Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

DER TERRORIST

"Podem ainda não estar a ver as coisas à superficie, mas por baixo já está tudo a arder" - Y. B. Mangunwijaya, escritor indonésio, 16 de Julho de 1998.

A chico-espertice dos liberais de pacotilha

por josé simões, em 27.11.19

 

Karl_Marx.jpg

 

 

Do CDS ao Chega passando pelo Iniciativa Liberal e pelas prestimosas colaborações do Livre, já que esta legislatura parece que vai ser a do "vamos brincar aos parlamentos", à chico-espertice da Iniciativa Liberal com o "projecto de lei para que passem a estar plasmados no recibo de vencimento dos trabalhadores por conta de outrem os custos suportados pela entidade patronal no âmbito das contribuições para a Segurança Social", devia a esquerda avançar com outro projecto de lei para que no recibo de ordenado passasse a constar o número de horas diárias que os trabalhadores têm de trabalhar para justificarem o salário que recebem no final do mês, a mui famosa e por vezes esquecida mais-valia. Talvez assim ganhassem consciência do valor do trabalho, da contratação colectiva, da reivindicação, dos direitos e garantias. Já que é para brincar aos parlamentos brinquemos a sério.

 

 

 

 

O regresso dos palermas ou "25 de Abril Sempre!"

por josé simões, em 24.11.19

 

cartaz_iniciativa_liberal_25_novembro (1).jpg

 

 

"Comunismo nunca mais!" uma frase que não posso gritar. Lamento. Nunca vivi sob um regime comunista, não sei o que isso é. Do marcelismo fascista lembro-me, era puto mas lembro-me. Lembro-me de familiares presos e torturados por reivindicarem coisas tão banais como a liberdade de expressão e de associação, lembro-me dos meus pais a ouvirem rádios estrangeiras à socapa, com o som muito baixinho dentro da própria casa. Lembro-me dos homens de plantão 24 sobre 24 horas na porta da rua, semanas seguidas, só porque o pai acompanhou o Vitória de Setúbal na Taça UEFA com o Spartak de Moscovo, "lá está ele", dizia a mãe depois de espreitar por detrás do cortinado. Tinha estado com os russos era comunista merecedor de vigilância, a lógica da PIDE. Lembro-me das cargas da GNR a cavalo no 1.º de Maio na "Ladeira das Fontainhas", a rua das conserveiras em Setúbal. Lembro-me dos tiros disparados contra as varinas vestidas de preto e de tamancos, em dias de greve pelo aumento de 2 tostões, "hoje não vais brincar para a rua", dizia a mãe. Lembro-me da fome e da miséria no Bairro Santos Nicolau do ir ao mar antes da moda do peixe assado no carvão ao preço dos olhos da cara, e lembro-me de ser o único a usar sapatos na turma de filhos de pescadores e de varinas das fábricas, na "escola do Sousa" ao lado do agora Rei do Choco Frito, à época uma taberna de chão de areia, calcetada a caricas de gasosa AUA para traçar tintos goelas abaixo, nas bocas de cigarros Três Vintes, Quentuques [de Kentucky] e Definitivos. Descalço o ano todo quando o Inverno ainda não tinha morrido às mãos das alterações climáticas. Os mais afortunados usavam chinelos de enfiar no dedo, se fosse hoje era bué chic, usavam Havaianas. Lembro-me dos funerais no cemitério da Nossa Senhora da Piedade dos soldados mortos na Guerra Colonial, com as salvas de G3 pelo pelotão formado no meio da rua, trânsito cortado, e as varinas que andavam sempre de luto, o luto eterno porque morria sempre algum familiar e o luto nunca acabava, a chorarem atrás do caixão que ninguém abria. Lembro-me das bolas de futebol caídas no quintal da PIDE, frente onde é hoje a sede do PSD ao Bairro Salgado, do tempo de jogar à bola na rua, tocarmos à campainha "olhe, se faz favor, a bola caiu no quintal" e do PIDE regressar de sorriso de orelha a orelha com a bola rasgada à navalhada na mão "toma lá". O tempo dos filhos da puta. Lembro-me do dia das matrículas, e das carradas de folhas que era preciso entregar, a mãe preencher as minhas e ainda mais algumas de colegas meus que depois eram assinadas "com o dedo" pelas respectivas mães. Lembro-me dos meus amigos que, terminada a 4.ª Classe, foram para o mar com o pai ou ser servente numa qualquer profissão, que sempre era melhor futuro que andar ao sabor das marés. Lembro-me dos rapazes para um lado e raparigas para outro na escola, e lembro-me do padre de Moral e Religião, avesso a Jaroslav Hasek, que distribuía carolada pela turma como se não houvesse amanhã, e que andou depois a distribuir propaganda do CDS. E não me esquecendo disto mas não conseguindo lembrar-me de outras memórias mais dolorosas, por mais que me esforce, é um mecanismo de defesa do cérebro, dizem, reparo que de cada vez que os suadosistas querem desvalorizar a importância do 25 de Abril aparece sempre uma palhaçada qualquer a evocar o 25 de Novembro. Portanto, 25 de Abril Sempre, Fascismo Nunca Mais!

 

[Imagem]

 

 

 

 

Em dia de manif das polícias

por josé simões, em 21.11.19

 

judge-dredd.jpg

 

 

Em dia de manif das polícias, com o neo-fascismo populista do Chega sentado no Parlamento a levar a direita tradicional, CDS-PP, e os novos neo-liberais, Iniciativa Liberal, a reboque, ao invés de serem os próprios a demarcar território e a separar as águas, convém [re]lembrar os dois grandes perigos para a democracia e o Estado de direito neste início de século XXI: a judicialização da política e a autonomização das polícias.

 

[Imagem]

 

 

 

 

Na próxima legislatura depois a gente fala, Capítulo III

por josé simões, em 21.11.19

 

1 (39).jpg

 

 

               João Cotrim Figueiredo, deputado do Iniciativa Liberaln no Twitter.

 

"Na próxima legislatura depois a gente fala", Capítulo I

"Na próxima legislatura depois a gente fala", Capítulo II

 

 

 

 

Na próxima legislatura depois a gente fala

por josé simões, em 17.11.19

 

Jenny Holzer.jpg

 

 

Andamos há décadas de legislaturas a falar de Os Verdes servirem para o PCP ter tempo de antena a dobrar, nas televisões e no Parlamento, para agora chegamos ao ponto de termos o fascista Chega com tempo de antena a triplicar, com o CDS e a Iniciativa liberal, em termos de impostos e carga fiscal, funções sociais do Estado, salários e salário mínimo nacional, protecção social, saúde e educação. Na próxima legislatura depois a gente fala da eficácia de cada a passar a mensagem.

 

[Imagem]

 

 

 

 

Crime e terrorismo é quando a direita quiser

por josé simões, em 13.11.19

 

O carro do arquiteto portuense Alexandre Alves Costa, um dos dinamizadores do SAAL, foi destruído à bomba em março de 1976.jpg

 

 

Depois de a Europa ter definitivamente perdido a memória ao misturar Estaline e Hitler, nazismo e comunismo, perante o aplauso e o voto da direita radical nacional, a querer repetir o "feito" dentro de portas, é agora que vão propor que os crimes e os assassinatos cometidos durante o PREC pelo ELP, Maria da Fonte e MDLP, integrados e financiados por militantes do PSD e do CDS, sejam equiparados aos crimes das FP 25, com que nunca se calam no ódio que têm ao 25 de Abril e de cada vez que se aproxima a data e Otelo desce a Avenida? Se calhar não...

 

[Imagem]

 

 

 

 

Isto está tudo ligado

por josé simões, em 01.11.19

 

viet.jpg

 

 

"1.3.15. Os países que afirmam como orientação e objectivo a construção de sociedades socialistas – China, República Popular Democrática da Coreia, Cuba, Laos e Vietname – constituem, na sua grande diversidade de situações quanto ao grau de desenvolvimento económico e social e modelos sócio-políticos, um importante factor de contenção aos objectivos de domínio mundial do imperialismo. É hoje ainda mais claro que estes países são alvo de um conjunto de manobras de pressão económica e financeira, de desestabilização e ingerência, de ofensiva ideológica e de cerco geoestratégico que condicionam, a par com os efeitos da crise do capitalismo a que não estão imunes, o seu próprio desenvolvimento e opções de política económica e relações internacionais."

 

XX Congresso do PCP. Teses - Projecto de Resolução Política, 18 Setembro 2016. Aprovado na reunião do Comité Central de 17 e 18 de Setembro de 2016

 

 


"Carlos Guimarães Pinto sai da liderança do Iniciativa Liberal para regressar à Universidade Nacional de Economia do Vietname, onde é leitor visitante, e para onde regressa logo dias depois do conselho nacional do partido que se realiza a 17 de Novembro [...]."

 

[Imagem]

 

 

 

 

O Verdadeiro Artista

por josé simões, em 30.10.19

 

circus (1).jpg

 

 

Não me podem pedir que continue a sacrificar a minha vida por uma causa

 

[Imagem Circopedia]

 

 

 

 

Primeiro dia, véspera de Halloween

por josé simões, em 30.10.19

 

British prime minister Margaret Thatcher covering her face with her hand at the 1985 Conservative Party Conference.jpg

 

 

"É muito bom que esteja aqui alguém que se diga assumidamente liberal porque já estamos um bocado cansados daqueles que são envergonhadamente liberais e se vão disfarçando como sendo sociais-democratas. Finalmente o PSD tem alguém autenticamente liberal em quem se pode rever nesta Assembleia da República"

 

António Costa, primeiro-ministro, na resposta à interpelação do deputado do Iniciativa Liberal, João Cotrim de Figueiredo, no primeiro dia de debate do programa do XXII Governo Constitucional.

 

[Imagem]

 

 

 

 

O Verdadeiro Artista

por josé simões, em 29.10.19

 

Paul Jung, clown c.1950 — Photo Ringling Bros. and Barnum & Bailey.jpeg

 

 

Os socialistas nunca esconderam a sua aposta política no ressentimento. A luta de classes é mesmo isso: a aposta no ressentimento de uma classe contra outra.

 

[Imagem]

 

 

 

 

A pergunta do dia

por josé simões, em 25.10.19

 

pinochet.jpg

 

 

Hoje é o dia em que os jornalistas com lugar cativo na Assembleia da República tiram o dia para passar rasteiras aos deputados maçaricos do PCP sobre o multipartidarismo na ex-URSS, a democracia na Coreia do Norte, o Estado social na China ou o sindicalismo no antigo "bloco de leste", para gáudio do pagode e conversas em modo anedota que se prolongam por décadas, assim haja memória.

 

Hoje é o dia em que os jornalistas com lugar cativo na Assembleia da República vão tirar o dia para perguntar ao deputado eleito pelo Iniciativa Liberal sobre a democracia, os direitos humanos, as liberdades e garantias no Chile, e nem sequer é preciso recuar até aos rapazes do Milton Friedman em Santiago, onde chovia sobre o multipartidarismo e o cadáver de Allende.

 

 

 

 

Num Parlamento perto de si

por josé simões, em 16.10.19

 

 

 

Gostaríamos de estar algures numa segunda dimensão, porque não nos revemos de todo nesta geometria

 

 

 

 

O liberalismo explicado às criancinhas e outros analfabetos

por josé simões, em 11.10.19

 

IL (1).jpg

 

 

[Via]

 

 

 

 

O pai da criança

por josé simões, em 09.10.19

 

passos salazar.jpeg

 

 

Ainda na noite do rescaldo eleitoral o fascista Ventura aparece nas televisões a celebrar o "país que pela primeira vez em 45 anos não teve medo de votar num partido verdadeiramente de direita". Quarenta e cinco anos. É fazer as contas, descontando os anos em que os deputados da União Nacional eram eleitos em votações marteladas, se calhar o fascista Ventura pecou por defeito nas contas, é a primeira vez que é eleito um.

 

No dia a seguir, quando se soube que "a ciganada toda", como diz o senhor do CDS, votou no Chega, para que o Ventura soubesse que os ciganos não têm medo dele, o cabeça de lista por Beja, com aspecto de cigano e nascido nos últimos 35 anos, aparece com a mesma cartilha dos "45 anos", o tempo que andam a tratar mal o interior do país e o Alentejo. Ele que nasceu sem candeeiro a petróleo, bilha da água e penico na mesa de cabeceira, a ir calçado para a escola, até à faculdade se preciso for, e sem os fundilhos remendados, sem pão com azeitonas na praça da jorna, e sem a carga da GNR a cavalo para reprimir reivindicações de quem queria 5 tostões por dia de ceifa ou de apanha da azeitona ao contrário dos 4 que o latifundiário se dispunha a pagar e, com um bocado de sorte, via pela primeira vez o mar quando fosse metido dentro de um barco para ir combater numa guerra colonial a milhares de quilómetros no outro lado do oceano, em África.

 

Mas isto é a conversa dos coitados que não têm capacidade de raciocínio para lá do resumo da jornada futeboleira nas páginas do Record ou da telenovela a seguir ao telejornal, antes da Casa dos Segredos.

 

Cinco anos antes do fascista Ventura se ter sentado no Parlamento pelo voto popular o mui liberal e culto e instruído secretário de Estado de Pedro Passos Coelho, tão instruído que só usava o Twitter em 'amaricano', tinha tuitado que vivíamos há 35 anos em hegemonia socialista, sem a coragem, ou a falta de vergonha, que o fascista Ventura teve em assumir a contagem integral do tempo, como Pacheco Pereira muito bem desmontou

 

Mas não é por aqui, que a relação entre fascismo e liberalismo é uma história de amor antiga, ainda mais antiga que os rapazes de Chicago a aplicarem no Chile de Pinochet a teoria económica que os rapazes de Passos Coelho pretendiam aplicar em Portugal, agora asilados no Iniciativa Liberal depois da vassourada de Rui Rio e do stand by a que Miguel Morgado se remeteu.

 

Passos Coelho um dos vencedores da noite eleitoral ao ter conseguido sentar dois deputados no Parlamento, André Ventura pelo Chega e João Cotrim de Figueiredo pelo Iniciativa Liberal, um "peru menor" que escapou aos jornalistas e comentadeiros com lugar cativo nas televisões.

 

[Imagem]

 

 

 

 

O day after

por josé simões, em 07.10.19

 

02.jpg

 

 

Miguel Relvas, da velha liderança do ar pesado e bafiento, sai a terreiro logo no day after a pedir nova liderança e ar fresco para o partido. Podia ser um piada do Imprensa Falsa mas não é. Isto foi de manhã, que à hora do jantar, Miguel Morgado, do mesma agremiação de Miguel Relvas, do circo de sombras por detrás de Passos Coelho, apareceu na televisão do militante n.º 1 aka SIC Notícias a pedir ar fresco e nova liderança para o partido, que ele vai fazer a parte que lhe compete, não sabe nem deixa de saber se é candidato, vai apresentar uma moção e coise, ele que até já meteu mãos à obra e inventou o "cinco para as sete" que só não congrega a direita toda porque o André Ventura se recusou a participar e isso é lá com ele. Não foi ele, Miguel Morgado, quem espantou o fascista Ventura, foi o fascista Ventura que não quis nada com ele. Temos [têm] pena. O André Ventura, esse mesmo, que à noitinha no Prós e Contras na televisão pública teve exactamente o mesmo discurso que o senhor novel deputado eleito pelo Iniciativa Liberal, corrupção, compadrio, sector privado, blah-blah-blah, direito de escolher a escola, saúde privada para todos e que quando Mariana Mortágua falou em "fraude liberal", do Estado a pagar a privados, provocou a mesma reacção nos três, que o João Almeida do CDS também lá estava. E novidades?

 

[Imagem]