Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

DER TERRORIST

"Podem ainda não estar a ver as coisas à superficie, mas por baixo já está tudo a arder" - Y. B. Mangunwijaya, escritor indonésio, 16 de Julho de 1998.

A legalidade no Estado de direito como força de bloqueio

por josé simões, em 23.11.18

 

todd bretl.jpg

 

 

A guerra ao Tribunal Constitucional foi só a face mais visível de todo um programa que começou com o projecto de revisão constitucional de Pedro Teixeira Pinto escondido à pressa no fundo da gaveta mais funda mas que por descuido ia caindo para a opinião pública [é mais fácil apanhar um mentiroso que um coxo] nas mui famosas tiradas de Passos Coelho, sem papel e embalado no popular "tem gosto o burro em ouvir o seu zurro", para um país atordoado por doses maciças de austeridade: "É minha profunda convicção que não é a Constituição que nos impede de reformar o Estado" ou "Já alguém perguntou aos mais de 900 mil desempregados do que lhes valeu a Constituição?".

 

O saque ao património comum em nome do crescimento económico e da criação de riqueza nos bolsos de alguns:

 

"Lançado quando Jorge Moreira da Silva era ministro do Ambiente, Ordenamento do território e Energia o RERAE visava criar um mecanismo para avaliar “a possibilidade de regularização de um conjunto significativo de unidades produtivas que não dispõem de título de exploração ou de exercício válido face às condições actuais da actividade”. Como se lê no preâmbulo do decreto de lei 165/2014, o Governo pretendia regularizar “estabelecimentos e explorações de actividades industriais, pecuárias, de operações de gestão de resíduos e de explorações de pedreiras incompatíveis com instrumentos de gestão territorial e ou condicionantes ao uso do solo”. Algumas dessas incompatibilidades, lê-se, são as “desconformidade com os planos de ordenamento do território vigentes ou com servidões administrativas e restrições de utilidade pública”."

 

Regime extraordinário lançado pelo Governo Passos Coelho visava regularizar as indústrias cuja manutenção da actividade era incompatível com os instrumentos de gestão territorial.

 

[Imagem]

 

 

 

 

||| Tilt ou o triunfo de José Sócrates

por josé simões, em 29.07.15

 

flipper.jpg

 

 

«Devemos apostar na mobilidade elétrica porque é uma das razões para que haja autonomia energética»


[Imagem de autor desconhecido]

 

 

 

 

||| "aa... aa... "

por josé simões, em 31.05.15

 

yamamoto shopping carts.jpg

 

 

«Nem há menos plástico no lixo, nem a medida angariou as receitas estimadas, que reverteriam para a defesa do ambiente. Em contrapartida, há fabricantes em apuros e trabalhadores que perderam o emprego.»


A isto chama-se aa... inteligência na política, ao serviço do país e da aa... economia, através da criação de aa... taxas e taxinhas para maquilhar o aa... saque fiscal.


[Imagem]


[Os mais atentos já devem ter reparado aa... no tique do ministro Ambiente, Ordenamento do Território e Energia, aa... Jorge Moreira da Silva quando fala e começa aa... inventar]

 

 

 

 

||| Crime, disse ele

por josé simões, em 11.11.14

 

mask.jpg

 

 

O ministro do Ambiente, que até percebe da poda e é medalhado e tudo, a sacudir a água do pacote do Governo que eliminou auditorias obrigatórias à qualidade do ar interior, num retrocesso em relação a tudo o que se tinha feito até à data e numa cedência ao lobby do "por cima de toda a folha" em prol da mais-valia do patrão e dos accionistas, e a anunciar uma inspecção à empresa Adubos de Portugal, a decorrer "nas próximas horas" e que servirá para averiguar um "eventual crime ambiental por libertação de microrganismos para o meio ambiente". Quem é que é o criminoso, aqui, no admirável mundo do liberalismo de pacotilha?


[Imagem]

 

 

 

 

||| Ainda que mal pergunte

por josé simões, em 24.10.14

 

Installing electric lights in the cooperative.jpg

 

 

O que é que leva um primeiro-ministro e um ministro do ambiente, insuspeitos de ligações ao maoísmo como muitos que por aí pululam, a fazer a defesa instrasigente dos interesses de uma empresa nacionalizada pelo Estado chinês e que vende a energia aos portugueses e às empresas a preços proibitivos?


[Na imagem poster chinês de propaganda "Installing electric lights in the cooperative"]

 

 

 

 

||| Fiscalidade verde my ass!

por josé simões, em 16.10.14

 

vittorio cicarelli.jpg

 

 

O CDS coloca, estratégicamente, dois ministros, um na Economia outro na Agricultura, para, numa operação concertada e cada qual à sua maneira e todos juntos à maneira do CDS, escaqueirarem o ambiente por via do saque com força de Lei, Depois vem outro CDS, Paulo Núncio, secretário de Estado para o Esbulho e o Assalto Fiscal, falar em fiscalidade verde que é uma maneira de, a coberto da protecção ao ambiente, que foi anteriormente metido a saque pelos dois ministros do CDS, ir ainda mais ao bolso do cidadão para tapar buracos em todo o lado, excepto no ambiente, que esse é para esburacar sem dó nem piedade e, como se não bastasse, ainda mandam um ministro do PSD, Jorge Moreira da Silva do Ambiente, que até é entendido e sabe da poda e tem medalhas e comendas e tudo, dar a cara pela trafulhice e uma imagem de credibilidade à pantominice em conferência de imprensa. E ele, como é bem mandado, foi.


[Imagem]

 

 

 

 

||| Serviço Público é com o Estado, com o privado é mais serviço do lucro

por josé simões, em 02.10.14

 

 

 

Para uma futura privatização há que tornar o bolo mais apetecível: juntar os 19 subsistemas existentes em apenas 5 e meter os consumidores do litoral a pagar o lucro que o privado vai ter com os consumidores do interior. Serviço Público é com o Estado, o privado é mais serviço do lucro, e o resto, embrulhado em papel de eficiência com lacinho de qualidade, é conversa para entreter anjinhos.


«Preço da água vai subir no litoral para poder descer no interior»


[Imagem]

 

 

 

 

||| Ó CDS, Olé! Olé!

por josé simões, em 19.05.14

 

 

 

Eu era capaz de jurar que quando o CDS, perdão Paulo Portas, nomeou Assunção Cristas para ministra da Agricultura e do Mar e do Ambiente e do Ordenamento do Território [acho que não me esqueci de nada] e que, por sua vez, nomeou um dos elementos da comissão de honra da sua candidatura pelo distrito de Leiria, perdão, nomeou o dô-tôr [deve ser dô-tôr porque no CDS é tudo dô-tôres] John Michael Antunes para presidir à administração da Parque Expo, a ideia era acabar com mais uma "gordura do Estado", com o "sorvedouro de dinheiros públicos" e com o "despesismo socialista" em menos de um fósforo e não que, passados 3 – três – 3 anos, não só a gordura continue a gordurar como o "despesismo socialista" tenha aumentado 2, 75% num ano e que seja necessário ao Estado, que é uma forma simpática de dizer o dinheiro do contribuinte, proceder a uma injecção de 152 milhões de euros e de vender activos ao preço da uva mijona.

 

Como diria o vice-trampolineiro Paulo Portas, responsável-mor por estas nomeações, "o socialista é muito bom a gastar o dinheiro dos outros mas quando acaba o dinheiro chamam-nos a nosotros y a vosotros para compor as coisas"

 

[Imagem de Joseba Elorza]

 

 

 

 

 

 

||| 40 anos depois

por josé simões, em 25.04.14

 

 

 

Das casas e das barracas sem água e sem luz vem um ministro orgulhosamente proclamar, urbi et orbi, as preocupações sociais do Governo pela redução «em 34% o valor da electricidade paga pelos 500 mil agregados familiares que se encontram numa situação económica mais vulnerável» aplicada «aos titulares de um contrato de fornecimento de electricidade que é beneficiário de uma prestação social (complemento solidário para idosos, rendimento social de inserção, subsídio social de desemprego, pensão social de invalidez ou que esteja no primeiro escalão do abono de família. Exactamente os mesmos de há 40 anos ou, se calhar, os filhos e os netos deles.)»."De pé, ó vitimas da fome. De pé, famélicos da terra", como na estrofe. E vai beneficiar «1,5 milhões de portugueses, o que corresponde a cerca de 15% da população do país», os desgraçados do ajustamento que viviam acima das suas possibilidades, viva! mas «representa um custo total de aproximadamente 41 milhões de euros», vejam lá, um custo ao erário público, estes apêndices, nunca um custo aos chineses da três gargantas nem ao senhor Mexia nem ao senhor Catroga, que até perde dinheiro na EDP quando podia estar já reformado. Isto devia envergonhar qualquer um que tivesse um pingo de vergonha na cara, ou que tivesse recebido, em pequenino, educação em casa dos pais. Mas não, é um orgulho imenso, cuidamos dos pobrezinhos e dos desgraçados, os mercados funcionam, os ministros ministram, o Governo governa, os senhores Mexias mexem e o senhores Catrogas perdem dinheiros a trabalhar quando podiam estar reformados. Viva!

 

[Imagem]

 

 

 

 

 

 

||| Tomar nota da falta de vergonha e da filha da putice

por josé simões, em 10.04.14

 

 

 

Depois da campanha massiva de intoxicação da opinião pública, desde os jornais às televisões, passando pela bloga e pelas redes sociais, por parte daqueles que, depois de ganhas as eleições e afastados os despesistas e irresponsáveis e e naïfs socialistas da aposta nas energias renováveis e na mobilidade eléctrica, seriam contratados e encaixados como "especialistas" e "técnicos" em tudo o que é ministério e secretaria de Estado:

 

«sublinha que o aumento da procura tem de passar pela criação de incentivos à aquisição de veículos eléctricos»

 

Mas como esta gentinha não dá ponto sem nó e como «o modelo passa por liberalizar a rede pública de carregamento de carros eléctricos, que é gerida actualmente pela Mobi.e, abrindo-a à concorrência e permitindo "tornar o carregamento mais próximo dos cidadãos"» há que garantir ao cidadão que «poderá fazer o carregamento em qualquer ponto (casa, condomínio, trabalho, centros comerciais, via pública), sempre com o mesmo cartão pré-pago ou pós-pago, sendo as tarifas fixadas pelo operador de ponto de carregamento e pelo operador de comercialização de electricidade para a rede de mobilidade eléctrica». Casa, condomínio, trabalho, mais três fontes de rendimento para a iniciativa privada, que bem necessitada anda, coitada, desenganem-se os cidadãos e as empresas que isto não é carregar telemóveis, smartphones e tablets. Bem que podiam começar a testar o sistema mesmo por aí, cartões pré-pagos e pós-pagos para carregar baterias de androids e iPhones.

 

[Imagem fanada no insta coise da Teresa]

 

 

 

 

 

 

|| A gente faz que não percebe

por josé simões, em 03.08.13

 

 

 

Sem nunca pronunciar as palavras "parque", "eólico", "off-shore", e "Aveiro" – se calhar por causa de ser apenas um projecto sobre uma intenção de projecto à procura de financiadores que permitissem ao Estado perder dinheiro, digo eu;

 

Sem nunca pronunciar as palavras "central" e "nuclear" – se calhar por causa da memória de Three Mille Island, Chernobyl, e Fukushima, digo eu;

 

Sem nunca pronunciar as palavras "lobby" e "manifesto" – se calhar por causa dos nomes subscritores e de projectos para refinarias em Sines, com estudos de impacto ambiental martelados, e que permitiam ao Estado perder dinheiro, muito dinheiro, digo eu;

 

Mira Amaral diz que foi o primeiro, naquilo que lhe convém que tenha sido o primeiro, e fala em abrir garrafas de champanhe e em fundamentalismos e em reindustrialização e em fazer descer o preço e em rendas excessivas e em problemas para a economia e mais o Orçamento do Estado, privatizações bancárias à parte.

 

A gente faz que não percebe e os contribuintes agradecem a preocupação manifestada. Até porque quando o Estado perde dinheiro, muito dinheiro, há alguém que ganha dinheiro, muito dinheiro – projectos, projectos sobre intenções de projecto, lobby, e privatizações bancárias à parte, digo eu.

 

[Imagem]

 

 

 

 

 

 

|| O Verdadeiro Artista

por josé simões, em 12.05.13

 

 

|| Going Under

por josé simões, em 16.10.12

 

 

 

"Este não um orçamento do PSD, é um orçamento aprovado pela coligação PSD-CDS."

 

 

«It's wrong, It's oh so wrong, But I want it, To be right, Now you got me walking on the sidewalk, Talking, moving, looking, Stopping, Farting like a dog, Barking»

 

 

 

 

 

 

|| A imagem do país no estrangeiro

por josé simões, em 16.09.12

 

 

 

Lembrei-me agora de que faz mais de um ano que Pedro, o homem que dá sempre a cara pelas más notícias, & Paulo, o patriota cativo,  reverberados ad nauseam pelos escudeiros, nos andam a falar nisto, na imagem do país no estrangeiro.

 

[Imagem]

 

 

 

 

 

 

|| E conseguem dizer estas coisas sem se rirem

por josé simões, em 23.06.12