Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

DER TERRORIST

"Podem ainda não estar a ver as coisas à superficie, mas por baixo já está tudo a arder" - Y. B. Mangunwijaya, escritor indonésio, 16 de Julho de 1998.

Vá para fora cá dentro

por josé simões, em 25.06.20

 

Valise by Beata Bieniak.jpg

 

 

Iniciativa Liberal propõe substituir dias de férias por trabalho com remuneração acrescida

 

O rico vai de férias porque se pode dar ao luxo, o pobre trabalha as férias para compensar o fraco ordenado, que não dá para luxos e o direito ao descanso e ao lazer é um luxo dos ricos. Não é um aumento da remuneração que se propõe, é trabalhar o descanso. A seguir propõe-se trabalhar um dos dias da folga semanal, que o aumento das horas no banco já vem no pacote e é substancialmente diferente de aumentar o preço da hora a depositar no banco, na conta do empregado no final do mês. E assim se poupam postos de trabalho e encargos com a Segurança Social. Depois, uns mais desgraçados e a passar por dificuldades, trabalham as férias e fazem as horas extra e o patrão, benemérito, pergunta "então os outros fazem e tu não?". E está no seu direito de perguntar e que ninguém veja isto como coacção sobre o trabalhador,  honi soit qui mal y pense. Quem é amigo do patrão, do trabalhador, do colaborador, quem é?

 

[Imagem]

 

 

 

 

Agora com um desenho

por josé simões, em 04.03.20

 

jornal_noticias.jpg

 

 

O célebre "temos de fazer mais com menos" com que Pedro Passos Coelho nos brindou durante os quase cinco anos de Governo da troika explicado com um desenho.

 

 

 

 

||| Da série “Coisas Verdadeiramente Surpreendentes”

por josé simões, em 04.07.14

 

 

 

Um dos segredos para a recuperação económica passava por baixar o preço da hora extraordinária, não porque Governo tivesse um modelo de baixos salários para o país, mas porque estavamos de rastos por causa do "despesismo e da irresponsabilidade socialista" e uma parte, importante, do esforço comum calhava ao suspeito do costume e passava por aumentar a competitividade das empresas a troco de uns dias de salário por ano [o pagode ganha bem e sai cedo, o que é isso?], não para que os patrões e accionistas aumentassem as mais-valias mas porque o dinheiro que cada um, imbuído de espírito patriótico, deixava de receber, depois de entrar na tesouraria das empresas tornava a sair e iria reverter para a economia real e para a criação de emprego e para o crescimento económico a perder de vista.

 

"Patrões dizem que há trabalhadores a recusar fazer horas extra"

 

Curioso, muito curioso. Porque será?

 

[Imagem]

 

 

 

 

 

|| Não vai o Serviço Nacional de Saúde ao PSD vai o PSD ao Serviço Nacional de Saúde

por josé simões, em 19.08.11

 

 

 

A ideia [porque há uma ideia] não é acabar pura e simplesmente com o Serviço Nacional de Saúde, a ideia é arranjar maneira de os profissionais de saúde não quererem trabalhar no Serviço Nacional de Saúde de forma a acabar com ele.

 

No final da legislatura o serviço vai ser tão mau, mas tão tão mau [mas tendencialmente gratuito e inscrito na Constituição], que só os "pobrezinhos" vão fazer uso dele. Depois entram as IPSS e as Misericórdias. E a miséria.

 

(Na imagem Bela Lugosi em Dracula, 1931)

 

 

 

 

 

 

|| Como diria o “outro”: «de manhã só estou bem na caminha» (*)

por josé simões, em 15.12.10

 

 

 

 

 

Alguém imagina, por exemplo, uma empresa de transportes públicos cujo horário de trabalho dos motoristas ou maquinistas fosse das 09h00 às 17h30 e que o restante fosse pago como trabalho extraordinário? Ou, também por exemplo, um hospital, uma cimenteira, uma siderurgia, um estaleiro naval, uma central eléctrica, uma… tudo sectores de actividade cuja especificidade exige o laborar em contínuo e que o horário de trabalho seja de modo a preencher as 24 horas do dia, dito de outra forma, que não um horário “de escritório”. Pois imaginem.

 

(Em stereo)

 

(Imagem de autor desconhecido)

 

(*)