Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

DER TERRORIST

"Podem ainda não estar a ver as coisas à superficie, mas por baixo já está tudo a arder" - Y. B. Mangunwijaya, escritor indonésio, 16 de Julho de 1998.

Militância na normalização do fascismo

por josé simões, em 06.04.21

 

eduardo gageiro.jpg

 

 

O comissário marcelista para o Dia da Raça em Portalegre escreve hoje que "a velha direita tem de aprender a conviver com nova direita" contra o risco do país ficar nas mãos da esquerda até 2030. Ler: o PSD e o CDS, à imagem do que fizeram nos Açores, se quiserem alçar-se ao poder têm de perder a pouca vergonha que lhes resta e aliarem-se à "nova direita". O comissário marcelista para o Dia da Raça em Portalegre chama "nova  direita" à direita que foi apeada do poder faz dia 25 deste mês 47 anos. Não há memória. Não interesse que haja memória. E não há neste momento maior normalizador do fascismo em Portugal do que o comissário marcelista para o Dia da Raça em Portalegre. Militante, já merecia um lugar no Observador.

 

[Link na imagem]

 

 

 

 

O fascismo por ele próprio

por josé simões, em 29.03.21

 

Miguel_Primo_de_Rivera.jpg

 

 

O Chaga convocou uma manif junto ao Tribunal Constitucional como forma de pressionar os juízes, zeladores da Constituição da República, caso sejam chamados a pronunciar-se sobre a ilegalização do partido à luz do livro. Nos fascismos, onde não há separação de poderes, estas questões não se colocam porque os juízes decidem o que convém ao regime, num Estado de direito democrático este tipo de coacção é inaceitável e se calhar até devia pesar na balança de uma eventual pronunciação.

 

[Link na imagem]

 

 

 

 

Relatório e Contas. Resumo da Semana

por josé simões, em 27.02.21

 

Matt McCormick.jpg

 

 

[Link na imagem]

 

 

 

 

Normalidade democrática

por josé simões, em 18.01.21

 

 

 

O Ventas arranja dois ciganos, que afinal não eram ciganos e um até nem era português, para falarem mal dos ciganos e legitimarem a sua narrativa sobre os ciganos. Deu nas televisões todas, mesmo que agora venha o desmentido, o polígrafo, a desmontagem, está dito, está, está dito, é a pós-verdade.

 

O Ventas junta 170 pessoas num jantar comício, numa sala fechada, sem arejamento e sem distanciamento social, contra as normas da DGS e vale-se da Constituição, que quer destruir, que não permite que eventos de partidos políticos sejam proibidos. Durante o repasto a comunicação social, que andou este tempo todo com o Ventas ao colo, é vaiada e o carro de reportagem da RTP é vandalizado.

 

Depois da sobremesa e do digestivo os minions mais entusiastas cantam A Portuguesa de braço estendido, "Salazar está vivo nos nossos corações", perante o pânico dos zeladores de serviço "é pá, baixa lá o braço que a conta já está pagam escusas de chamar o garçon".

 

[As imagens são do telejornal da RTP 1 no programa Bom Dia Portugal]

 

 

 

 

O partido tubo de ensaio

por josé simões, em 11.11.20

 

mickey.jpg

 

 

Em 1974 conviviam alegremente com pides, legionários e restante bufaria, na bancada da Acção Nacional Popular no Parlamento fantoche do Estado Novo Marcelista. Passados seis meses estavam a assinar o Pacto MFA-Partidos pelo partido ensaiado por Sá Carneiro.

 

Em 2017 Pedro Passos Coelho ensaia a candidatura autárquica de André Ventura num subúrbio urbano da capital como barómetro para um movimento populista mais amplo a nível nacional.

 

Em 2020 Rui Rio alia-se nos Açores ao ex-camarada de partido, ensaiado por Pedro Passos Coelho em Loures, como forma de legitimar e maquilhar a extrema-direita que lhe pode ser útil em futuras eleições legislativas, em coligação ou com o apoio parlamentar do partido que acolhe skinheads, fascistas e nazis confessos.

 

 

 

 

O doutor Mengele

por josé simões, em 20.09.20

 

mengele.jpg

 

 

Do fascista PNR para o "andar por aí" Aliança até à "moção de estratégia global" na convenção do partido do ponto de exclamação, para onde migraram todos os fascistas do PNR depois do fracasso que foi o barriga de aluguer Santana Lopes contra Rui Rio, um tal de Rui Miguel Prata Ferro Roque propõe na Moção de Estratégia Global Para Portugal, Capítulo II, Saúde, ponto 1 - "Em relação à Interrupção Voluntária da Gravidez, vulgo aborto, propomos que todas as mulheres que abortem no Serviço Público de Saúde, por razões que não sejam de perigo imediato para a saúde, cujo bebé não apresente malformações ou tenham sido vítimas de violação, devem ser retirados os ovários, como forma de retirar ao Estado o dever de matar recorrentemente portugueses por nascer [...]".

 

[Imagem]

 

Adenda: quanto mais escreverem o nome do partido do ponto de exclamação e o nome do líder mais o algoritmo o mete cá em cima e lhe dá visibilidade e como ainda está para nascer um algoritmo mais inteligente que o ser humano por aqui optou-se por Chaga - com a, e Ventas.

 

 

 

 

Portugal dos macacos

por josé simões, em 14.08.20

 

1.jpg

 

 

Quando o tempo devia ser de unidade e resposta de todos os democratas ao racismo e aos novos fascistas, aparecem os donos da democracia, mestres do whataboutism, em português "entãosismo", copyright ao Rui Tavares, liberais e outros piadistas, copycats do The Peoples Cube que fazia as delícias do Tea Party que pariu Donald Trump e que no auge dos blogues teve cultores entre a direita radical que, pela mão do pantomineiro do pin, também conhecido por Passos Coelho, o que desconfinou os fascistas, havia de povoar ministérios e direcções-gerais como "técnicos" e "especialistas", com o "então e os Antifa?", "então e os mortos das FP 25?", "então e as Brigadas Revolucionárias?", "então e os SUV [Soldados Unidos Vencerão]?", "então e o Camilo?", "então e?.." como forma de desvalorizar as acções daqueles que dizem em público e em voz alta o que eles só se atrevem a pensar em privado.

 

Voltando ao início do post, quando o tempo devia ser de unidade e resposta de todos os democratas ao racismo e aos novos fascistas. De todos os democratas, e a ponto é este.

 

[Imagem "Racismo. PSP apresenta queixa-crime contra o jornal "Público" por causa de cartoon"]

 

 

 

 

Os minions do Ventas do Chaga

por josé simões, em 12.08.20

 

 

 

A gente olha para a lista e vê os nomes Beatriz Gomes Dias, Joacine Katar Moreira, Mamadou Ba e pensa, ok, os imbecis são racistas, olham, vêem um preto, e um preto tem de ir para África, mesmo que seja da enésima geração nascida em Portugal, é assim mesmo que funciona quem nasce com um neurónio, Deus quando distribuiu a inteligência pela humanidade esqueceu-se de alguns, calhou-lhes a eles, tadinhos, nacionalistas o que caralho isse signifique, ainda por cima quando os pretos que têm de ir para África, curiosamente o berço da humanidade, têm mais neurónios que os "verdadeiros portugueses", alguns com aspecto de marroquinos. Adiante. Depois a gente vê o nome Mariana Mortágua e pensa WTF?! a Marina é branca, mais branca que o Machado skinhead e sem o aspecto berbere do senhor cabeça rapada e tatuagens suásticas por que cargas de água há-de abandonar o país e pedir asilo em África ou noutro lado qualquer? E depois a gente lembra-se do trabalho de Mariana Mortágua enquanto deputada na denuncia de crimes financeiros e a evasão fiscal de que André Ventura se alimenta e que alimentam o Chaga e percebe esta lista.

 

[Imagem]

 

 

 

 

"OMO lava mais branco"

por josé simões, em 09.08.20

 

observador_.jpg

 

observador.jpg

 

 

No Observador, o online da direita radical.

 

 

 

 

Aulas de cidadania

por josé simões, em 22.07.20

 

joaninha.jpg

 

 

Os minions do Ventas do Chaga, mais alguns desiludidos do CDS à espera do descalabro eleitoral do Chicão para se assumirem de vez, que enxameiam o Facebook com teorias da conspiração, a maçonaria e o esquerdismo que querem dominar o mundo, o "marxismo cultural", upgrade do "bolchevismo mundial" e do "judaísmo internacional" na Alemanha dos anos 30 do séc. XX, e que agora começam a mudar-se de armas e bagagens para a coisa mais parecida que há com o hospício de Twelve Monkeys, o Parler, também conhecido por Fachobook, a pretexto da censura e da liberdade de expressão, saudosos do 24 de Abril, da lei e da ordem, cada macaco no seu galho, manda quem pode e obedece quem deve, o respeitinho é muito bonito, hordas de imbecis com "no tempo do Salazar é que era bom" mas que quando lhes tentam cortar o discurso do ódio, do racismo e xenofobia, desatam aos berros que "não senhor, não pode ser", que "querem que voltemos aos tempos do Salazar", que o Facebook é o Foiceburka, constantemente a linkarem artigos de opinião escritos no hospital de Voando Sobre um Ninho de Cucos ou na roda dos alucinados na prisão do Expresso da Meia Noite, onde Brad Davis foi andar em contra-mão e por isso expulso e apodado de comunista, publicados no Observador, o online da direita dita culta e inteligente, que não ousa pensar em privado o que a eles lhes é permitido dizerem em público e em voz alta, a tropa de choque que propicia na rua o ambiente para o Estado securitário e para o terrorismo de Estado quando a direita dita democrática chega ao poder, argumentam, uns e outros, com a liberdade de escolha e a objecção de consciência para as faltas dadas, e consequente chumbo de ano, na disciplina de Cidadania e Desenvolvimento - o quadro de honra vem à colação só para desviar atenções. Voltando ao início, os minions do Ventas do Chaga mais os Chicões desiludidos e órfãos, saudosos do Salazar e da Joaninha no Livro da 3.ª Classe contra a doutrinação pelo Estado e pelo "bolchevismo mundial" e o "judaísmo internacional" marxismo-cultural. E isto não é para rir, é que estes alucinados começam a sair da abstenção e a votar.

 

[Imagens]

 

 

 

 

O mentiroso profissional

por josé simões, em 22.06.20

 

Dana Wyse.jpg

 

 

"André Ventura, que defendia a exclusividade da função parlamentar, trabalha para a influente consultora fiscal Finpartner. Ao mesmo tempo é deputado e integra a Comissão de Orçamento e Finanças. Assim, recolhe no Parlamento informação privilegiada sobre questões fiscais, de máximo interesse para os clientes da Finpartner, que presta assessoria em questões… fiscais".

 

André Ventura, que defendia a redução do número de deputados porque os que lá estão são demais e além disso, segundo ele, faltam e não fazem nada, integra a  Comissão de Orçamento e Finanças que reuniu 39 vezes a que André Ventura faltou 25, integra a Comissão de Saúde que teve 21 reuniões com André Ventura a faltar a 17, e integra a Comissão de Assuntos Constitucionais que reuniu 30 vezes com 12 faltas de André Ventura. No total são 90 reuniões e 54 faltas, 60%. No tempo da Lei e Ordem do 24 de Abril, que tantas saudades inspira, André Ventura tinha chumbado o ano por faltas.

 

André Ventura, que sabe perfeitamente que 50% + 1 inviabilizam uma segunda volta nas presidenciais, para mobilizar o fraco eleitorado faz-se de burro com uma sondagem que lhe dá 7,2%, atrás dos 69,6% de Marcelo de Sousa, não percebendo o ridículo que é ser o único candidato publica e assumidamente declarado e estar nas intenções de voto umas décimas à frente de candidatos que oficialmente não existem.

 

André Ventura, depois de considerar uma "vergonha nacional" as manifestações da esquerda em tempos de Covid19, lança um apelo às hordas para não o deixarem caminhar sozinho na alegada manif anti-racista que convocou para 27 de Junho e recebe o apoio de cadastrado racista e neo-nazi Mário Machado, "Finalmente!".

 

André Ventura é um mentiroso profissional e um perigo para a democracia.

 

[Imagem]

 

 

 

 

As coisas como elas são

por josé simões, em 21.06.20

 

o grande ditador.JPG

 

 

O grande mérito de Passos Coelho, há que reconhece-lo, à boleia da troika, durante os anos da troika, foi desconfinar os fascistas, disfarçados de liberais, neo-liberais, Estado a mais, menos Estado, aliviar o peso do Estado na economia, as gorduras do Estado, fazer mais com menos, o mesmo receituário do Tea Party nos States e que havia de desaguar em Trump e no triunfo da imbecilidade. Ensaiado André Ventura como candidato autárquico num subúrbio urbano da capital, seguiu o seu caminho ascendente e o CDS, reduzido à sua insignificância, perdeu para o Chega os fascistas que albergava, envergonhados, malgrado o 25 de Novembro de 1975. É melhor assim, estão todos às claras, sabemos ao que vão, sabemos ao que vamos.

 

[Imagem]

 

 

 

 

"Europa aos europeus" e Portugal aos imbecis

por josé simões, em 12.06.20

 

 

 

O Centro de Acolhimento para Refugiados (CAR) da Bobadela, concelho de Loures, foi vandalizado com palavras de ordem de "Europa aos europeus", "Morte aos Refugiados", "Árabes e Pretos Fora!".

 

"Árabes e Pretos fora!", assim de repente e abaixo de Coimbra, levávamos logo um rombo de 5 milhões de habitantes na população portuguesa; o "Europa aos europeus" é tão somente a falta de educação, a falta de escola, a falta de cultura e o "Portugal aos imbecis".

 

[Gráfico]

 

 

 

 

Ninguém inventa nada

por josé simões, em 13.05.20

 

Salazar - Lucia -13 - Maio - 1967.jpg

 

 

A 13 de Maio de 1917 Portugal mudou para sempre. Fomos escolhidos! Também eu senti esta mudança profunda num 13 de Maio da minha vida. Hoje sinto, sei, que de alguma forma a minha missão política está profundamente ligada a Fátima. É este, talvez, o meu grande Segredo.

O Ventas do Chaga no Twitter

 

"O Salazar é a pessoa por Ele (Deus) escolhida para continuar a governar a nossa Pátria, …a ele é que será concedida a luz e graça para conduzir o nosso povo pelos caminhos da paz e da prosperidade.
É preciso fazer compreender ao povo que as privações e sofrimentos dos últimos anos não foram efeito de falta alguma de Salazar, mas sim provas que Deus nos enviou pelos nossos pecados. Já o bom Deus ao prometer a graça da paz à nossa nação nos anunciou vários sofrimentos, pela razão de que nós éramos também culpados. E na verdade bem pouco nos pediu, se olhamos para as tribulações e angústias dos outros povos.
Depois é preciso dizer a Salazar que os víveres necessários ao sustento do povo não devem continuar a apodrecer nos celeiros, mas serem-lhe distribuídos."

 

 

 

 

Noções elementares de como legitimar um fascista

por josé simões, em 30.01.20

 

they live.jpg

 

 

O Iniciativa Liberal, cujo programa económico e social é igualzinho ao do Chega, se calhar até nas virgulas: acabar com a escola pública, acabar com o Serviço Nacional de Saúde, entregar a Segurança Social - pensões e reformas, a fundos privados, e que foi levado a cabo, com o "sucesso" que se conhece, pelos rapazes de Chicago no Chile do golpista-fascista Pinochet, introduz a "liberdade de expressão" na tomada de posição sobre o "vai para a tua terra" com que André Ventura despachou uma deputada eleita pelos cidadãos em eleições livres e democráticas.

Não se percebe bem a que propósito a "liberdade de expressão" aparece, aqui e neste contexto, ou se calhar até se percebe. Se a liberdade da deputada Joacine propor a devolução das obras de arte retiradas às ex colónias, retiradas, não compradas ou doadas, como, por exemplo, o Metropolitan Museum of Art de Nova York fez ao Egipto com as peças retiradas da tumba de Tutankhamon, ou como o Museu de Atlanta, também nos States, com a múmia de Ramsés I, nós, que passamos a vida a lastimar-nos do saque cultural e científico sofrido durantes as invasões francesas, se a liberdade de André Ventura mandar quem quiser para a terra que lhe der na real gana, tudo a brincar, pois claro e sem emoji, até ao dia em que uma maioria lhe permita fazer uma lei a sério, para depois andarmos todos a ganir, liberais incluídos, o poema do Martin Niemöller "Quando os nazis vieram buscar os comunistas, eu fiquei em silêncio; eu não era comunista" e o caralho.

 

[They Live na imagem]