Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

DER TERRORIST

"Podem ainda não estar a ver as coisas à superficie, mas por baixo já está tudo a arder" - Y. B. Mangunwijaya, escritor indonésio, 16 de Julho de 1998.

O regresso do indigente

por josé simões, em 27.01.22

 

FP.jpg

 

 

É possível e desejável diminuir o número de funcionários públicos

 

 

 

 

Regresso ao passado

por josé simões, em 22.11.21

 

nosferatu-murnau.jpg

 

 

Pessoa que passa a vida a apontar o dedo ao fraco investimento público e, por consequência, "a degradação dos serviços públicos" em geral e face a situações como "o colapso das urgências hospitalares" e "a falta de professores" em particular, aparece com cara de pau a prometer prémios para os funcionários públicos em função das poupanças que o Estado consiga obter. Quando o expectável seria o Estado não entrar em poupanças - mais investimento nos serviços públicos, saúde, educação, regressam as famosas "gorduras do Estado" dos idos do governo da troika Passos Coelho/ Paulo Portas - desmantelar o Estado social, retirar competências ao Estado em favor de interesses privados, agora enfeitado com o embrulho das "poupanças", que a memória das pessoas é curta mas não é tão curta quanto isso,

 

[Link na imagem]

 

 

 

 

A direita do tugão explicada com dois desenhos

por josé simões, em 11.11.21

 

Percent of people employed.jpg

 

 

"Há cada vez mais funcionários públicos em Portugal". "Temos de pôr fim a esta rebaldaria geringonço-socialista". "A extrema-esquerda aposta no funcionalismo público porque é a sua base eleitoral". "Chulos". "Manhosos". "Ide mazé trabalhar!".

 

DN.jpg

 

 

"Há falta de tudo, tropa, médicos, professores, enfermeios, polícias". Depois a tropa, os médicos, os professores, os enfermeiros, os polícias, os auxiliares de acção educativa, os auxiliares médicos, os funcionários burocráticos que faltam para assegurar o regular funcionamento do Estado são contratados e a direita que antes berrava pelo exagerado número de funcionários públicos e depois berrou com a falta de funcionários públicos berra outra vez com a contratação dos funcionários públicos em falta. É um espectáculo deprimente.

 

 

 

 

Monólogo do estômago

por josé simões, em 12.10.21

 

Enoch.jpg

 

 

Pessoas que há 30 anos não são despedidas nem têm salários em atraso queixam-se nas televisões de que não são aumentadas há 10 anos.

 

[Link na imagem]

 

 

 

 

O ódio que as múmias têm ao bem estar do povo

por josé simões, em 23.08.21

 

x.jpg

 

 

Com cara de sonso pergunta o presidente do sindicato dos patrões "como é possível que com as colónias e um império tivéssemos cento e tal mil funcionários e agora tenhamos mais de 700 mil?" deixando de fora da equação a escola pública - básico, secundário e superior, democratizada e acessível a toda a população, o Serviço Nacional de Saúde, universal e tendencialmente gratuito, as autarquias democráticas - câmaras municipais e juntas de freguesia, com o investimento em equipamentos públicos e o trabalho de proximidade com os cidadãos; contabilizando nos "mais de 700 mil" as forças armadas que deixa de fora, mais os pides, legionários e restante bufaria, nos "cento e tal mil" do tempo em que era bom, o da outra senhora. Como é possível um desonesto e mal intencionado deste calibre ter assento e acento na Concertação Social e negociar políticas com governos democraticamente eleitos?

 

 

 

 

A direita do economês a gostar dela própria

por josé simões, em 18.08.21

 

butternut collage.jpg

 

 

A direita, que desde o início da pandemia clama que o Serviço Nacional de Saúde e a escola pública estão em falência por falta de médicos, enfermeiros, professores, auxiliares, et cætera, profissionais dispensados, ou não contratados para colmatar faltas e falhas nos serviços, com o argumento do "emagrecimento do Estado" quando a direita foi poder, é a direita que agora protesta contra o maior aumento de funcionários públicos nos últimos nove anos, por via do "despesismo socialista" que não olha ao dinheiro do contribuinte. Confusos? Nope, a ideia é desmantelar o Estado social e meter o contribuinte a pagar o lucro do negócio da saúde e do ensino privado. Pelo caminho diz que a esquerda é contra o lucro.

 

[Link na imagem]

 

 

 

 

Os pregoeiros da agenda da direira radical nos media

por josé simões, em 05.04.20

 

pregoeiro.jpg

 

 

O João, no seu editorial de hoje [ontem] no Expresso indigna-se por os funcionários do Estado não estarem a contribuir para o sacrifício nacional pois não há um único em lay off com corte de salário (que seria pago pelo mesmo Estado). De quem falará ele?

 

Diz que não é dos 30 569 médicos, nem dos 49 022 enfermeiros. Nem será dos 9 670 técnicos de diagnóstico e terapêutica. Bem como dos 1 962 técnicos superiores de saúde. Também não será dos 51 366 polícias das forças de segurança ou dos 1 548 polícias municipais. Ou dos 2 292 bombeiros.

 

Se bem percebi também não fala dos 136 150 professores dos vários níveis de ensino básico e secundário que continuam a dar aulas à distância e a preparar o que aí vem. Ou dos 15 241 docentes universitários e 10 470 docentes superior politécnico que continuam com aulas não presenciais.

 

Mesmo os políticos nacionais, regionais, locais estarão em overdrive como nunca pelo que também não será desses 2 374 que fala ou sequer dos autarcas que na larga maioria não contam para este totobola pois recebem senhas e não salário.

 

Será que fala dos 157 990 assistentes operacionais/ operário/ auxiliar (aqueles que constituem, no Estado, o grupo com mais infetados) que contém, lá pelo meio, a malta que está nos hospitais, centros de saúde, que nas autarquias continuam a desinfetar ruas e enterrar mortos? Se calhar não.

 

Talvez sejam os 87 448 assistentes técnico/ administrativos bom, mas também nesses os há que estão em teletrabalho a apoiar os 67 965 técnicos superiores que desenham e acodem a empresas e particulares com todas as medidas de exceção.

 

Já sei, são os dirigentes, os 11 107 dirigente intermédios e os 1 713 dirigentes superiores. Mas espera, quem define trabalho, organiza o trabalhado à distância, distribui pessoas para outras áreas críticas neste período? Não também não devem ser esses.

 

Talvez os 5 181 informáticos? Eh pá, também não! Esse andam completamente debaixo de água a tentar que tudo funcione à distância e a trabalhar como nunca. Os 403 diplomatas? Bom, esses anda em roda viva à procura de garantir equipamentos e razoabilidade entre pares.

 

Serão os magistrados, todos os 3 801? Bom, parece que há muitos procesos ainda em curso e muito trabalho acumulado que implica ler, estudar e despachar. Ná. Também não andam a coçar a micose.

 

Estão-se-me a acabar os suspeitos. Mas... serão os 3 441 tipos da investigação científica? Os de biomédicas? Os de economia? Quais? Sim haverá alguns que ficaram em casa mas até esses estão de prevenção e podem ser chamados a qualquer momento como determina o Estado de Emergência.

 

Pois é JVP, provavelmente NUNCA em tempo de paz os mandriões do Estado mandriaram tão pouco. Se calhar NUNCA tantos sentiram o peso e importância de cumprirem e se calhar NUNCA os que eles servem reconheceram tão facilmente quão importante é o seu trabalho para comunidade. Saúde!

 

"Ode a João Vieira Pereira!", Rui Cerdeira Branco no Twitter.

 

[Imagem]

 

 

 

 

Não ter a puta da vergonha na cara é isto

por josé simões, em 25.03.20

 

gesto.jpg

 

 

Quando há milhares de portugueses com a ameaça do desemprego a pairar sobre a cabeça, com ou sem subsídio; quando há milhares de portugueses em risco de perderem uma parte importante do rendimento do seu trabalho, quer por via do layoff, quer por via da eliminação do subsídio de refeição; quando a falência ameaça milhares de micro, pequenas e médias empresas, provocando um rombo inimaginável na Segurança Social, nas finanças públicas, e metendo a dívida externa outra vez em rota ascendente, o sindicato do emprego para a vida sai a terreiro para dizer esperar que o coronavírus não ameace ou ponha em causa futuros aumentos salariais na Função Pública, um dia depois de terem sido aumentados. Não ter a puta da vergonha na cara é isto.

 

[Imagem de autor desconhecido]

 

 

 

 

O chico-esperto e o sector privado

por josé simões, em 15.01.20

 

fly.jpg

 

 

Os "dois pesos e as duas medidas do Governo", segundo o secretário-geral vitalício da FESAP [a partir do minuto 08:25], com o referencial de 2,7% para o sector privado e o "ofensivo" 0.3% para a Administração Pública, como se estivéssemos todos esquecidos do tempo em que toda a gente, jornalistas, comentadeiros e fazedores de opinião, dizia que como referencial para o sector privado valia o número avançado pelo Governo para a Função Pública, e de todo o sector privado ser "aumentado" entre 0.3% e 1% quando José Sócrates dava 2.9% aos empregados no Estado em vésperas da chegada da troika. É que no privado são todos malucos e vivem no emprego para a vida.

 

[Imagem]

 

 

 

 

A realidade paralela dos sindicatos da Função Pública

por josé simões, em 03.11.19

 

 

 

Cidadãos que trabalham menos cinco horas semanais que outros cidadãos, sem contar com pontes e tolerâncias de ponto concedidas por tudo e por dá cá aquela palha, e que desde o primeiro dia até ao último se queixam de  ganhar mal, por causa da carga horária faltam ao trabalho para ganhar ainda menos. "Os dois sindicalistas avisam que é preciso olhar a "montante" para perceber o que causa as faltas dos funcionários públicos, alertando para as horas de trabalho já acumuladas ou para os baixos rendimentos". Dou de barato a minha estupidez, alguém que me faça um desenho, sff.

 

 

 

 

O Pai de Todos

por josé simões, em 14.06.19

 

praise.jpg

 

 

Os "funcionários públicos vão poder faltar para acompanhar [os] filhos no primeiro dia de escola":

 

     - Para que os infantes e as infantas aprendam o que é ser funcionário público;

     - Para que os infantes e as infantas saibam que os outros meninos e meninas não têm pai nem mãe.

 

 

 

 

"És liberal e não sabias"

por josé simões, em 12.06.19

 

Sem Título (7).jpg

 

 

Government employment (as % of total employment) in the EU

 

[Título]

 

 

 

 

Novimatemática

por josé simões, em 23.04.19

 

diario_noticias.jpg

 

 

Depois da "Novilíngua", e já na era do economês, as secções partidárias dos departamentos de agit-prop instalados nos jornais ditos "de referência" criaram agora a "Novimatemática", expandindo o universo orwelliano para o infinito e mais além.

 

Como é que [menos] -1462 + [menos] -1334 é = a [mais] +128?

 

 

 

 

Populismo

por josé simões, em 07.12.18

 

Edward Gorey.jpg

 

 

Os funcionários do Estado vão ter um salário mínimo de 635 euros mensais pago com o dinheiro dos impostos daqueles que no privado recebem como remuneração mínima oficial 600 euros por mês. Confusos? Depois "ai que vem aí o populismo".

 

[Imagem]

 

 

 

 

Haja alguém que trabalhe neste país

por josé simões, em 05.12.18

 

this_ends_here David Lyle (1).jpg

 

 

Uma das frentes de batalha do Governo da direita radical PSD/ CDS - Passos/ Portas nos anos da Troika, aberta e perdida, portugueses contra portugueses, o privado contra o público, dividir para reinar, arrisca agora triunfar nos anos da esquerda geringonça. Ele é as 35 horas de trabalho, ele é a recuperação das carreiras profissionais, ele é a progressões na carreira só porque sim, ele é a recuperação do tempo perdido por quem não viu a fábrica ou a empresa abrir falência, por quem não conheceu o desemprego e a emigração, por quem não teve salários em atraso, ele é merdices que não lembram nem ao diabo, como seja os funcionários públicos terem três horas livres no primeiro dia de aulas dos filhos, ele é o cuzinho lavado com água das malvas, é só já o que falta. Ele é o Governo da maioria parlamentar para a minoria do funcionalismo público, na sua realidade paralela. Entretanto vamos falando de populismos e esperando a inevitabilidade do regresso da direita ao poder e da vassourada definitiva na função pública e do desmantelamento da administração do Estado em favor de interesses privados mais ou menos obscuros. Life goes on.

 

[Imagem de David Lyle]