Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

DER TERRORIST

"Podem ainda não estar a ver as coisas à superficie, mas por baixo já está tudo a arder" - Y. B. Mangunwijaya, escritor indonésio, 16 de Julho de 1998.

O equívoco de António Costa

por josé simões, em 08.05.18

 

evelyn_bencicova.jpg

 

 

O [grande] equívoco de António Costa é pensar que o Presidente lhe está a enviar recados por terceiros. Não. Marcelo está a enviar recados para o cidadão eleitor: estou aqui eu, que não tenho responsabilidades governativas directas nem a tutela de ministérios, que apenas usei semanas do meu mandato em acções de consolo, conforto e levantamento da moral e incentivo ao renascimento junto das populações e que me demito caso a tragédia se repita porque chego à conclusão de que foi em vão todos os quilómetros percorridos, todos os abraços dados, todo o português gasto.

Está ali o senhor primeiro-ministro, com responsabilidades governativas directas, responsável último sobre ministérios com tutelas que vão desde a protecção civil às forças de segurança passando pelas forças armadas, que só depois de empurrado e a muito custo apresentou desculpas aos portugueses pela tragédia que foi o Verão de 2017, e que não se demite caso o inferno se repita, mostrando que não aprendeu nada e que lhe entrou por um ouvido a 100 e saiu pelo outro a 200.

Estou aqui eu e está ali ele.

É este o recado que Marcelo está a enviar pelo jornal a quem vota em 2019. Como diz o povo, não queiras abrir a pestana, não...

 

[Imagem]

 

 

 

 

E isto é bom ou mau para a qualidade da democracia?

por josé simões, em 08.05.18

 

Explosion3.jpg

 

 

Marcelo diz que não se recandidata se acontecer uma tragédia como a do Verão passado. Curiosamente a entrevista sai no dia em que há mexidas no comando da Autoridade Nacional de Proteção Civil, um cargo que devia ser de carreira e não de boy a quem arranjam um job. A segunda mexida no período de um ano [a quarta demissão em seis meses], outra vez a poucos dias do calor começar a apertar, se calhar porque da última vez deu bons resultados. Se calhar. O anterior comandante diz que se vai embora por razões pessoais, curiosamente a seguir à vinda de três peritos espanhóis para ensinarem os portugueses a tratar do fogo...

 

Voltando ao princípio, alguém acredita mesmo que o Presidente só disse aquilo que disse, assim, da boca para fora, a chegar-se à frente, ou que o Presidente está a mandar um recado com destinatário certo, mal grado o primeiro-ministro se fazer de desentendido?

 

E o Presidente, ao mostrar-se desprendido ao povo e chegar-se à frente é bom ou mau para a qualidade da democracia?

 

[Imagem]

 

 

 

 

Tem tudo para correr bem

por josé simões, em 10.04.18

 

in flames.png

 

 

Vimos todos nas televisões o ministro Eduardo Cabrita em acção de agit-prop numa aldeia do interior do país, daquelas que ainda não está deserta, só semi-deserta, povoada pelos que restam, os velhos, a propósito da criação do "oficial de segurança", alguém responsável por dar o alerta e coordenar a retirada da população para um ponto seguro, previamente definido, até que os bombeiros cheguem ou que o fogo passe.

 

Pergunta o jornalista de microfone esticado "então a senhora se houver fogo a sério traz mesmo a galinha?" e a resposta pronta, claro, tenho de a trazer, porque e tal e tal e tal. E assim ficam os velhos esquecidos do interior, excepto quando são visitados pelo ministro do interior com um cortejo de câmaras de televisão atrás, no interior da igreja ou da colectividade, capitaneados pelo menos velho, a morrer à espera de outro velho que já morreu a tentar salvar uma galinha, um porco, um cão, uma ovelha, um gato ou o periquito na gaiola, a única companhia que lhes resta. Tem tudo para correr bem.

 

[Imagem de autor desconhecido]

 

 

 

 

Dia de trabalho para a Nação

por josé simões, em 23.03.18

 

Vasco Gonçalves Almada 18 Agosto 1975.jpg

 

 

É já amanhã que o primeiro-ministro António Costa vai participar numa ação de limpeza de matas e florestas com mais de 20 membros do Governo. Os ministros vão andar de norte a sul do país a mostrar como se faz, numa ação de sensibilização para o tema da prevenção dos fogos

 

"dia de trabalho para a nação"

 

 

 

 

Little Australia

por josé simões, em 25.10.17

 

kangaroo.jpg

 

 

Vamos fazer de conta que não vai haver nem mais um hectare de eucalipto depois de querermos ter mais metros cúbicos de eucalipto ma mesma área, a tal floresta densificada, boa para arder e para a tropa especial simular cenários de guerra em zonas exóticas distantes, e vamos fazer de conta que a Navigator não mostrou descontentamento com as novas leis sobre a plantação de eucaliptos, e vamos fazer de conta que Tiago Oliveira não veio da Navigator para o Governo, e vamos fazer de conta que não desvaloriza a importância dos eucaliptos na ignição e propagação de incêndios florestais, e vamos fazer de conta que o vai-vem entre privado-público-privado, negociando no privado o interesse contrário ao do Estado e depois no Estado o contrário do que se negociou no privado, com o belo argumento "qualquer dia não há ninguém se não pudermos contar com os melhores" é para desvalorizar, tipo aquelas pessoas que jogam xadrez com elas próprias; e vamos fazer de conta que este argumento que desvaloriza o conflito de interesses e o saltitar levemente de nenúfar em nenúfar só se aplica  aos governos da direita, quando o PS está na oposição, e a secretários de Estado como o dos transportes no anterior Governo da direita radical, Sérgio Monteiro, e vamos fazer de conta que o cargo que o senhor Navigator vai ocupar não é equivalente ao de secretário de Estado.

 

Little Australia, só faltam os cangurus a saltar.

 

[Imagem

 

 

 

 

Atrelado não é o mesmo que a reboque

por josé simões, em 24.10.17

 

Tony-Ray-Jones--Butlin's Holiday Camp, Clacton-on-Sea, 1966.jpg

 

 

O que esta moção de censura veio mostrar não foi o Bloco de Esquerda e o PCP atrelados ao Governo do PS foi o PSD a reboque do CDS.

 

[Imagem "Tony Ray Jones Butlin's Holiday Camp, Clacton-on-Sea, 1966"]

 

 

 

 

O problema são as "redes sociais"

por josé simões, em 22.10.17

 

smile.jpg

 

 

Acabaram com o Serviço Nacional de Saúde sem avisar ninguém o que obrigou Cristiano Ró-náldo [com dois acentos, como se diz na televisão] a pagar do seu próprio bolso os "cuidados médicos a centenas de feridos dos incêndios".

 

A televisão do militante n.º 1, SIC e SIC Notícias, levou um dia e meio a falar numa manif com "a Praça do Comércio quase cheia", como se fossemos todos cegos.

 

Diz que o problema são as "redes sociais" [o que quer que isso signifique], sem escrutínio e sem o selo de garantia do jornalismo, para desviar para canto que o problema é escrutínio feito ao jornalismo pelas "redes sociais" que incomoda. E muito.

 

[Imagem de autor desconhecido]

 

 

 

 

É o que há

por josé simões, em 21.10.17

 

witchoria.jpg

 

 

Pedro Passos Coelho, o pantomineiro do pin, vai até à zona dos incêndios em missão "OMO lava mais branco" chamar aos outros antes que os outros lhe chamem a ele e, nos pinos e flic-flac que faz à frente dos microfones e das câmaras de televisão, deixa cair aquilo que seria um furo jornalístico, de primeira página e abertura de telejornal, em todo o lado sem comunicação social capturada pela direita radical e com jornalistas dignos da carteira e com brio profissional. O liberal de pacotilha, do Estado mínimo, do "aliviar o peso do Estado", da auto-regulação do mercado em benefício do consumidor, quer que o Estado intervenha no mercado da madeira queimada por forma a regular os preços, "social-democracia sempre!", sem que nenhum "jornalista" destacado para o local como câmara de eco lhe pergunte como concilia a contradição ideológica ou como justifica tamanha arte de contorcionismo, antes destacando que o "PSD quer dirigentes da Protecção Civil recrutados por concurso" e que "Passos Coelho aponta caminhos para a reestruturação da Protecção Civil", só faltando acrescentar o chavão "reforma estrutural". É o que há.

 

[Imagem]   

 

 

 

 

"não confundamos as pessoas, não confundamos os portugueses"

por josé simões, em 20.10.17

 

Katy Horan.jpg

 

 

"Agora, o que lhe posso dizer é que, nos anos em que eu estive ministra da Agricultura, não aconteceu nenhuma tragédia em Portugal com estas proporções. E, portanto, não confundamos as pessoas, não confundamos os portugueses". Pois não, não foi enquanto esteve, foi dois anos depois de ter estado e por ter estado quatro anos. Para se perceber melhor como funciona a cabeça da rã que quer ser boi:

 

1. A prof. Assunção Cristas encontrou, em 2011, uma Autoridade Florestal Nacional, há muito reivindicada pelos agentes do sector, com uma estratégia assente nas fileiras florestais, na gestão florestal e na defesa da floresta. Acabou com ela, reduziu as suas estruturas e eliminou a defesa da floresta das preocupações governamentais;

 

2. O governo do PSD/CDS encontrou, em 2011, um Código Florestal aprovado pela Assembleia da República carecendo, unicamente, de regulamentação. Se não concordava com esse instrumento legislativo podia ter promovido a sua revisão, mas não, acabou com ele e as florestas voltaram à legislação de 1903, sim, 1903;

 

3. A prof. Assunção Cristas encontrou, em 2011, 608 Planos de Utilização dos Baldios, 241 mil hectares. O que fez? Nem mais um plano, nem mais uma aprovação ou qualquer hectare, e em troca iniciou a privatização dos baldios;

 

4. O governo do PSD/CDS encontrou, em 2011, um processo de combate às pragas e doenças, em especial na fileira do pinho. O que fez? Nada. Em 2015 esta fileira era a que mais preocupação apresentava no que se refere aos incêndios florestais e à rendabilidade da floresta;

 

5. A prof. Assunção Cristas encontrou, em 2011, um sentido para o Fundo Florestal Permanente que deixava de ser um saco azul do ministério para assumir opções em cinco áreas prioritárias — sensibilização, prevenção, planeamento e gestão, sustentabilidade e investigação. O que aconteceu? Ninguém passou a saber para onde ia a verba e a quem era entregue;

 

6. O governo do PSD/CDS encontrou, em 2011, uma estrutura jurídica de acompanhamento da gestão florestal que impedia a selvajaria das novas plantações e obrigava à responsabilidade pessoal dos projectistas. O que aconteceu? Revogou esse regime.

 

7. A prof. Assunção Cristas encontrou, em 2011, uma obrigação de anúncio público e controle da licitação de material lenhoso. O que aconteceu? O ICNF deixou de cumprir as boas regras de gestão;

 

8. O governo do PSD/CDS encontrou, em 2011, o primeiro interprofissional do universo das florestas — o da cortiça. O que aconteceu? Abandonou-o à sua sorte;

 

9. A prof. Assunção Cristas encontrou, em 2011, um regime de apoio às organizações de produtores florestais e às organizações da caça. O que aconteceu? O apoio público deixou de ser conhecido e passou a ser à peça;

 

10. O governo do PSD/CDS encontrou o Plano Estratégico de Reestruturação e Modernização das Industrias de Primeira Transformação de Madeira. Tal plano tinha como objectivo preparar um programa, para os fundos europeus a partir de 2014, que recuperasse a fileira do pinho. O que aconteceu? Ninguém ouviu mais falar do programa nem este se revelou nos fundos europeus pós-2014;

 

11. A prof. Assunção Cristas encontrou, em 2011, o território coberto com Planos Municipais e Planos Distritais de Defesa da Floresta com gabinetes técnicos organizados e planos operacionais. O que aconteceu? Nunca mais houve a coordenação nacional do planeamento e da execução;

 

12. O governo do PSD/CDS encontrou, em 2011, um programa que criava a “Rede de Salvaguarda do Território Florestal”. Só em 2008 e 2009 foram abrangidos 38 concelhos de seis distritos numa área total de 800 mil hectares. Em 2013 onde estava o programa? Tinha desaparecido;

 

13. A prof. Assunção Cristas encontrou, em 2011, mais de 278 mil hectares de área integrada em 36 Zonas de Intervenção Florestal. O que aconteceu? No final de 2015 a área verdadeiramente integrada em ZIF’s era menor;

 

14. O governo do PSD/CDS encontrou, em 2011, um Dispositivo Integrado de Prevenção Estrutural (DIPE) que integrava uma Unidade de Coordenação e Planeamento, um Grupo de Analistas e Utilizadores de Fogo, um Grupo de Gestores de Fogo Técnico, o Corpo Nacional de Agentes Florestais e a Estrutura Nacional de Sapadores Florestais. O que fez? Acabou com este dispositivo;

 

15. A prof. Assunção Cristas encontrou, em 2011, uma estrutura de 2085 pessoas com responsabilidade na defesa da floresta contra agentes bióticos e abióticos. O que aconteceu? Reduziu a metade e desmobilizou os técnicos com melhor formação;

 

16. O governo do PSD/CDS encontrou, em 2011, 263 equipas de sapadores florestais. A meta determinada anteriormente eram 260 e em 2005 só existiam 166 equipas. O que aconteceu? A renovação do equipamento foi insignificante;

 

17. A prof. Assunção Cristas encontrou, em 2011, 11 mil km de caminhos florestais beneficiados. O que deixou? Menos de 10%;

 

18. O governo do PSD/CDS encontrou, em 2011, 630 pontos de água beneficiados. O que deixou em 2015? Menos de metade em bom estado e os restantes a carecerem de intervenção urgente;

 

19. A prof. Assunção Cristas entrou no governo, em 2011, com uma área ardida de 73.298 hectares. Em 2013 atingiu os 152.690. Nada fez, ficou à espera dos anos seguintes e até rezava pela ajuda divina;

 

20. O governo do PSD/CDS acabou com os Governos Civis, elementos fundamentais da estruturação de protecção civil e segurança. Deixou o país sem coordenação supramunicipal. E é o que se tem visto...

 

A moção de censura apresentada por Assunção Cristas é um acto polítivo miserável. Eu acuso

 

[Imagem]

 

 

 

 

Into my arms

por josé simões, em 20.10.17

 

marcelo 2.jpg

 

 

marcelo 3.jpg

 

 

marcelo (1).jpg

 

 

Into my arms, O Lord, into my arms

 

 

 

 

 

"O nosso país está em chamas"

por josé simões, em 19.10.17

 

 

 

[Via]

 

 

 

 

"Quem boa cama fizer nela se há-de deitar"

por josé simões, em 18.10.17

 

Ben Frost.jpg

 

 

Levado pelo Presidente da República, por uma orelha, a pedir desculpas públicas no Parlamento com dois dias de atraso e uma demissão de uma ministra no bolso das calças, não sem antes ter ouvido uma lição de moral da boca de Passos Coelho, ressuscitado da tumba para onde se tinha remetido. Era escusado, António Costa.

 

[Imagem]

 

 

 

 

...

por josé simões, em 18.10.17

 

andre gouveia.jpg

 

 

[Aqui]

 

 

 

 

O poder de síntese do Twitter

por josé simões, em 17.10.17

 

vintagetwitter (1).jpg

 

 

Ou como Marcelo, a frio, com muitas palavras e de luvas brancas, acabou a dizer o que na véspera eu tinha escrito no Twitter, a quente, após a miserável comunicação ao país de António Costa:

 

Ou o Costa não sabe o que aconteceu; ou o Costa sabe o que aconteceu mas não percebe; ou o Costa tirou o dia para gozar com o pagode

 

[Imagem]

 

 

 

 

Não ter a puta da vergonha na cara é isto

por josé simões, em 17.10.17

 

 

 

O CDS de Assunção Cristas, ministra da Liberalização do Eucalipto, do saque à Reserva Agrícola e Ecológica e do Desordenamento do Território; o CDS de Pires de Lima, ministro do Todo o Poder às Celuloses; o CDS vai apresentar uma moção de censura ao Governo "pela falha grave de cumprir a função mais básica do Estado" nos incêndios de Verão e Outono. Não ter a puta da vergonha na cara é isto.

 

[Imagem]