Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

DER TERRORIST

"Podem ainda não estar a ver as coisas à superficie, mas por baixo já está tudo a arder" - Y. B. Mangunwijaya, escritor indonésio, 16 de Julho de 1998.

||| "Se um desconhecido lhe oferecer flores isso é impulse"

por josé simões, em 25.09.14

 

Não está longe o dia em que Miguel Relvas vem passar um atestado de idoneidade a Pedro Passos Coelho. Quando pensávamos que já tínhamos visto de tudo:

 

«A Tecnoforma dá na sexta-feira uma conferência de imprensa, "através de representante legal", para "prestar esclarecimentos" em "hora e local a designar" sobre as notícias recentes acerca da ligação do primeiro-ministro, Pedro Passos Coelho, à empresa.»

 

[Imagem]

 

 

 

 

 

||| O Verdadeiro Artista

por josé simões, em 25.09.14

 

 

 

"Aquilo que o senhor primeiro-ministro fez foi requerer esse esclarecimento para o órgão competente"

 

Uma vez que anda falho de memória e que o dinheiro é mato, o senhor primeiro-ministro pediu à Procuradoria-Geral da República para esclarecer se o cidadão Pedro Passos Coelho enquanto deputado recebeu ou não cinco mil euros mensais de uma empresa privada durante três anos. Se por artes mágicas ou dons de adivinhação da Procuradoria-geral da República o caso der positivo, que recebeu sim senhor, e que tenha sido em cash e pela porta do cavalo, os cinco mil euros mensais recebidos durante três anos pelo cidadão Pedro Passos Coelho enquanto deputado são do foro privado do senhor primeiro-ministro à semelhança da casa de férias na Manta Rota?

 

[Imagem]

 

 

 

 

 

||| Twilight zone

por josé simões, em 24.09.14

 

 

 

"liderança firme e honesta de Pedro Passos Coelho"

 

Não têm a noção das coisas, falam em circuito fechado, vivem numa dimensão paralela, fazem este teatro de sombras, esgrimem espadas de pau e são os heróis da bancada, esquecem-se de que na hora do telejornal, que é a hora do jantar, que é a hora antes da telenovela ou do reality show, que é a hora em que todas as pessoas estão com todas as televisões ligadas e estão todas a ver e a ouvir as tristes figuras e mesmo aquelas pessoas que não ligam a ponta de um corno à política estão a ver e a ouvir e a fazer um juízo de valores, "olha-me este gajo que não tem a puta da vergonha na cara e ainda vem para aqui gozar com a cara dos outros".

 

[Danny Kaye na imagem, de quem Luís Montenegro é sósia, mas que tinha infinitamente mais piada e era muito mais honesto]

 

 

 

 

 

 

||| De uma coisa podem ter a certeza

por josé simões, em 24.09.14

 

 

 

Quando daqui por 20 anos perguntarem a um actual remunerado pelo valor do salário mínimo nacional quanto é que ganhava por mês no ano da graça de 2014 vai responder prontamente, sem gaguejar e com 505 euros na ponta da língua, seja ele porteiro ou operário especializado, em regime de exclusividade na empresa ou a fazer uns biscates extra horário de trabalho para poder oferecer uma prenda às filhas no Natal.

 

[Imagem]

 

 

 

 

 

 

||| Ground zero

por josé simões, em 23.09.14

 

 

 

Não lhes bastava a destruição do Estado e o desmantelamento do Estado social, não lhes bastava o arrasar da imagem da Justiça aos olhos do povo, não lhes bastava a destruição da Segurança Social, não lhes bastava a mutação das Finanças de ministério ao serviço do contribuinte em executor de penhoras ao serviço de entidades privadas,  não lhes bastava a destruição da instituição Presidência da República, ainda tiveram de arrastar para a lama e de destruir a imagem da casa da democracia, a Assembleia da República.

 

Para memória futura, o nome e os cargos: secretário-geral do Parlamento, Albino de Azevedo Soares, ex-secretário de Estado de um Governo do PSD.

 

[Imagem]

 

 

 

 

 

 

||| Um mentiroso compulsivo

por josé simões, em 23.09.14

 

 

 

||| Dinheiro é mato

por josé simões, em 22.09.14

 

 

 

Não se lembra. Cinco mil euros mensais entre 1995 e 1998, como 'porteiro'. Não se lembra. Em 2014 Marinho e Pinto vem dizer que 4 800 euros não dão para viver razoavelmente em Lisboa, como deputado. A inflacção. Quase 20 anos antes e não se lembra. Vivia em Massamá. Cinco mil euros mensais como 'porteiro', extra parlamento. No país do salário médio a rondar os 980 euros e o mínimo a não bater os 500. Não se lembra. O custo de vida aumenta, o povo não aguenta. E o remanescente não ia para o partido que PPD não é PCP. Não se lembra. O 'porteiro'. No 'condomínio' entravam e saíam muitas caras. Ninguém é obrigado a ter memória de polícia político. Não se lembra. A vida custa a todos.

 

«Assembleia da República garante que Passos Coelho não tinha regime de exclusividade entre 1995 e 1999»

 

[Imagem]