Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

DER TERRORIST

"Podem ainda não estar a ver as coisas à superficie, mas por baixo já está tudo a arder" - Y. B. Mangunwijaya, escritor indonésio, 16 de Julho de 1998.

||| Um blog de alucinados armado em jornal

por josé simões, em 17.03.15

 

 

 

Para quem "trabalhadores" são "colaboradores", "corrigir pensões e salários" significa "cortar pensões e salários", "requalificação" de funcionários públicos é mete-los numa prateleira para cortar parte do vencimento, "ajustamento" é para ler "corte" e onde se lê "corte" deve ler-se esbulho, roubo, confisco, "reforma do Estado" é acabar com funções e valências do Estado social, um "despedimento" é uma "dispensa de serviços" e uma "reestruturação" é um "despedimento colectivo" ou a "dispensa" de muitos "colaboradores".


Um blog de alucinados armado em jornal.


[Via]

 

 

 

 

||| Idiota útil, isso sim

por josé simões, em 12.06.14

 

 

 

Por falar em "pulhas", ainda sou do tempo dos briosos deputados PSD, na rotunda do Marquês a aplaudir e cumprimentar Mário Nogueira, o líder responsável, na descida da Avenida com um ror de profs e afins atrás de si. Mas, como entre os presentes, não consta ter havido alguma "reacção vagal", já [quase] ninguém se lembra disso.

 

Verdadeiramente surpreendente, neste Dia da Raça do Ano da Graça de 2014, é o comissário Nogueira não ter estado entre os comendados e medalhados, pelo camarada conivente do Governo na cadeira presidencial, por altos serviços prestados à causa da destruição da escola pública.

 

Idiota útil, isso sim. Ainda por cima, maltratado por aqueles a quem serviu. Como professor devia conhecer o significado da expressão "Roma não paga a traidores".

 

[Imagem]

 

 

 

 

 

 

|| O mundo ao contrário

por josé simões, em 24.10.13

 

 

 

É a ver os "puros", a esquerda "verdadeira"/ "verdadeira" esquerda, como gostam de se denominar, recuperar uma medida emblemática do Estado Novo de Salazar nos 60s do século XX, então a cargo da Caixa de Previdência, os famosos "bairros da caixa" que povoaram o país de norte a sul, e em que trabalhadores [na altura não havia "colaboradores"] de uma mesma empresa se juntavam e construíam um prédio, normalmente com 4 andares, rés-do-chão incluído, e ficavam a pagar uma renda fixa durante 25 anos, renda fixa sim, sem variáveis "taxas de juro" e/ ou aumentos salariais vs. inflação, e ver a direita, herdeira directa mas descendente envergonhada do Estado Novo e da "primavera marcelista", saudosa da ordem e do respeitinho e das coisas arrumadinhas nos seus devidos lugares, que trata Salazar por "o doutor Salazar" com um temor e um tremor reverencial na voz, recusar essa mesma ideia com o argumento dos "custos" e das "implicações" e das "desvantagens para os trabalhadores", para os trabalhadores, leram bem.

 

[Imagem]

 

 

 

 

 

 

|| Esta gentinha não presta

por josé simões, em 07.05.13

 

 

 

A gente conhece um fascista retardado, de tardio/ atrasado e também de alguém cujo desenvolvimento intelectual está aquém do índice para a sua idade, quando a timeline argumentativa tem início no governo de Marcello Caetano, precisamente quando começaram, a ser dados, ainda que timidamente, os primeiros passos para a erradicação do analfabetismo em Portugal.

 

O resto é um vómito de invenções causa-efeito, e a explicação do conceito "marcelismo" não é tentativa falhada de humor, é mesmo uma explicação infantil de um bebé adulto para bebés adultos.

 

Esta gentinha não presta e não tem vergonha na cara.

 

 

 

 

 

 

|| Meanwhile na Brigada Helena…

por josé simões, em 18.08.11

 

 

 

Que de burra não tem nada [diga-se em abono da verdade benza-a Deus], “ignora” que a Europa tem uma história, que a Igreja Católica tem uma história, que é praticamente impossível dissociar uma história da outra, e “ignora” os milhões de perseguidos, torturados e mortos, na Europa e no resto do mundo [em nome de Jesus ‘O Salvador’ Cristo], até chegarmos aos dias de hoje. Dá-me música que eu estou a gostar de ouvir.

 

(Imagem)

 

 

 

 

 

 

|| O gajo

por josé simões, em 01.10.09

 

 

 

«O termo "gajo" dá conta do que Cavaco Silva tem sido em Portugal: uma espécie de intruso»

 

Por uma vez (sem exemplo) estou de acordo com Helena Matos. Só me resta acrescentar “Senhor”. Um Senhooooor Gajo!

 

(Na imagem Mine Rescuer, circa 1915, George Grantham Bain Collection)