Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

DER TERRORIST

"Podem ainda não estar a ver as coisas à superficie, mas por baixo já está tudo a arder" - Y. B. Mangunwijaya, escritor indonésio, 16 de Julho de 1998.

|| Madeira Circus

por josé simões, em 18.12.09

 

 

 

Alberto João Jardim precisa de ser metido na “ordem” e só há duas maneiras de o fazer: referendo no Cont’ nente - Sim ou Não à independência - e ganha o Sim e o bwana fica entalado, ou referendo na Madeira - Sim ou Não à independência - e ganha o Não e o bwana fica entalado. Do que é que estamos à espera?!

 

 

 

Autonomia vs. Independência

por josé simões, em 07.04.08

 

Assino por baixo, quando Luís Filipe Menezes diz no Congresso do PSD / Madeira, que promete à região uma “autonomia sem limites”, e que, “a autonomia não tem limites”. Discordo completamente quando afirma não ter medo “de colocar nas mãos dos madeirenses e açorianos a definição do aprofundamento da autonomia”.
 
Qual a diferença entre “autonomia sem limites” e independência? Nenhuma. Menezes, em primeiro lugar por cobardia política, abstêm-se de usar o termo. Em segundo lugar por motivos inerentes ao funcionamento interno do PSD e aos jogos de poder nos bastidores do partido. Basta olhar ao peso que o PSD / Madeira tem no interior do PSD Nacional. E aqui Menezes não é caso único na liderança do PSD a jogar este jogo; viciado à partida. Dito de outra forma: que Alberto João sempre ganhou.
 
Discordo porque, e entrando na lógica de pensamento de Alberto João Jardim & restante pandilha, a independência é dada pelo país colonizador. Ao “colocar nas mãos dos madeirenses e açorianos a definição do aprofundamento da autonomia”, o meu receio é que, afinal, não haja independência alguma; e que a torneira das transferências do Orçamento de Estado continue a jorrar para o meio do Atlântico, a troco de nada.
 
Mais concretamente: receio bem que, a haver um referendo à independência nas ilhas, o “Não” ganhe. Faça-se o referendo sim, mas aqui no Contenente. Deixem que sejam os “cubanos” a decidir; para se acabar de uma vez com a “festa”.
 
A Alberto João não interessa uma Madeira independente. Interessa manter a chantagem da independência da Madeira.
 
(Imagem via Fresh Pics)