Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

DER TERRORIST

"Podem ainda não estar a ver as coisas à superficie, mas por baixo já está tudo a arder" - Y. B. Mangunwijaya, escritor indonésio, 16 de Julho de 1998.

Hasta la victoria siempre

por josé simões, em 31.03.20

 

l_equipe.jpg

 

 

               A primeira página do L' Équipe

 

 

 

 

1, 2, 3, um dia histórico

por josé simões, em 27.03.20

 

newyork_times.jpg

 

 

2 (28).jpg

 

 

wsj.jpg

 

 

 

 

O Verdadeiro Artista

por josé simões, em 24.03.20

 

clown.jpg

 

 

O liberal Observador, e porta-voz da alt-right no "tugão", entre outros detido e financiado pelos liberais Luís Amaral, António Carrapatoso, António Alvim Champalimaud, Alexandre Relvas, Filipe de Botton, António Viana Baptista e João Talone, empenhados no desmantelamento do Estado social em favor de interesses privados até a meta Estado mínimo ser atingida, propõe, face à queda das receitas com a publicidade motivada pela pandemia global Covid-19, "um programa específico para o sector, para além das medidas transversais de que já beneficia estabelecidas para a economia e empresas em geral".

 

[O Observador] não é favorável, como princípio, a quaisquer apoios do Estado específicos para as empresas em geral e em particular para as da Comunicação Social” –, mas que decorre de uma emergência criada pelo quase desaparecimento do mercado de publicidade

 

[Imagem de autor desconhecido]

 

 

 

 

Entretanto na rica Bélgica...

por josé simões, em 23.03.20

 

lesoir.jpg

 

 

Entretanto na rica Bélgica era esta a primeira página do Le Soir. Vai-se ver e a culpa é do desinvestimento... socialista, da má gestão... socialista, das cativações do Centeno, de 45 anos de... socialismo, o responso que a direita radical tem cantado de manhã à noite em todas as "redes sociais", mesmo ainda antes do Covid-19 ter dado à costa, apesar das juras de Rui Rio, e do infantil que está à frente do CDS, de que aproveitamentos políticos em alturas destas nem pensar, que somos todos Portugal, e "Costa avança com toda a confiança!".

 

 

 

 

#FicaEmCasaCaralho, II

por josé simões, em 21.03.20

 

1 (28).jpg

 

 

2 (22).jpg

 

 

3 (20).jpg

 

 

4 (14).jpg

 

 

5 (12).jpg

 

 

6 (9).jpg

 

 

7 (9).jpg

 

 

8 (9).jpg

 

 

9 (6).jpg

 

 

#FicaEmCasaCaralho, Capítulo I

 

 

 

 

Da série "Grandes Primeiras Páginas"

por josé simões, em 19.03.20

 

private eye (1).jpg

 

 

               48 é o número de folhas do Private Eye.

 

 

 

 

Brasil, Colômbia, Equador, Paraguai, Peru

por josé simões, em 16.03.20

 

1 (22).jpg

 

 

2 (18).jpg

 

 

3 (16).jpg

 

 

4 (10).jpg

 

 

5 (9).jpg

 

 

 

 

Eram assim hoje as primeiras páginas de alguns jornais espanhóis

por josé simões, em 15.03.20

 

1 (21).jpg

 

 

2 (17).jpg

 

 

3 (15).jpg

 

 

 

 

A estupidez sem fronteiras

por josé simões, em 13.03.20

 

1 (20).jpg

 

 

2 (16).jpg

 

 

3 (14).jpg

 

 

Da Bélgica ao Peru e ao México, passando por Portugal. Os jogos sem fronteiras da estupidez.

 

 

 

 

Há o jornalismo desportivo de qualidade e responsável, e depois há os outros

por josé simões, em 10.03.20

 

1 (19).jpg

 

 

2 (15).jpg

 

 

3 (13).jpg

 

 

 

 

Da série "Grandes Primeiras Páginas"

por josé simões, em 04.03.20

 

el pais.jpg

 

 

Uma primeira página que nunca existiu.

Dos estudiantes crean una campaña que recuerda que el machismo mata más que el coronavirus en España

 

 

 

 

O dia em que o Correio da Manha fez a primeira página do Expresso

por josé simões, em 29.02.20

 

expresso.jpg

 

 

O que diz o corpo da notícia?

 

"Pergunta: Qual é o pior cenário para Portugal?

Resposta: Estamos a trabalhar com cenários para a taxa de ataque da doença, como fizemos para a pandemia de gripe, em 2009. Na altura, pensávamos que podia ter uma taxa total de ataque de 10%: um milhão de pessoas doentes ao longo de 12 semanas, mas não todas graves. Mas, afinal, foram 7%, cerca de 700 mil pessoas no total da época gripal de 2009/ 10. Uma epidemia depende da taxa de ataque, da duração e da gravidade. No caso do Covid-19, ainda não sabemos tudo para fazer cenários tão bem feitos. Assim, estamos a fazer cenários para uma taxa total de ataque de 10% [um milhão de portugueses] e assumindo que vai haver uma propagação epidémica mais intensa durante, pelo menos, 12 a 14 semanas. Temos estudos que nos dizem que 80% vão ter doença ligeira e moderada e só 20% terão doença mais grave e 5% evolução crítica. A taxa de mortalidade será à volta de 2,3% a 2,4%. No cenário mais plausível prevemos cerca de 21 mil casos na semana mais crítica, dos quais 19 mil ligeiros - não é muito, é como a gripe - e 1700 graves, que terão de ser internados, nem todos em cuidados intensivos. E nessa fase haverá camas em todos os hospitais."

 

E como fazer primeiras páginas destas não dá prisão, o mais provável é segunda-feira termos esta manchete no Polígrafo da SIC, pelo inefável e inenarrável Bernardo Ferrão com jornalismo de brincadeira. Só se estraga uma casa, a do militante n.º 1, jornal e televisão.

 

 

 

 

Tudo e o seu contrário

por josé simões, em 22.02.20

 

publico.jpg

 

 

A homenagem do Público ao seu cronista que durante a vida conseguiu ser tudo e o seu contrário.

 

 

 

 

Da série "Grandes Primeiras Páginas"

por josé simões, em 08.02.20

 

a_bola (1).jpg

 

 

Em dia de clássico FC Porto - SL Benfica o A Bola puxa uma bd para a primeira página.

 

 

 

 

Piada feita

por josé simões, em 03.02.20

 

Sem Título (2).jpg

 

 

               Disclaimer no Correio da Manha [sem til] online.