Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

DER TERRORIST

"Podem ainda não estar a ver as coisas à superficie, mas por baixo já está tudo a arder" - Y. B. Mangunwijaya, escritor indonésio, 16 de Julho de 1998.

A morte de uma narrativa

por josé simões, em 05.04.21

 

sondagem.jpg

 

 

Andaram o Tavares, o Raposo, o Fernandes e o painel todo do Observador, mais uns patetas avulso nas televisões, laboriosamente a construir uma narrativa em torno das transferências de votos do eleitorado, tradicionalmente PCP/ CDU/ comunista para o Chaga, no Alentejo e nas zonas urbanas anteriormente conhecidas por "cinturas industriais", para depois a sondagem Aximage para os Notícias, Diário - Jornal, e TSF deitar tudo por terra.

 

 

 

 

Sign O' The Times, CXXIX

por josé simões, em 24.01.21

 

1.jpg

 

 

2.jpg

 

 

3.jpg

 

 

4.jpg

 

 

5.jpg

 

 

6.jpg

 

 

7.jpg

 

 

9.jpg

 

 

8.jpg

 

 

10.jpg

 

 

11.jpg

 

 

12.jpg

 

 

13.jpg

 

 

14.jpg

 

 

15.jpg

 

 

16.jpg

 

 

17.jpg

 

 

18.jpg

 

 

19.jpg

 

 

20.jpg

 

 

21.jpg

 

 

22.jpg

 

 

23.jpg

 

 

24.jpg

 

 

25.jpg

 

 

26.jpg

 

 

26.aa.jpg

 

 

27.jpg

 

 

28.jpg

 

 

29.jpg

 

 

30.jpg

 

 

31.jpg

 

 

32.jpg

 

 

33.jpg

 

 

34.jpg

 

 

35.jpg

 

 

36.jpg

 

 

37.jpg

 

 

38.jpg

 

 

39.jpg

 

 

40.jpg

 

 

41.jpg

 

 

42.jpg

 

 

43.jpg

 

 

44.jpg

 

 

45.jpg

 

 

46.jpg

 

 

47.jpg

 

 

48.jpg

 

 

50.jpg

 

 

49.jpg

 

 

51.jpg

 

 

52.jpg

 

 

53.jpg

 

 

Sign O' The Times, Capítulo CXXVIII

 

 

 

 

Mau jornalismo

por josé simões, em 07.11.16

 

Austin Kleon.jpg

 

 

Escrevem hoje o Diário de Notícias e o Jornal de Notícias em parangonas de primeira página, respectivamente, que "Seis pontes e cinco fins de semana alargados ameaçam produtividade" e que "Patrões queixam-se de perdas de produção. Feriados no próximo ano vão permitir cinco fins de semana alargados". Como não há almoços grátis o que nos privado equivale a que quem quiser fazer pontes ou fins-de-semana alargados tem de para esse efeito usar dias de férias e ainda assim negociado com a entidade patronal com bastante antecedência, vulgo no final do ano anterior que é quando são marcadas as férias do ano seguinte, e ainda assim dependendo do serviço e não podendo pôr em causa o normal funcionamento da empresa, o que quer dizer que mesmo que o trabalhador queira a tal da ponte há sempre um "mas" a considerar; que até empresas como a Autoeuropa e a Visteon Corporation , por exemplo, que não são propriamente mercearias de bairro, no princípio de cada ano fazem chegar às empresas fornecedoras e/ ou associadas e/ ou que trabalham em função de, um calendário onde constam todas as férias, paragens, pontes e fins-de-semana prolongados programados, por forma a não haver a tal da quebra de produção e a ameaça à produtividade com que o Diário de Notícias e o Jornal de Notícias fazem as grandes parangonas, ou isto é jornalismo de encomenda para patrões do princípio do séc. XX que no séc. XXI cheios de cagança ostentam "empresário" antes do nome, ou isto é jornalismo ideologicamente capturado pela direita radical dos baixos salários e da precariedade como modelo, ou isto é só mau jornalismo, ou isto é todas as três hipóteses numa mistura de merda, literalmente.


[Imagem]

 

 

 

 

A diferença entre jornalismo e bosta

por josé simões, em 22.08.16

 

Anna Bu Kliewer.jpg

 

 

A diferença entre jornalismo e bosta pode ser demonstrada por dois artigos de opinião, assinados, respectivamente, por Inês Cardoso, sub-directora do Jornal de Notícias – "Formigas sem medalha" – o jornalismo, e "Excursão ao Rio", a bosta assinada por um também director-adjunto mas do pasquim impresso em papel de jornal e que dá pelo nome de Correio da Manha [sem til].


[Imagem]

 

 

 

 

||| Descubra as diferenças

por josé simões, em 11.12.15

 

nuno melo.png

 

 

jose gomes ferreira.png

 

 

É a expressão, o sorriso ausente e a pose superior que fazem o objecto das crónicas de José Gomes 'Programa de Governo' Ferreira e de Nuno 'Murganheira' Melo ou é antes o objecto das crónicas de José Gomes ‘'Programa de Governo' Ferreira e de Nuno 'Murganheira' Melo que faz a expressão, o sorriso ausente e a pose superior?

 

 

 

 

 

 

|| Entretanto na semana académica...

por josé simões, em 17.07.13

 

 

|| Para quem não percebeu à primeira

por josé simões, em 23.02.13

 

 

 

Uma maioria, um Governo, um Presidente. Upgrade: Os presidentes de Câmara.

 

 

 

 

 

 

|| Parentes pouco recomendáveis

por josé simões, em 06.07.12

 

 

 

A maior parte dos "partidos irmãos" que sobraram da família ideológica do PCP depois do desmoronamento da URSS e do Bloco de Leste é daquele tipo de parentes que as famílias comuns se recusam a receber em casa e de quem nem querem ouvir falar.

 

O Partido Comunista da China era, em vida da URSS, um parente de quem o PCP activamente se envergonhava. Mas família é família e os laços de sangue acabam por falar mais forte, sobretudo em situações de orfandade. O PCP tem feito tudo para preservar as relações "fraternais" com o PCC, esticando além dos limites do tolerável o conceito de "assuntos internos" (para não falar do de "construção do socialismo") e apoiando acriticamente na China o capitalismo selvagem e sem regras que condena em Portugal.

 

Pensar-se-ia que os rasgados elogios agora feitos pelo vice-primeiro-ministro, Li Keqiang e pelo ministro dos Negócios Estrangeiros, Yang Jiechi, à política de austeridade em Portugal e ao "exemplar cumprimento" pelo governo português daquilo que o PCP justificadamente chama "pacto de agressão" merecessem algum comentário, mesmo que tímido, do PCP.

 

Não mereceram. Nem isso nem as relações bilaterais recentemente formalizadas entre PCC e CDS/PP. Trata-se de relações mais saudáveis e transparentes do que as fundadas numa oportunística consanguinidade ideológica. Ao menos CDS e PCC defendem a mesma coisa, independentemente das latitudes.

 

Manuel António Pina

 

[Imagem de Robert Gligorov]

 

 

 

 

 

 

|| Ópera joco-séria

por josé simões, em 29.02.12

 

 

 

Na caça aos dotes de Clóris e Nise, curiosa a bicada dada por Gil Vaz em Fuas, que é como quem diz, a farpa do Correio da Manhã, em editorial, no "rival" Jornal de Notícias, na guerra pela conquista do nicho de mercado.

Ficamos todos a saber que, para o Correio da Manhã, há nichos de mercado, o do crime, do populismo, e o da fixação psicótica em determinados políticos, mais nobres que outros nichos, o da futebolite-regionaleira, inevitavelmente com sotaque.

E ainda mais curioso é a bicada vir quando o Jornal de Notícias abdica, por vontade própria, de ser um jornal de dimensão nacional para passar a ser um jornal regional com tiragem nacional.

 

[Imagem de autor desconhecido]

 

 

 

 

 

 

|| Aqui não “há muita fraca memória”

por josé simões, em 26.10.11

 

 

 

Leio sempre o Manuel António Pina. Todos os dias. E quando por alguma razão não aparece sinto falta dele. Não sabia era que também era lido pelo Manuel António Pina.

 

A “infatigável memória” do blog Der Terrorist.

 

[Imagem de autor desconhecido]

 

 

 

 

 

 

|| Uma primeira página criminosa

por josé simões, em 23.10.11

 

 

 

A primeira página do Jornal de Notícias e o que Vasco Lourenço efectivamente disse.

 

Está bem que há aquela coisa da “pronúncia do Norte”, e que até fazem gala disso, mas “mentirosos” por “criminosos”?

 

E onde é que pára a ERC? E onde é que pára o Conselho Deontológico do Sindicato dos Jornalistas?

 

 

 

 

 

 

|| Qual foi a parte que eu não percebi?!

por josé simões, em 09.07.11

 

 

 

Regionalites futeboleiras à parte, confesso não conseguir perceber o “affair” Porto-Vigo. O contribuinte português paga uma ligação ferroviária, que dá um prejuízo mensal de €19. 600, sem que se perceba se serve para os espanhóis entrarem no país ou para os portugueses fugirem para Espanha. Aparentemente as duas hipóteses são válidas, se bem que a que nos possa favorecer economicamente [a entrada de espanhóis] só seja válida durante os meses de Verão, uma vez que a Renfe só suporta os custos até ao final de Setembro

 

O “affair” Porto-Vigo, e até prova em contrário, é um pouco como as portagens nas SCUT que são boas [por omissão, uma vez que não se ouve uma única voz de protesto do lado de cá da fronteira] na Galiza, e más, muito más, no Norte de Portugal [pela unanimidade de protestos que conseguiram gerar desde Aveiro a La Coruña].

 

Adenda: quando escrevia o post, o Word corrigiu-me "Porto-Vigo" para "Morto-vivo". Faz sentido.

 

 

 

 

 

|| Uma fórmula simples

por josé simões, em 07.10.10

 

 

 

 

 

Meia dúzia de maduros (não é preciso mais) sai nas respectivas viaturas para a auto-estrada, em marcha lenta - de preferência nas entradas/ saídas dos grandes centros urbanos - e com a mão em cima do cláxon. Os outros, os milhares que anseiam por chegar a casa, ao trabalho, buscar os filhos à escola, or ever, desesperados com a lentidão do trânsito e a ver a vidinha a andar para trás, começam a stressar e desatam a buzinar como forma de escape. Está feito o maior buzinão da história, em protesto contra a introdução de portagens nas SCUT. Mais fácil que limpar o rabo a meninos.

 

Adenda: os jornais, isentos e descomprometidos destas coisas do regionalismo-futeboleiro, informam as horas e os locais das concentrações. È aproveitar a info e não passar por lá.

 

(Imagem de Virxilio Viéitez fanada no El Mundo)

 

 

 

 

 

 

 

|| Esqueçam tudo o que aprenderam

por josé simões, em 13.06.10

 

 

 

Depois de anos (muitos) a aprendermos na escola, a ouvirmos nas televisões, a lermos nos jornais que, a industrialização dos grandes centros urbanos, nomeadamente as capitais - e principalmente o litoral - em conjunto com o fenómeno imigração, lev(a)ou à desertificação do interior, ao declínio da taxa de natalidade, ao abandono da agricultura, ao encerramento de teatros, cinemas e outros equipamentos culturais, ao fecho de hospitais e escolas, à morte das aldeias e vilas e, last but not least, até as famosas auto-estradas de Cavaco Silva primeiro-ministro, que serviram para fugir mais depressa ao invés do seria suposto, para chegar mais rápido, desaprendam agora tudo o que sabem porque, afinal, a coisa é muuuuuito mais simples: basta não encerrar a escola e tudo se resolve.

 

(Imagem de autor desconhecido)

 

 

 

 

|| Da série “Grandes Primeiras Páginas”

por josé simões, em 18.05.10

 

 

 

 

O momento em que aquele senhor com nome de esquentador dá a extrema-unção ao ministro Teixeira dos Santos.

 

(Em stereo)