornais à televisão do dito, está dentro do Ministério Público. Não há notícias de jornalistas homem-aranha a escalar paredes e a arrombar secretárias, como nos filmes 'amaricanos', para obtenção de provas. E o que faz o Ministério Público? Persegue e fotografa jornalistas à socapa, vasculha o correio electrónico e as contas bancárias, também como nos filmes 'amaricanos', sem o crivo de um juiz. No Estado de direito democrático isto tem um nome: ataque à liberdade de imprensa.

 

[Imagem de autor desconhecido]