Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

DER TERRORIST

"Podem ainda não estar a ver as coisas à superficie, mas por baixo já está tudo a arder" - Y. B. Mangunwijaya, escritor indonésio, 16 de Julho de 1998.

|| If you pay peanuts, you get monkeys

por josé simões, em 30.09.12

 

 

|| O jornalismo-ponto

por josé simões, em 10.05.12

 

 

 

O que Alexandre Soares dos Santos se esquecia de responder, na pergunta que lhe era feita no Negócios da Semana na SIC Notícias, respondia José Gomes Ferreira por ele.

 

 

 

 

 

 

|| Chikan, groping, frotteurismo

por josé simões, em 04.05.12

 

 

 

«Fizeram tudo nas minhas costas»

 

[Imagem]

 

 

 

 

 

 

|| Ainda o 1.º de Maio das mercearias

por josé simões, em 02.05.12

 

 

 

Que a Esquerda ficou furiosa e revoltada pelas pessoas terem podido comprar produtos a baixo preço, que se fosse o Estado a financiar o desconto de 50% a Esquerda já não protestava, foram só alguns dos argumentos lidos no Twitter e nos blogues da causa. Pois. Sem tirar nem pôr, a questão é mesmo essa.

 

O que Alexandre Soares dos Santos fez, além do inestimável serviço que prestou ao Governo na questão dos feriados, foi sublinhar, em tempo de recessão e da austeridade mais austera de que há memória, o modelo de despesa das famílias, desde que a Sonae abriu o primeiro hipermercado já lá vão mais de uma vintena de anos ["isto não é um país, é uma grande superfície"], e deixar bons indicadores para o "riot spirit", latente, e que não estamos assim tão longe de Londres 2011 como possa parecer. Coisa aliás que o Grupo Jerónimo Martins deve saber melhor que ninguém, ou pelo menos devia, dado que até tem um senador 'sociólogo' da Nação assalariado.

 

Depois, se acontecer, a culpa é da Esquerda que atiça, espoleta, e explora o descontentamento das populações, que a Direita, essa, é ordeira e respeitadora da ordem instituída, além de avessa a estas coisas da causa-efeito.

 

[Imagem]

 

 

 

 

 

 

|| O Pingo Doce é vermelho! O Pingo Doce é do Povo, não é de Moscovo!

por josé simões, em 01.05.12

 

 

 

Está bem que a gente podia perguntar, já que excluído parece estar o parar para pensar, porque é que o Grupo Jerónimo Martins decidiu fazer uma campanha promocional no dia 1.º de Maio e não no dia 30 de Abril ou no dia 2 de Maio ou até no dia 25 de Abril ou no domingo de Páscoa. Podia. Pretérito imperfeito do verbo poder. E se calhar até levava como resposta, e com ar sério, ar de sentido de Estado, que é para comemorar o Dia do Trabalhador.

Nunca o lugar comum "temos aquilo que merecemos" fez tanto sentido como hoje, dia 1 de Maio do Ano da Graça de 2012.

 

[Imagem fanada aqui]